segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Definições

Talvez uma coisa boa esteja me acontecendo
Ou talvez não esteja acontecendo nada.
A brisa frouxa cruza a janela,
Noite de estrelas e nuvens frouxas.
Eu, minha existência e os meus hábitos.
Quem eu sou?
Definiria-me através de meus hábitos.
Mas parte de mim é essa matéria
Esse corpo a quem habito.
Esse corpo que se consome
E se deteriora dia a dia..
Tenho noção disso
E aos poucos o tempo e a realidade são reflexos num espelho dourado.
Por isso inicio o texto com um talvez,
Por isso falo da brisa,
Do céu e das nuvens... Nada meu.
As mesmas sensações voce que agora ler as possui,
Mas a sua maneira.
Sensações são tão subjetivas quanto emotivas.
A nossa existência é tão breve para não perceber as coisas simples do mundo.
Eu sou o que o mundo me fez,
Eu sou minha maneira de perceber e se expressar,
O suspiro que sempre segue futuro a dentro,
Passado afora e presente...

Breve chuva

Agora, breve manhã,
Chove.
A chuva chovendo é tão agradável.
As coisas são agradáveis quando estamos seguros.
Lá fora, nas ruas, nas estradas e construções
A chuva, talvez não agrade.
A mim, agrada tanto quanto agrada as plantas,
Ao seco sertão.
A falta de chuva me ensinou quanto podemos amar o que não temos.
Cai água, derrama-se nesse solo fértil
E faz germinar a semente,
E faz das folhas adubo,
E dá a condição para a flora florir.
Pingo a pinto o solo absorve,
E tudo vai ficar mais lindo após a chuva.

domingo, 23 de fevereiro de 2014

Impressões

Uma manhã nublada,
A brisa fresca,
O canto das aves,
As a flores rosas das plantas nos vasos floridas,
O branco das paredes,
As folhas verdes do coqueiro,
E toda paz do domingo
Inundam o meu ser.
Talvez quisesse está em outro lugar,
Em outro tempo,
Em outro momento,
Mas aqui estou,
Ontem estive em Brasília,
Anteontem em Campinas...
Agora aqui estou, agora sou.
Amanhã quem sabe.
Sabe, a gente sente um vazio no peito
Certas vezes e desconhecemos as causas.
Certas coisas não tem causas.
Com a vida é assim,
Simples e lógica
É ou não é.
Chopin, para mim, expressava tudo isso.
Mais nada.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

A passagem do tempo

Os anos que passam me ensinam tanta coisa.
São tantas as experiências.
Os anos por passarem nos separam das fases da vida,
Os anos que passam apagam da memória coisas boas e coisas ruins.
Os anos passam e com essa sucessiva paisagem
Temos muitas vezes que mudar,
Todos se vão com o tempo.
O tempo está presente do desabrochar da flor
Ao amadurecer dos frutos,
Na semente, na árvore...
Em tudo.
O tempo é intuição.
Começo a desconfiar que não consigo domar o tempo,
Então só me resta domar a mim mesmo
E mesmo que não o faça o tempo se encarregará de tal proeza.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Consciência

O tempo,
O espaço,
O mundo,
A matéria,
A substância,
A matéria,
Os corpos,
As cores,
Os cheiros,
As formas,
A vida.
Nossa percepção de mundo,
Nossa cultura,
Nossos hábitos.
Quem somos nós mesmos?
Somos livres realmente?
Não dependemos do todo para existir?
A propósito consigo respirar com dinheiro?
Posso, devorar um boi numa refeição?
Eu consigo desfrutar e fazer tudo que eu quiser de uma só vez?
Como pessoas que prejudicam os outros por interesses consegue dormir?
Por acaso não crê que vai morrer?
Não imagino.
Alguns homens tem mais consciência de sua existência passageira que outros.

Canta sabiá

É de manhã,
Após a noite,
O sol clareia a floresta
E um sabiá contente está a cantar.
Canto belo o canto do sabiá,
Canto alegre, canto feliz.
O sol desponta sobre a floresta
E os raios dourados alumiam as floras da aroeira
Lindo Schinus terebinthifolius.
Canta sabiá,
Canta sabiá.

