segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Physys

Ondas do mar,
Rio de luz,
Cores,
Cor,
Sal e água,
Som do mar,
Ondas a quebrar,
Luz, luz extrema,
Uma salsa,
Uma flor,
Feijão da praia,
Maré,
Tudo que há,
Areia salobra...

Noite

A noite,
Quando passa,
Deixa o corpo mais leve
Se não a vemos passar, mas se percebemos!
A noite estardilhaça nosso ser.
A noite,
É estranha e escura,
É forte,
Branda brisa,
Suave que passa.

domingo, 30 de agosto de 2015

Amizade

Amizade!

Suave brisa que passa na vida.

Onde quer que a gente vá,

A amizade se verdadeira é eterna,

Nos tira da solidão,

Essa relação sem interesse,

Feliz e intensa,

Quão imensa é...

Amizade,
Amizade.

Destinar

A noite que caiu,
Estrelas, a lua oculta,
Grilos ciciando,
Escura noite,
Escura como nosso amanhã.
Profundamente fenomenológica.

Memórias, memórias,
Subjetivas memórias,
De um lugar,
Do solo,
Da vegetação,
Das flores ocultas nas plantas vegetativas,
Do nosso destino oculto
Em nossa infância!
E essa artista que é a vida
Pinta nossa história,
Constitui nosso ser,
E assim somos o que nos fazemos.

Sinestesia

Desvelar aquilo velado,
Um fenômeno,
Um afeto...
Sentir e ser,
Sentir a brisa,
O calor,
Emoção,
Memória,
Está preso ao próprio corpo,
Uma batalha,
Uma luta,
Ser essa entidade que te constitui,
Tudo,
Nada...

Humanizar

Perceber a noite chegar
E ver sem dormir a noite partir,
E viver o dia completo,
Nestes insegurança,
Sofrimento, dor e medo.
Agosto, Agosto,
Tu que partes,
Carregado de tardes frescas,
Tardes de vento constante,
Levas a clorofila das folhas castanholas,
Que se tingem de crepúsculo.
E a minha mente está tão dilatada...
E a minha vida em tempestade,
Eis a humanidade
Se humanizando em nós.

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Rio correndo

O que nos preenche?
Ah, um peito vazio,
Ausência de calor,
Frio!
O amanhã,
O meio dia,
Entardecer,
Anoitecer,
Amanhece uma vida,
Meio dia,
Poesia...

Uma xícara de chá.
Tudo vai passar...

Forte isso não?
Amanhecer,
Entardecer,
Anoitecer,

Pensar...
Tudo vai passar.

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Emoção

Algo em nós nos emociona,
Nos faz rir, nos faz chorar,
Algo de nosso tempo,
Esse tempo que escoa,
Que nos afasta e nos aproxima de quem amamos,
Que nos faz viver e acontecer,
EMOÇÃO...
Uma música, uma memória,
Um texto,
A cor de uma flor,
O perfume,

Aquilo que faz a memória ativar,
Que nos faz viver...

Eis nos seres.

Vou a janela,
Depois ao espelho
E tateio  na realidade,
Percebo na matéria em metamorfose,
As marcas do tempo...
As marcas do ser.

E vivo esse momento.

Esperar

Um raio de luz do raiá do dia,
Capim dourado no campo,
A mente vagando, questionando,
Deus, a verdade, a mentira, a cura.
Um peito atribulado,
Que pode fazer?
Crer em Deus,
Na beleza do entardecer,
Na noite estrelada,
Na manhã esperada.
O que sabemos sobre o amanhã?
Doce e oculto,
Nada podemos esperar.
Paz no espirito é tudo de melhor que há.

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Dor

Como reclamamos da vida.
Como somos imbecis!
Com saúde e bem está e ainda assim reclamamos!
Merecemos viver?
Merecemos ser?
Qualquer coisa nos desestabiliza,
Não sabemos o quanto somos frágeis
Diante de uma doença.
A dor ensina da pior maneira
A valorizar cada momento...
Fortes são aqueles que são felizes
Diante de todas as dificuldades
Nós que fraquejamos...

Enxaqueca

Uma enxaqueca,
Tonteira,
Atribulação,
Saudade do que é bom,
Paz e saúde.

domingo, 23 de agosto de 2015

Tarde de domingo

É tarde,
Uma linda tarde de domingo,
Tarde crepuscular,
Tarde enfadonha,
Tarde linda,
Tarde de brisa fresca,
Tarde suave
Que se vai,
Tarde que passa,
Suave e crepuscular,
E lá se vai o domingo,
E lá se vai o brilho do dia,
E lá se vai mais um dia.

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Espiral

A noite escura,
A lua minguante,
Partir e chegar,
Esperança,
As estrelas que nascem e se põe,
Eterno devir,
No silêncio,
Meu sangue a escorrer,
Meu peito a pulsar,
E minha mente a matutar
Sobre a vida.

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Descobertas

Descobertas,
Com o tempo a gente começa a perceber muitas coisas,
Estas coisas se revelam de uma maneira encantadora,
Eis que surgem as descobertas umas grandes e outras menores, normais.
No início tudo se trata de grandes descobertas
Que com o passar dos anos vão se tornando pequenas e até mesmo bobas.
Com o tempo a gente aprende que as descobertas mais importantes são as menores,
Estas vão se cristalizando e transformando quem nós somos,
E a gente vai mudando, deixando de ser áspero e nos tornamos mais polidos,
Espera-se que menos ácidos...
Vamos nos apropriando de nossas vidas,
Até o fim há essa tentativa
E o maior norte são as descobertas.

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Manuel

Manuel,
Oh Manuel de Barros,
Quanto te conheci já tinha o corpo muito usado,
Cabelos e bigode grisalhos,

Quando te conheci,
Descobri uma poesia singela e pura
Como as águas do pantanal,
Águas cristalinas,

Em teu poema do nada, Manuel...
Há tanta beleza e pureza
E tanto...
Teu nada enche o meu peito,
Minha alma...
Tantos poemas belos,
Extraído do pantanal,
Das aves, dos rios,
Me encanta seu profundo respeito
E amor a natureza...
Eterno serás

Manuel


quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Esquecer

Quando a gente esquece,
Esquece o que tem que fazer,
Esquece o tempo passar,
Esquece pelo momento gostoso,
Esquecer é tão bom...
Não o esquecimento da conta atrasada,
Não,
Não o esquecimento de tomar um remédio,
Não,

Mas esquecer da realidade,
Daquilo que nos torna denso,

Esquecer pelo simples fato de está tão bom,
Que a gente quer que esse momento
Seja eterno,
Pois que seja eterno enquanto dure, como diria Vinícius.

Mas ai, a realidade é um saco,

Então, esquece...

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Noite

A noite universal oculta as formas e as cores,
Oculta a profundidade e tudo aproxima.
A noite quando a vida se cala,
Bichos de olhos e orelhas grandes,
Saem de suas tocas e vão ao mundo.

A noite é para quem sabe ver no escuro,
Viver sem luz,
Seguindo os instintos e as estrelas,
Uma luz pode ser o fim.

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Velado

Nossos corpos cansam de viver,
Cansam de ser e de ter,
Nossa vida quem a domina?
Pensamentos?
Vadios pensamentos...
E esta carne quente,
Com o tempo esfria e envelhece,
Enruga, talha...
O tempo tudo nos dar e tudo nos tira...
Essa relação,
Que nos ensina tudo
O bom e o melhor e o mal...

Há um vazio no peito quando não se sabe como expressar.

Susseção

A vida essa metamorfose constante,
De um crescer, de um evoluir,
De um envelhecer, de um revelar,
E quantas leituras são necessárias para entendê-la?
Talvez muitas ou nenhuma...
Ah, a aurora quando desperta,
E Apolo quando chega, tudo revela...
Envelhecer é ver tudo revelado,

Eu, menino matuto que olha além dos garranchos
Das catingueiras e das juremas.
Vejo o tempo passar, como o inverno que passa
E deixa seus rastros na paisagem,
Que perde a cor e a flor...

