domingo, 13 de março de 2016

Efêmera flor

A gente se sente a deriva,
Num oceano em calmaria,
A gente as vezes acha a vida assim sem graça
E de repente ela nos oferta uma graça,
Toda simples, toda suave, linda e meiga...
E a gente fica feliz e triste,
Porque sabemos que uma flor e sempre efêmera.
A gente quando encontra uma flor,
Fica assim alucinado,
Vendo a cor do vento,
Sentindo a textura do arco-ires,
E o que mais queria era não ver a aurora chegar,
Não ver o dia passar,
Só para ela demorar a partir,
Porque depois da partida...
Sabe Deus lá.
Sabe lá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário