sexta-feira, 31 de julho de 2015

Apocalipse

Calipso!(oculto)
Que podemos perceber?
Ver!
Ser!
Eis o estado,
Passageiro,
Um eterno devir,
Ser e não ser,
Velado e desvelado,

O amanhã pode revelar,
A noite pode ocultar...

Que ocultamos em nós?
Nem mesmo sabemos,
Desconhecemos...

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Flor

Flor,
Flor que desabrocha,
Flor é fruto,
Flor que torna-se amor,
E tudo desabrocha,
Encanta,
Embeleza.

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Delinear

Enquanto a brisa passa,
E a chuva chove...

Vou lentamente pensando,
Delineando minha existência,
Amanhã,
O amanhã não me pertence...

terça-feira, 28 de julho de 2015

Substância

Meditar,
Pensar,
Conhecer,
Uma música,
Uma frase,
Um poema,
Um objeto,
Um riso,
Roupas,
Transportes,
Comida,
Tecnologia,
Palavras,
Frases...


Uma chave,
Uma pergunta,
Curiosidade,

Que matéria constitui o que penso?

Vai saber.

Tempo complexo

Por que pensamos no tempo?
Se sabemos que nunca o seguraremos!
Pois sempre se vai como o vento,
Como o sol,
Como as águas de um rio,
Como a beleza de uma flor,

O tempo se esvai,
O tempo vira fumo
Sem matéria,

Tempo, tempo, tempo...

To me serves apenas
Para me encher de mundo,
De palavras,
De formas,
De ser
De viver...

Tento odiar o tempo,
Mas sou essência de seu correr,
Porque o tempo sem mim,
Simplesmente não existe,
E sem tempo não tenho referência,
Trajetória,
Existência.

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Perceber

Chuva,
A chuva chovendo dia e noite,
Chove, chove, chove,
Pingos,
Vento,
A terra molhada sorrindo,
Á água escoando,
O tempo passando,
E num momento impar
Percebo a chuva chovendo.

domingo, 26 de julho de 2015

Indagar, ser, ser

Existir!
Há alguma escolha em existir?
Existimos,
Não escolhemos onde nascer,
Nossos pais, nossas origens, nosso meio,
Quando nascemos já existe algo que nos concebeu!
Pensamos que pensamos,
Cremos que cremos,
Mas o que pensa ou crer por nós?
O subconsciente ou a alma...
Este corpo,
Esta carne quente que envelhece,
Que se desfazer
Esse calor natimaterno,
Esse respirar intermitente,
E o ser que se faz
Sem saber como e o que fazer.
O que somos?
Qual nosso legado?
Essa trajetória,
Essa viagem que é a vida...

Reprodução

As ondas do mar,
A brisa da manhã,
O despontar da lua,
De uma estrela,
O desabrochar de uma flor,
A incessante busca pelo amor,
O parto, nascimento,
Primeiros passos, palavras,
Essa criação humana,
Num ato de se descobrir,
De vir a ser
De se reproduzir
E morrer,
Dormir na eternidade,
Geração seguida de geração.



sábado, 25 de julho de 2015

Envelhecer

Amanhecer,
Entardecer,
Diversas vezes,
Sob o sol ou sob a chuva,
Sob alegria, sobre a tristeza,
Viver,
Continuar vivendo,
Tudo isso é aprender,
É ter é ser experiência,

Tudo isso é envelhecer,
Ter que seguir mesmo vendo o outro partir,
Ter que seguir quando algo muito forte se rompe,
Um grande amor,
Uma peça de sua vida,

Continuar a viver,
Continuar a ser,

E encontrar novos motivos,

Para rir,

E continuar,

Quem sabe não é uma nova chance da vida?

Deveras temos que aprender a amar,

Porque viver é envelhecer,
É torna-se clássico, não velho...

Ser forte sempre

Até o fim.

terça-feira, 21 de julho de 2015

Quimera

Uma flor
Que desabrocha,
Botão que vira flor.
Uma flor que se revela,
Perfumada e bela,
Uma flor pequena,
Uma flor singela,
Uma flor não é uma aurora,
Mas é tão bela quanto ela,
Flor efêmera,
Pétalas suaves,
Flor andrógina,
E de repente flor fruto,
A flor vira fruto,
E seus óvulos sementes,
E assim se passa a efemiridade da flor.

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Ébrio

Seguir sempre em frente,
Não fumo... encaro tudo,
Não bebo, sou solitário,
Um ébrio pela vida.

Poesia do mundo

O sabor do chá,
Do chocolate,
Do caldo de galinha caipira,
A textura da rosa,
Da pele feminina,
Da frescura menina,
As cores das matas
Que me revelam quem sois oh plantas...

E esse mundo que se revela todo dia,
Que se faz doce poesia.

Poema

Um doce poema Neruda,
Um genial poema Jessié,
Um poema Drummond,
Poema metafísico Pessoa,
Um poeta vivo...
Em quantos tempos conjugamos
Poemizar?
O tempo passado torna raro
E precioso tudo escrito,
Cora doce Cora...


domingo, 19 de julho de 2015

Dia

Diaaaa, linda poesia,
E o sol nascendo
E vai crescendo,
Nuvem frouxa no céu,
E eu e você ai...

sábado, 18 de julho de 2015

Sombra

A noite
Escondeu o dia,
Com sua concha nix,
Hoje é ontem,
A lua,
Estrelas,
Que há em mim do dia que passa?
Alegria,
Tristeza,
Solidão,
Vitória...

