quinta-feira, 31 de julho de 2014

Acordar

A manhã nasce tranquila.
Podemos sentir seu aroma
Ao abrirmos a janela,
Um delicioso bafo de mundo,
Fresco e úmido.
As aves felizes a cantar!
Cães a ladrar,
Enquanto o sol desperta suave.

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Ver

Na contra mão,
Viver,
Viver na solidão,
Viver a solidão,
Ver os dias passarem,
Ver a brisa passar,
Ver o dia passar,
Ver o primeiro e o segundo crepúsculo passarem,
Ver as luas passarem,
Ver os dias e as semanas passarem,
Sem saber o que espero passar.

O tempo já foi mais lento,
Hoje, percebo mais poeira, mais cinza no horizonte.
Vejo as aves partirem,
Vejo as aves partirem,
Eu vejo a idade impressa nas faces dos meus amigos,
Vejo no espelho a impressão do tempo,
E doí perceber que as aves partem,
Porque elas partem e levam o que nos faz bem
Sua presença...

Mas é preciso viver,
É preciso viver,
Cada minuto,
Cada segundo,
E ver tudo passar,
Até que passemos,
E a vida continua...

Sem sentidos

A solidão,

Olhos que não vêem,
Ouvidos que não ouvem,
Bocas que não falam,

Tem olhos, mas não vêem,
Tem ouvidos, mas não ouvem,
Tem bocas mas, mas não falam,

Os cegos,
Os surdos
E os mudos.

De uma certa por uma deficiência,
Tem olhos, mas não vêem,
Tem ouvidos, mas não ouvem,
Tem bocas e balbuciam...

Hoje estas pessoas se comunicam são normais,
Mas no passado não tão remoto.

A cegueira,
A moquiça,
Eram prisões aos idosos,

Conheci Vicente de Joana,
Conheci o cego da casa do sampaio,
O cego que tocava flauta.
Uns sisudos,
Outros falantes,
Uns contentes e outros tristes.

O que é a natureza humana?
Certamente se tivesse uma deficiência
Seria triste...
Por falta de fé ou por indisposição?

Onde estão as paredes que encerram nossa prisão?

Em busca do amanhã

Aqui,
Ali,
Acolá.
Onde minha mente está?
Muitas vezes distante,
Muito distante do meu corpo,
Fico a matutar.
Minha alma, minha calma...
Minhas memórias vivas,
Que surgem a cada olhar,
A cada tocar,
A cada impressão que tenho.
E reflito sobre tudo,
Inclusive sobre nada.
Vejo a vida desfiar,
Por um fio,
Cada coisa a se desfazer
E a reconstruir.
Ah!
O poder das fotografias, espelhos com memória
De nos fazer refletir,
A doçura dos aromas,
Viver é quase sempre reviver.
Nunca estaremos plenos.
Pessoa nos ensinava a voltamos
Aos sentidos... Sinta o mundo e viva o presente...
Mas ecoa em minha mente,
Instantes de saudosismo.
E vamos buscando o melhor
Que sempre nos promete o amanhã.

terça-feira, 29 de julho de 2014

Matutar

Um chá quente
Para esquentar a brisa fria.
O sofá no escuro,
Para o corpo descansar,
E pensar, matutar...

Cães a ladrar,
Os vigias a apitar.
O barulho dos carros.

Penso tanta coisa,
Quem sabe meus pensamentos,
Não marcarão um pessoa.

Sabe lá.

O rio

O rio que como o mar
tem maré, oras esta cheio
e oras esta vazio,
como entender esse rio,
se enche para secar
ou seca para encher?
Vá entender o rio
que todo tempo é frio.

Errante

Sinto um doce aroma quando passo perto de um pequeno arboredo,
aroma de ar puro matinal.
gosto de ver a grama orvalhada.
manhã ensolarada,
flores brancas e roxas,
canto do sabiá,
vivo aqui, ali aculá.

Noite

Quando a noite caiu, fez-se o escuro e o silêncio.
O feito breu não mostrou as estrelas.
Dentro da casa escura e fria,
meus olhos embutidos em saudades
e silêncio calaram a qualquer movimento,
Senti o peito bater, o braço pulsar,
senti a noite fria me abraçar,
a noite como estava vazia,
tão vazia de tudo
que apagou qualquer coisa visível,
apagou minhas ideias,
me senti feito pintura
imóvel eterno.
Toda a natureza recatada...
toda a noite calada.

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Passagem

Segue o tempo,
Segue o vento,
Segue a noite,
Seguem os dias.
Cremos na nossa permanência eterna na terra.
Só cremos,
Porque nada temos,
Nada é nosso,
Tudo é emprestado.
O nosso corpo,
A nossa família,
O nosso nome,
A nossa profissão,
Nossos dias.
E tem dias que nos falta coragem,
E assim nascemos,
E assim vivemos,
E assim cremos
E passamos por nossa vida.

Vidas numa vida

A manhã está pálida e calma,
Canta contente o rouxinol,
A chuva choveu brevemente,
Nessa paz vem a  minha mente,
Cenários de inverno de minha infância,
Das manhãs alegres pós chuva,
Do calor perfumado de nossas cobertas
De malha de rede.
O vento ventando no telhado,
A voz agitada de mamãe,
O badalo paciente do chocalhos do gado.
E a cada manhã,
Posso perceber e reviver as vidas em minha vida.

domingo, 27 de julho de 2014

Praia

O sol,
O céu azul,
O mar,
Ondas se espalham na areia.
A brisa fresca,
Grupos de pessoas,
Comida,
Coqueiros
Praia.

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Humanidade

E na hora profunda da noite,
Na hora última,
Aceite senhor,
Aceite senhor,
A minha calma,
A minha alma.
Quando já não resta vida,
Tende piedade de nós,
Que a humanidade é tamanha,
Que quase não há humanidade.

Rogado senhor

Meu Deus,
Meu Deus,
Cadê a minha fé?
Aquela fé que me destes agora me tirastes?
As minhas esperanças,
Os meus sonhos...
Tanta coisa que parece me faltar,
Talvez seja sua ausência
Gritando em meu ser.

Ser triste

A noite e a solidão se misturam,
Se confundem e se fundem.
Noite sem lua,
Sem ninguém na rua,
Noite de sexta-feira,
Ah, a vida se passa,
A noite se passa.
Eu estou perdido em minha solidão,
Estou perdido em meu ser.
Está tudo tão vazio...
E porque me entrego
Ao meu fim...
Ser triste é ruim.

Chuva

A chuva chovendo,
Canta, dança,
Escorre,
Escoa,
A chuva chovendo
Molha, lava e umedece.
A chuva chove numa vitalidade.
Chove de manhã,
Chove a tarde,
Chove a noite,
Chove e para
E a vida segue.

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Balé da vida

O que eu consigo ver
E tudo aquilo que consigo descrever,
Tudo aquilo que serve para expressar-me,
Eis o universo que preciso dominar.
Não necessito me expressar para viver,
Basta apenas viver.
Basta apenas consumir,
Ler, ouvir, sorrir...
É preciso muito pouco para viver.
É preciso paz e saúde e sabedoria
Para suportar a vida,
Para levar no peito alguma alegria.

Ah, as curvas elípticas de uma flor,
Sua simetria, textura, odor e cor.

A textura da areia, a cor da areia...

As propriedades da água,

A distância das estrelas...

Tudo me encanta,
Tudo evidencia minha humanidade finita,
E infinita em minhas sementes,
Esse tecido humano que se faz e desfaz,
Que se eterniza na fusão de esperma e óvulo,
geração após geração,
Geração após geração,
Nascem e morrem os grandes gênios...
E de onde surgiram os gênios
Senão de um pequeno útero frágil e feminino,
Ocultos no escuro da noite,
Oculto no pudor humano.

E a criatura ganha forma,
Ganha vida,
E esta o consome
E se renova,
Ah aqueles que se eternizam,
Mas no final todos não somos mais que estrume
Que matéria pustulenta,
Que desagrega em menos de um dia..
Vanita, de que serve.
Vitae sedes hoje,
Quem sabe amanhã.

Um louco confabulando

A vida
A vida deve ser vivida,
A vida deve ser bebida,
A vida deve ser respirada,
A vida deve ser experimentada,
Pois a vida um dia será acabada.
Nem sempre estamos em estado de graça,
Temos dias bons e dias ruins,
Dias alegres e dias tristes,
Temos todos os nossos dias.
Precisamos fazer a vida valer a pena,
Pois a vida é muito curta pra ser uma vida pequena.
Tem gente que aprende a gostar das coisas,
Mas tem gente que gosta de graça.
Será uma graça do Criador?
Criador, cria...
Criatura.
Será uma graça saber criar?
Talvez não ou talvez sim.
É importante aprender a viver todos os momentos da vida desde cedo.
É importante aprender com os outros
E cedo tomar as rédeas da própria vida,
Pois a vida passa,
Pois a vida é breve,
É preciso aprender a ser leve.
E viver e amar, e respirar,
Até o fim.

Um piano ao cair da tarde

As vezes uma infecçãozinha não é de todo mal.
A quanto tempo não tomava sopa ouvindo música de piano.
Cada lugar por onde passei aprendi diversos hábitos.
Em Brasilia, comia sopa ouvindo um piano ao cair da tarde,
Com a linda voz de Lúcia.
Cá estou em João Pessoa quente que só,
Onde tomar sopa não é tão agradável,
Nem consigo ouvir o programa pela net.
Ao menos tem o youtube.
Como é doce o som do Piano.

Julho

Julho,
2014,
Chove,
Faz sol,
As aroeiras da praia
Tem seus ramos balançados pelo vento
Que vem de longe,
Que delícia de dia frouxo,
Que beleza e quanta alegria
Que há no mundo,
Aos tudo vai melhorando,
E o dia vai passando.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

O melhor

O corpo em febre,
O mundo sem cor,
O mundo sem sabor,
O corpo enfermo,
Tudo tão ermo,
O que é bom?
Nada.
Saúde é muito importante,
O amor é uma invenção,
Depois da saúde,
O calor do corpo,
Calor da noite,
Impaciência,
Demência.
Esperamos sempre,
O melhor que está sempre por vir.

terça-feira, 22 de julho de 2014

Dor

A noite,
A garganta infeccionada,
O inoportuno da infeção,
Dor, dor, dor.
E o corpo quer dormir,
Descansar...
E assim se segue
A noite calada, longa,
Tudo se passa,
Bem devagar.

domingo, 20 de julho de 2014

Felicidade

A noite,
Minha simples existência.
Uma música,
Balões de memórias,
Sensações desencadeadas neste momento,
Lembrei das manhãs úmidas
De Barão Geraldo,
Da Unicamp,
Boas sensações,
Em que a vida era tão fresca e intensa.
Quatro anos que se passaram
Muito rápido em minha vida
E que deixaram profundas marcas de felicidade.

Estrada

Não sei o que me aconteceu,
Mas sei que um dia quis der diferente,
Quis viver algo diferente do mundo que me cercava naquele pequeno distrito.
Vivia numa casa limpa e aconchegante, seguro sob os cuidados de  meus pais.
Ali tínhamos duas estações inverno e verão (seca).
Os dias em casa estação pareciam semelhantes. Pareciam, mas não eram.
Com pouca comunicação, pouca gente.
Restava-me o ócio.
Nossa casa pequena e baixa rodeada por fruteiras.
Cajueiros, cerigueleiras, pinheiras e palmatoreas.
Tínhamos galinhas, porcos, vacas e um burro para conduzir a água que usávamos no cotidiano,
Principalmente durante o verão.
Não sei, mas naquela monotonia, ouvia dizer que quem estudava se dava bem na vida.
Então me apeguei a essa ideologia.
Comecei a ler por autoestimulo.
Lia tudo que caia em minhas mãos. Não gostava de textos longos nem de textos que tivessem apenas letras.
Gostava mesmo eram dos livros didáticos que tinha figuras,
Pois as figuras dão asas a nossa imaginação.
E como quem vai construindo algo sem saber o que fui construindo o meu saber.
Lia, lia e lia, só lia.
Eu construí um castelo ao meu redor.
Acho que passei a maior parte do tempo vivendo no mundo das ideias.
Acertando e errando, aprendendo com os erros.
E quando olho do alto de meus anos, vejo um grande abismo.
Sinto que conquistei o que desejava,
Mas quer saber ainda vivo no ócio, tenho angústias, medos e todos os sentimentos humanos.
E se me perguntarem aprendeu a viver.
Responderei que viver é algo mecânico,
Todavia cada dia é um dia, cada momento é um momento
E a vida vai nos surpreendendo a sua maneira,
De forma maravilhosa, mas de forma triste também.
E assim vamos vivendo nossos dias,
E assim vamos completando a nossa vida.
Não sei se construí muita coisa,
Ao menos tive ideologia.

sábado, 19 de julho de 2014

Desapercebidamente

A tardinha,
A rua vazia,
A luz que se esvai,
A brisa fresca,
O corpo cansado,
O jazz,
A solidão,
O sofá da sala,
Pipocas,
A mente que se esvazia,
A tarde que se esvazia,
A noite que se entrega
A terra,
Somos o que pensamos,
Somos o que vemos,
E o que construímos,
E organizamos nossos mundos,
E a tarde passa,
E a vida passa,
Desapercebidamente.

Adeus a Rubem Alves


A tarde vai caindo,
A tarde vai se despedindo,
Lentamente, lentamente...
O sol desaparece no poente,
E com ele a luz,
A noite vem chegando vem devagar,
Essa tarde agradável de brisa fresca.
Hoje, a tarde parte, o dia parte,
E com o dia parte o último suspiro
De quem tanto amou e respirou,
Rubem Alves.
Eis que hoje foi último dia
Que alumiou sua visão,
Último afago solar,
Aquele que se dedicou
A tornar belo o mundo
Através das palavras,
Educador e destro escritor,
Partiu bem devagar,
Da porta do céu aguarda João Ubaldo...
Este dia será o último de um grande homem,
Este ano o último de grandes homens...
E nos temos que darmos continuidade a vida
E ao mundo.
O sol nascerá amanhã,
E depois de amanhã,
Até que tenhamos o último suspiro...
E assim seguirão as gerações!
E teremos a oportunidade de relembrar
Essa que é a nossa era,
A era que viveu o grande Rubem Alves,
Sobe para o céu dando Adeus,
Adeus!

Amor a vida

Podemos até dar um sentido científico,
Classificar a natureza, conhece-la com destreza
Através da ciência,
Mas ainda sim ela é plena e encantadora.
A natureza é perfeita.
Busquemos nela exemplos
De como existirmos com harmonia,
Nela se encontra criador e criatura,
E dela tudo retiramos necessário a nossa existência,
Que sejamos capazes de entende-la, compreende-la,
O tempo passa e a natureza trata de amenizar a nossa dor,
Mas até quando sustenta-se-a?
Precisamos construirmos como seres para o amor,
Amando cada instante de vida ou ao menos tentando.

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Paz

O mundo é tão belo quando estamos em paz.
A manhã é mais viva com o canto das aves
E com todo o brilho do sol.
Viver em paz é um estado de graça.
Viver em paz, eis a grande sabedoria humana.
Contemplamos o mundo quando estamos em paz.
Tudo fica mais vivo, mais belo, mais interessante,
Mais agradável.
O canto das aves nos faz tão bem,
A brisa da manhã,
O doce de uma fruta,
O sossego de um lar.

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Perfume da manhã

É incrível a manhã,
O canto das aves,
O quebrar da barra,
Doce aurora.
Contemplar o horizonte,
Ver os primeiros raios do sol brilhar,
E quando abrimos a janela,
Fresca a brisa da manhã,
A brisa tem um aroma de novo,
De especial,
As cores e as formas são reveladas,
A criatura é revelada
Pela luz do Criador.
E a construção de um planeta continua,
Manhã universal,
Nasce para os bons e para os maus.
E como cheira a manhã.