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Acordar

Hoje, quando acordei,
Foi tão bom.
Senti a vida pulsando,
Senti uma alegria gritando,
Dentro de mim,
Igualmente ao canto das aves
Que cantavam
Como se estivessem felizes
Como se cantassem para o sol que nascia.
Hoje, quando acordei,
Percebi que o sol ainda ia nascer,
E me senti renovado como se tivesse renascido com o sol.
Senti a brisa da manhã invadir o meu corpo,
Senti aquela brisa que vindo mar, ou além do mar
Fazer parte de mim, mesmo que nem percebesse, mas hoje percebi.
E ao levantar e ao caminhar até a cozinha senti as minhas pernas,
E percebi quanto é bom poder de deslocar.
Enchi o copo com água.
Água pura, sem gosto, geladinha
E tomei todo o copo e senti e percebi que aquela água que estava na geladeira
Naquele instante me constituía.
Esqueci o mundo, não liguei o rádio e li uma máxima  de Epiteto...
Matutei por um certo instante.
Fui a janela e contemplei as minhas flores.
E tive um dia tão diferente.
E assim vivi.


segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Descoberta

Quando a chuva se vai,
Os pingos ecoam
E se derramam por um bom tempo,
E a brisa passa
Enquanto isto o solo ainda tem o espelho da água que caiu da chuva.
As folhas gotejam generosamente a água que poderia absorver,
Mas cabe a raiz beber a água da chuva,
A folha apenas respirar e purificar o mundo quando é dia.
Shodtakovich tornou a noite ainda mais harmoniosa,
Nem quero ir dormir, mas devo...
Minha natureza necessita recolher e reenergizar
para o novo dia,
Mais uma rocha a Sisifo.

Momento sublime

É noite!
A noite já está alta.
Faz muito calor,
Embora chova neste instante
Nem por isso a temperatura diminui,
Contudo a chuva chovendo é um espetáculo,
A minha rosa do deserto desabrochada, mesmo agora.
A noite vai passar,
A chuva vai parar,
E a rosa vai murchar,
Mas agora a noite, a chuva e a rosa
Tornam este momento completo, sublime.

domingo, 16 de fevereiro de 2014

À tarde!

A tarde cai serena e iluminada.
Esta tarde que é benção,
Mas que por ocasiões da vida
É o fim para outros...
Quantos viram o dia nascer,
Mas não verão a noite escurecer.

Sol que se desloca e se encanta no poente.
Este sol que vai minguando a cada instante que se vai totalmente, completamente.
Essa tarde, esse sol são iguais àquela tarde que Jesus entrou para a eternidade.
É a mesma luz e semelhante tarde que iluminou o mundo para Borges,
Esta tarde essa luz é a mesma luz que encantou Gogh.
É a mesma tarde que Beethoven teve a epifania que lhes permitiu concluir uma sinfonia.
Certamente é a semelhante a tarde que Eistein pensou e solucionou a teoria da relatividade.
O tempo é uma intuição interna,
O espaço uma intuição externa,
Visto isso, se todos somos humanos!
Se todos estamos vivos. Por que nos angustiamos nas tardes de domingo?
As vezes temos motivos e as vezes temos indisposição.
Essa luz desta tarde que tantas belezas ilumina
É a mesma luz que vigia as tragédias que amanhã
Serão notícias nos jornais.
Sol esse ser maior sob sua luz nada se oculta,
Que a todos compartilha sua luz, sua energia...
Eis o ser maior, eis o ser superior.
Vejamos o mundo não nos comparemos com os outros, mas com o melhor que podemos fazer.
Tenhamos cuidado com as ilusões do mundo.
Posto que podemos admirar o que está a nossa volta,
O sensível e a partir dai possamos entender tantas questões.
A luz do sol da tarde de domingo,
Que se sinta feliz por ver e por viver...
Porque uma tarde passada não volta jamais.

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Generosidade

Na noite escura,
O céu é o firmamento das estrelas,
Da lua.
O céu é tão grande e magnífico que não cabe no meu olhar.
Meu olhar se perde 
Entre tantas estrelas belas,
Na profundidade escura da noite.
E a brisa que sinto que me afaga
Que faz as folhas das árvores cantarem para mim.
O universo é tão perfeito e generoso
Que compartilha comigo este momento de existência.

Aqui, sábado a noite

A noite de sábado é tão vazia e silenciosa.
As ruas estão tão vazias,
Cães latem longe.
No meu prédio,
Além de mim não há ninguém.
A brisa sopra suave,
O somo me envolve,
Vou dormir e fechar a minha noite.
O mundo lá fora é uma selva
Na qual não me aventuro a passear.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Predicados noturnos

A noite cai enluarada,
Silenciosa e ventilada.
E a chuva caiu!
E espalhou no mundo
O cheiro de molhado.
O grilos cantaram,
E a lua se escondeu atrás das nuvens.
E veio o calor e o vento.
E tudo passou.

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Prazer da vida

A vida que é cheia de descobertas, nos revela que viver é conhecer. Descobrir é conhecer. Às vezes, somos tomados por um grande desespero que não entendemos e sua origem e portanto nos faz sofrer. Este desespero surge de nossa insegurança. Bom com a experiência aprendemos que o desespero passa e que sobrevivemos e que a vida continua... E é como nadar na praia sempre virão ondas sucessivas e aprendemos, então a gostar das ondas e a descobrir o prazer da vida nas pequenas coisas.

domingo, 9 de fevereiro de 2014

Chuva e a noite que caem

A noite calma que passa suave
Está tão gostosa,
Por hora desfia do céu uma fresca chuva
Chuva que se derrama por benção
Cai e mata a sede das ervas e árvores,
E permite que a natureza do amanhã
Seja distinta do que foi hoje.
A chuva que cai canda para minha alma,
Seu canto doce eco me faz feliz.
Pingo a pingo ecoa num doce som,
Ecoa num só tom
E a brisa molhada invade minha sala seca.
E o meu ser é todo cansaço
E a cama meu altar
Trará energia para um novo dia...
E a chuva cai, como a noite
Suave e lentamente.

sábado, 8 de fevereiro de 2014

Através da tarde

A tarde que passa
A tarde que passa ensolarada,
A brisa que passa pela janela aberta,
E me afaga,
A luz que da tarde que me revela as cores e as forma coisas,
E o que sinto agora é diferente do que sinto pela manhã ou pela noite.
Sensações que me fazem sentir pleno nesta hora.
Pensamentos que norteiam meu ser e minhas ideias
Pensamentos os quais conheço e por isso tenho que avalia-los sempre
Para não perder meu norte...
Consciência de mim,
Aquilo que também adormeceu em meu ser,
Após meu cochilo, parece adormecido em mim,
Nem parece que agora me constitui,
Parece o movimento que Sartre chama de consciência,
A consciência é nada,
Certos conhecimentos fazem parte de mim, mas que muitas vezes se fazem reticentes.
Agora, estou pleno...
Agora que ouço Bethoveen, o chiado das folhas de coqueiro e o canto da patativa e do sanhaçu...
Reconheço cada som a minha volta, as formas e as cores...
A parte isso, o que existe é um monólogo consciente do meu ser...
A tarde esse movimento que se desfaz para dar origem a noite,
É necessário nagar a se para da origem a si em plenitude sendo quem é.
Como a tarde, como a ignorância...
Como nada.

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Breve

Sexta-feira, chego cedo na minha sala. Acordo bem cedo, assim posso desfrutar de coisas que adoro: o sol nascendo, o canto das aves, minhas leituras breves, assim como meus pensamentos breves, meu café, meu chá. Bom ai venho para a universidade e me divirto com as coisas simples, as pessoas caminhando na praça da Paz, pessoas indo comprar pão na padaria da esquina, as crianças entrando no carro para ir para a escola, sonolentas...
E chego a minha sala, sento, ligo o computador... Leio Loiola.
E ouço um sabiá cantando na aroeira em frente a minha sala
Aos poucos se inicia uma chuva...
Sinto uma paz... E penso bem que isso poderia durar uma eternidade,
Mas sei que o que é bom é bom porque é breve.
E a sexta segue com suas ações.

