domingo, 31 de maio de 2015

Cicatrizes

Foi-se janeiro,
Em janeiro paixão,
Foi-se fevereiro, março, abril, maio
E a certeza de uma paixão,
A frescura de uma amor...
A certeza da solidão.

Saio na janela tomo o ar,
Sinto meu peito tragar o mundo...

Sinto o momento
E minha consciência toma conta de mim,
Quando penso em tristeza e solidão,
Esses sentimentos expressam um vazio...

Ai, uma oração me preenche...

Estamos condenados a ser só, Pessoa sabia muito bem disso,

Não entendemos o que falamos...

Acreditamos, mas...

O tempo tudo resolve, tudo apaga, tudo cicatriza.

Adeus maio

Mais um maio que parte para o infinito,
Sei que foi um mês muito bonito,
Mas vai, pode ir e que venha junho.
Maio mês das mães,
Mês de colheitas,
Mês de inverno...

Fico como um velho que não pode partir sobre uma barreira
Vendo alguém que ama partindo,
Se distanciando, sumindo na estrada...

Se não somos nós que partimos...

As crianças a alegria de mais um mês ido,
Aos adultos tempo vencido e muitas perspectivas em junho,
Aos idosos menos um mês...

Tempo, rio que não para de fluir.

Passado de memórias,
Presente de auroras,
Futuro de incertezas.

Maio passou a alguns agradou
A outros nem percepção.

Cada dia que passa torno-me mais quem sou,
E deixo de ser o que fui...

Maio, mãe, início e fim.

sábado, 30 de maio de 2015

Desejos

Traço uma linha,
E sigo como quem planta numa corrente,
Em linha reta,
Vou plantando meus grãos,
Grãos de milho e feijão...

Ah,

Como encontrar o caminho reto para a vida?

Na música?
Na poesia,
Na pintura?

Na igreja?

rs.

No Sexo?

Tudo apodrece...

Tudo mofa...

Que se vão os desejos.

Universal

Estou perdido no tempo,
Nos giros e sulcos de meu cérebro,
No seio de minha vida,
Pessoa, Shakespeare, Borges...

Meu remédio kafkiano,
Doce Chopin,
Alegre Mozart,
Gogh de minha vida...

E como a brisa e a manhã
Tudo passa.

Engano

Um engano,
Louco e tirano,
É o que virá pelo amanhã,
Ah, não existe coisa mais vã...

Viver plenamente o momento presente,
Pois um dia tudo estará ausente,

Tudo passará
Tudo se eternizará,
Ou melhor dizendo se apagará.

terça-feira, 26 de maio de 2015

Por que será?

Flores,
Abelhas,
Polén,
Vôo,
Pouso, 
Cálice,
Corola,
Androceu, estames,
Gineceu, pistilo...

Ramos, 
Folhas,

E paro para olhar o mundo,
Vejo o mundo muito com uma concepção botânica.

Por que será?

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Mas será?

Manhã,
Flores desabrochando,
Aves cantando,
Serena a noite parte,
A brisa fresca anuncia
Aurora...

E o escuro se dissolve,
E o mundo ganha forma
E cores.

Maio, dia 25, de 2015,

Só mais um dia,

O primeiro ou o último,
Quantas consciências surgiram hoje?

Estou consciente de que hoje pode ter sido o último,
Mas não foi...

O amanhã quem sabe nascerá.

Quem sabe!

As vezes as coisas parecem desconectadas, mas serão?

Manhã, jardim, flores...

domingo, 24 de maio de 2015

Até quando?

Vivemos o tempo do fazer!

Não tempos mais tempo para nós mesmos.

A todo instante tenho que está fazendo, criando, construindo objetos, coisas não percebi a construção do ser.

Observamos as coisas sem estado de contemplação,
Não vemos nada...

Não podemos parar,

Ou seremos engolidos por nossas importantíssimas ocupações.

Até quando?

O que é ser?

Abro a janela sem pressa de sair. Abro para contemplar o mundo. E o que vejo são antigas castanholas, casas, prédios e o céu.  Acho que aprendi a capacidade de contemplação ou talvez nunca tenha tido. Cada vez o tempo que me sobra para contemplar é ínfimo. Eu perdi o tempo, não sei o que fazer, se contemplo, se assisto um filme, se falo ao celular, se converso no face ou watzap... São tantas as possibilidades que me angustia. Antes eu me angustiava por não ter livros para ler, hoje não tenho tempo embora tenha os melhores livros.
O que contemplar?
Sou o senhor do meu destino. Risos!
Uma oração?
Uma imagem?
Uma paisagem?
Eu perdi a concentração, não sei mais o que é contemplação com essa vida dinâmica em que corro de cá para lá querendo aprender tudo e ser tudo... O que eu sou e em que estou me tornando? Em que estamos nos tornando?
Volto a janela olho o vazio da rua, sinto desespero... Rua vazia, casa vazia, mente vazia...
Acreditava que no futuro as coisas seriam melhores, mas o futuro chegou e tudo continua a mesma coisa, mesma dimensão, ânsias... Acho que estou mais sereno, finalmente o tempo me explicou que nesta vida não é possível tudo, tenho que me contentar com o que ou quem eu sou... Mas quem ou o que sou?
Não responderia, porque sou movimento, sou viver, sou o que penso, que reflito e nada do que tenho é meu... Tudo é emprestado, inclusive o corpo que habito.

