domingo, 21 de dezembro de 2014

Adeus Tio Jussier

O tempo passa,
Sempre passou,
Sempre passará,
Mas para alguns o tempo se desgasta.

O tempo para, depois de um início,
Depois de tanto passar,
O tempo para.
Hoje o tempo parou,
Para meu tio que viajou,
Viajou para o passado,
Estacionou sua viagem,
Decerto vó José e vô Sinhá
O esperam sua chegada na eternidade,
A gente continua aqui vendo o tempo passar,
Amanhã restará só a lembrança.

Meu tio que partiu,
Que vi envelhecer,
Vi a doença que o consumiu
Longos anos a fio.

Homem paciente que viveu de ilusão,
O chão de seixos ferrugíneos,
Não mais suportará seu peso,
Nem as bignoniaceas perfumarão seu caminho.
Adeus Tio Jussier.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Tenho tudo que quero?

A noite se aprofunda,
Como um navio se distancia no mar.
Tudo é horizonte distante,
Estrelas e praias.

Quem sou eu nesse universo
Ultra diverso?
Nada!

Tenho tudo que quero?

Tenho a noite,
Uma sacada para espiar
E sentir a brisa passar,
Uma grande caneca de chá,
Meus Adenium,
As lindas palmeiras Dypsis madagascarensis,
E todo o céu para observar,
Livros para ler
E a solidão para pensar.

Tem tanta coisa para me entreter
Não sei se quero.
Não sei se sei está só?

A solidão as vezes me amedronta,
Mas muitas vezes me dar força.

E assim continuo segundo minha vida.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Constante

A noite,
O silêncio,
O clima quente,
Nenhuma brisa,
Nenhuma expectativa,
Luzes da noite de Natal.
O passado,
O presente,
Amanhã o que acontecerá?

Sabe lá,
Sabe lá...

Tudo isso vai passar,
Absolutamente tudo,
Se concluirá,
Noites virão e passarão

domingo, 14 de dezembro de 2014

O ser e o nada

As paredes brancas,
Os poucos móveis,
A janela.

Deito-me ou vou a janela,
Olho para o mundo,
Olho através do meu ser.

Conhecer e ser conhecido.

Ser quem sou,
Antes de tudo requer
Saber o que eu sou
E quem eu sou
E o que posso ser.

Eu sou o que me fiz.
Eu sou a situação,
O devir,
O ser e o nada.

Sou a soma do que vivi,
A soma do que vi.

Eu vivi o querer ser o que sou.
E sou o que sou, mas querendo
Cada dia mais tornar ser o que sou.

E foi sempre olhando para o horizonte
Que visualizei ser quem eu sou.

A minha casa paterna tem a cozinha voltada para o poente,
E era de sua calçada que mentalizava meus pedidos,
Eu tinha fé,
No escuro do ocaso,
Depositava meus sonhos e meus anseios,
Olhando através dos ramos das Anonas,

Quando sai de casa perdi essa referência,
Eu materializei meus sonhos,
Mas faltou algo,
Olhar para um horizonte,
Eu andei perdido
Por tanto tempo,
Crendo está certo.

Perdi o hábito de olhar para o céu,
Perdi de olhar para meus queridos
Através das estrelas,
Encontrei no materialismo
A felicidade passageira,

Mas sinto falta
Do poente de minha casa,
Das frestas nas telhas,

Creio que muita coisa não se pode comprar,
Não se pode cultivar.

Aprendi uma nova forma de gostar,
Tenho a paciência e tenho que aprender a tolerar...

De minha casa tenho um novo poente,

Sei que tudo passará

E só restará o nada.

sábado, 13 de dezembro de 2014

Tudo se vai

A tarde que passa,
A noite que passa,
A manhã que passa,
O dia que passa...
Absolutamente o tempo passa.
E quando percebemos este fato?
Nós simplesmente não percebemos
E se percebemos ignoramos,
Não aceitamos.

Nós não aceitamos nossa vida efêmera,
Cremos num eterno retorno
E vemos o tempo se estirar até que chegue o nosso dia de ser algo e não nada.

Mas esse tempo,
Mas esse dia nunca chega
Porque ele não existe.

Somos tão idealistas e não percebemos
Na realidade da vida,
No agora,
Neste instante que passa
E tudo se vai,
Tudo se vai.

Alguma coisa fica,
Alguma coisa fica.

Dezembro

Dezembro chegou.
O céu está tão cinza.
As noites mais enfeitadas,
São árvores e luzes coloridas,
É a brisa do verão,
A comida farta,
Momento de reflexão,
Que aconteceu de bom
E o que poderá acontecer ano que vem.

Dezembro chegou,
Quantos dezembros já passaram,
E quantos deles passarão?

Há aqueles que amam,
Há aqueles que odeiam...

A parte isso dezembro sempre passará,
Nossas memórias subjetivas
Dirão quanta esperança empenharão...

Que passe o dezembro,
Que venham outros...

Vejo que sempre nos distanciamos de tudo que amamos,
Mas como amamos muito,
Muitos outros dezembro virão.

Ordem em casa

A ordem na casa.
Cada coisa no seu devido lugar,
Livros na estante,
Cadeiras sob a mesa,
Travesseiros sobre a cama,
Plantas floridas em seus jarros.

A casa toda ordenada,
Mas onde me inserir  na casa?
Sou a desordem na ordem de minha casa.
Quanto mais ordem mais fria e vazia é a casa.

Como desfrutar de minha casa estando ela ordenada?

Esteja onde estiver, na cozinha, quarto ou sala
A casa, esse doce lar,
É uma verdadeira entropia.

As vezes fujo de casa,
Pois minha casa é solitária,
Vou para a desordem da areia da praia,
Andar entre ruas fatigadas de sujo...

Às vezes saio só para ter que voltar para casa...

A desordem da casa é a nossa desordem expressa.

Gosto de minha casa, minha rua, minha cidade,
Gosto de tudo que me envolve,
Amanhã sabe lá onde estarei
Ou se serei...

Minha casa,
Meu ser.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Efêmera flor de jasmim

Uma flor perfumada de jasmim,
Roubei-a de um muro duro.
Era uma flor branca e perfumada,
Ficava ali abeira da estrada,
No canto da rua, sobre o muro,
Fatigados os ramos do jasmim
Floriam flores brancas
Flores perfumadas,
Doces flores perfumadas,
Flores brancas de jasmim,
Duas flores desbotadas,
Já não são claras,
E nem perfumadas,
Como foi no dia que roubei-as para mim.
É preciso cuidar bem de jasmim,
Ter um jasmineiro inteiro,
Porque flores são tão efêmeras,
As flores nocturnas de jasmim.

Enquanto a noite passa

A noite estrelada,
A brisa fresca que cruza a janela,
O céu escuro pingado de estrelas.
O silêncio dentro de casa.
Só a luz acesa me faz companhia.
Só a luz clareia as capas dos livros.
Não quero fazer nada,
Pensar em nada,
Quero desfrutar do ócio.
Quero silêncio,
Quero ouvir o intimo do meu ser.
O coração a bater.
A ociosidade é provocadora.
Não me deixa quieto.
Vou a janela e curto a brisa.
Enquanto a noite passa.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Na vida passageiro

Há tanta coisa oculta a ser revelada,
Tantas palavras e frases lindas
A serem a serem expressadas, sentidas e vividas.
Nessa vida toda a ser vivida.

Quase sempre me surpreende as descobertas que tenho
vivendo, coisas sutis como uma palavra e seu significado,
Um sorriso primeiro, um riso constante... alegria e a amizade.

A amizade de graça,
Os restaurantes na cidade, novos lugares,
Novas pessoas, novas histórias,
Tanta coisa, tantos mistérios revelados
Que me fazem amar a vida.

Descobri o valor da família,
Casa paterna,
Da cidade natal,
Das nossas amizades colhidas a peso de ouro,
Que só continuam a crescer com o tempo,
Descobrir a importância de nosso esforço e empenho em nosso trabalho,

Descobrir valor da coisas mais simples como o cheiro da chuva,
A cor das folhas jovens nas árvores,
O doce das furtas maduras no pé,
Ver uma semente germinada,
Plantas floridas visitadas por abelhas, borboleta e beija-flores,
A brisa fresca de qualquer lugar,
O trabalho das formigas...

A prender a ver as coisas em seus universos,
Lesmas nos jardins,
Poemas nos livros,
Uma penela cheia de comida a ser servida,
Um olhar apimentado e apaixonado,

Um novo poeta, um novo poema,
Uma nova sinfonia,
O compromisso descompromissado por prazer, ler, ouvir, provar e gostar...

