terça-feira, 29 de novembro de 2016

Reminiscência da infância

Ah! os anos, o tempo vivido.
Pigarro seco.
A luz da manhã atravessando as frestas da porta.
A lenha ardendo em brasa cozendo o feijão,
ma última boca do fogão de lenha um alguidá de leite.
Vovó caminha a passos lentos, quase se arrasta para dar conta da manhã,
A pouca água trazida nas ancoretas são usadas para lavar os pratos da janta.
Vovó  levanta, passa a mão na cara,
Alisa o cavanhaque alvo, pega o óculos e põe no rosto.
Levanta com sacrifício e vai até a sala do meio onde a porta já está aberta.
Vovó traz o café preto e uma tapioca na manteiga.
Chegamos cedinho e mamãe ajuda vovó.
Para mim que era novo aquilo era uma prisão ociosa,
Não entendia de envelhecer,
Mas mamãe entendia tudo me levava junto.
Bom e a manhã passava.
Ouvia as conversas e não entendia nada ou não me interessava.
Via aquelas pessoas que ali apareciam,
E tudo parecia sem magia, eterno.
Não tinha consciência de nada, além daquilo que queria, ou imaginava ser o certo...
E conservava o silêncio, a falta do que falar que ainda levo quando não vejo sentido nas coisas.
A  manhã passava... e nem imaginava que a minha vida também passava.

Passagem

É verão,
Sol, calor, luz...
Não temos a lucidez do dia,
Não temos a lucidez da idade.
É nítido o envelhecimento do corpo,
Mas a alma.
O que acontece com a alma
Que vive angustiada?
Olho através da janela, o tempo.
E me perco em pensamento.
Se tenho tanta certeza,
Porque não me provoca a consciência?

Amanhã quem sabe,
Amanhã talvez...

E essa maldita acrasia.

Acho que sou árvore em verão,
perdendo folhas, ramos para poder florescer no inverno.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Divina nitidez

Nitidez que há no mundo,
Elucida minha mente,
Tornai-me consciente,
Para não viver em sono profundo,
Para não atravessar a vida a toa,
Para que possa viver numa boa,
Como posso expandir o meu pensar?
Como posso encontrar meu caminho nesse labirinto que é o viver.
Nitidez divina.

domingo, 27 de novembro de 2016

Perda de tempo

Amanhã que virá?
Sei lá!
E hoje...
Bem, acho que posso decidir,
Mas apenas o agora e não depende muito de mim.
Acho que depende de meu estado.



Quantas vezes não consigo pensar do que fazer com minhas possibilidades
E só quando as perco é que fica nítido a quantidade de coisas que poderia fazer.

Ah... A felicidade está em fazer da vida mesmo simples uma obra de arte como dizia Nietzsche.

Mas...

Os anos se passam.

E ficamos felizes com pitadas de alegria,
Antes isso que a dor.

A existência é algo tão surpreendente e ao mesmo tempo complexo... Sabe lá.

Acho é perca de tempo pensar.

sábado, 26 de novembro de 2016

o certo

Existe uma definição para vida? E para viver?
Devem existir infinitas, bilhões.
Creio que essa definição é subjetiva.
Nós apreendemos o mundo de maneiras muito peculiares.
As vezes essa jornada se apresenta enrustida de loucura.
Muitas vezes tenho a mais pura certeza.
Amanhã nada mais será.

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Descanso

Calor,
Madrugada clara,
Luz...
Estiagem,
Árvores floridas,
Xanana florida,
E a gente fica agoniado
Com o clima, com o tempo,
Com o fim do ano,
Com um suposto fim...
Os fins parecem sempre trágicos.

E o que fazer para amenizar....
Descansar.

Sabe lá.

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Indefinição

Estamos a deriva?

Desde muito cedo aprendemos que a vida tem um fim.
Aprendemos na comodidade a acreditar que as coisas são certas ou erradas,
e tudo por observação ou experiência subjetiva... Muitas vezes damos muito peso a nossa maneira de entender o mundo.
Esse método pode ser errado não?
Dependendo do tempo e do lugar...
Como posso pensar correto vivendo num ambiente tão peculiar, de certo há algo errado em mim ou no mundo?