sexta-feira, 22 de maio de 2015

É assim

E segue a noite,
Ler uma poesia,
Tomar um chá,
Cair na balada,
Tudo e nada,
Começo e fim,
O sentido da vida,
Cabe a cada um desenhar,
Colorir,
E viver.

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Cada passo

E lá se vai a noite,
Como um ônibus
Que partiu sem nós,
E lá se vai a noite,
E ela vai indo,
E vai sumindo,
Como vamos partindo,
De nossa breve existência,
Não precisamos de olhar para trás,
Sigamos em frente,
Olhando para os lados...
Vigiando cada passo.

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Reinventar

Minha alma se dobra,
Diante do tempo,
O qual me escraviza,
Esse louco fluxo
Que me faz correr
E tentar ser o que não sou!
Eu não sou professor,
Não sei professar,
Eu não sou jovem,
Não sei correr,
Eu não sou algo engessado,
Acredito que sou esse fluxo inconstante,
Essa sombra que projeto ser,
E que se constrói e se destrói
Continuamente...
Essa existência que oras me faz ver no futuro,
Horas me angustia perceber o passado
Tão volátil, diluível,
E perceber que o tempo
Voa...

Revelar

A chuva quando cai de manhã,
Suave, suave, leves pingos,
Molhando a manhã,
Manhã de maio
Que passa e deixa o tempo marcado,
Enquanto a chuva deixa o mundo molhado,
Mais agradável, mais ameno.
Minha alma se enche de alegria,
A doce poesia que é o viver,
E sentir como os momentos se desenvolvem
E acontecem em nossa torpe existência.

terça-feira, 19 de maio de 2015

Morte

É uma loucura viver,
Cada dia preciso de mais tempo,
No entanto só subtrai-se a cada momento,
O tempo contado,
Esperando o melhor momento,
Tola espera,
Diante do espelho,
Vê-se na imagem
Sem perceber
O tempo esvaindo,
E essa loucura que é a inveja,
A vaidade...
Só o amor reverte...

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Reflexão

É importante que não deixemos
Fulcros na vida,
É preciso entender os vácuos,
Nossa existência breve,
As vezes não é suficiente para entendermos o mundo...
Refletir é essencial.

Aúrea cruz de malta

Na noite uma estrela brilhou,
Brilho feito uma cruz de malta,
E a noite se tornou tão bela,
Vi aquela estrela bela,
Parecia uma pequena flor amarela,
Que nasce aqui e ali,
Nos cursos das águas,
Sobre os espelhos das águas,
Áurea flor de malta,
Estrela bela tão alta...
Amar,
E não ser amado...

Lucinana (luz primeira)

Luciana doce aurora,
Que bem e que passa,
Na aurora de meus dias
Luciana, tenra luz da manhã,
Lux, que tinge o mundo de cores,
Que faz abrir as flores,

Vem a minha vida,
Luciana,
Doce aurora...

Quando será aurora última?

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Valer a Pena

Flor que desabrocha no campo,
De aroma doce da flor fresca,
Na beira da estrada,
A água do riacho escoando e cantando,
O perfume do mufumbo,
Água leitosa,
O capim silvestre cresce viçoso.

É feliz quem tem memórias
Doutos tempos!

Onde eu encontro a beleza do mundo hoje?

Entre as rochas verdes ervas nascem,
Entre pessoas más, pessoas boas habitam.

Entre tanta coisa adulta....

Algo há de valer a pena.




quinta-feira, 14 de maio de 2015

Conhecer as flores

As flores,
Doces flores,
Flores silvestres,
Flores do jardim,
Flores de jasmim,
Seus perfumes,
Suas cores,
Doces flores,
Lindas cores,
Clívia,
Agapanthus,
Açucena,
Dracena,
Cordiline,
Yucca,
Flores como não te contemplar,
Como não te amar,

Naquela rua,
Bem na esquina de parede azul,
Tem muitas portulacas,
De polém amarelo
E estigma estrelado...