Tanta coisa boa me acompanha,
A família, o contato com a terra molhada,
O deitar da semente na cova, 
E acompanhar e cuidar das plantas
E colher os frutos,
E colher os frutos...
Quanta alegria me trás a chuva,
O cheiro do óleos de mameleiro...
Minha vida de sertanejo,
Minha vida de homem
Na vida passageiro.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

A solidez da alma

A rua de rochas duras, fatigadas e sujas está sempre vazia.
Quando cruzo o portão, sinto uma proximidade do chão,
Sinto a solidez angulada das rochas cortadas e unidas pela argamassa
Nessa rua estagnada.
Às vezes molhadas da chuva, as vezes cinzentas do sol.
Estas rochas que antecedem minha existência nesta rua.
E que persistirá minha existência.
Mas minha existência quimérica
É uma existência livre onde posso ir e vir e não ficar fatigado.

A minha rua que não é minha,
É uma rua com muros cansados,
Sem cor, com lodo escuro da época da chuva,
O que salva são as plantas,
Uma Senna, um jambeiro, um jasmim...
Cicas atrás dos muros,
E pessoas ocultas,
Quantas pessoas ocultas nessa vizinhança vazia.

Eu

Eu
Às vezes não quero ser quem sou.
Queria ter uma concha para poder me ocultar em mim mesmo.
Queria ser uma rosa entre as rosas do jardim.
Uma estrela numa noite estrelada.

Às vezes enquanto caminho queria ser um paralelepípedo do calçamento,
Um grão de areia da praia.

E quando caio em mim que paradoxo,
Pois sou tudo isso para o outro.

Aquele ou aquela que cruza por mim e não me ver.

Na verdade sou oculto para o mundo.
E cotidianamente vou tomando consciência disto,
Embora meu ego muitas vezes seja mais inflado que a realidade que me cerca.

Eu

Tento ser aquilo que como,
Aquilo que ouço,
Aquilo que uso,
Aquilo que me impressiona.

Mas muitas vezes não sei quem sou.
Quero me conhecer e só vivendo descobrirei.
Viver é descobrir aquilo que somos, é tomar consciência da consciência
É  conhecer a se mesmo.

E conhecer a se mesmo muitas vezes,
E conhecer nossas fraquezas e nossos medos.

Eu quero viver todos os dias que me forem dados
Sendo sempre eu mesmo.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Tudo novo

A noite de natal se aproxima e com ela o ano novo e com ambos novas esperanças.
Ruas vazias, luzes coloridas a piscar.
O ano correu,
A lua cheia apareceu tantas vezes,
Fazia tempo que não a acompanhava.
A vida vai seguindo,
Sem tom.

Evolução

Onde começa ou termina algo?
Algo pode ser tudo, inclusive nada.
A matéria e suas propriedades,
Aquilo que nos constitui,
Que um dia se dilui e se dissolve.
O que podemos compreender do todo?
Como podemos expressar?
Algo se inicia quando percebo,
E continua a crescer em mim,
Enquanto percebo tomo consciência
Desse algo que se faz ou se desfaz para mim.
Não entendo nem 10% do que vejo,
Do que sinto, do que é.
Minha tênue existência não é suficiente,
Então vamos viver o que nos é permitido,
E toda a evolução será produto da humanidade
E mais nada.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Cores do sem fim

O mundo,
A luz dourada da manhã,
Que desponta com a aurora,
E se desfaz em luz transparente,
O verde viridescente das flores,
Amarelo, azul e vermelho das flores,
A luz do sol que inunda nosso mundo
De cores e de energia.

Após o dia cai a treva noturna,
A existência que me antecede,
A razão que me constrói
E degenera com minha morte.



terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Consumir

Um chá pra acalmar,
Uma noite frouxa,
Após um dia inteiro,
Um dia que começa
Com uma oração,
Uma leitura,
Um pedaço de bolo,
E se desenrola entre uma conversa,
E o trabalho,
Entre uma aula e outra,
Entre o almoço,
E a tarde que passa
E a noite que chega,
Passam os dias,
As semanas,
E esperamos ansiosos por nosso capital,
Consumimos ansiosos
Nossas contas,
Sem percebermos que estamos consumindo
Nossas vidas.

