terça-feira, 31 de março de 2015

Cada dia

Eu ando perdido no mundo,
Olhando as coisas mais bestas,
A forma das rochas, qualquer pedra,
A forma das folhas, das conchas,
Das flores e frutos,
Paro para observar as sementes germinadas,
Para fotografar sépalas, estames e anteras...

Eu paro para ver o por do sol!
Eu ouço as aves cantarem,
E caminho devagar,
Adoro ouvir a resposta de um bom dia,

Eu ganho muitos risos com um simples bom dia...

Eu adoro as pessoas que estão em minha volta
na manhã ou a tarde,

Gosto de conhecer,

E o mundo e a vida me permite conhecer um pouco cada dia.

segunda-feira, 30 de março de 2015

Impressão!

Ao longo do tempo,
Longo momento,
Longo invento,
Segundos, minutos...
Um jardim,
Uma flor,
Verdes folhas viridescentes.
E tudo que vejo,
E tudo que conheço,
O cheiro da rosa,
Um soneto,
Uma prosa,
Tudo misturado,
Feito vitamina.
Algo que me anima,
Açúcar, chocolate, vinho...
Um abraço,
Um afago,
Um carinho...

Qual a impressão me faz sentir mais vivo?

domingo, 29 de março de 2015

Noctuno

Não quero roque, clássica, forró ou pagode e nem samba,
Quero o silêncio da noite,
Quem dera um vento de acoite,
Depois de mais um dia,
Mais não o melhor dia,
Que eu conceba algo como uma poesia,
Com rima e direção,
Que exprima minhas sensações
Ou essa sensação de silêncio,
Aquilo que é grande
Que esta acontecendo,
Neste instante...
Grilos cantando,
Sapos coaxando,
Sons noturnos,
Vida noturna,
Nada mais.

sábado, 28 de março de 2015

Vanitas

Aquilo que envaidece enlouquece...
Vanitas,
Omine Vanitas,
Vaidade das vaidades,
Peçamos em oração,
Guarda-nos senhor da vaidade,
Que os anos e toda nossa idade,
Nos ensine a discernir o ser do não ser,
Dos labirintos onde podemos entrar,
Labirinto das vaidades...
Eis que o peso a ser carregado e pago,
Está na língua de qualquer ser...
Vanitas.

sexta-feira, 27 de março de 2015

Tudo é

Para além do humano,
A aurora,
A manhã,
As horas que passam,
Meio dia,
A tarde que cai,
A noite que chega e se vai,
Tudo é paz,
Tudo é harmonia,
Para além de um peito,
Para além das paixões,
Tudo é paz,
Tudo é.

quinta-feira, 26 de março de 2015

Possibilidades

E mais um dia se passou,
Se tudo correr bem com a graça de Deus o sol nascerá.
E teremos a possibilidade de fazer melhor,
Teremos a oportunidade de melhorar,
De nos sentirmos ainda melhor,
De contemplar a grandeza de Deus...
E agradecer por tudo que acontece conosco.
Sempre. Amém.

Graças

Gosto de ver as coisas mais singelas,
Como o nascer do sol,
O desabrochar de uma flor,
Coisas tão simples e belas,

Posso observar no nascer e no por do sol,

Início e fim de um dia,

Grata poesia,

Plena alegria,

Ver o céu a noite se tingir de estrelas,

Viver essa vida

A melhor de todas elas,

Amém.

Ótimas lembranças

Às vezes a gente foge um pouco da realidade e volta no tempo vai longe na imaginação. Certamente, alguma vez já fizemos isso ou se não muito bem, que bom que se vive plenamente o presente e não é um saudoso.
Bom uma das minhas imagens favoritas é a imagem da época de maio quando o milho está secando e as ervas crescem e florescem entre as fileiras de milho formando um lindo jardim de Rubiáceas, onde posso ver Estelias e Richardias floridas, flores tubulosas, rosas, suave que da na vista... o cheiro do mato, do solo, da vida, do fim de inverno...