Que há por trás do dia,
Que essa noite encobre?

Ah...

Tudo,
Nada,
Quem sabe...

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Busca

A gente se perde,
Fica desnorteado,
Busca um sentido,
E nem sempre encontramos
Por não saber o que buscamos.

Passam as horas,
Passam os dias,
Passam meses,

E essa busca pode consumir a vida.

Afinal o que buscamos?


Uma manhã,
Uma tarde,
Uma noite,

Caminhar,
Andar,
Saúde,
Paz,
Cura,
Coragem,
Amor,
Fé...

Afinal somos tantos
Podemos tanto
E nada.

domingo, 12 de julho de 2015

Praia

Uma manhã
Ensolarada
A brisa fresca,
A sombra das árvores,
A areia solta,
O mar,
Que será do amanhã?

Sabe lá,
Que importa é viver agora...

Um sorvete,
Um dindim
E o sol
E o horizonte,
E a barraca...

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Doce lembrança

Cai a noite,
Esta noite,
Noite impar,
De silêncio
E sussego...
O amanhã é uma incógnita,
mas agora,
Só faltava o canto do cocá,
Noite escura e estrelada,
Quantas imagens de minha infância
Refletem em minha vida,

O canto do guiné sobre o cajueiro da casa velha,
A lua prateada,
A areia fria,
A brisa silenciosa.

quarta-feira, 8 de julho de 2015

Ação

Existência,
Sobrevivência,
Persistência,
Potência,
Tempo,
Vento,

O ser que se move,
Que se faz...

Onde está sua essência?

O vento que sopra é apenas vento,

A árvore que é afagada só uma árvore,

E as energias se diluem, se dissipam,
Se fazem e desfazem...

E tudo é e tudo deixa de ser!

Neste estado de eterna transformação...


Tempo veloz

Bem não sei o que acontece, mas ultimamente o tempo tem passado depressa. E o impressionante que nem tenho me tomado por tento. De uma certa forma desde que desfruto de alguns confortos, creio que a minha vida está encurtando. Engraçado que cada vez mais rápido, as tenho constituído relações voláteis, rápidas, que pouco deixam marca, exceto algumas que marcaram ou ainda marcam. Tudo está indo depressa demais, queria por um freio, mas não é possível, cada vez mais sinto que as coisas dão certo, isso parece acelerar-me, empolgar-me e com isso os grãos dos anos caem da espiga vida.
Sei, com você é assim também?

terça-feira, 7 de julho de 2015

As flores

As flores são belas por serem flores?
Ou são belas por serem perfeitas?
Flores!
Exuberância de cores, belezas e odores,
Trabalhadas pela natureza,
Produzidas com tamanha destreza...
Flores azuis como o céu,
Amarelas como o sol,
Ocrácea como a terra,
Verdes como as matas...

Que poderia eu falar sobre as flores?
Fonte de minha doce existência,
Fonte de meu viver...
Efêmera como a paixão,
Das flores frutos nascerão,
Nas flores sementes virão,
E tudo se fará do nada,
E que toda planta se reproduza...
E que exista por milhares, milhões de anos,
Mais nada.

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Tempo, tempo, tempo

A que caminhas?
Um passado pesado,
Um presente ausente,
Um futuro inexistente...
Ontem conheço,
Hoje realizo,
Amanhã... amanhã... Quem sabe.

Quem sabe quem machucou o paralelepídedo,
Ou a porta de sua casa?

A história de cada um se dissolve no tempo.
A história de cada um se constrói com tempo,

Só vivendo se constrói um invento...

Tempo, tempo, tempo.

domingo, 5 de julho de 2015

Dissolução

Que há de ti em mim?
Que há de mim em ti?
Tudo ou nada?
Se estamos próximos teremos tudo,
Se estamos distantes teremos algo?

Se tudo está dissolvido no mundo,
Encontrar algo maravilhoso e inesperado
É possível,
São tantas possibilidades...

Mas o que está próximo e o que está distante...

E assim tudo acontece, realiza e acaba.

Inércia

Os anos,
Os lugares,
As coisas,
Os costumes,
Os hábitos,
Uma leitura,
Um sonho...

Há um elo que nos constitui
Que nos define,

Esse elo,
Essa função,
Essa relação

É o viver, o ser, o agir...

É a possibilidade de tudo
É a inércia do nada.

Saber e sentir e viver

O silêncio da noite,
A cama macia,
O descanso!
Após noites mal dormida,
Que pode ser melhor?
Depois de viajar para longe,
Nada melhor que ter para onde voltar.
Nossa casa...
Há tanta gente sem casa?
Há tanta gente perdida no mundo
E pior na vida.

Como se encontrar?
O que buscar?

Uma identidade?

Talvez!
Podemos pensar nisso
A noite e com uma cama macia,
Mas muitas vezes, calçadas e papelões
São camas e cobertores...

Cadê as paredes?

Como é triste.