terça-feira, 31 de maio de 2016

Sujeito

Ser,
Até quando?
Que importa.
O ocaso,
É quem sabe,
Amanhã...
Talvez existirá,
Talvez não...
Impossível,
Imprevisível...
Esse ser subjetivo...

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Imaginário

Imaginário!
O que sou?
Fecho os olhos e sou quem ou o que quero ser...
De tento ouvir que era mentira,
Desaprendi a imaginar,
Ah, meu imaginário, minha maior riqueza que me tiraram...
Quando criança a sobra de pinheiras ou serigueleira era quem eu queria,
Vivia de imaginar,
Aprendi a fazer as coisas imaginando,
Por isso as coisas saem meio torta,
E dai, Gaudi pensava coisa tortas e todos acham tão lindo...
Ah, já nem sei brincar,
Só sei ser um personagem sem imaginação
Que envelhece e empobrece a imaginação...
A realidade é dura,
As pessoas são duras,
O meu imaginário...
Não é perfeito como contos de Borges,
Belo como pintura de Gogh,
Inteligente como Nietzsche,
Mas é meu...
É bom fazer,
É fazendo que aprendemos,
E quando temos gosto...
Ah, o imaginário.

A chuva na mata atlântica


Que o nordestino gosta de chuva, isto não é nenhuma surpresa, mas há aqueles que gostam mais que outros. Refiro-me ao sertanejo. Como sertanejo tenho propriedade para falar. Gostamos muito de ver a chuva, sentir, ouvir e até mesmo cheirar a chuva. A chuva é nossa esperança de dias melhores. Todavia há sertanejos que não conhecem a mata atlântica, nunca chegaram a ir a capital de seu estado, Natal, João Pessoa, Recife entre outras que chove muito. Lembro que ainda muito novinho quando acabara de chegar na UFRN para cursar Ciências Biológicas ficava encantado com tanta chuva, por vezes aborrecido pelos vário banho que tomei só por não ter um guarda-chuva.
Durou muito a conhecer a chuva na mata. Só quando fui a Pipa, a trabalho, onde dormi numa casinha no meio da mata no Santuário Ecológico, a casa fedia a mofo. Todavia quando acordei ouvi a chuva chovendo, suave intermitente então fui para uma área e fiquei ali sentindo a chuva. A chuva como numa sinfonia usava as folhas das árvores para tocar seu canto. Desfiava seus pingos por toda a manhã. Desprestenciosamente chovia. E vivia pela primeira vez a chuva chovendo na mata.
De lá pra cá foi muito tempo... Vi a chuva chover na mata de São Paulo e em muitos lugares, chuva de verão, chuva de inverno...
Aqui da janela vejo a mata sendo tocada pela mata e dou graça por conhecer a chuva na mata atlântica.

domingo, 29 de maio de 2016

Perdido

Uma manhã ensolarada,
Ruas vazias,
Nem um cão a ladrar,
Ecoa em minha mente,
Memórias, memórias
Daquilo que se passou,
Sem retorno,
Sem retorno.
Minha realidade me desagrada?
Sei lá.

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Oração

Aurora divina aurora,
Nesta hora que me levanto,
Nessa hora que bom se há espanto,
Aurora, mas se não dormi
Se nem percebi chegar,
Ah, aurora,
Acalentai os corações perturbados, sofridos, desiludidos...
A vida é tão maravilhosa para que no seio do amor nasça rancor,
Fruto da dor,
E como há aqueles que sofrem que pagam tudo resguardam sua vida para se livrar do sofrimento,
Sofrimento inerente a vida.
Aurora, desperta em mim a felicidade e a alegria de viver,
Ao perceber o quanto tenho nas coisas mais simples,
No que parece um nada, mas que é tudo, um bom dia, um gesto carinhoso...
Desperta em mim contentamento com o mais simples e puro dia,
Pois a vida é feita de coisas simples,
Não somos gênios como Mozart, Borges, Gogh, Gandhi, Nietzsche...
Somos seres humanos normais
Que precisa viver a vida de maneira ética,
Precisamos entender que somos o que pensamos e queremos,
Que meio copo não é simplesmente meio copo é sim meio copo cheio...
Tende piedade daqueles que acham que estão se dando bem as custas dos outros,
Que vendem sua dignidade por bens materiais...
Desperta em mim sempre o melhor que pode ser um ser humano,
Porque um dia aurora não te verei chegar.

É tempo de perceber

Uma flor que desabrocha perfumada encanta o dia,
Uma poesia cheia de mistério,
Uma conversa animada,
A chuva no verão,
Poeira ao vento,
O tempo, o tempo, o tempo...
Tempo pra poder viver,
Tempo para conhecer,
Conhecer o mundo, as pessoas, as histórias e as coisas...
Mundo vasto,
Somos grãos de areia ao vento...
Na praia...
A chuva,
A aurora,
O jambeiro florido...
A vida é beleza.

terça-feira, 24 de maio de 2016

Interrogações

Cada maneira de ser,
É uma maneira de existir,
Quantas maneiras poderemos assumir como ser?
Haveria de mudar se mudasse a língua?
A cultura? os hábitos?
Será?
Poderia ser outro?

Epifania

Uma manhã de chuva suave,
O caos das vias,
Ônibus lotado, calor,
Nada impede de seguir para o trabalho,
Todavia algo distinto pode está acontecendo neste momento.
Uma compreensão distinta do mundo,
Despertada por uma imagem,
Uma palavra, uma música,
Qualquer coisa pode ser causa de epifania.
Ser causa de uma epifania eis grande gloria,
Sábios são os poetas que as fazem estourar como milho de pipoca.
As vezes a gente aprende a fazer da vida um caldeirão de pipoca.

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Hoje

E no fim do dia,
Se fecha um ciclo,
Amanhã, talvez,
Tudo pode ser melhor,
Talvez não,
Todavia quem deve esperar pelo amanhã?
Ninguém...

ininterruptamente

Viçosas as árvores crescem ininterruptamente,
Crescem os ramos e o tronco e as raízes,
Trocam-se as folhas,
Produzem-se as flores e os frutos e as sementes,
Tudo a seu tempo,
Agora mesmo, imponentes na mata
Estão imóveis, não há vento,
Só a luz se difunde se entranha, embrenha-se na mata.
Os fungos sempre a consumir a devorar
Troncos, e ramos e folhas mortas.
Algumas aves a cantar,
Seu canto ecoa na mata.
Eu, mero observador,
Não sou árvore, não sou fungo, não sou ave...
Nem sei o que sou,
As vezes sou árvore, sou fungo, sou ave...
Todavia, buscando sempre saber quem sou.
Espinhoso caminho, de saber quem se é,
Como saber quem se é?
Somos o que queremos ser,
Mas a moral, mas os códigos, mas tanta coisa nos desvia de nós mesmos...
Ser um ser livre.
E as árvores crescem ininterruptamente,
Como os nossos anos.

domingo, 22 de maio de 2016

Angústia

Como conseguiria escrever sobre o que sinto e penso
Sobre a existência, as sensações tão peculiares.
Há momentos em que penso que vou explodir de alegria, algo que creio ser felicidade,
No entanto no mesmo dia surge em mim um vazio intenso
Sinto meu peito tornar-se oco como uma caverna carbonática.
Varia tanto em meu ser todos os humores.
Feito milho numa panela aquecendo
E pipocas sendo estouradas...
Não entendo meu ser, não entendo a mim.
Minha memória é um espelho do passado
Que a todo momento como uma galeria expõe quadros
E me faz pensar no passado,
E me faz sentir um profundo niilismo,
Que me deixa descontente estando sou ou acompanhado,
Todavia na solidão creio serem menos brandas as sensações de vazio.
E vai se consolidando em mim um mundo ideal.
Existencialismo,
Kafkianismo,
Borges, Gogh, Mozart...
Aqueles que amo, nem eles me permitem expressar minhas sensações.
Esse meu ser inquieto,
Que garimpa na palavra um sentido para viver,
E nada encontra,
Nada me define...
Ojeriza,
Sabe lá...
Esse medo da vida.
Essas sensações inverbalizavéis, inexplicáveis,
São parte da angústia de nossa existência.

quinta-feira, 19 de maio de 2016

O melhor

Esse chegar,
Se apossar,
O amanhecer pós-madrugada estrelada,
A noitinha plenilúnea,
O silêncio...
Esse silêncio ensurdecedor,
Uma música,
A melhor melodia
Que nos enche de alegria,
Ah esperança que sempre
Enche os nossos corações
A qualquer hora...
Porque viver é a melhor coisa na vida.

terça-feira, 17 de maio de 2016

Espiral

Gira  mundo,
Gira fundo,
Passa tempo,
Passa vento,
Vai o dia,
Nasce poesia,
O espanto,
O encanto,
Gira,
Gira,
Gogh,
Borges,
Chopin,
Mozart,
E acordamos,
Do sonho,
Viver é sonhar.

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Chuva chovendo

E o dia foi quente,
E o sol reinou,
O dia inteiro,
Mas a noite
Se entregou a chuva,
A noite se domou,
A canção da chuva chovendo,
Sempre ouvir a chuva chovendo,
Ah.
Lembro de Pessoa.

Transcender

Renascer,
Das cinzas,
As cinzas ao vento,
Cinzas cinzas,
Desbotada do tempo,
Desgastada a matéria,
E assim tudo se transforma,
Tudo se acaba,
É a lei da natureza.

Renascer

A flor que pela manhã vicejava,
Já não é mais flor,
Efêmera existência de flor,

Suas pétalas e sépalas murcharam,
E agora parte de se fruto e faz,
O tempo não volta atrás,
Agora fruto será,
E depois que sobrará
Somente será semente.

domingo, 15 de maio de 2016

Entardece

Amanhece e é menino,
E o tempo cai, homem se faz,
Veio o meio dia, lesa poesia,
A gente entardece,
Para a vida,
Ah essa vida... 

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Revolução

De que adianta ficar indignado?
Pessoas mediocres no poder,
Mesmo assim ainda podemos viver,
Essas pessoas gananciosas,
São todas iguais,
Fisiologistas,
Covardes, espertos como raposas,
As raposas ao menos o fazem para sobreviver,
Estas para surrupiar,
Para serem o que são tapurus,
Tapurus...
Larvas de mosca,
Vermes malditos,
Vermes que deveriam serem exterminados banidos da terra,
Mas continuarão alí
Com terno e gravada de pastores,
Todavia com roupa de grife,
Essas vermes,
Esses vírus nunca se acabarão,
Viver é uma condição,
São os incontentes,
Nunca saciarão sua sede de poder e de ter...
Somente uma revolução poderia mudar o Brasil.

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Movimento

A  noite,
Tudo repousa,
Abriu se foi,
E o inverno chegou,
Chuva,
Chuvas sem parar,
E o tempo sempre a passar.

terça-feira, 10 de maio de 2016

Ouvir

O tempo é infinito,
Eternamente se repete,
Infinitamente se repete,
E as vezes a gente ouve o tempo,
A gente passa a perceber o tempo pela audição,
A gente ouve a madrugada,
Ouve a manhã
E ouve a tarde.
Como agora ouço,
Estou aqui quieto
Ouvindo o tempo,
Ouvindo a tarde
Que crisa passa.
Vai passando,
E nossos sentidos
Se perdem nas ocupações,
Quase esquecemos de ouvir o tempo...
A tarde tem um som bom,
Som de distante,
De som leve.
Que faz a gente se sentir
Eterno.

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Emoção jovem

Hoje, vivi uma experiência extremamente gratificante, incrível.
No fim da tarde, recebi uma visita de quatro alunos do ensino médio, seguido do professor.
O intuito era mostrar aos alunos as atividades desenvolvidas por um profissional formado em biologia.
Não sabia, porém tive a grata surpresa de se tratar de alunos de escola pública.
Aqueles quatro garotos de aspecto extremamente simples,
Tinham nos olhos ganas do saber.
Cada frase que enunciava uma pergunta, extremamente atentos a tudo.
Mostrei os objetos que usamos para coletar, local de secagem, montagem, e a nossa coleção botânica.
E tomei uma chuva de perguntas.
Depois comecei a falar a minha história de vida, de superação,
Todas as coisas que passei, tentando mostrar sempre que apesar das dificuldades é possível se conquistar um espaço no mundo.
Burilei minha história de Serrinha até aquela sala, então teve um momento
Em que um dos jovens se emocionou, chorou um choro real,
Estava realmente emocionado, falou que amava a biologia desde a primeira aula.
Poxa!
Naquele momento ficamos em silêncio,
E então tiramos uma fotografia,
Concluímos a conversa e formos embora.

Gratidão

A manhã que nasce sem sol,
Nasce sob a chuva,
A natureza se cala
Para ouvir a chuva,
A vida agradece pela chuva,
Pingos que desprendem das nuvens
E se transformam em vida,
Sementes germinam,
Esporos germinam,
As plantas crescem,
E a vida se renova,
Gratidão...
Eterna gratidão
Pela vida,
Pela vida.

domingo, 8 de maio de 2016

Desfazer

A mente da gente,
Em elipse,
O tempo sucessivo tempo,
O vazio,
A chuva,
O ocaso,
A noite,
O silêncio de uma noite de domingo,
A indefinição da segunda,
A desilusão dos dias,
A semana.
O amor frustrado,
Coisas da vida,
Soturna vida.

Limitar

Ser,
Aquilo que nos impressiona como seres,
O belo,
O forte,
O insuperável,
O nascer,
A morte,
Aprender,
Adaptar-se...
Não se pode limitar.
E o que são os limites?
Uma definição, talvez.

sábado, 7 de maio de 2016

Existir

Quem somos nós? Quem sou eu? Quem é você?
Constantemente, no ócio, nos questionamos quanto a nossa existência como seres.
A corrente filosófica conhecida como Existencialismo que teve como precursor Kierkaard e posteriormente profundamente estudada e evidenciada por Sartre nos apontou um caminho um entendimento sobre tais questionamentos. Infelizmente apesar de tantas ideias já aclaradas, há uma profunda ignorância no mundo, e me incluo ai como um humano ignorante, muitas vezes carrego muitos medos, reflexos do mundo obscuro que vivi, tantos medos, tanta ignorância, num universo profundamente afetivo sob poucos registros, sob pouca luz da razão.
O mundo é semelhante a uma panela de pressão onde tudo ocorre ao mesmo instante sob mesma temperatura e pressão, e sob essas variáveis físicas vamos nos forjando nos tornando seres, nos afirmando, tomando por fim quem somos. E pasmem nunca nos tornamos quem somos, pois somos por demais platônicos.
Eis nossa eterna angústia a busca da perfeição. Na verdade perfeição é um ideal. Então vivemos presos a um passado ou a um futuro. Só depende do referencial. Se somos jovens nos apegamos a um futuro e se somos velhos a um passado. Todavia há um meio termo ai que seria o presente e só os mais sábios vivem o presente. Pessoa dizia que se apegar aos sentidos é se ater ao presente, elencaria ainda, se apegar uma jornada, uma obra... algo um tanto quanto materialista. Fato, pra que tanto se o fim é a morte? Viver é preciso e uma vida sem sentido é uma existência rota.
Ah, sob a luz da filosofia, da poesia, da ciência, da religião... Assim vivemos sob alguma destas sombras.
O tempo passa, a gente envelhece e as coisas sempre mudam, mesmo quando parece que nada está mudando, Guimarães Rosa já percebia isso no silêncio dos sertões.
Então a compreensão de mundo nos torna felizes.
E fazendo algo que nos faz bem nos torna mais humano, infelizmente não conseguimos que isso seja onihumano, ocorre lentamente.
Que assim seja.