Cartola

Cartola um gênio da música.
Viveu na cidade maravilhosa,
Entre pessoas de boa conversa,
Gente agradável pulverizada de alegria,
E felicidade intensa.
Tuas lindas canções,
Que horas se estaria inspirado?
Qual o local favorito para escrever?

Vá entender o gênio e a genialidade.
Suas obras nos cativam,
Nos conquistam pela beleza,
Pela melodia e pela singeleza.



segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Esperança

A noite profunda,
O grilo cantando,
O corpo cansado.

O sono e a brisa chegando,
Tomando conta da alma,
A vida passando,
A esperança de tudo
Está melhorando.


sexta-feira, 28 de novembro de 2014

As vezes

Às vezes, nus pegamos estáticos olhando para o além, para o nada. Nós ficamos num estado estranho
 e sentimos uma sensação de está vivo, algo bom. Estamos ali ouvindo os sons distantes ocultos de nossos horizontes, sabe lá o que será! um pássaro? um ronco de motor? ou o burburinho de uma conversa algo externo ao nosso alcance ou o nosso ser.

A verdade que não entendemos tais sensações, talvez as cabras e as vacas que ruminam entendam estes momentos mais que nós. Esse momento de vácuo em nossas vidas.

Talvez estes momentos aconteçam porque somos imersos por uma avalanche de informações em que não conseguimos absorver nem cerca de  10% destas que acreditamos serem importantes à realização de nossos sonhos e nossos anseios. Nós nunca nos contentamos e queremos sempre mais.

Somos pressionados e se não estamos buscando absorver o mundo nos sentimos inúteis.
A ociosidade nos causa tédio. Não temos tempo de não pensar.

Dai nossos seres nos fazem viajar ir ao além. E quando não aguentamos a pressão buscamos forças superiores, adquirimos vícios, crenças ou até mesmo hábitos distintos.

Diante de nosso subjetivismo nos perdemos no caos do mundo. Talvez Pessoa tenha razão voltar a atenção seja a melhor solução.

Quem sabe!
Quem sabe o que é melhor para si é você mesmo.
Tudo vai acontecer de qualquer jeito.
Nossa vida vai passar de qualquer jeito.

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Sentido

Fim de ano,
Luzes de natal,
Pisca-pisca coloridos
Como doces de confetes,
Piscando noite a dentro.

A noite vazia,
Os sentimentos vazios.

Corrente elétrica,
Luz, brilho cor.

Está difícil encontrar um sentido.

Veríssimo

Há tanta gente com uma áurea um magnetismo que nos faz sentir bem em sua presença. Não sei como verbalizar, mas encontro nos textos que leio não muitas vezes uma sintonia muito intensa.
Quando leio Borges, Eliane Brum entre outros. Bom um escritor que me encanta é Luiz Fernando Veríssimo, bom não creio ser exclusividade minha. Veríssimo é um gênio da palavra que fala sobre coisas simples e coisas extremamente complexa com uma leveza invejável. Adoro abrir a página do estadão as quintas só para poder me deliciar com seus textos maravilhosos e cheios de humor, algo semelhante a garapa de cana caiana que nos lambuza e nos faz feliz por aquele momento. Acho que seus contos deveriam sair na segunda, mas ai talvez não fossem tão doce. Ele tem o tempo para relaxar e debulhar o melhor milho na quinta quando aguardo ansiosamente. Ah, como será que Veríssimo captou no universo sua maravilhosa forma de escrever?
Talvez um dia me seja revelada. Talvez nunca.
Não entendo dessas coisas da vida, do cosmos, apesar de tudo vou vivendo.

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Villa Lobos

Villa Lobos gênio da música erudita brasileira,
Quando te ouço tuas composições oh grande gênio,
Sou toda sensação de leveza e prazer.
As conchas de minhas orelhas se deleitam
Quanto te ouve...
Quanta beleza, quantos encantos, encrustou em suas melodias?
Eu que  nada sei de composição
Paro para ti contemplar.
Tua música brasileira me faz sentir e viver São Paulo.
Em cada estado do Brasil se encanta de uma forma contigo.
E a noite fica maravilhosa
Com tuas BACHIANAS...
Levo na alma o amor pelo Brasil
Por tua imensa e maravilhosa obra.
O grande mestre.

