segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Fogo

Muita luz,
Aurora se faz antes das cinco,
O primeiro crepúsculo revela o mundo,
Feito brazeiro rubro que se faz luz,

E o tempo infinito dos diversos ontens,
Ontem velho empoeirado, com teias de aranha,
Ontem jovem de inverno, transparente...
O cheiro e o gosto do tempo...

Esse louco invento humano,

As coisas que parecem envelhecer
Ou não seria nossa percepção,

Agora  mesmo abre em minha memória o sertão
Sertão das vertentes que com suas terras macias
Animavam meu avó que dorme na eternidade por mais de 20 anos...

E essas memórias como brasa de angico que não se apaga ainda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário