quarta-feira, 29 de junho de 2016

Acordar

Sobre seixos e poeira
Se debruçaram os pingos da chuva
E o solo hidratou
Fez transformação no sertão,
As sementes germinaram,
Os pássaros cantaram,
As gemas brotaram,
E o que era cinza
Foi tomado de cores e
Das plantas formas floríferas floresceram...
E a vida acordou da hibernação.

terça-feira, 28 de junho de 2016

Peculiar

A beleza do mundo,
A beleza da vida,
Visão, audição, alfação,
O mundo sendo revelado,
Tudo a mim desvelado,
Intento e compreensão,
O mundo, esse meu mundo,
Mundo muito peculiar,
Onde aprendi a olhar,
E a entender sua lógica,
Meu logos...
E o compreender, se desfecha em universal.

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Caatinga

Entre seixos e solo seco,
Lajedos e mato fechado,
Ramos intricados e armados,
O sol a pino,
Entre o criso do mato secando,
E o cinza do mato seco,
O escarlate escorrendo dos rasgos dos espinhos,
O  brilho da roseta do chique-chique,
Que lindo é o meu sertão,
O silêncio do meio dia,
O eco da coruja na noite estrelada e fria,
Na cantarolada da passarada ao amanhecer,
Cabeça vermelho,
Ciririca,
Golinha,
Andorinha
E rolinha,
Insetos mil,
Besouros,
Barbeiros,
Percebejos,
Lava-cu,
E o silêncio hirbernante do cururu...
Caatinga minha digital.

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Air de Bach

Poucas coisas humanas perfeição semelhante aquela encontrada na natureza.
A música é uma dessas poucas músicas e Bach foi um dos maiores compositores que aqui respirou.
São tantas suas obras e dentre elas algumas me cativam mais. Tenho certeza que a Air de Bach é uma das obras mais lindas que conheço. Aquele momento que ao ouvir penso na existência, na cortina do tempo...
Ao certo acho que a primeira vez que ouvi foi quando ainda morava em Serrinha. Desde então ouço
E contemplo uma obra perfeita humana.

https://www.youtube.com/watch?v=rrVDATvUitA

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Intermitente

Hoje incrível optei pelo silêncio.
Sempre ouço algo, uma música ou uma palestra...
Todavia hoje quis o silêncio orgânico.
Só o vazio do apartamento...
Quis ouvir o som do mundo, além do ronco dos veículos.
Olho a lua,
Hum...
Fechei os olhos e me vi no sertão.
O sertão plenilúneo.
Hoje preferi fugir de significante e significado.
As vezes os corpos querem serem apenas corpos,
Querem se compreenderem como matéria,
Essa matéria de aspiração intermitente.
Talvez tudo isso seja um pouco da compreensão
Sobre mim, sobre minha consciência.

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Consciência

Consciência

Observar
Quem observa, sempre observa algo.
Observar sem contemplar é não perceber, não ver.
Só vemos aquilo que conhecemos,
Só conhecemos o que nos causa curiosidade.
Uma vez que os nossos sentidos são nossas vias de conhecimentos.
Então, na maior parte do tempo estamos descolados do mundo,
Olhamos sem observação,
Vemos simplesmente aquilo que é de nosso interesse.
Todavia  viver é um ato dinâmico é ação
E de uma forma ou de outra
Enfim atingiremos a consciência que é a apreensão de um sentido.

Natureza irracional

Natureza,
Flora, flores, cores, odores,
Troncos, folhas, serapilheira,
Um inseto, uma aranha,
Mamíferos, répteis, peixes,
Uma abelha,
Os pássaros, ah os pássaros,
Passarão, Passarinho,
Um poeta percebe a natureza,
Mas um filósofo,
Um engenheiro,
Sabe lá,
Talvez um biólogo botanicando.
Mas a natureza do poeta,
Visa a estética...
Beira a loucura ser poeta,
Brincadeira singela de criança
A dançar...

terça-feira, 14 de junho de 2016

Seta, caminho

Por que entender o ser?
Coisa de poeta ou de filósofo?
Na maior parte do tempo somos pragmáticos,
Pensar a existência é bizarro,
Mas há tanta coisa mais bizarra,
Como mascar fumo e tocar reco-reco.
Creio que nunca entenderemos de fato o ser,
Não encontraremos uma determinação,
Mas assim,
Talvez a gente consiga pensar a existência
E encontrar um caminho e uma forma de viver melhor.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Curtaurta

Este mundo que leio,
Que não entendo nada,
E que me familiarizo,
Mundo louco,
Mundo muito,
Mundo pouco,
É nele que desvela minha vida,
Essa existência braquia.

Espiral

Agora,
Noite jovem de domingo,
Sempre temos algo a fazer ou a esperar,
Pensamos no amanhã,
Pensamos no ontem,
Resgatamos as memórias,
Criamos novas memórias,
Vivemos e descobrimos no viver
Uma fonte eterna do conhecer do aprender,
E como uma vela consumimos o que temos de existência.
Por isso temos que fazê-lo com sabedoria,
Todavia esta só nos chega com o consumo de nossa vida...
Ah, se pudesse voltar atrás...
Não, não há essa possibilidade,
Viver é movimento,
É devir,
Enquanto soa essa música de Mozart,
Enquanto minha garganta está irritada,
Enquanto meu peito pulsa,
Enquanto sinto desconforto,
A vida acontece,
Tudo acontece...
Pode me agradar ou não.
Acendi um incenso de canela,
Tomei um banho e me perfumei,
Vou jantar e o que poderia ser mais perfeito?
As vezes é importante sair do ideal e viver o real.

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Reflexo

A noite é surda, cega e fresca.
A noite por ser sombria
É um mar de solidão
Em que nos afogamos,
Talvez por isso que a noite podemos descansar
E encontramo-nos com nossos sonhos,
E talvez assim a gente tente encontrar o melhor de nos,
Na noite há reflexão.

Mundo vasto

Mundo vasto  mundo de Drummond,
De tão vasto,
Onde me encontro?
Onde me encontro?
Não sei aonde estou,
Porque sou devir,
Agora estou aqui sentado na cadeira em frente ao computador,
Mas em instantes não estarei,
Somos movimento,
E me movimento por onde quero,
Tenho a liberdade que o tempo me permite agora,
Porque o futuro está imbricado,
O passado também
E o que me resta é o aqui e agora,
Esse devir,
Não existe essência,
Não existe nada demais,
Só a eterna liberdade sartreana.
Mundo vasto mundo,
Como subjetivá-lo?
É necessário tempo, tempo, tempo,
Tempo que não temos.
E a tarde cai sem que percebamos,
Então amém.

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Quem sabe

A noite,
Um cão latindo,
O cansaço,
A alegria que se esvai,
O corpo que quer descanso,
A vida e seus espaços,
O cheiro que nos atrai ou nos repulsa,
Algo que está oculto a nossa compreensão,
Que se dissolve no nada,
Não se expressa,
Mas...

terça-feira, 7 de junho de 2016

Divagação

Uma aurora,
Pés de Castanhola,
A grama verde brilhante crescendo,
Tricomas de ramos e folhas,
Folhas, flores e frutos,
Troncos e ramos,
Rizomas,
Crescer,
Crescer,
Florescer,
Algo em comum? 
A existência,
A existência,
O que sou o eu,
O que é o outro?
Minha percepção,
Sua percepção,
Unidas nos permitem ampliar o mundo,
Veja as rochas,
Vejo as flores,
Veja o céu,
Vejo um grão de areia,
As formas,
As faces...
Alguma explicação?
Divagação...

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Busca

Porto seguro,
Eis o que buscamos,
Porque sabemos a dimensão da solidão.
Somos seres solitários por natureza,
Desde o nosso nascer até nosso falecer,
São atos peculiares, exclusivos,
Que nos faz esses seres tementes a solidão
E buscamos um porto seguro inexistente...
Talvez tudo que buscamos é o ato de buscar.
Quem sabe?
Quem sabe o que buscamos da vida?
São tantas as variáveis...
Ah...
Sabe lá.

domingo, 5 de junho de 2016

Bendita terra

Bendita nossa terra,
Bendita nossa terra natal,
Essa terra fértil que nos acolheu,
Essa terra fértil que nos alimentou e alimenta,
No passado e no presente,
Essa terra bendita que em teu seio guarda nossos queridos entes,
Que assim viveram, aqui existiram e nos produziram,
Somos parte dessa terra,
Somos o que somos por ti bendita terra,
Bendita terra,
Partiremos para ti,
Mas há de abrigar nossas gerações,
Nosso tempo se esvai,
E com ele nos faz sermos quem queremos ser
E aos poucos nos perdemos,
Mas temos a ti bendita terra.
O amanhã é incerto,
Por isso,
Te amo bendita terra.

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Inércia

Apaixonar-se pela vida,
Eis maior adrenalina,
Porque o amanhã é tão incerto.
A vida é tão inserta,
Há tanta incerteza,
O que conta é quase nada,
Mero acaso,
A sua existência,
A sua felicidade,
A sua tristeza,
Eterno devir,
Ser...
Ser o que penso,
Não se não pensa em nada.
Eh. inércia.