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Pensar

A cada instante que se passa
Não sei se percebo algo sutil,
O tempo passa e no passar do tempo,
Pequenos eventos se sucedem,
Totalmente desconhecidos,
Ou de certo previsíveis,
Mas desiguais, completamente novos.
Paro pra perceber o mundo,
E não consigo porque minha mente
Não para de pensar,
De associar, de se relacionar com o meio...
E quando me desprendo dos sentidos,
Fujo do tempo de tudo...
Outras memórias,
Pensar o impensável,
Que acontece no momento presente.
Mais nada.

terça-feira, 12 de maio de 2015

Palavra

Toda palavra é um préconceito (Nietzsche)

A voz é a substância da palavra (Borges)

Como organizar a mente com mais praticidade?
Tente usar as palavras.

Eterno tempo subjetivo

O dia,
A manhã,
A tarde que arde,
A noite e o vento de acoite,
O cansaço,
Os desejos,
O trabalho,
Nada está completo,
Estará eternamente incompleto,
Se fazendo e desfazendo!
Num eterno devir,
Janeiro,
fevereiro,
março,
abril,
maio...1979, 1980, 1981...1987, 1988, 1990, 1994...2000, 2008, 2012, 2013.??? 2015.

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Cansado

O cansaço,
Nenhum espaço,
Para pensar,
Sorrir ou amar,
Somente dormir,
E relaxar,
Se preparar
Para um novo dia.

domingo, 10 de maio de 2015

Reflexão, reflexo, refletir

https://www.youtube.com/watch?v=LlvUepMa31o

A vida pulsa,
Quer acontecer,
A vida acontece,
E sempre segue em frente.
O mundo não para por nossa causa.
O mundo continua sempre a girar,
A nos presentear com dias e noites.

E o que eu percebo do mundo?
O que eu aprendi a perceber do mundo?
O que eu quero que as pessoas percebam do mundo?

Não posso ficar olhando apenas para o meu umbigo,
Não posso esperar que as coisas caiam,
Tenho que agir,
Tenho que pensar,
Tenho que deliberar!

Amanhã pode ser tarde demais!
O amanhã pode não existir,
Pode ser abreviado.

Por tantas coisas...
Faça o que acha que deve ser feito.

Cante, corra, sorria, abrace, ame...

O tempo passa em nem percebemos,
Não percebemos quando não temos um espelho...

É preciso ter um espelho,
Para ver o reflexo,
É preciso ter um espelho na consciência!

É preciso ter discernimento!


Leve!

A noite segue,
Vai se aprofundando nas horas,
Passam-se os instantes,
Nos distancia de um início
E nos aproxima de outro...
Quem sabe o que vai acontecer amanhã?
Só sabemos do que se passou hoje e olhe lá.
Os segundos não voltam.
Por isso segue em frente sempre.
Só mais um dia que passou,
Amanhã não!
Pode ser o grande dia,
Como todos os grandes dias que se passaram,
As pessoas que conhecemos,
Os instantes divinos,
Não exitem instantes divinos,
Pois tudo é divino.
E a noite vai,
E o descanso,
Torna leve minha alma,
Minha alma.

sábado, 9 de maio de 2015

Metafísica do Momento

A brisa que passa,
O grilo que canta,
O sapo que canta,
Ah!
Essas coisas me espantam,
No silêncio da solidão,
Nossos pensamentos gritam...

E vejo os homens passarem,
Em seus labirintos,
Giros e sulcos...

É loucura tentar entender,
O aentendível,
Os passos firmes pelo chão,
Ouvido alerta,
Nada é eterno,
Tudo é o eterno devir.

Conjugar o verbo amar

No escuro da noite,
Brinco com meus sonhos,
Não estou só,
E o dia revela a realidade,
É hora de sonhar,
É hora...

Bom cadê o verbo Amar?

Por medo de conjugar,

Esqueci as desinências amorosas,

Achei melhor não conjugar,

Agora,

Conjugo

Um substantivo abstrato

Chamado solidão!

Ondas da alma

Vai, vai, vai...
Vai noite,
Vai lua,
Sigam estrelas,
Siga vento,
Siga vida...

Vai...

Tempo que não volta jamais,

Flores fecundas,

Veias, rios de sangue,

Alimento para a alma,

O tempo oco,

Tempo mudo,

Vai,

Meus sentimentos
Marcam o tempo,
São minha alma,
Cadê minha calma?

Queria te ver,
Está com você...

O que me resta é só
Poeira ao vento.

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Aprendido

Quanto mais eu vivo,
Mais descubro como
Posso ser feliz descobrindo
O mundo.
Quando a gente vai amadurecendo
Passamos a perceber as coisas com mais sutilezas,
a valorizar cada momento,
Cada instante.

