segunda-feira, 28 de abril de 2014

Nada

A noite
Cada minuto,
Cada segundo,
Que passa.
O tempo se esvoaça.
E o que temos,
Nada,
Temos um corpo que usamos,
E logo, nada mais será.

domingo, 27 de abril de 2014

Agora existo

Agora, existo.
Assim como
Ontem existia,
Semana passada,
Mês passado,
Ano passado,
Neste momento palpito,
Penso,
Mas amanhã quem sabe!
Quem sabe se verei o sol brilhar novamente.
Se assim acontecer amém.

Agora sou carne, sangue, pensamento e vida.
E a vida, todavia se vai
E a carne e o sangue se desfazem.
Logo a vida passará,
Mas as palavras agora
Organizadas permanecerão
Ou desaparecerão.
Amanhã é outro dia.



terça-feira, 22 de abril de 2014

Inércia da vida

A manhã,
A brisa que atravessa a janela,
Toda a luz que alumia o mundo,
O tempo que se encerra
E inicia um novo ciclo,
Entre o medo e a coragem
A vida passa.

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Triste tarde

A tarde está pálida, cândida tarde.
O céu azul celeste pálido.
Dia após dia o encontramos na vida,
Uma tarde pálida se um riso,
Átrios vazios,
Preocupação...
Solidão...
Que tarde pálida e quente
Que logo há de passar.

Sem ti

Quando você partiu,
Era abril,
A lua minguava no céu,
Feito um véu
Que oculta a profundidade
Senti-me só.
E como foi triste
E como foi doloroso,
Não pensei que isso ainda
Acontecesse...
Ah, mês de abril.
Como lidar com a vida
Como tocar a vida sem te ver,
Sem você.

Tantas interrogações

Um átrio vazio,
o pó e pelos se acumulam no chão.
Tudo aqui tem um dono,
Tudo aqui tende a cheirar a mofo.
Os objetos, tomam minha forma e o meu jeito.

Já percebi que os caem como os pelos,
Como a beleza...
E a gente é substituído.
E a gente é esquecido.

Em nosso peito o medo de errar
É cada vez mais vivo e reticente.

Como o tempo cai
e as memórias boas
Nos trazem sofrimento.
E isso é viver?

domingo, 20 de abril de 2014

Seguindo em frente

Carrego minha história.
Sou aquilo que me fiz e me foi concebido.
Sou a soma dos meus amigos,
Dos meus amores,
Minhas alegrias
E minhas dores.
Tantas memórias compartilhadas
E dissolvidas.
Tantas histórias recontadas
E reinventadas...
Meu coração está rasgado
Metade de mim é o que me faz bem
E a outra metade
Me constitui por constituir,
Agora sofro,
Agora entendo Borges,
Mas estou perdido
Estou perturbado,
Hoje, chorei...mas sobrevivi.
Amanhã não sei,
A vida segue em frente.

A dor

Um encontro,
Uma pessoa especial
Que surge em sua vida,
Uma amizade ou um relacionamento
Se constroem e se dissolvem,
Somos uma uma unidade
Ou nenhuma...
Por que a vida é assim?
Sofrer,
Amar,
Aprender,
Esquecer...
Dor no peito.
A vida é uma ilusão.

sábado, 19 de abril de 2014

Agora tudo se vai

A noite,
A lua minguante,
A brisa ululante,
O canto do grilo,
O corpo indisposto,
Nuvens passam devagar,
Se arrastam suavemente,
Olho para a lua,
Com seu brilho prateado,
Nunca olhamos para a lua com o mesmo olhar.