Boas lembranças

quarta-feira, 25 de março de 2015

Construção

E a vida acontece,
Pela manhã,
Pela tarde,
Pela noite,
No vasto horizonte da aurora,
Ou no segundo crepúsculo vespertino,
Acontece agora,
Neste instante que palavras e frases se articulam
Se concluem,
Se fecham,
Se constroem,
Materializa-se meu pensar...
E o seu?
Uma ideia pode ter continuidade sempre,
Tudo está sempre incompleto.

terça-feira, 24 de março de 2015

Vento

As flores que enfeitam e perfumam o mundo,
São as coisas mais efêmeras que há,
Flores doces e passageira,
Como tem que ser,
Como é a vida,
Como é o todo,
Breve e doce sonho que é a vida,
Passageira, mais prazerosa,
Podemos existir,
Melhorar,
Aprender e ser,
Nada mais...

segunda-feira, 23 de março de 2015

Breve desolação

Cada dia que se passa
Se aprende uma nova maneira de caminhar,
Se aprende uma nova maneira de olhar,
Caminhar para frente e perceber as coisas,
Nunca é tarde,
Nunca é tarde,
Exceto no fim consumado.

domingo, 22 de março de 2015

Construir

Esperar
Espero no novo amanhã,
Um novo brilho,
Novas cores,
Novo olhar,
Quem sabe o que virá?
Que me resta além de esperar?
Construir tudo que faz sentido em minha vida.

Caminhada

Cada passo um novo espaço,
Passos seguidos, seguindo na rua,
A irregularidade das pedra peculiares,
Rocha domada angulada,
Rocha unida, forjada no suor,
Sal e água misturado,
Caminho olhando as irregularidades,
As peculiaridades...
Resistentes sementes de ervas
Germinam entre as rochas,
E crescem e florescem,
Não reclamam do calor, da textura
Da aridez, crescem e ainda desabrocham
O que há de mais precioso
As flores da esperança,
De onde óvulo a óvulo,
Desenvolvem as sementes,
Que esperam um novo amanhã
Um solo mais fértil e melhor.
A assim vou caminhando,
Concluindo meu caminho,
E chegando ao meu destino,
E ao pó um dia me unirei,
E as rochas irregulares,
Serão eternas.

sábado, 21 de março de 2015

O silêncio

O silêncio,

O silêncio diz muito  sobre uma coisa.
A ausência de ruido,
A ausência de verbo,
A ausência de um telespectador,
O silêncio...

Estrelas piscando,
A praia com ondas quebrando na praia.

O olhar de uma coruja.

O voo de uma borboleta,

Flores coloridas,

O aroma do mato,

Tudo e nada...

O silêncio pode nos permitir compreender
A grandiosidade de Deus...

Às vezes observar é a maior ciência.

Chuva matinal

A chuva chovendo suave,
Parece cantar cantiga de ninar.

Desfia do céu pingos frios de chuva,
Chovendo, chovendo, chovendo o o o  o  o   o     o

E a água que escorre
Suave, que a terra absorve,

Faz sorrir os vegetais,

Os animais se encolhem
E ouvem a chuva chover,

Na doce manhã de sábado.

sexta-feira, 20 de março de 2015

Aprendendo a contemplar

O silêncio,
A noite estrelada,
O cheiro acridoce da cajarana,
Aves noturnas soltam um som compassado,
Os morcegos voam ecoando,
Que imenso é o céu estrelado,
Como somos ínfimos perante tamanha plenitude divina,
O que somos?
Quem somos?

O sentido da vida é nos que damos,
Apesar de tudo,
Colemos um riso na face,
Viva cada momento de cada vez.
A noite estrelada,
O cansaço...

quarta-feira, 18 de março de 2015

Textura do tempo

Cada dia que se passa,
Mais experiência me acumula,
Quanto mais experiência,
Mais um pouco de sabedoria,
Quiçá mais alegria...

Quem saberá?
Os anos não deixarão de passar,
Virão e passarão,
Trarão e levarão
Homens bons e maus,
Homens...
Como eu e como voce,
Aroma do tempo presente.

terça-feira, 17 de março de 2015

É março alegria da mata

É março,
É março,
No sertão dia de São José,
Tarde com barra tem alegria...

No litoral crescem as árvores,
Florescem as guabirobas,
Crescem os ramos das apuleias,
Ipês, araçás...

A mumguba solta sua paina rufa...

Jucá florindo,

é Tão lindo...