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Viver

Ver a chuva cair,
A chuva cantar,
É tão maravilhoso
Quanto ver o sol brilhar,
Quanto sentir a brisa passar,
Quanto degustar uma comida,
Mas a vida,
A vida pode nos fazer sofrer,
Podemos adoecer,
entristecer,
E por fim morrer,
Mas viver é além de tudo,
Viver é esta vivo,
É acão,
É mudança,
É possibilidade...

quarta-feira, 4 de maio de 2016

Coragem

Um caminho a seguir,
Uma manhã,
Uma estrada,
Coragem, coragem,
Fé e alegria,
Pra viver é preciso ser forte.

terça-feira, 3 de maio de 2016

Que valores?

O tempo não tem prioridades,
Nós temos prioridades,
E nós selecionamos o que é prioridade...
Hum, saudades das minhas leituras,
Saudade de ficar a toa,
Ouvir uma boa música...
A partir de que priorizamos as coisas?
Creio que a partir dos valores.
O que valores são esses?
Acho que renunciamos nosso tempo para o outro,
Acho que estamos renunciando a vida real,
Vivemos tanto no virtual.
Se tudo é uma construção,
Que alicerces terão nossos filhos?
O caos sem uma rede social.

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Redemoinho

O tempo gira
Feito um redemoinho
E não deixa nada,
Se desfaz no ar,
Para lá,
Pra cá...
E nada faz sentido,
Extra nós,
Nada...
O sentido é o que nos faz querer ser vivos.
E o tempo a medida de nossos valores.
O mais... nada.

domingo, 1 de maio de 2016

Germinar

A casa vazia,
O barulho de qualquer música,
Livros de poesia, prosa, de botânica...
Objetos, ímas, uma geladeira,
Um sofá, uma cama,
Ir e vir,
Segurança, insegurança,
Aqui é o meu lugar.
Será?
Sei lá, as vezes
acho que sou como a lua,
Um satélite a orbitar,
Mas o que me diz,
O que me faz ser de algum lugar,
Conhecer,
Conviver?
Sei lá.
Tanta coisa sem sentido na vida.
Perguntas vazias...
Talvez por ser uma vida fria,
Cadavérica,
Talvez não, talvez sejas semente,
A qualquer momento pode germinar.

Morcegos

É noite,
Noite jovem,
Escureceu!
Os morcegos piam,
Voam desajeitados,
Voam desordenados,
Em busca de saciar sua fome,
Comem de tudo, insetos, polém, néctar e frutos,
Tão lindo os morcegos...
Não os vejo,
Apenas ouço,
Acho tão linda sua existência,
Essa vida de morcegos,
Guardas noturnos da mata atlântica.
Trabalham a qualquer noite,
Não distinguem a semana,
Não reclamam,
Amam,
A vida morcegular.

Renovação

O que resta?
Folhas secas sobre o chão,
É tudo que resta após uma estação,
Frutos e sementes dispersos,
E chegará mais um verão.
Logo virá o calor,
Logo o vento trará o frescor,
E o tempo sempre a passar,
E a vida sempre a marcar,
A espera de uma nova estação.
Mais um domingo se foi,
Mais um dia se foi,
Foi-se abril,
O tempo sumiu,
A esperança... Ela se renova,
Um novo mês,
Uma nova semana...
E nossas metas?
Amadureceram?
O cinza da mata branca,
A terra preta de humos.
E o que resta?
E o que sobra?
A esperança por uma nova estação.