Apologia a sexta

Sexta-feira.
A gente se sente bem nas sextas,
Esse dia da semana maravilhoso.
Tenho a sensação que renascemos neste dia.
Hoje, melhor que qualquer outra sexta,
A chuva choveu na madrugada,
A chuva chovia na manhã cedinho,
A chuva brinca, chove, pára...
Gostas se desprendem com ternura dos ramos molhados, viridescentes...
Eh, chuva,
Eh, sexta,
Eh, Carlos Pereira e suas crônicas.

quinta-feira, 2 de junho de 2016

Divagar

O vento não tem soprado ultimamente,
A tarde é bela, mas tão organiza,
Quem dera pudesse voar com o vento
Feito pipa, feito ave a planar,
Ir para qualquer lugar
Onde pudesse esquecer de tudo,
Onde pudesse ser esquecido,
E ainda assim existisse,
Não falo da morte,
Mas falo se uma leveza do não ser,
Algo impressionante como o segundo crepúsculo,
Inesquecível como histórias de aventura,
De superação...
Ah, divagar,
Divagar,
Amanhã...
O amanhã nunca será o dia perfeito,
Então, no mundo nasceu Platão,
Que tirou tanta beleza do mundo,
Com a maldita da razão,
Pensamento linear carteziano...
Deus, Deus, Deus...
Essa loucura passageira que é a vida.

Não caminho

Onde encontrar a substância para viver e não apenas existir.
Cada um encontra a sua maneira.
Não existe receita pronta.
Não acredite em autoajuda.
Sinta a vida orgânica.
Tome suas decisões,
Seja responsável por suas atitudes.
Amadurecer é um processo traumático
E requer muita responsabilidade,
Ser quem se quer ser mais difícil ainda...
E a gente vai sendo ator na vida,
Um dia descobre que não era nada daquilo.
A gente descobre a vida,
Ela nos revela.
A consciência nos vem.
A consciência, como diriam os fenomenólogos,
é a apreensão de um sentido...
E vamos tomando consciência da vida,
E a gente descobre que a substância para viver
É ter coragem de sair da cama e fazer o que pra fazer...
O resto são consequências.
Lembre-se a vida não é teleológica.

Valores

Temos ânsia de entender o mundo. Esse mundo que tem tantas faces, tantas vertentes que o pensamento não consegue ou não tem tempo de conhecer. Nosso conhecimento é tão limitado diante do mundo, todavia há aqueles que sempre querem expandir o mundo. E o fazem a sua maneira.
Meu pai muito cedo com 17 anos tomou exemplo dos amigos, saiu de sua terra natal e foi a terras muito distantes. Saiu de Serrinha dos Pintos seio de sua família e foi para São Paulo numa viagem que suponho deslumbrante, foram 17 dias de viagem. Imagina o medo e a emoção de papai. Menino homem, que quando chegou a aquela cidade não tinha sequer um par de sapatos. Largou a enxada, o sol a pino, para trabalhar na construção civil como servente de pedreiro, abraçado a uma esperança deixou de trabalhar apenas para comer por um salário. Papai que nunca tinha visto dinheiro, passou a vender o seu trabalho e a ter algum dinheiro e ajudar a sua família. Bom filho, bom irmão e bom marido. De papai nunca tive queixa, não tenho más histórias, teve que amadurecer muito cedo. Papai na sua simplicidade foi boêmio, aprendeu carpintaria e não ficava seis meses num lugar e já mudava, queria uma nova obra, um novo lugar, novas pessoas. Papai adorava tirar barato, naquela época varava a madrugada ouvindo Nelson Gonçalves de quem tanto gosta. E quando chegava em Serrinha era o cara. Papai conheceu as grandes cidades o eixo da economia da época: Rio, São Paulo. Descreve de cabeça o centro de São Paulo e do Rio...
Papai ampliou sempre o seu olhar, sempre gostou de conhecer o mundo e hoje o tempo cada vez mais torna-o prisioneiro do seu corpo, Borges já dizia e é o que acontece nos tornamos prisioneiros de nossos corpos de nosso tempo e não acompanhamos o nosso tempo.
Apesar de tudo coragem não faltou, seu entendimento é o de seu tempo, hoje encontra-se imbricado em seus pensamentos, muitas verdades que aprendi com ele se desfazem. Verdades que para ele são teorema, verdades como as políticas, que na época do regime militar era que funcionava.
Papai não leu Foucault, Sartre, Nietzsche... Papai não leu teorias. Tudo que aprendeu foi com a vida.
Ele me ensinou valores que são atemporais. Valores que aprendeu com seus pais e irmãos.
Os valores são atemporais. Vão além das fronteiras do conhecimento. 
Por isso devo tudo a meu pai e a mamãe pelos valores que me ensinou.
Creio que mais que bens materiais valores são aqueles bens que melhor de devem deixar para os filhos.