Cada noite é impar,
Hoje, agora que delícia esta noite de lua,
E hoje o dia foi tão lindo,
O sol, o mar e o céu azul.
Agora tudo se vai,
Serão apenas sonhos,
Será apenas sono,
Mais nada.

terça-feira, 15 de abril de 2014

Águas

Águas que são tão importantes para a vida.
Águas dos mares,
Águas dos rios,
Águas das chuvas,
Águas que se derramam,
E se escorrem no alto da serra,
Riacho abaixo,
Águas que fazem parte de mim,
Que permitem que as flores floresçam.
E que tudo aconteça na vida.

domingo, 13 de abril de 2014

Dimensão da vida

A  noite de lua,
A lua clara pálida e branca,
Rodeada de estrelas,
O céu sem limites.
Paro para contemplar o céu
Com toda sua plenitude,
E vastidão...
A noite esta ai,
E estará ai sempre,
Noite que encantou meu avó
Quando menino,
Quem sabe quantas gerações ainda viverão sob seu manto estrelado.

O som dos grilos,
O mando refrescante que nos cobre a brisa.
Tantas sensações
Que só a vida,
Pode nos fazer sentir
Só a vida e o existir.

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Primeira noite

Por que um galo canta a noite?
O cantar do galo a noite
É simplesmente algo sinistro.
O que ele anuncia?
E anuncia o advento de um novo tempo.
Para uns um agouro
Para outros presságio.
As aves não cantam para atrair suas fêmeas,
Não seria semelhante com o galo?
Quem não tem na memória o canto de um galo na madrugada.
É sinistro porque é sempre igual,
Mais parece que o tempo parou,
A gente guarda viva na memória
O canto do galo a noite
Ou na madrugada.
A cena é a mesma em qualquer lugar.
O escuro frio da noite,
As vezes luzes apagadas,
O vento sopra,
As estrelas brilham no céu,
Muitas vezes parecem um brilho de lágrimas.
E o galo bate as asas.
PAPAPAPAPA,
Enche o peito e
Cococoricocóooo.
Ouvi o galo cantar
E agora a noite de sono vai iniciar.
Ah, memórias, histórias...
Serão só minhas?



Relação

E quando a noite chega caliente,
E quando o vento não venta,
Quanto calor, quanto cansaço,
Parece que o tempo para,
E nada mais fala.
Que relação medonha
Da noite com o calor.

domingo, 6 de abril de 2014

Tempo, momento, espaço

O relógio sobre a mesa,
Sem pressa expressa o tempo,
Segundo a segundo,
Minuto a minuto,
Hora por hora.

Paredes brancas,
Sobre o sofá estão deitados os livros
Com suas capas brancas, azuis e pretas,
As letras juntas expressam os nomes dos autores.

Eu podia deitar e ler e descansar,
Mas há tanta coisa para fazer.

Que nem sei por onde começar
E muitas vezes não inicio
E procrastino...

Se o relógio parar

O tempo seguirá..

Se eu parar o mundo seguirá ileso.
Tic-tac, tic-tac...
A cigarra canta,
as aves cantam,
A noite cuidadosamente cai,

Sem desespero,
Sigamos em frente.

Aprender com a vida

O que a vida nos ensina?

A vida por si trata de nos ensinar tudo, mas não nos prepara para aquilo que pode nos acontecer.

Tudo está constantemente acontecendo a todo instante em qualquer lugar e hoje podemos tomar conhecimentos dos fatos que blindamos para não ver, tais fatos nos permitem uma reflexão sobre o que é a vida.

Esses fatos parecem que só acontecem conosco, mas com outros.

Sabemos como estes se expressam que pode ser na forma de uma doença terminal ou um acidente que evidencia a data final. Desta forma até que estejamos cientes do nosso ponto final, vamos vivendo excessivamente egoístas expressando nossos problemas que na maior parte das vezes são vaidades das vaidades. Coisas bestas como desentendimentos por puro e simples orgulho.
Todavia quando o nosso prazo de vaidade é tatuado em nossa pele só ai caímos na realidade.
Tendo em vista que para tais coisas acontecerem são independentes de idade, de classe social, de sexo ou até mesmo de cor.
Tudo passa.
E a vida através destes mecanismos nos humanizam.
Somos seres capazes de nos sensibilizarmos com o outro. Nada mais humano que nossa humanização.
Quando passamos por situações de extremos aprendemos novos hábitos, esquecemos os velhos, aprendemos novas coisas, esquecemos outras. E sempre, sempre lutamos por dias melhores, mas a vida não respeita nossos esforços, nossos credos e acontece como tem de acontecer.
E a vida se revela mais valiosa, mais bela, mais plena.
Valorizamos o que perdemos.

