quinta-feira, 31 de março de 2016

Theos

Feliz,
Triste,
Alegre,
Eufórico,
Esse é meu ser,
Cheio de humores,
Cheio de medos e dores,
O que me norteia?

quarta-feira, 30 de março de 2016

Linha

O tempo passa,
Passa apressado,
Como o vento o tempo não se deixa ver,
Só vemos as marcas em tudo impregnada,
Na face, na boca, no mundo
Que vai desgastando a gente
E quando percebemos, passou.
O amanhã virou ontem.
A existência pois que converte-se em inexistência.
Os  versos ficam, mas seu mentor segue para o infinito.
Enquanto compreendemos o mundo,
O tempo nos consome,
Custa tempo entender
E  quando entendemos,
Já temos que deixar de ser...

terça-feira, 29 de março de 2016

Ser sertão

Adeus março que se vai,
Fui visitar o meu sertão,
Nesta intensa estação,
A pascoa sendo celebrada,
No meu querido sertão,
Ele esta tão triste, tão seco,
Folhas pelo chão,
Os troncos cinza, coberto de folhas murchas,
Gado já não existe não,
Nem poeira,
Apenas casas fechadas,
Cactos espinhosos,
E urtiga cançansão.
A noite plena e estrelada,
Manhã suave com cantarolada,
Vou e volto,
Mas meu coração...
Meus pais,
E avós e nova geração.
O sertão me define,
Sou tudo isso.
 

segunda-feira, 21 de março de 2016

Passagem

Ah, memórias...
Sabe tem dias que se passam
E a gente sente uma paz,
E um frio na barriga,
Porque sabe que tudo está passando,
A gente percebe as coisas envelhecerem,
E desaparecerem,
E vemos coisas renovarem,
Uma manhã,
Uma tarde,
Um conto...
Pássaros voando,
A chuva caindo...
Tudo tão bonito,
Como uma fonte jorrando água,
Água leitosa,
Algo tão passageiro,
Efêmera vida,
Eterna vida.

quarta-feira, 16 de março de 2016

Escura umidade

E as noites escuras de chuva,
O cheiro da umidade escura e fresca,
A noite se revela fresca,
Enquanto sementes dormentes
Acordam a germinar,
Enquanto mariposas saem a voar,
Em busca de flores para se alimentar,
Enquanto sabe lá o que acontece em cada lar.
Cá estou pensando no pensar,
Sentindo a natureza fresca,
Vivendo uma noite maravilhosa.

terça-feira, 15 de março de 2016

Cinzas

Mundo,
Quão infinitos são os teus enigmas?
Quantas vidas seria necessário para romper-ti?
Mistérios, mistérios...
Sob a sombra da noite,
Sob o véu do dia.
Sabe lá...
Sócrates indagava Diotina!
Borges vagava em sua oceânica imaginação.
Quando acordo sou tão imenso,
E a noite sou um grão de mostarda,
E o mundo se mostra tão oculto como no início...
Oh! infinito existir,
Viver, viver um sonho,
Despetalar a vida,
Amanhã quem sabe só cinzas.

domingo, 13 de março de 2016

Efêmera flor

A gente se sente a deriva,
Num oceano em calmaria,
A gente as vezes acha a vida assim sem graça
E de repente ela nos oferta uma graça,
Toda simples, toda suave, linda e meiga...
E a gente fica feliz e triste,
Porque sabemos que uma flor e sempre efêmera.
A gente quando encontra uma flor,
Fica assim alucinado,
Vendo a cor do vento,
Sentindo a textura do arco-ires,
E o que mais queria era não ver a aurora chegar,
Não ver o dia passar,
Só para ela demorar a partir,
Porque depois da partida...
Sabe Deus lá.
Sabe lá.

quinta-feira, 10 de março de 2016

Mudança

Este mundo,
Profundo,
Essa noite vazia e quente,
Nada pra completar,
A noite se arrasta,
Amanhã é sexta
E tudo pode mudar.

quarta-feira, 9 de março de 2016

Sombra

Olho para mim!
Olho para as coisas que gosto,
Eu observo tudo,
Meus gostos, minhas convicções, minhas recordações...
E as vezes me perco nesse universo que é ser o meu ser.
As vezes não sei quem sou. As vezes me envergonho de mim, outras vezes me exalto...
Vejo meus hábitos, meus vícios engessando.
Será se poderia ser diferente?
Essa dúvida como poderia ser outra personalidade...
Será se seria feliz?
Os anos caem e a dúvida permanece.

Contradições

Às vezes temos tantas certezas... que cremos piamente no que falamos, na maneira como agimos.
Se quer paramos para pensar no acaso de tudo, no quão são efêmeras as coisas...
A semente que germina, os ramos e folhas que se desenvolvem e as flores tão efêmeras.
A juventude que aos poucos tende ao entardecer. As vezes quando não se aceita é tão difícil e triste.
Um oceano que podemos absorver e preencher nossa mente... Tanta coisa que podemos fazer,
Tanta coisa que podemos mudar, mas não conseguimos nada. Vivemos uma vida sem sentido, sem sinestesia, sem textura, cor ou sabor.
Talvez um dia aprendamos a viver e talvez seja tarde para não dizer adeus.

Recordações

Lembro das tardes douradas,
Lembro do tempo vivido,
Tempo tão bom e por serem boa as coisas parecem serem breves!
A gente nem tem noção disto!
Lembro das tardes douradas, das noites estreladas,
Dos momentos de alegria e angústia...
Lembrar as coisas é esquecer o presente é ser metafísico.
Parte de nós é assim, ou insiste em querer ser.
As vezes as coisas se ajeitam de uma maneira tão inesperada. Será sorte?
Sabe lá... Sei que ficamos saudosos...
Mas tudo compensa... Momentos pós chuva, ou momentos de chuva...
Momentos de efêmeras flores, da lama e da grama...
Do mundo, das plantas, das folhas secas úmidas.
Parece que a nossa mente fica assim encharcada as vezes.
Só as vezes, quando a gente quer.

Termo tempo

A madrugada,
Aurora,
Primeiro crepúsculo,
Fria manhã,
Suave, suave, suave balança os ramos de figo,
É doce a brisa
E o tempo que passa intermitente,
Tudo que passei se passou por manhãs,
É estranho demais quando as coisas deixam de ser,
Fica um vazio em nós.
Como se nunca tivesse passado ou existido,
Ficam lembranças,
Suaves, efêmeras como Zephyranthes...
E vemos tudo partindo
Acenando adeus.

segunda-feira, 7 de março de 2016

A tempo

E dos tempos idos,
Doces memórias das primeiras chuvas,
O aroma da terra sendo enxombrada,
E a água barrenta escorrendo,
Molhando a poeira,
Melando o mundo de lama,
E os bichos aparecendo,
Sapos cururu,
Tanajura,
Mariposas,
A vida parece renovar.
E a gente tão feliz...

quarta-feira, 2 de março de 2016

Manhã.

Doce manhã que se faz,
deixa a noite para trás,
Esse primeiro crepúsculo
Linda aurora anuncia,
Ta chegando um novo dia,
Cantam os pássaros animados,
Bem-ti-vis, sairas, sanhaçus,
Cantam felizes sem parar,
E o escuro que oculta as formas,
Vai sendo aceso pelo sol,
E a manhã ganha flores,
Ganha cheiro,
Ganha vida...

terça-feira, 1 de março de 2016

Por puro acaso

Uma tarde,
A chuva torta, leve,
Os pedais,
Se vai pedalando,
Quando aparece uma flor perfumada
Pedindo uma ajuda,
Claro que não se nega,
Lá fui dar carona a linda flor,
Relembrei tanta coisa,
No final ela achou o celular
E ganhei um abraço...