Espocam os frutos das diocleas,
E o tempo seca os frutos da tachigali...

Logo pro vento dispersar...

Casearias florindos,

Sennas georgicas...

Tudo numa beleza e harmonia...

Amanhecer

A noite não tem textura,
Não tem cheiro,
Não tem sabor,
A noite não tem cor.

A noite escura é tão pura.

Estrelas e pirilampos rutilam no céu a pulsar a pulsar.

A noite a alma se abriga na calma,
Do dia enfadonho,
O puro descanso,
O recarregar,
O recomeçar,
Na manhã que ta pra chegar.

segunda-feira, 16 de março de 2015

Razão

O mundo que vivo,
O mundo que sinto,
É um mundo diferente daquele
Que os outros pintam ou comentam,
Sair da menor idade é para fortes,
Os fracos preferem não pensar...

Eis o desastre da humanidade
Ouvir quem pensa ter a razão,
E não raciocinar.

Quem tem a razão?

Sabe lá

Não momento

A perfeição é um ideal,
Nada jamais será perfeito.
Até pode se aproximar,
Mas sempre será imperfeito
porque o perfeito e a perfeição é um ideal.

Pensando na vida,
A gente sempre compara,
A gente sempre espera algo,
E muitas vezes buscamos no passado uma referência
ou empurramos para o futuro...

Vamos fazer as coisas no presente, no momento presente,
Neste instante que ler essas palavras,
Quem sabe o que restará no final,
Talvez nem tenho chegado a ler essa última frase, esse ponto.

Se leu, está se questionando o que quis dizer?
Eu também...
Divago, no momento errado.

domingo, 15 de março de 2015

A gameleira

Eu vejo no dia a oportunidade de viver
E na noite a temos o descanso,
Para poder viver bem no dia seguinte.
Temos que olhar sempre em frente,
E seguir sempre adiante,
Não podemos parar,
Pois se parar estaremos no fim.

Tudo tem seu tempo.

Tem fiquei maravilhado com uma linda gameleira,
Que perdeu suas folhas velhas,
Uma a uma flutuava sobre o vento,
E a velha magistral árvore parecia sorri,
Pois assim rejuvenece,
Logo novas folhas a cobrirão novamente.

Assim é a vida.

sábado, 14 de março de 2015

Vida!?

A noite que chega,
A estrela que aponta,
Vasto, vasto horizonte,
Que há por trás do mar?
Que há no fundo do mar?

O que há?

Esse mar de escuridão.
Essa ausência de luz.

Nossos medos,
Nossa falta de fé.

Não estamos só,
Temos o presente para pintar,
Para cumprir o papel da vida,
Redefini-la, recriá-la,
Mais nada.


sexta-feira, 13 de março de 2015

Cada um

A manhã que me desperta,
Me afaga,
A brisa fresca,
O canto alegre das aves...

Folhas levadas chiando no asfalto,
A lua prateada,
As brasas da aurora,

Shiva, Ganeshe, Buda, Jesus...

Fé, felicidade, fidelidade,

Esperança, riso de criança...

Somos além de tudo místicos,
Racionais e emocionais.

O que somos nós?

Não tem como compreender,

Então resta contemplar...

Particularmente, sinto-me feliz com coisas pequenas,
Canto de rolinhas,
Uma folha desprendendo do ramo,

Tudo e nada,

Se não sei para onde estou indo então por que seguir?

Se não sei o que quero o que querer?

O paraíso é aqui,

A paciência é a chave mestra de tudo...
Ou de nada,
Tudo é peculiar a cada um.

quinta-feira, 12 de março de 2015

Encontro

Queria ser leve como isopor,
dormir sobre pétalas de flor,
Queria encontrar na esquina um amor,
Ou quem sabe na margem de um rio,
Sei lá...
Talvez não...
Sei que quero não...
Sei o que não quero, o que não espero.

Mas uma morena flor de malta,
Cruz das alta,
Flor amarela,
Flor tetrâmera,
Entre tantas Lurdes,
Entre tantas virgens.

Hei de encontrar um amor,
Quem longe de Salvador.

Veríssimo

E os dias passam,
A gente se encanta,
A gente se esquece da vida,
Coisa boa não,
A gente tem que aprender a deletar e esquecer dos problemas.

