quinta-feira, 25 de junho de 2015

Agradável

É manhã,
O céu nublado,
Desfia uma chuva,
Que passa
Que volta,
Chove,
E a chuva chovendo é tão perfeita.

A chuva tem a capacidade de nos fazer pensar,
Paramos e percebemos
A natureza desfiando,

Pingos de chuva,
Vento,
Desprendidos,
Afagam a aroeira,
Vejo a chuva,
Sempre tão fria,
Tão suave,
Agradável...

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Desejo

Luz,
Luz,
Luz,
Brilho criso,
Manhã rubra,
Este ser que acordou,
Que viveu,
Que aprendeu,
Agora...
Quer o descanso,
Descanso breve da noite,
Que a vida seja longa
E a morte rápida,
Mais nada.

Coragem

Quantas lições aprenderemos?
Uma, dezenas, milhares...
Sei lá,
Algumas coisas chegam na hora,
Outras temos que correr atrás.

Vai dia

Vai dia,
Vai com as palavras densas,
Vai com os ares de dor,
Vai dia, fecha-se como uma flor,
Vai...
Quero esquecer o que aprendi,
Quero esquecer o que vivi,
Vai dia,
Tu que se apresentou no instante da dor,
O que ouvi,
É triste,
Ouvi dizer que alguém sofre
E é alguém próximo,
Sem ter o que fazer,
Deixo partir,
Vai dia...

terça-feira, 23 de junho de 2015

Questão

Uma xícara de chá,
Nenhuma fogueira vejo queimar,
Só vejo a fumaça e o som de bombas
Ecoando na noite.

Cadê minha alegria de São João,
O bolo de milho feito na folha de bananeira,
A fogueira, milho cozinho, assado,
E a tira de traque...

As fogueiras de papai com madeira
De madeira de cajueiro e cajaraneira,

Bom,
Ainda bem que tá frio como naquele tempo,
Nem tudo está perdido,
Tanta coisa pode acontecer,
É só querer...
Eis a questão.

Arder

A fumaça da Noite de São João,
Fogueiras ardendo em chamas e brasas,
Madeira se desfaz em calar e luz e cinzas...
As chamas lambem e queimam a madeira,
E alumiam a noite,
Enquanto consome a madeira,
O tempo é consumido,
E a fumaça dança
Elegantemente para o céu,
Enquanto tudo se desfaz.

Escolhas

Haverão dias felizes?
Sempre esperei por dias felizes,
Acreditava que um dia não estaria sozinho,
Teria milhares de amigos,
Não estaria sozinho, nunca mais...

Enganei-me profundamente,
Com o tempo até os amigos mais próximos
Se distanciaram, tomaram os caminhos de suas vidas.

Aqueles com minha idade hoje tem filhos e suas famílias
E estão longe...

Meus irmãos também e meus pais...

O tempo me ensinou e me fez viver tanta coisa,
Amores, conquistas e dores,
Passei por tantas dificuldades e vitórias,
Mas a vida sempre se revela
Sempre mostra outra face,

Hoje nem as orações me restaram,
Algumas músicas doces...

Tudo fruto de minhas escolhas.

Cada dia mais racional,
Cada dia com mais histórias ouvidas,
Umas tantas vividas,
Mas cadê as amizades?

Toda a delicadeza de uma flor que desabrocha na manhã e se fecha na tarde,
Assim são nossos dias de vida.

Transição

Se todos de certo sentimos solidão
Em maior ou menor intensidade,
A solidão faz parte de nosso ser...
Essa sensação intensa de vazio.
Algo em nós nos faz sentir essa ausência,
E essa sensação muitas vezes se repete
E se repetirá...
Essa sensação de indisposição...
Passa, é só uma transição.

Solidão

Qual é a substância da solidão?

Só...

Rua vazia,

Casa vazia,

A gente pode sentir o frio das coisas,

A textura transparente da solidão,

A ausência plena de disposição,

Gotas de água frias se desprendem

E se deixam evaporar no tempo frio...

Um número de telefone,

Uma frase no Face ou no Whatsapp,

Não...

Nada,

O silêncio ganha textura,

O vazio som...

Pior quando o vazio ocupa o peito.

Contemplação

A manhã se passa suave,
O sol que apareceu,
As nuvens lhes ocultou
E a chuva brindou a manhã,
Cai e canta e encanta,
Suave chuva canta,
A chuva chovendo
Enchendo a manhã,
Chove, pode chover,
Eterno momento,
Contemplação.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Essência

Uma palavra,
Fé,
Luz,
Felicidade,
Paz de espírito...

Silêncio,
A noite,
Os grilos,
Estrelas rutilando,
O universo,
Verso unido...

Manhã

Manhã,
Chove, pára de chover,
A janela de vidro tem pingos,
Que desprendem suavemente,
E vejo o mundo transparente entre os pintos,
O sol oculto entre as nuvens,
Assim permaneço entre janelas e cortinas,
Na manhã que agrada minha alma.

domingo, 21 de junho de 2015

Viva

Um vinho,
Uma conversa,
Amigos,
Quem percebe a noite de aprofundar?
Se inebriar,
Sorri,
Chorar!
Viver,
Alegres noites,
Viva a vida!

