terça-feira, 27 de maio de 2014

Rememoração

Entre uma e outra sensação,
Entre um segundo e outro,
Entre uma memória e outra,
Lá se vai a vida.
E ela se vai independente de tudo,
Gostando ou odiando...
Temos saudades dos tempos dantes...
Sabe, vem a minha memória,
Continuamente doces memórias
De coisas tão simples
Como as ruas de onde morei pela manhã,
Ou a tarde ou a noite...
Nada mais é como foi.

Tudo passou,
E me restou amizades e recordações
Que se vão como água no fim de inverno...
A vida passa,
Tudo passa
Nada fica.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Pedido a noite

Oh, noite que me a afaga,
Oh, noite companheira,
Tu que nunca me abandonas,
E sabe como a vida é passageira,
Agradeço a Deus pela noite,
Que amedronta ou que acalenta...
Quanto tu chegas,
Bem que não queria está sozinho.

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Chuva

Chuva,
Chuva que molha,
Chuva que molha o solo,
Chuva que molha as árvores, arbustos e ervas,
Chuva que enche os lagos e os rios,
Chuva que chove,
Chuva chovendo,
Chuva que chove a qualquer hora, pela manhã e agora.
Continue chovendo,
Pra que a vida continue brotando.

terça-feira, 20 de maio de 2014

Vida e família e tempo

A família,
Pai, mãe e irmãos.
Somos todos e não somos ninguém.
Avó, avó e tia.
Gente próxima,
Gente distante.
E a vida segue com seus mistérios,
E leva consigo tudo que nos foi dado.

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Tudo passa

Solidão,
Saudades,
Noite e noites,
O silêncio,
As memórias,
Uma fotografia,
Um breve momento,
Coisas que acontecem
Instantaneamente despertam
A memória e desencadeiam a saudade.

O curso da vida segue sempre o mesmo leito,
Pode até fazer curva,
Mas sempre segue o mesmo leito,

Antes de tudo preciso saber o que é saudade.
Antes de tudo preciso reconstruir tudo
E esquecer ou ao menos tentar esquecer
O passado que muitas vezes é pesado.

Solidão,
Atrai saudade,
E a noite grita pelo passado,
No fim tudo será passado um dia.

Doce manhã

Calma a manhã nasce perfeita.
Sexta-feiras e as águas de maio,
O canto das aves, roxinós, doidelas,
Tantas aves enfeitam a manhã!
Sinto falta do sabiá.
O céu nublado,
A floresta fresca.
Eita vida boa.

terça-feira, 13 de maio de 2014

Qualquer coisa da noite

E quando a noite chegar,
E quando a noite chegar,
Quero está vivo,
Quero está pronto,
Para enfrentar o que amanhã virá.
Quem somos nós, senão nosso espírito,
Tudo ou nada.
Amanhã,
Quem saberá o que.

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Noite caipira

Noite,
Tu que me consolas,
Noite, minha eterna companheira,
Sempre que estou sozinho,
Tu vens e me afaga,
No ápice de ti um pensamento humano,
Ou mesmo vários,
A vida e a morte,
Começo e fim,
Recomeço,
Reconheço que a vida se renova,
A cada hora,
E o tempo passa,
E amadurecemos
E envelhecemos,
Entre dias e noites,
Tudo passa,
Tudo passa,
E quando aurora contemplo,
E quando aurora contemplo,
Me disperso de ti.
Noite

sábado, 10 de maio de 2014

Acompanhado

A noite,
Bach,
Um corpo, um ser só.
Sem ninguém,
Sozinho com suas flores.
Após uma jornada de um dia de trabalho,
Seus pensamentos,
Seus livros
Quem pode deduzi-los como os organiza seus pensamentos?
Ah, quão vazio é a vidas certas horas,
E como pode ser mudada.
A noite,
Bach
Acompanhando a solidão.

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Noite solitária

O céu,
As estrelas,
Os grilos,
Os cães,
O atropurpúreo da noite,
Casais se beijam na praça,
Crianças brincam e gritam,
Adolescentes falam... falam.
As pessoas conversam,
Exceto meu ser que permanece em silêncio.
Eu vejo o mundo por minha objetiva,
E a vida passa,
Como uma noite solitária,
Silenciosa e constantemente.

