sexta-feira, 29 de julho de 2016

Desabrochar

O mundo torna-se mais lindo quando uma flor desabrocha,
O mar fica mais doce a cada pingo de chuva chovido,
O coração pula de emoção a um olhar correspondido,
Em um um segundo tudo pode mudar,
A vida é concebida
E o mundo em flor desabrocha mais belo.

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Molhando a tarde

A chuva fria cai molhando toda a tarde,
E canta, canta suave, acompanhada pelas aves,
Chuva intermitente,
Vai contando o tempo da tarde,
Oculto o sol nem deu as caras
De longe essa luz que as nuvens ocultam
Se desfaz em tarde...
Então, vamos ouvir Liszt...

quarta-feira, 27 de julho de 2016

O pensar

A beleza do pensar,
Descobre-se pensando,
Descobrir o que pensar,
Faz-se imaginando,
Uma frase,
Uma forma,
Um fenômeno,
O mundo vai elucidando,
Hoje, amanhã, ontem,
Em qualquer direção
O mundo vai se revelando,
E um sujeito se gestando.

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Experiência

Encontrar-se
A cada dia que se vive,
Descobre-se uma particularidade nova do mundo,
Faces que estão imbricadas nas pessoas,
Nas faces e nas memórias,
Esse desvelar revela muito sobre quem somos,
Revela muito sobre peculiaridades nossas,
Esse contato com o mundo,
Com as coisas,
Situações
Só nos ensinam,
Porque viver é aprender.

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Renovar

No mundo há belezas inefáveis a um leigo contemplador, como sou.
A beleza é.
Independente de tudo.
Ela está  por ai aos olhos de quem procura,
Aos olhos de quem conhece...
E muitas vezes precisa ser revelada...
Algumas pessoas tem essa extensão do corpo, porque não da alma.
Somos tomados ao ouvir Aria (Bach),
Mesmo desconhecendo tudo sobre músicas, notas, instrumentos, todavia somos tomados de uma catarse estética.
Ou não há quem se impressione com uma um quadro de Gogh, noite estrelada, por exemplo.

Somos além da cultura, muito além...
A beleza nos arrebata simplesmente.
Certamente tratam-se de pessoas poéticas...
Doce como Cora Coralina...
Ou como avós que aprenderam a cultivar flores
Só para serem cercadas de beleza...
Ou para não se afogarem na solidão,
Ou não veem porque percebem a beleza e o encanto que há em viver
Que constitui a vida...

Lá fora o sol brilha intenso,
Viridescentes as folhas dançam com o vento,
E a tarde se vai
Com o tempo,
Levando a nossa vida,
E a gente a todo instante se renovando.

terça-feira, 19 de julho de 2016

Aurora

A aurora que surge encarnada,
Escarlate feito brasa,
Uma fogueira consumida,
Revelando vida na brisa que passa
E atiça aquilo que resta do que era matéria,
E foi consumida, e foi embrasada,
Aurora, da vida sacrificada
O sangue quente que esfria e coalha e talha
E desaparece como o calor que esfria
E leva o suspiro de vida
Que leva o calor da brasa
E é cinza,
E já não é mais...
Aurora abstrata,
Crepúsculo primeiro,
Anunciada pelo canto do galo,
E aqui nos trópicos,
Aqui no nordeste,
Aqui onde o sol nasce primeiro,
Cantam alto bem-ti-vis...
Aurora encontro em ti profunda intimidade,
Sedes fontes de reflexão,
Em Minas música da terra,
Em São Paulo superlotação, movimento,
Em Brasília um braseiro frio e silencioso,
Mulheres vendendo café,
E no sertão resta o forró pé de serra...
Agora...
Cabe uma reflexão
Como percebes o aurora?

segunda-feira, 18 de julho de 2016

O que?

A prata é prata?
A folha é verde?
O sol é amarelo?
A terra é azul?
O que posso apreender do mundo?

Início ou fim?

Enquanto o instante se desfaz,
O que é deixa de ser,
Seguindo o mesmo sentido,
O tempo e o espaço
Esses conhecimentos a priori,
Essa metafísica do ser.
Esse eterno-devir.
A natureza Heideggeriana...
A construção ou a apreensão de um sentido,
A vida...
O instante que se desvela.
O ponto final.

domingo, 17 de julho de 2016

Crença

Sob esse céu,
Sobre esse chão,
Há homens que valem atenção,
Homens de boa índole,
Homens sem má fé,
Que trabalha
Que vive sob sua fé.

Há um lar?
Há um lugar?
Onde podemos encontrar?
Seu lar é seu coração,
Seu lugar é sua inteligência,
Está em todo lugar.

sábado, 16 de julho de 2016

Convicção

O tempo,
O espaço,
O ser,
A vida e sua teia,
Uma direção a seguir,
Um objetivo a atingir,
Uma meta reta.

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Tarde dourada

A tarde partia agradável e dourada,
Sentia-me profundamente feliz,
Não me lembro qual era o dia da semana,
Mas me sentia profundamente feliz,
Algo estava para mudar em minha vida,
Algo, sempre está para ser mudado em nossas vidas.
Todavia naquela tarde era diferente,
A mudança iminente,
Encontrava-me na biblioteca central da Unicamp,
Naquele momento, era um total desconhecido as pessoas que ali interagiam, conviviam,
Todavia, num tempo não tão distante, aquela seria minha segunda moradia,
E aquelas tardes seria só minhas...
Todavia havia dúvidas se daria certo ou não... Havia angustia neste fato.
Nem sabia que estaria vivendo meus últimos dias na capital comercial do pais.
O ano era 2007, o mês outubro ou novembro. Não recordo...
Bom, esperava meu amigo, ansioso para contar sobre a prova.
Nem estava refletindo que aquela tarde estaria selando minha terceira grande mudança na vida.
Vindo do centro do meu mundo, Serrinha para Natal, em seguida para São Paulo e ali chegaria a Campinas...
Um sonho nunca imaginado.
Meu amigo chegou, então fomos embora, escureceu...
No dia seguinte voltei para São Paulo, mas tinha deixado ali uma prova respondida que me permitiria Viver uma de minhas maiores realizações na vida "fazer um doutorado em Biologia Vegetal".
Hoje vendo de fora, sei que se tratou de uma de minhas melhores fases de minha vida,
Veio depois Brasília e aqui estou em João Pessoa!
Até quando?
Não sei...
Sei que tenho milhares de memórias, de pessoas que vivi, que brinquei e que ensinei e com elas aprendi a ser quem sou.
E o processo continua,
Apenas imersa em outra paisagem com o mesmo sol dourado. 

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Essência?

E se vai o meu tempo
Nesse esforço de entender o mundo,
Entender a mundanidade,
De entender o meu entorno,
Consumo meu tempo nesse tremendo esforço,
Agora entendo que a essência da vida talvez seja isso,
Está intrincado ao ser essa busca,
O domínio é transcendente,
Bem até  lá será intenso e profundo meu processo de subjetivação,
Será proficuo!
Se o ato de compreender for realmente uma essência,

O ato de metaforizar...

Estou comprometido com a vida,
Até o dia que ainda tenha sentido,
Se perder o sentido,
Como não faz sentido o ciciar dos grilos,
Ai...
Será o fim

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Meta-física

Essa busca incessante,
Essa convicção atenuante,
Esse querer ser,
Essa condição humana,
Toda a subjetividade,
No vermelho da rosa,
No escarlate do sangue,
No traço de Gogh,
Na pena de Borges,
É assim que o mundo se revela,
Essa dialética
Objetiva e subjetiva,
Ou intuição.

sábado, 9 de julho de 2016

Pensamento

A noite escura, silenciosa e quente 
É o momento perfeito para a reflexão.
Refletir sobre a existência e nossos atos.
O que e quem somos.
A soma de tudo isso pode ser projeção sobre o que seremos.
Noite após noite...
É preciso ter em mente que esse "seremos"
É algo finito, semelhante a parafina de uma vela
Que constantemente está sendo consumida pelo fogo,
Enquanto consumida é luz,
Todavia quanto mais brilho mais alto é o auto-consumo.
A vida é limitada em diversos sentidos e formas...
Só percebemos o escuro e o silêncio quando estamos sós.
Nesse sentido a solidão é importante para nos definirmos como seres.
Fisicamente o escuro, silêncio e calor são solucionados através da eletricidade,
Todavia... Não nos tornamos ociosos, pelo contrário criamos mais necessidades
Que nos impede de refletir.
Se dobrar e nos compreender melhor como seres.

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Tamizar

Não seria capaz de descrever a beleza de uma sinfonia de Mozart
Ou a harmonia entre as cores de uma tela de Gogh
Ou uma poesia de Pessoa
Ou um conto de Borges
Ou ainda algo mais lindo que a obra botânica de Bentham,
Ou a sagacidade de Marx,
Ou a inteligência de Sartre.
Não, não seria mesmo.
Apenas contemplo e muitas vezes aprendi através do olhar do outro,
Algumas coisas simplesmente arrebatam como Gogh,
Outras necessitam serem subjetivadas...
Quem sabe para serem objetivadas.
Quem sabe.
Todavia objetivar o mundo é tão maravilhoso
Que tento fazer através da fotografia ou ofertando o que subjetivei...
Ah... se me compreendesses...
Se nem eu mesmo aprendi completamente a me compreender,
Como qualquer outro humano sou encantado com o belo seja eles em qualquer uma das vertentes humanas.

quarta-feira, 6 de julho de 2016

A beleza das palavras

O mundo se torna mais interessante quando conseguimos compreendê-lo.
Essa compreensão se dar de maneiras muito diversas. Muitas vezes depende da perspectiva como se quer compreender. Especificamente no meu caso, além das experimentações dos sentidos, foram as palavras que me arrebataram completamente. Mesmo desconhecendo seu significado fui atraído pela sonoridade, pela organização das letras... ou talvez não foi nada disso.
O que sempre me fascinou foi saber o que significa uma palavra e na maior parte das vezes o significado está associado a sua origem. Imaginemos que através das várias línguas no mundo há palavras para todas as coisas, objetos, estruturas, situações, meios... Absolutamente tudo pode ser verbalizado, no entanto precisamos do domínio de tantas línguas para podermos sorrir maravilhados.
A mim me fazem feliz o grego e o latim, principalmente o latim língua mãe do português... E como nosso português tá mais para brasileiro mesmo temos ainda lindas palavras de origem tupi, africanas... e tantas outras que desconheço, até mesmo o inglês. E cada dia me surpreendo com as palavras que encontro muitas vezes peneiradas em textos que muitas vezes não compreendo tudo, mas filtro ao menos palavras que dão significado a minha vida. Posso verbalizar... pessoas criaram-na e poderei reproduzi-las para explicar o mundo ou melhor entendê-lo.
Hoje entrei em êxtase ao compreender a palavra Cephalotes. Essa palavra trata-se de um gênero de formiga que tem a cabeça achatada e numa espécie, plana e orbicular. a formiga usa a cabeça para tampar o ninho e as operárias só conseguem entrar se tocarem na cabeça da maneira e frequência correta como se fosse o tímpano. Que genial essa palavra grega Cephalo=cabeça e otes=ouvido ou seja cabeça com função de ouvido.
Passei o dia imaginado como foi genial esse biólogo que descreveu esse gênero.

Indiferença

A manhã que caiu suave,
Os pássaros que despertam antes do sol,
Bem-te-vi, bem-ti-vi...
Sanhaçus e saíras
Que se ouve e não se ver,
Elo intimo da mata altântica que se vai,
Se desfaz em lotes, casas e condomínios,
Agora é prédio e mar,
Restam as saíras.
E a manhã se passa indiferente

ser

A vida vai nos delineando,
Hoje uma palavra,
Amanhã uma situação,
Ontem uma memória,
Agora uma impressão,
Que se prende e sustenta,
E percorrerá o tempo,
A minha breve existência.

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Alimento

As palavras e os seus encantos,
Em cada canto há coisas,
Que podem serem verbalizadas
Através de palavras,
Seja em português, mandarim ou alemão.
Quem dera conhecesse todas as palavras,
O  mundo viraria um nada,
A poesia comida de cada dia.

São João

São João,
Bomba, traque, estouro.
Fogo, fogueira, bolo, milho assado,
Gente conversando,
Rememorando,
Papai acendeu a fogueira enquanto a gente
Ria e conversávamos,
Sentado na cadeira de balanço,
O mundo pode até acabar.
Bombas bombando,
Risos.
Até consumir toda a lenha,
Até consumir todo o tempo,
Ano que vem tem mais.

Razão

A vida é um eterno desvelar,
A cada instante que se passa ela se revela,
A cada momento que se revela é,
Esse momento em que a consciência se faz consciente,
Memórias, fatos, a luz qualhada da manhã,
O passado e o presente.
O ponto final de cada frase
Que aponta aquilo que quero expressar.