Dessa vida que passa
Que levo no peito?
Saudades e lembranças que construo
Ao ver a vida passar,
Ontem ouvia Sinhá que já dorme na eternidade,
Seus óculos bifocais e o lento piscar,
Sua memória viva a me ensinar...

domingo, 9 de agosto de 2015

Pais?

Amadurecemos?
Vivemos!
Cada um de nós passa pelas etapas da vida e o que aprendemos com estas?
No geral fazemos o que aprendemos ou aquilo que fazemos de melhor,
Mas nunca sabemos ou saberemos quando estamos no nosso ápice.
Somos soltos neste mundo, todos ficamos órfãos um dia.
E sofremos antes e depois, porque nunca estamos seguros.
Sempre queremos ter alguém a quem abraçar e em quem confiar.
Na  maioria das vezes não abraçamos nossos pais, porque sabemos que eles estão ali,
E quando partem nos fica o vazio...
Então porque não fazer um geste de carinho e amor todos os dias além desta data comercial?
Eis uma grande incógnita.
Acho que até o fim somos crianças que cresceu, mas que não amadureceu...
Talvez a paternidade represente um pouco desse amadurecimento,
Onde acertamos ou erramos?
Quem sabe... 

sábado, 8 de agosto de 2015

Crianças

As crianças divertidas,
Tão fofinhas e cheirosinhas,
Cheias de alegria,
De curiosidade,
De inocência,
Amanhã cuidarão da terra,
Dos seres e de nós,
Estamos educando bem nossos filhos?
Quem não sabe.

Divagar

Quão vasto é o céu,
Nem nossa consciência pode entender,
E parado aqui estou,
Cansado,
A olhar as aves de lata
Partir e chegar,
Ir e vir,
Ancorando,
E se afogando
No profundo céu,
Minha mente cansada,
Minha vista pesada,
Observa presa entre vidros
O vasto cerrado de Brasília,
Ainda tenho clara em minha mente,
Minha pequena casa,
Parece que não sai daqui a quase dois anos,
Tomaria o ônibus para a rodoviária do plano,
De lá para STN
E saudaria em frente o Santa Helena,
Cruzaria as praças
Para adentrar no bloco três do...
O esquecimento me é clareia,
E a humaninade, e o limite humano
As leis da vida me retoma ao poema,
E me perco,
Como os aviões se perdem de vista no ar.

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

A noite

A noite o mar e a terra não se separam,
Tudo está tão próximo.
Tudo está tão profundo.
A noite tem a textura do vento,
E a suavidade do perfume de uma flor.

Sol, céu e mar

Os dias que passam,
Oculta vida,
Tantas coisas,
Tantos olhares,
Que lindo mar,
Viajar,
Sonhar,
Poetizar,
Poemizar,
Fortaleza...

Quanta beleza,
Quanta pobreza,

E viva o mar.

Fortaleza

O mar,
O horizonte,
O vento,
Hélices a girar,
Ondas a quebrar,
Na praia,
Gente a comerciar
Peixes,
Falas,
Calas...

Aqui é Fortaleza,
Quanta beleza Iracema...

Quanta leveza doce frema.

sábado, 1 de agosto de 2015

Envelhecer

Envelhecemos e muitas vezes não acompanhamos a dinâmica da vida que se renova.
Nos tornamos mais experientes e podemos perceber as sutilezas entremeadas no mundo,
Mas a vida se renova a cada dia e nossos corpos envelhecem,
Somos como qualquer corpo de matéria que envelhece, desgasta,
Todavia carregamos e renovamos a vida no outro no nosso ser.
Percebo um pouco de mim nos meus avós, pais e sobrinhos
E o que carregamos da vida vai além de cultura e de genética,
O amor pelo ser, pela humanidade,
Acho gente tão bonita...
Quando entenderemos que somos animais
Como qualquer outro grupo de animais
E se agimos assim é porque é de nossa natureza...
Nossos conflitos e anseios
Que só a idade pode nos domar
Só assim envelhecendo que entendemos o todo.