Valorizemos então a vida.
Valorizemos a luz do sol e o escuro da noite,
Valorizemos os bons e os maus aromas,
Valorizemos os momentos de sofrimento, de dor,
Pois são extremamente importantes, se não fossem não existiriam.
Tudo que existe é.
Tudo que existe nos ensina.
Tudo passa,
Vaidade das vaidades.
Viva a vida da maneira que julgar melhor,
pois nosso relógio está contando cada segundo de nossa existência.
Evitamos qualquer tipo de sofrimentos e problemas,
Mas se eles existem, pois que encaremos de frente.
Pois um no dia que o ponto final se apresentar,
Restará apenas o suspiro e o pensar
Vivi da melhor forma.

sexta-feira, 4 de abril de 2014

Aprendendo com a reflexão

O que entendo do mundo?
Que me dizem o canto das aves e das cigarras?
O que eu vejo no horizonte quando o sol desponta?
O mundo são as coisas, os seres, tudo aquilo com que me relaciono,
Mas o mundo é muito mais que isso, o mundo está para além do meu ser.
O mundo é construído entre mim e aquilo que se me aparece,
Aquilo que o torna belo, aquilo que me espanta que me encanta.
Há um vasto mundo além de mim.

O canto das aves e das cigarras soa-me misterioso,
Muito mais além do que se pensa a biologia.
A minha relação com as aves e as cigarras é muito mais além
Que o científico,
Quando as aves e as cigarras cantam
É como se a natureza falassem a mim.
Estes seres que cantam e o fazem com destreza,
Com tamanha destreza que além de encantar o que almejam,
Encantam-me profundamente, o canto do roxinó e da patativa...

Ah, quanta beleza no horizonte que se me revela,
Sou parte da natureza que aprendeu a reagir e a construir,
Mas que muitas vezes a relação que se dar entre mim e o outro
É tão complexa que só Deus para mediar...


"Agora vejo em partes, mas então veremos face a face" Paulo de Tarço

Flor e alegria

Um som,
Uma imagem,
Um cheiro,
Sensações que vivo,
Sensações de desconforto,
Tudo muito subjetivo,
Tudo muito peculiar.
Não fugimos daquilo que aflige em nossa vida,
Estamos sempre aflitos com ou sem motivos.
Buscar o equilíbrio.
Uma flor quem sabe não faz desabrochar uma alegria.

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Perspectiva

Mais um dia se passou que grassa que a noite chegou.
Às vezes nem percebemos quando ela chegou.
Não percebemos quão bela são as cores à tarde.
Sinto-me cansado após um longo dia de luta e calor.
Tantas falas, tantas coisas por apreender e por fazer.
Sento-me no sofá e por um instante penso na vida,
Penso ainda naquilo que está para além da vida profissional.
Levanto, vou ao computador e escolho uma música.
É bom saber o que se quer ouvir.
Volto, sento e penso no tempo.
Tenho vivo na memória a presença de minha avó Sinhá,
Os meus outros avós, praticamente as lembranças já foram dissolvidas.
Meus sobrinhos crescem tão rápido,
E o tempo tirou meus cabelos e me impõe uma barriga e rugas.
Acho que agora sou capaz de mais reflexões,
Mas falo tantas gafes como antes.
Há uma lógica na vida?
Sabe lá.
Tudo acontece a todo tempo e em todo lugar,
o mundo acontece além de mim.
Seguir em frente é o que resta.

terça-feira, 1 de abril de 2014

Plenitude revelada

Desperta a manhã feliz,
Flores desabrochando,
Aves cantando,
Tenro calor,
A luz quebra a escuridão,
As as cores e as formas são reveladas.
O universo se amostra pleno,
E a vida palatável...
Canta roxinó,
Canta cambacica,
Cantem aves...
E este canto ecoe em  minha alma,
E o dia independente de tudo,
Seja pleno,
Seja pleno.