O que funciona hoje pode deixar de funcionar amanhã.

E por que não nos frustrarmos com a vida?

Não vivemos de certa maneira a deriva em busca de um porto,
Quando o encontraremos e será se o encontraremos...

No decurso e no alto de minha vida começo a me tornar cético.

E as filosofias, e as literaturas, e a vida não me deixam voltar a trás...

Não queria ser Schopeauriano, mas...

Embora tenha um pouco de Sarteanismo ou Marxismo.

Indefinição... indefinição.

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Breve instante

Esperar pelo amanhã é uma ilusão,
Uma esperança um norte.
Viver sem sentido é uma prisão.
Gastamos tanto tempo tentando ser alguém que almejamos,
E quando somos, desiludimos...
Esperamos pelo amanhã...
Nos cansamos do cotidiano,
O interessante é que mesmo sabendo que tudo logo passará.
Ainda sim apostamos.
Cada um descobre o que melhor lhes serve.
A vida é essa eterna descoberta,
Muitas vezes as pessoas passam a vida
E não tem consciência da vida,
Passam...

Lembrança

O calor do verão me fez lembrar das cigarras de Campinas que neste período cantavam deste o fim da tarde até a noite. Nossa aquele calor, e aquele barulho tiravam a calma de um yoke.
O que amenizava mais era o canto do sabiá e o perfume da magnolia do vizinho da frente.

Bem está

O calor do verão,
Sol intenso,
Noites estreladas,
A sensação de solidão,
Metas, datas, prazos...
Um resfriado,
Filme, série...
Instagran, facebook,
E o tempo se arrasta.
Um poema,
Carmal,
Ruben Alves...

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Parcimonia

A gente não pensa no tempo,
Todavia ele está ai,
Mas existir é perceber o tempo que constitui a vida.
As vezes caímos em profundo niilismo.
E quando tarda o tempo em nossas vidas,
Quando passamos para a idade adulta,
É chegada a hora de pensar na realidade,
Não sabemos quanto tempo nos resta,
Nem percebemos isso, mas um dia chega...
E, qual a melhor maneira de se viver?
Tem gente que não pode se dar ao luxo,
Outros tem ociosidade em abundância...
Qual é a melhor medida para viver?

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Ontologia

Uma ideia,
Ser,
Consciência,
Tempo,
Espaço,
Não sabemos a direção,
Nem quando,
Nem como,
Mas as coisas podem acontecer a todo instante.

O vento sopra num sentido, mas as vezes aleatório,
O sol nasce sempre após a noite...
Que noções temos da vida e do viver?
Talvez quando aprendamos a consciência seja tarde,
Quem sabe essa não é a melhor maneira de viver.

Hoje a aurora estava tão linda.

Tudo foi perfeito...
Amanhã... Sabe lá.

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Assim seja

E quanto a tarde cai,
Depois de uma linda manhã veio a tarde magnifica que também passou.

Nada nos pertence,
O tempo doce quimera,
E a gente,
Nós esperançosos,
As vezes loucos,
Ansiosos...
Assim somos.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Persona

Tudo que nasce um dia morre.
Todo que é novo envelhece.
O tempo é o espaço entre esses dois pontos...
Não sabemos exatamente que ponto é o momento final, ainda bem.
Pensar sobre isso é perca de tempo ou não.
Nesse espaço ocupamos um espaço material,
Mas não estamos possivelmente fisicamente presos a nada,
Ou algo nos prende?
Nossa forma de viver... como aprendemos a ser.
Podemos ser diferentes?

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Verão

Primavera?
Onde?
Aqui é verão...
O sol nasce as 5h e se põe as 17:30h.
Temos luz de dia as 4:30...
Viçosas cantam as aves,
Algumas árvores florescem,
Outras apenas enudecem...
Não temos primavera aqui,
Temos sim um largo e quente verão...
Aqui se passa mais um,
Não é mais um, mas sim o verão...
Onde hibernamos de indisposição e queremos... cama, cama, cama.