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Despertar e a manhã

O relógio desperta,
Quebra o silêncio em minha alma,
Quando acordo ouço o mundo,
Presto atenção no mundo,
Ouço as aves,
Sinto se está quente ou frio,
Penso por vezes na finitude da vida.
Leio um pouco Dalai,
E ouço a chuva que chega,
Ouço a chuva chovendo bem devagar,
A chuva vem e vai...
Agora penso mais na vida, no finitude da vida,
Aos poucos os anos caem para o fim.
Que sentido dei a minha vida,
Só Deus save,
Olho para o céu
Com o mesmo olhar que quando criança,
Ouço maritacas, som bom,
Vejo aqueles pontinhos pretos,
um bando voando e gritando,
Sabe lá.
As aves cantam de graça.
E o dia segue e os pensamentos também,
Cristalizo aqui este momento,
E vou a vida lá fora...

terça-feira, 6 de maio de 2014

Maio e a chuva

Mês de maio,
Este é o meu primeiro mês das mães em João Pessoa.
Nossa que mês agradável,
O clima está ameno e chove,
Como chove,
Chove até mesmo com poucas chuvas,
Quando menos se espera, desfia do céu uma chuvinha fresca,
E quando saímos de casa,
O frescor das calçadas,
A força com que crescem as ervas é tão maravilhosa.

Pleno o dia se passa em maio...
Suave.

domingo, 4 de maio de 2014

Visitas de família

Domingo,

Na minha infância, domingo era sinônimo de visita a casa dos avós.
Íamos mamãe e eu ou para a casa dos pais dela ou de papai.
Cedinho, quer fosse inverno ou verão, após o café saímos caminhando,
Não tínhamos carro ou moto, então lá íamos nós subindo alto a cima.
Preferia ir visitar meus avós no inverno.
No inverno tudo era tão bonito.
A água escorria dos locais abrejados.
Mimosas floridas com flores branca ou rosa tão perfumadas,
As unhas de gato com flores brancas,
As bignoniáceas com flores rosa,
As canafístulas com flores amarelas,
As cajaraneiras forravam o chão de frutos maduros, acre-doces e perfumados.
E a todos que encontrávamos cumprimentávamos.
Quando íamos para a casa de vô Sinhá,
Depois de cruzar o corrego do porção que hoje está coberto pelo açude
Bebíamos água na casa de Nitinha,
Mamãe dizia que Nitinha era a limpeza em vida.
Ela tinha um cachorro de balaio que achava muito bonito.
Mais na frente pausávamos para um café em tia Nevinha e ai
acabávamos de chegar no sítio de fora.
Gostava de chegar em vovó.
De longe ouvia o pigarreado de vô José
E a voz baixa de vô Sinhá.
Ali passávamos o resto do dia.
Quando voltávamos que era bom porque muitas vezes ia brincar com meus amigos
De infância, as flores tinham murchado, as águas secado,
A vida passado.

sábado, 3 de maio de 2014

Vendo a vida passar

Madrugadas de chuva,
Manhãs de chuva,
Tardes de chuva,
Noites de chuva,
Como chove em maio,
Como chove em João Pessoa,
A floresta úmida,
A tarde enxombrada,
O campos vazio,
Caminho contemplando
O mundo
Vendo a vida passar
Em maio.

sexta-feira, 2 de maio de 2014

Tarde de maio

A tarde que passou,
Passou,
Passou nublada,
Passou chovida,
Passou fria,
Nem o sol apareceu,
A tarde passou vazia,

Mas passou
e a noite veio molhada,
As estrelas vinham e iam
E as nuvens choravam
é mês de maio.

Mês das mães,
As mães que dormem,
As mães inexperientes...
E agora que é maio,
E agora que a tarde passou...
Se foi,
Amanhã terá outra tarde.

quinta-feira, 1 de maio de 2014

Consumo da existência

Que noite bela,
A lua nua
É uma fresta de luz,
As estrelas brilham
Enquanto o vento sopra as nuvens
Que acendem e apagam as estrelas,
O céu azul marinho,
O som do mar,
E meu sentimento
De que estou perdido no universo,
Aquela sensação
De nada ser.
A vida é o consumo da existência.