Uma música,
Uma comida,
Uma textura,
Uma brisa,
Uma brisa,
O horizonte,
O mar...
O céu azul,
Nuvens de algodão,
Um cochilo,

Com a idade
Enfim aprendemos a viver.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Dúvida

Observar a lua
Ou ler Borges,
Ou ouvir Bach,
Ou observar Gogh,
Ou está com uma pessoa querida,
Ou trabalhar para compensar os atrasos,
Ou se refrescar em frente a praia,
Ou, ou, ou...

A verdade é que temos tantas opções,
Mas optar nos angustia,
Gera incertezas...
Não se saberá se não optar,
Não podemos morrer de fome como fez um asno
sedento e faminto que morreu de fome ao chegar num vaz de açude,
Não sabia se comia ou bebia primeiro.

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Percepção

E a lua que surge na noite seguinte,
Desaparece na manhã seguinte.
E o que eu percebo dessa lua?
Talvez nem pare para contemplar,
Talvez a vida passe sem que percebamos.
E o que devemos fazer?
Cada um tem sua prioridade.

Plena noite de lua

A noite,
Ontem a noite enluarada,
Lua cor de prata,
Crescia em busca do céu,
A todo momento
Um véu de nuvens,
Apagava e acendia a lua.
E contemplando a lua,
Pensava sobre a brevidade da noite,
E nos ciclos da lua,
A rua estava vazia,
Silenciosa
E só o apito quebrava o silêncio,
Quando acordei a lua estava diminuindo,
Partido para o amanhã,
Enquanto isso os grilos cantavam
Não sei se para a lua ou para a madrugada ou para a aurora...
E minha alma sorriu alegre.

terça-feira, 5 de maio de 2015

Ode a Mangueira (planta)

Contemplei uma linda árvore,
Do frutos doce e calda amarela,
Árvore extremamente bela,
Que vai renovando seus ramos,
Como coxa de retalho,
E suas folhas cor de goiabada,
Viçosa por desenvolvimento,
Ao verde toma contra mão,
E floresce, inflorescências
De flores tão pequenas,
Mas forte mente aromatizada,
Sob sua copa fechada,
A sobra parece chamar o vendo,
Oh!
Maravilhosa mangueira,
Que aqui chegou sobre as frágeis naus,
Tens no Brasil como todo o povo
Aqui chegado,
A sua grande pátria mãe,
Maneira homenageada na grande festa do carnaval...

Quando acordo e caminho nas três ruas,
Eu te vejo e te beijo com os olhos.
Doce mangueira,
De doces mangas,
Em teu doce fruto,
Minhas gerações adoçaram a vida
E minha sementes continuarão
A se deliciar de ti,
E eu, além disto, contemplo sua exuberância.

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Aquela estrela

As estrelas no céu escuro,
Rutilam distante, infinitamente distante,
Pulsam, pulsam feito meu coração sem parar.
Se parar é seu, meu, fim.
Há tantas estrelas belas,
Estrelas coloridas,
Verdes, Vermelhas, Azuis e Amarelas,
Inquestionavelmente belas.

O que posso encontrar no céu estrelado?

Quem sabe um olhar perdido,
Quem sabe ele não se encontre com o meu.

Já aconteceu,

Mas agora!?

Quem olha para o céu a noite tendo uma florescente dentro de casa?

É feliz com a luz fria.

Vida cheia, vida vazia...

domingo, 3 de maio de 2015

Apation

Todo o passado são cinzas?
Ando pisando nas cinzas,
Eu vejo os meus passos cinzentos,
Tudo se desfez em pó,
O fogo tudo consumiu,
O que era bom partiu?
Dura realidade,
Dura eventualidade,
Terá sido tudo em vão?
Flores floridas,
Flores floridas,
Fogo da paixão,
Rubras rosas da paixão,
Teu perfume,
Tua textura!
Passion,
Pation!
Passos,
Passos passados,
Apagados,
Tudo será cinza?
Nem um sinal...
Só solidão.
Amém
Mozart,
Gogh,
Borges,
Kant,
Cristo...

sábado, 2 de maio de 2015

O SER

Só a dor humaniza o ser!
Vejo os estigmas nas imagens,
Vejo as imagens com tanta expressão de dor.
Ser!
Cuidado...
Tudo é vaidade,
Tudo são vaidades...
Cuidado!
O buraco é mais em baixo.
Cuidado com o que falas,
Cuidado com o  que pensas.
Cuidado como vives.
Cuidado para não se tornar um glutão,
Perdulário, um ser desprezível.
Ser sem excesso.
Hoje somos tudo,
Amanhã nada seremos.