Acontece

Acontece tanta coisa na vida,
A gente vai de lá pra cá e de cá pra lá,
Vamos vendo a vida acontecendo,
Muitas vezes sem está atento
A sua sinfonia, e por muito não aprendemos a viver.
Viver é ser,
Hoje somos tudo,
Amanhã quem sabe?
Encaro viver como aprender,
Por mais completa ou incompleta que seja a vida,
Tudo ou quase tudo nos é revelado,
Ou um pouquinho de cada coisa,
O tempo e os anos são grandes mestres,
Nos ensinam a ter paciência
E por vezes nos dão sabedoria...
Tanta coisa acontece na vida.

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Eco do tempo

O silêncio frio da madrugada,
Cantiga de grilo,
Pensamentos grandiosos,
Como alimentamos nossas mentes
É a maneira como vivemos,
Ontem, ainda ontem,
Não era o que sou,
Perdi algo e ganhei algo,
Caminhei no tempo,
Passei pela senda do tempo,
Ouço o eco do tempo em mim,
Na noite, na madrugada
Quando tudo é silêncio, saudades e solidão.

terça-feira, 16 de junho de 2015

Convicção

"A existência precede a essência" Sartre

Tudo em nós é escolha, construção,
O primeiro encontro, coisas tão simples,
Responsabilidade, uma prova da escola,
Escolhas, pensamentos, projetar a vida,
Renúncias, a busca do que não se conhece,
Nossa construção como seres,
Cada vitória simples, deveras uma construção,
Do que sou, daquilo que quero ser,
Sabe lá!

Nesta jornada chamada vida,
O tempo é nosso eterno guru,
O tempo nos ensina, nos revela
e nos apaga,
Essa trança, esse tecido que são as gerações,
Que vai tecendo, se perdendo,
Se encontrando, velando e revelando,
Aquilo que nos é revelado na vida,
ou oculto,
Onde nos perdemos?
Que escolha dará certo?
Ah, angústia de cada dia...

Força, segue em frente com convicção.

Encontros

Amigo, onde te encontro?
Como te cultivei?
Não sei, não sei...
Foi a vida,
Foi a vida,
Foi no acaso da vida,
Seguia o mesmo  caminho,
Caminhou por onde caminhei,
Nos encontramos,
Nos alegramos,
Nos combinamos,
Seguimos juntos,
Fomos felizes,
Estivemos juntos como num casamento,
Na alegria e na tristeza,
E na hora da partida,
Quando tive que te deixar!

Ai, e como chorei,
E como meu coração sangrou,
Meu coração estilhaçado ficou,
Pois tudo que construímos tivemos que deixar para trás,

E a vida continuou...

Hoje distante, estamos em outras vidas, fizemos novos amigos,
Mas a nossa história vive em nossos corações,
Pulsando deveras,
Que quando nos encontramos
É como se fosse a primeira vez,
Nos abraçamos, conversamos, nos amamos,
E somos felizes,
O tempo parece que não existiu em nossa ausência,

Que eterna alegria o encontro de uma verdadeira amizade,
Sem necessidade, sem vaidade, apenas amor...

Nos tornamos um só em dois corpos,
Agora que estou distante só saudade,
E as lembranças nos une,
E a vida segue adiante,
E somos pelos a cada encontro.

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Acontece

A noite,
A noite estrelada,
A noite solitária,
Silêncio nem um gemido,
Nem uma dor,
Nem um ronco...

Cada um com sua vida,
Cada um com sua lida,

A arte do eterno aprender,
A arte do eterno ser,

Tudo é passageiro,
O que foi ontem não é mais hoje,
Nem nunca será,

Olhei uma rosa rosando, florindo,
Não a vi se abrindo,
Não a vi fechando,
Estava viçosa, cativante,
Mas os segundos,
Mas o tempo...

A noite merece uma reflexão
E uma oração de agradecimento,

A cada instante algo se renova...

E a noite passa.

Lavrar o próprio pão

Divina chuva,
Divino chão,
Da semente germinada,
A esperança de pão,
Das matas torcidas,
De cor cinzentas,
A lenha,
Do Chão desnudado, feijão,
Milho, gerimum, melancia e melão...
Tudo nos braços e com suor lavrado,
Calos na mão,
De geração em geração,
Até o bolsa família...

Mundos

Quantos mundos há no mundo?
Meu pai, Chico de Chico Raimundo,
Meus tios Raimundos Nonatos,
Todos vieram ao mundo,
Em berço pobre e sem letra,
Um se alfabetizou, se formou
O outro, oh! Triste realidade,
Faleceu de câncer!
Doença que come a gente por dentro,
Metástases, tumores...
Dor...
Pra viver no mundo,
É preciso ser forte,
Tem que todo dia enfrentar a morte
E se entregar,
E como semente se plantar,
E germinar e se tornar calor de alguma estrela,
Quantos mundos há no mundo?
Oh, tantos Raimundos há no nordeste?

terça-feira, 9 de junho de 2015

Paixão?