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Voltar a si

A gente se perde no dia,
A gente tenta muito fazer o possível
O que parece impossível,
Nem sempre cumprimos nossas prioridades,
Procrastinamos...
E percebemos apavorados que o tempo passa
E quanto o tempo passa
E quantas vezes nos perdemos...
É preciso voltar a si...

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Saudade

Às vezes nossos sentidos congelam com imagens,
Sons, cheiros de algo que fazia bem e não que existe mais,
Desapareceu e só existe a luz de nossas lembranças.
Sensações vivas do passado que nos faz  reviver...
Um beijo, um abraço, caminhar pelas ruas,
Olhando as casas, as árvores com suas flores,
A manhã que sempre se revelava linda com ou sem chuva...

E ter tudo aquilo está ali vivo em nossa memória mas que não existe mais.

Como dói a saudade.

Quando temos muitas saudades, certamente estamos cada vez mais experientes e não velhos.

É interessante como alguns lugares nos fazem tão bem...
Essa é a minha impressão que tenho de Campinas,
Quantas conquistas não consegui em terras tão distantes,
Amigos, uma namorada, uma boa morada... Uma segunda mãe.
Uma maior compreensão do mundo, amizade...
Todo o conjunto...

Certamente, tens algum lugar que te faz sentir assim...
Quando quero viver em Barão ouço Schumann,
Quando quero viver São Paulo ouço Holst...
Quando quero viver Brasília ouço Chopin,

Creio que selecionamos nossas memórias...
E quando quero viver Serrinha o que ouço?
Leandro e Leonardo.
De lá pra cá parece algo tão longe...

Ainda tenho lembranças de quando sai de casa
Com a cara e a coragem e magreza...
Meu Deus como a vida é louca.
Olhando aqui de cima, vejo que lá de baixo nunca pensei em chegar aqui...
Acho que sempre fui um perdido das ideias,
Talvez todos sejamos assim ou não...

Não sei,
Mas será que existe algo em mim que se expressa sem que perceba?
Vez por outra, mas diante da razão me pego místico...
O que explicaria esta saudade?
Vago... vago universo.

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Adeus ao tempo

Adeus
Flor do campo que ontem floriu,
Céu azul de janeiro,
Férias de verão,
Meu ser e sua expressão...
Tudo parece melhorar amanhã,
Mas todo tempo é muito para quem espera.

Agora o sol brilha tão forte
Quem nem parece que hoje é irmão do ontem
E ontem chovia tanto...

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Pensamento oco

A manhã, a chuva, as árvores molhadas,
O cheiro de madeira e folhas em decomposição,
O som da chuva, 
O lugar quentinho,
O som de piano, Chopin ou Schumann...
O vento que sopra suavemente flamejando
O ramos das árvores,
Tudo isto me soa tão saudoso,
Boas recordações profundamente subjetivas,
Sempre que se repete,
Simplesmente exito, simplesmente sou...
Perco-me no vazio de nada pensar,
Sou só sentidos.
Sei, entrementes, que não são coisas raras na natureza,
Mas que fazem toda diferença em minha breve vida,
Porque amo a chuva,
Porque amo a manhã,
Porque amo a vida,
Porque a vida é uma eterna e incessante construção,
Como o quebrar das ondas na praia,
Como a correnteza do rio,
Incessante é a vida...
Enquanto cai a chuva vago...
E para onde vão as perspectivas de quem morre?

Sei lá...enquanto chove, agora, escrevo algo, que sei lá quem vai escrever...
No caso você que ler agora, visto que a leitura é algo sempre feita no presente momento,
talvez nem tenha cruzado os primeiros versos...
Que sentido terá o que escrevo, para onde mira meus pensamentos,
E o espelho de minha memória o que me mostra...

Vejo a chuva caindo no barro vermelho,
Vejo pedras escuras soltas,
Sob o cajueiro um monte de caju,
Junto a meu pai a descastanhar o caju e a castanha melados de nódoa e água
E o meu pensamento oco como agora.