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Geometria

A noite escura
Que se acende com o brilho da lua.
As rochas sólidas que formam a rua.
Os muros pintados ou abandonados,
As plantas cuidadas,
Árvores podadas.
Ocultos e revelados pela lua.
O oceano que é a noite alumiada.
Salvo minhas memórias,
Nestas horas revivo e renovo minha vida.
Aprendo a viver mais um pouquinho.

Graça

Quando amanhece, antes do sol sair, cai a chuva que lava a rua. Desperto e olho para a rua, olho para o horizonte. Vejo tudo tão distante. Eu vejo o mundo despertando, e me vejo despertando, vejo a chuva vir e a chuva ir. Não sei como interpretar a chuva, não sei como interpretar o desabrochar de uma flor! Apenas contemplo. Sei que por um instante sou só eu e o Criador. Não sei quanto tempo ainda me resta, ainda bem. Assim contemplo a aurora, e acordo para a vida, para mais um dia.

Lua infinita

A lua cheia encheu a vastidão da noite,
Encheu o mar de brilho,
Encheu os campos de formas turvas,
Pintou a areia da praia de branco.
Então veio uma nuvem e a apagou,
E sua água derramou,
E partiu.
E enquanto a água escorria,
E enquanto o espelho da água se formou,
A lua se multiplicou,
Foram milhares de luas,
Luas grandes,
Luas pequenas...
Luas de luz.
A lua é eterna,
E nossas vidas passageiras.

terça-feira, 15 de julho de 2014

Dimensão

Somos tão pequenos perante o mundo,
Perante o céu e o largo horizonte.
Somos um grão de areia na praia,
Somos formigas no solo de uma floresta...
Tamanha imensidão merece contemplação,
Contemplar toda esta vastidão
E compreender quão limitados somos,
Mesmo aqui quanto podemos fazer.
Salve as manhãs, o canto das aves,
A brisa...

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Movimento

E quando a noite cai,
E quando os olhos cerram,
A mente nem sente,
E o corpo descansa,
E a vida deslancha,
Segue seus dias,
Feito poesias,
E as noites caem,
E as noites caem,
E os olhos cerram,
E o tempo passa...

Descoberta de Borges

Certa vez ainda em Campinas,
Folheando livros da coleção poker
Encontrei um livro e descobri e me apaixonei por um autor.
Naquela tarde de domingo,
Descobri Borges,
Jorge Luiz Borges.
Já o conhecia, mas confesso que passei a adorar essa figura mitológica.
Desde então, leio, releio
E tento encontrar mais sabor, cor e beleza na vida.

Contemplar

Ah, este universo tão imenso,
Este mundo tão belo,
Este lugar que estou,
Minha vida,
Esta manhã que amanhece,
O calor de minha casa.
Na vida tudo passa,
Quão fugaz é a vida assaz.
Parti coração parti,
Cada manhã é impar,
Cada manhã se passa,
O tempo que passa,
Já não volta mais.
Vanita vanitas...
Sobe e desce o sol,
A cas que tinge de experiência,
E agora manhã abençoada,
Um dia não mais terei,
Voltarei para o meu criador.

sábado, 12 de julho de 2014

Como tem que ser

A tarde que passa
Tas em si a chuva,
Que cai intermitente.
A tarde que passa,
Não é a mesma tarde
Que sábado passou,
Estávamos cheios de esperança,
Mas é uma tarde nova
Que fica velha,
Que passa depressa,
Para dar espaço a mais um mera.
A tarde passa quente e chuvosa.
Passa como tem que passar.

Elo da vida

Como é belo o canto das aves,
Como canta maravilhosamente cada ave,
Bem-ti-vis, patativas, sabiás...
Qual fugaz é um canto,
Quão belo sua expressão.
Como podemos cantar se não sabemos,
Não gorgeamos, raros são aqueles que cantam,
Aqueles que produzem música.
Aqueles que fazem um poema.
E poematiza a própria vida.
Que seja além das vaidades.
Não tem vaidade a ave ao cantar.
Canta porque a vida lhes dar o canto.
E o canto dar sentido
E permite que a vida permaneça
Num elo atado pelo sopro da vida.

A noite em conjunto

A lua cheia,
A noite suave,
A sombra das copas das árvores.
Num tom escuro e frio,
A brisa,
As pedras soltas frias,
A areia fria,
O sono profundo,
Grilos ciciando,
Cães acordados,
As estrelas num céu infinito
A rutilarem seu brilho tão antigo...
Como me percebo no mundo.

Tenho que aprender
A tentar compreender o outro mundo,
As vezes nossos mundos são impares demais.

E a vida segue.

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Passagem do que foi ao que virá

A noite profunda
Que se vai,
Que se entrega na madrugada de um novo dia,
A lua cheia de julho,
A brisa fria do novo dia,
Que acabou de surgir,
O agora que torna-se ontem.
Sono e ressono na madrugada.
A lua continua cheia,
Amanhã que o sol surgirá
E revelará toda a graça
De um grande criador.

Ah, este criador...
Sua existência
É a nossa última esperança,
Porque seguimos
Sempre em frente em direção ao infinito,
E ao pó nosso castelo voltará.

A madrugada embrionária...
Nossas impressões
Pálidas, vivas
Existentes.

Doce manhã salina

Desperta a manhã de céu cinza,
Enquanto o sol sobe sobre o mar,
O céu torna-se cerúleo,
Belo, lindo suave,
As ondas quebram lambendo
As areias da praia,
Fresca areia,
Macia areia,
Vasto horizonte,
Como é universal o céu e o mar.
Como são felizes aqueles que desfrutam
De uma praia,
Ver o nascer do sol e da lua,
No fundo, no amplo horizonte.

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Eternidade do tempo

Caem as estações,
Caem as manhãs,
Caem as tardes,
Caem as noites,
Caem as horas,
O tempo sempre a passar
Independente,
O tempo sempre novo,
Infinito presente em todas gerações,
Tempo que se renova em cada ser
Que nasce, que acorda.
O tempo presente entre as estrelas,
Entre as lua,
Presente entre tantas e tantas gerações
Que encerradas dormem para a eternidade.
Sozinho, nascemos e partimos.
Cada um com sua solidão,
Cada um com seu universo.

A tarde

E no cair da tarde,
Quando o sol quebra para o poente,
As águas da superfície mornas,
Exalam um cheiro de água,
Exalam um cheiro de sal de mar.
E vemos a tarde partir,
Sentimos a tarde partir,
A tarde marca com sua partida,
muito mais que as manhãs.
As tardes parecem serem vivas.
Vivas como um coração a pulsar,
Vivas ao se desfazerem no ar.

O encanto

Nasce mais uma manhã,
Mais um dia entrará para o infinito,
Um dia feliz ou dia triste,
Haverá gente com ambos humores.
Esta  manhã que nasce e já vai partindo lentamente,
Nasce fosca e vai ganhando cores e formas,
Nasce nublada, mas embalada
Pelas aves...
Quem ensinou as aves cantar para a manhã?
Hoje a aurora foi cinza
E a luz chegou tímida.
Levanto forte,
Olho tudo ao meu redor,
Inclusive como chegará o sol.
10 de julho de 2014.
Passo a passo segue-se a vida,
Minuto a minuto passa o tempo,
Desfecha nossa realidade,
E assim segue mais um dia.

terça-feira, 8 de julho de 2014

Subjetivo

Conchas,
Rochas,
Sementes,
Frutos secos,
Cores, textura sólida.

No vaso viridescentes plantas acomodam suas raízes...

Tanta coisa acontecendo no mundo,
Tantos mundos lá fora.
Tantos mundos além do meu submundo subjetivo.
E a maneira como organizo meu mundo,
Nem sempre agrada ao outro mundo.

Nem sempre as coisas fazem tanto sentido a todos.
Então sigamos em frente.

Tempo que sobra

Quando nos sobra tempo para pensar?
Corremos tanto em busca de nossos sonhos
Que mal temos tempo para pensar.
Pensar na vida, pensar no mundo, pensar nas pessoas,
Pensar naquilo que nos é oferecido.
Quanto temos tempo para amar quem realmente nos ama.
O tempo é curto, então diga que ama a quem ama.
Sorria com intensidade e celebre a amizade.
Imagine que boas amizades são construídas com o tempo,
Boas amizades nos acompanha vida afora.
Bons amigos estarão sempre ao nosso lado,
Quando a vida nos evidenciar sua fragilidade.
Lembre-se que o tempo passa,
Os anos caem e aqueles que amamos partem muito cedo.
Talvez sejamos capazes de mudar parte de nossas histórias.
Quando nos sobra tempo?

Encanto e desencanto

Os anos passam,
Os anos passam,
Os anos passam e arrastam os dias e as noites.
Dias de alegria,
Dias de tristeza,
Noites de alegria,
Noites de tristeza,
Encontramos o conforto em viver
Dia a dia...
A vida sempre segue em frente.
Não podemos nem devemos olhar para trás,
O passado não existe mais,
Volto ao infinito da inexistência.

Os anos passam,
Os anos escoam de nossas mão como grãos de areia ao vento.
Não sabemos como viver melhor ou pior.

Os anos passam levando nossa juventude e vitalidade
E nos devolvem em experiências,
Uns plantam suas sementes e outros não saem da sombra da inexistência.

Eterna noite estrelada,
De brisa frouxa
Que me afaga,
Alegras as árvores das ruas
Que não entendem que o tempo passa,
Simplesmente florescem.

O vento simplesmente sopra
E a lua surge e desaparece,
Num movimento eterno,
De encantamento e desencantamento,
E tudo desaparece como apareceu.

Seguir


Como se percebe o mundo,
Cada um percebe a sua maneira,
Cada um com suas limitações.
Vive-se como se deve viver.
O tempo passa,
A vida passa,
Nos acendemos e apagamos,
Temos que encontrar sentido na vida,
Além das paixões,
Além dos desejos,
Perceber que tudo é tudo
E nada é nada...

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Companheiras

Sempre fui solitário e tive os livros como companheiros,
A solidão nos cerca, nos abraça,
Então resolvi cuidar de flores,
Tenho sete flores e uma amarilis.
Cuido de todas elas com muito carinho,
Com elas não me sinto tão sozinho,
E assim passa a vida.

domingo, 6 de julho de 2014

Ser sensual

Arrumar a casa,
A tanto desarrumada,
Sentir a vida em cada parte e curtos momentos,
Sentir a textura do chão
Com a palma do pé,
Porosa a terra,
Macio o chão arenoso
Onde nascem ervas e árvores.
Vemos e conhecemos as ervas
Que crescem ornamentadas e perfumadas,
Suas flores tênues, seus tricomas e suaves folhas,
Raízes aromatizadas.
Poder sentir o aroma desfiado do incenso,
E ver o sólido tornar-se fumaça e cinzas.
Poder sentir a brisa que vem sabe lá de onde.
Tragar do cálido chá,
Sentir o gosto do líquido caliente
Sobre as papilas escorrendo pela boca
Seguindo a laringe e invadido o profundo de nosso ser.

Ouvir o outro, o externo o que expressa o mundo...

Rever aquilo que já foi visto,
Ressignificar a vida,
Reencontrar o caminho,
Numa cantiga, num poema,
Na vida branda.
O amanhã desconhecido que muitas vezes nos assusta,
O ontem que se distancia tenuemente
E saber que a vida passa independente de tudo...

É necessário aprender a sentir o gosto da vida,
A textura do sono,
Coisas do mundo.


Alegria em viver

Que delícia que é a vida, uma poesia,
Com seus ritmo e sua sintonia
O despertar de mais um dia
A brisa suave e fria
O céu azul,
Ao  infinito nuvens de algodão sobre o mar.
Minha alma em meu corpo alegre desperta,
E sinto a brisa vibrar,
Sinto uma alegria imensa.
Em ver a beleza do mundo,
Em sentir-se um ser profundo,
Mais nada.

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Felicidade breve!

São tão raros os momentos plenos de felicidade,
Creio que nunca felizes nos tornando cada vez mais racionais.
São tão poucos os momentos que valem a pena!
Parece que o importante é sentir-se bem.
Tudo passa.
Então procuremos fazer algo que nos faz sentir bem
Sem passar pelo direito do outro.