A gente se entretêm com tanta coisa que até esquece de ler Veríssimo, mas como.
Que coisa professor,
As vezes fala minha chefe Rita!

Mas que coisa mesmo,
Esquecer a crônica de Veríssimo,
Vamos que fosse Da Mata que nem leio mais...
Mas Veríssimo, mas essa página que não abre.

Veríssimo com essa cara de menino levado, mesmo idoso.
E assim me disperso.

Boa noite.

quarta-feira, 11 de março de 2015

Flores

Quantas flores eu conheço?
Centenas e mais centenas,
Conheço suas formas,
Suas perfeições,
Seus odores,
Suas formas,
Suas texturas,
Suas morfologias,
As flores são meu passa tempo,
Minha inspiração...

Hoje fiquei pensando
Que pensava Bentham no tempo vago?
Tenho certeza que amava mais as flores que eu.

Sou um amante das flores pequeno,
Mesmo assim sou um amante...

Gosto das cruzes de malta,

Não sei o por quê?

Vá entender a vida.


terça-feira, 10 de março de 2015

Seguindo em frente

Até que nos encontremos,
Nos cruzamentos da vida...
Quem sabe uma grande surpresa não pode acontecer.
Talvez aconteça tudo,
Talvez nada,
Ainda bem que a vida é uma incógnita,
Temos que descobri-la cotidianamente,
Sem medo e sem pressa.
Amanhã é um novo dia.

segunda-feira, 9 de março de 2015

Poder

E quando a noite cai,
Se me sinto bem,
Amém,
Se me sinto mal,
Amém...
Tudo passa,
Tudo que é se acaba,
Embora as coisas muitas vezes
Tenha existência maior que a nossa,
Às vezes,
Tudo depende de um referencial.

Absolutamente,
Tudo,
Tudo pode ser breve
Ou pode ser longo,
Ou tênue
Ou intenso...

Eis o poder da mente.

domingo, 8 de março de 2015

Momento presente

Após um dia de chuva,
Nada melhor que caminhar na borda da  mata,
O cheiro da madeira podre sendo digerida pelos fungos,
O cheiro da umidade,
A textura macia do solo,
O mundo tão nítido,
Como o movimento da vida,
O movimento em harmonia das notas musicais,
O som professados dos poemas,
A sutileza do todo acontecendo,
Incenso incinerando-se,
Água escorrendo,
Árvores crescendo,
O sol navegando...
Tudo acontecendo no momento presente.

Buscar um sentido

A chuva,
A água correndo,
O vento passando,
Aves cantando,

O espelho das águas,
A calma do mundo,

Formigas trabalhando...

O que faz sentido na vida?

Se não nós mesmos...

Cada um dar o sentido que acha pertinente.

Alguns acham sentido em coisas grandes
E outros em coisas pequenas...

Manuel de Barros que Deus o tenha,

Se denominava o poeta do nada...

Cora Coralina escrevia
Ou descrevia as coisas mais simples,
As coisas pequenas muitas vezes são as mais belas...

Que digam os botânicos
que vem a beleza em flores pequenas,
Antécios de capim,
Flores de jaqueira,
Flores de piriquiteira,
Belas rosales,

Flores de urtiga cansanção...

Quanto menor mais bela...

Ah,

Manuel deve está descrevendo coisas no céu.

Ou coisa parecida,

Encha de sentido sua vida.

sábado, 7 de março de 2015

Uma peça da vida

Como é lindo ver a manhã nascendo e crescendo,
É como uma semente germinando em solo fértil,
Forte, bonita, enérgica...
Da aurora ao meio dia,
Tudo se transforma,
Das sombras a luz total,
Do oculto a plena revelação,
Todo o cenário do mundo
Vai se modificando para entrarmos em cena,
Uns tem papeis mais matinais,
Outros mais vespertinos,
E todos entram e saem de cena
Na manhã que nasce,
Na manhã que finda,
A cada manhã...
Entramos e saímos de cena,
Atuando numa peça chamada vida.

sexta-feira, 6 de março de 2015

Mesmo

É hora de dormir,
É hora de recuperar as energias,
Amanhã é outro dia,
Tudo amanhã é diferente,
Inclusive nós mesmos