O tempo forjador de todos fatos,
A noite cúmplice,
Meu olhar foi roubado
Por tua beleza,
Tua retórica,
Tuas palavras,
Tua doçura...

Toc. toc. toc...
Quem é?
Uma paixão,
Tem nome?
Solidão...
Pode entrar, mas não fica,
Que trás junto?
Tristeza.
Ah, assim vou me esbaldar,
A vida terá mais sentido
Quando tu partires,
Pode entrar...

Existencialismo...
Nietzschianismo...

Borges, por que me encanta?

O problema de nossa existência,
E vem e vai...

Sem nunca aprender
O que é a paixão.

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Fenômeno e fato

Uma xícara de chá,
A sombra da noite,
O silêncio!
Uma frase.
A vontade de viver o momento,
Cada segundo,
Mas o relógio a trabalhar,
Anuncia o tempo.
Tic-tac-tic-tac...

E o que pensei?
E o que vivi?

Tanta coisa para aprender,
Tudo quero apreender,
Mas preciso de tempo,
Para viver e digerir,
E fazer acontecer.

Ou nada disso.

domingo, 7 de junho de 2015

Fixar

Até o sono chegar,
O tempo passa apressado,
Dia longo,
Doce, triste solidão,
Saudosismo...
Pessoa,
Heidegger,
Sono,
Tudo parece tão inútil,
Mas no meio das pedras,
Há sempre uma fresta para se fixar.
Amanhã pode ser diferente.

Grandes enganos

Viver,
Quantos enganos,
Quantos beijos de paixão,
Já vivi o amor?
Grandes e pequenas descobertas,
Uma busca incessante,
Vida errante,
Inútil buscar,
Tudo que sei foi por errar,
E o que sei?
Nada...

Enchi minha vida de doces memórias,
E vejo o tempo passar,
Vejo minha pele enrrugar...

Grandes enganos,
Viver sem ser... sem ter.

Viver.


Tempo

Uma semente,
Uma plântula,
Uma planta,
Seu tronco,
Seus ramos,
Suas folhas
Suas flores,
Abelhas,
Borboletas,
Pássaros,
O vôo,
Os ares,
O céu,
A atmosfera...

O tempo e sua trama,
Tudo faz acontecer!


Solidão e adjetivos

Às vezes paro para pensar
Na vida, no passado, no presente,
Já não penso mais no futuro,
Chegou um momento em que o futuro
Parece ser só de sofrimento e dor.

Mas a vida como um dia se passa,
Como uma colheita é ceifada...

E as tardes e as colheitas podem ser agradáveis.

Então, o que eu fiz da vida?

Não vivi, mas não cultivei os amores,
Vivi e aprendi a ser a me virar só,
Amanhã quem sabe se só restará solidão e frio e medo e um fim.

Mas nem pensei nisso, o texto se encarregou,
Sou mais Nietzschiniano...

Parar para pensar é consequência da solidão...

sábado, 6 de junho de 2015

Divino

A noite,
As sombras do sol escondido,
As formas ocultas,
Melanus,
Por Deus,
O que nos falta?
O que não temos...
Porque queremos?

Divino mistério.

terça-feira, 2 de junho de 2015

Dar sentido "Conhecer e ser conhecido"

A brisa fresca da manhã,
Madrugada despida, escura,
Paralelepípedos irregulares,
Meio fio branco,
Ervas daninhas,
Uma mangueira crescendo,
Carolina e sementes vermelhas,
A casuarina,
Caminho para a manhã que chega,
Entre um e outro bom dia,
Minha alma se enche de alegria,
E minha vida ganha um novo sentido,
Em desconhecidos que se revelam,
Suas personalidades, suas vaidades,
Felizes por mais um bom dia,
E na volta um até amanhã,
Ou até segunda,
Num rito sagrado,
Uns faltam por uma semana,
E me pergunto que aconteceu,
No reencontro um riso de felicidade,
Aos poucos sou conhecido e conheço,
Cada um.
E se pergunto "tudo bem?"
Respondem-me com um "Tudo em ordem"
Lindo isso!
Tudo bem, as vezes...
A gente se afeiçoa as pessoas,
Aos momentos,
E a vida ganha um novo sentido,
No riso de um, no olhar de outro,
Na presença religiosa das pessoas,
Eu peguei o bonde andando,
Mas já me sinto em casa... 

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Metamorfose da alma

O tempo passa apressado,
Nem percebemos,
Pois queremos ser mais rápidos,
E esquecemos de ver o simples da vida,
Os detalhes das coisas,
O capricho da natureza,
As peças florais,
Seus aromas,
Suas formas...

Nos atemos aquilo que achamos importante
Que muitas vezes nem é,
A maioria das vezes não é.

A vida passa apressada,
A gente pega carona no ritmo do mundo,
E somos levados como naus ao vento,
Sem destino próprio,
Sem meta,
Onde chegar!

Não segamos assim...

Respeitemos o tempo e nossos ritmos.