O encanto do canto

O som,
Ouço as aves na manhã cantar,
Cantam sem parar desde a madrugada,
Cantam para o mundo embelezar,
Bem-ti-vi, sabiá, patativa, siririca,
Sanhaçu, saira...
Cantam felizes nos ramos das árvores,
Nos ramos de vermelhas pitangas,
Cantam por cantar...
Como são doces as aves,
Será se veem a lua cheia?
Cantem singelas aves,
Anunciem a aurora,
Anunciem tudo que nos faz feliz,
Singela paz

quinta-feira, 5 de março de 2015

O primeiro passo

"Conquistamos todo o mundo antes de nos levantar da cama;
Mas acordamos e ele é opaco,
Levantamo-nos e ele é alheio,

Saímos de casa e ele é a terra inteira"
                                             Fernando Pessoa.



Acho que deveríamos sonhar como as crianças,
Acho que deveríamos manter a ingenuidade delas em sonho.
Quando era criança, era tudo, podia tudo. 
Eu usava minha imaginação
E construía tudo que precisava, carros potentes, aviões, barcos, bois, vacas, fazendas...
Eu fui aprendendo com os adultos as minhas limitações.
Sempre me disseram o que não conseguiria, mas nunca me disseram que não era impossível.

Um bordão que costumava ouvir era: "Quem tem a vontade tem a metade".

E foi ouvindo os adultos dizendo que eu passava e era inteligente que me fiz.
Sempre tive noção de minhas limitações, mas o mundo adora enfatizar isto.

Mas aprendi a me defender reagindo contra o que me limitava.

De certo, ia passando os obstáculos, todavia cada vez mais inseguro...

Até minha fé foi abalada, mas a persistência sempre esteve comigo.

Limpei tudo,

Agora sou criança novamente,
Tudo que depende de mim será cativado.

Um passo de cada vez. 

quarta-feira, 4 de março de 2015

Anoitecer

Ao cair da tarde, hoje,
Coisa mais linda não há,
Então parei para olhar
Aquela linda tarde crepuscular,
E via nuvens passando devagar,
Vi de câmera lenta
O vermelho como uma brasa se apagar
E tudo fui sumindo,
Se apagando se aproximando...
O mundo se apagou-se...
E a noite me lembra tanta coisa boa.


Insegurança

Veja!
Vi o que me enviou,
E respondi,
Quero uma resposta!

Hoje em dia,
Vejo todo mundo conectado,
Todavia nunca vi a humanidade
Tão insegura.

Vir a ver

Tempos que aprender a observar,
Muitas vezes o óbvio está a nossa frente e não conseguimos ver.
A aurora, o por do sol, a noite estrelada,
Flores nos jardins,
Um transeunte feliz,
Uma coisa colossal...
É certo que prestamos mais atenção no extraordinário 
E não vemos o que muitas vezes está oculto em seu tamanho.

Pare e olhe em sua volta!
O que consegue ver?
Eu vejo sementes, folhas secas,
Mas vejo mais que isso
Vejo formas, vejo cores, vejo características
Que me permitem reconhecer seus parentais.

É fácil ver quando se está disposto.

É fácil ver as coisas boas da vida
Basta lista-las,
Infelizmente elencamos as coisas ruins,
As coisas que falharam...

Costumamos reclamar
E fazemos isso com destreza.

Vemos quase sempre meio copo vazio e não meio copo cheio.

Não sei o que poderia dizer a ti, leitor...

Só digo, aprenda a observar o mundo ao teu lado.

Coisas extraordinárias qualquer um pode ver.

Dito isto aprenda a ver as sutilezas
muitas vezes guardadas nas coisas pequenas...

terça-feira, 3 de março de 2015

Amor!?

Santo Antônio pregava para o mar,
Na praia ele falava sobre Deus
E toda sua superioridade,
Ao menos é o que conta
Os sermões de Padre Antônio Vieira.

Às vezes aceitamos fazer coisas
Grandiosas, aceitamos de graça.

Amar alguém é algo assim hercúleo,
Grandioso simplesmente porque
Geralmente não se ama na mesma proporção
E como o amor é uma relação,
Comparamos e medimos e pesamos
Se a relação vale a pena ou não.

Será se saberemos um dia se valeu a pena?

Como saber senão se entregar ao amor.

São tantas as vertentes a serem analisadas,
Eis ai o grande erro: analisar...

Toda e qualquer forma de amor tem que ser incondicional,
Senão não é amor.

Na verdade não sabemos o que é o amor até que se passa
Alguém que nos mostra...

Mas isso tudo são suposições de um romântico,
E os românticos distorcem muito as coisas
Em favor do romantismo.

segunda-feira, 2 de março de 2015

A música mais bonita do mundo

Reflexão

Uma ave cantando,
Uma flor florescendo,
Crianças brincando,
A chuva chovendo,
Aurora!
Aurora de minha vida,
De cores vivas,
Cores quentes,
Cores fortes,
Rubrum,
Rubro,
Rubens,
Brasas bruxuleando,
Tecendo a teia da vida,
As Moiras me contaram um segredo,
O destino não é tecido,
É por nós construído,
No eterno devir.

Espero!?

Ainda te espero,
Ainda tenho sonhos em acordar ao seu lado,
Ainda sonho com as chuvas de beijos que me deu,
Era tão maravilhosa,
Mas agora é hora de partir,
É hora de ocupar o meu coração
Com outro amor,
Sinto a sua falta,
Sinto muito sua falta,
Mas você fez sua escolha,
Ainda dá tempo de voltar atrás,
Ainda é tempo,
Ainda tem tempo!
Por favor decida por nós...

Sinto-me livre como uma águia no céu,
Como uma baleia no oceano,
Como uma serpente no deserto,

Mas preciso dar direção a minha vida,
Não posso te esperar para sempre...

Te amo,

Não espero seu amor,

Vou seguir em frente,
Sabe onde estou e como falar comigo,
Seu silêncio,
Será um eterno adeus.

domingo, 1 de março de 2015

Cata-vento

O vento embala o cata-vento,
Oras devagar, horas mais de pressa,
Gira-gira sem parar,
O cata-vento segue o vento,
E quanto tempo há de girar,
Gira-Gira, sopra o vento.
Sopra vento,
Esse invento,
Louco que é amar.

Contemplar a noite

A noite fui a sacada e sentei numa cadeira,
Fiquei ali olhando para o céu,
Quando se olha para o céu
Não se espera que as estrelas mudem de lugar,
Não se espera que se veja um cometa,
Não se espera nada quando se olha para o céu,
Simplesmente, quando se olha para o céu,
Se contempla sua imensidão, sua infinitude,
Às vezes até sabemos que estamos em alguns caso
Percebendo a luz de uma estrela que partiu de sua fonte a mais de duzentos anos...
Todavia o que isso nos diz?
Nossas gerações anteriores observavam o céu,
E ainda mais que hoje,
Na infância eu o fazia com maior constância,
Não tínhamos eletricidade em casa...
Quantas horas não contemplei o céu?
Para mim o céu noturno sempre foi um fio de esperança,
Eu olhava para a estrela dalva no poente e silenciosamente fazia o meu pedido,
Baixinho dizia para o senhor o que almejava...
E o céu pré-aurora é tão lindo...
Então, paro e contemplo o céu,
Sinto-me mais próximo de minha infância
Onde a felicidade era constante,
Sinto-me mais próximo de meus antepassados,
Um dia serei só poeira, e espero que meu espirito vá para qualquer uma dessas estrelas.
Não posso esperar nada...
Nem que olhes o céu, nem que nus comuniquemos pelo céu,
Ou pela lua, pois você como as estrelas acendem  a noite
E depois é ofuscada pelo sol...

Ciclo de vida

Uma semente,
Uma plântula,
Os cotilédones,
Uma planta,
Seu tronco,
Seus ramos,
Suas folhas,
Suas inflorescências,
Suas flores,
Seus frutos,
Suas sementes...

Como pode não ser poética a vida,
Tantas coisas voltam a acontecer,
E acontece novamente,
Novamente,
Todavia cada vez que acontece
É uma nova vez,
Cada vez é peculiar,
Embora siga a mesma teia lógica,
As coisas são diferentes,
São melhoradas,
Mais adaptadas...

Como nos ensina a natureza.