Espiral

Os anos que compõe minha vida são tijolos de uma grande construção.
Cada ano de minha vida é impar com resistência e fraqueza,
Que não se esfarinhe que não me faça ruína jovem.
A vida é tão curta para ser entendida,
A vida não deve sequer pretender ser entendida.
Quão efêmera é esta passagem.
Mesmo assim algo nos alimenta
E nos faz seguir adiante,
Há quem denomine essa força de Deus...
Sabe-se lá.
Pouco entendo uma sinfonia, mas sou apaixonado
Pela harmonia com que cada nota é soada por cada instrumento.
E assim o tempo passa
E assim tudo declina,
Um fim eterno nos consumirá
Ad eternum


segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Praça da Paz

Nossa praça é encravada
Entre a principal e o bairro habitacional,
Em seu entorno crescem prédios para bolsos ricos,
Nossa praça popular,
Anda tão apagada,
Paredes e pisos sem cor,
Quanto desamor,
Aquela praça tão habitada.
Com seus quiosques e suas árvores,
Arbustos de resendá que a enfeitam,
Mas que morrem de sede,
Com uma florada mirrada,
Pobre praça habitada.
Os ipes fazem sua parte,
Traçam em suas flore a mais perfeita arte de embelezar,
Beleza efêmera de flores zigomorfas,
Amanhã cápsulas e sementes aladas.
Os resendás companheiros das pistas de caminhada,
Com sede sem estrume morrem aos poucos.
Nossa praça abandonada,
De esgoto aberto,
Com seus moradores que aforam suas máguas
Na cachaça ou mais entorpecentes sabe-se lá.
Nossa praça mais habitada parece abandonada,
As paredes e pisos perdem as cores,
As máquinas estão se desfazendo,
Se acabando, mas a praça.
Mas essa praça precisa ser recuperada,
Ela que se encontra pichada...
Não espero que as crianças que ali correm e brincam
Sinta-se bem numa praça abandonada,
Saudosa a mim nova,
Doce praça da Paz.

domingo, 23 de novembro de 2014

A metafísica dominical

Uma manhã ensolarada de verão,
A poeira, folhas secas e a brisa.
O céu azul o mar com vasto horizonte,
Os coqueiros, o calor, a brisa e a água de coco.

Crianças, cães, adultos e idosos.

Ruas vazias,
Algo acontece pacientemente em todo lugar,
Cigarras a cantar.

O que é a existência?
Neste, cenário cravada em minha mente está absurda questão.
Não encontro uma resposta.
Que metafísica a me alucinar.

O que é a felicidade?
O que é responsabilidade?

Uma avalanche de perguntas me afoga a alma.

Vou até a janela olho as ruas, as árvores,  os telhados
E nada, absolutamente nada faz sentido
Além da ordem física da matéria
Com sua substância e sua forma muitas vezes amorfa
Sem identidade.

Encerrado em meu apartamento,
Encerrado em minhas obrigações,
Encerrado em minha moral,
Encarcerado na vida que escolhi.

Acendo um incenso,
Sindo o aroma doce se difundir pelos átrios do apartamento,
Solvo a fumaça branca que dança no ar,
Vejo a matérias mudar de estado frente a frente,
Como uma ampulheta a contar o tempo.

Escolho uma música e ouço
Quão doce melodia compôs Bach.

De repente uma tosse, um escarro,
E me desloco até o banheiro para escarrar,
Essa minha natureza humana.

Esta ordem desordenada do ser.

O que é consciência?
Confesso que não entendi nada do que falou Sartre sobre consciência no seu Ser e o Nada.

Às vezes minhas pretensões filosóficas são tão medíocres.

Fico sem entender nada do  nada.

Paixão e desejo e beleza e medo nos fazem escravos do mal viver.

Tento encontrar algo que me tire da ociosidade e sinto que todas as vezes que assim o faço
A sensação de ociosidade me sufoca ainda mais.

Eita ser complexo, nessas horas nem Borges me acalma.

Lembro de Pessoa e só assim acordo de meu sonho metafísico, 
Paulatinamente volto ao estado normal...

A vida trata-se de uma grande ilusão,

Quem sabe Platão não teria razão,
Somos seres loucos para voltar o mundo ideal, mundo da perfeição,
Angustiados por nossa existência...

Sabe-se lá.

A felicidade habita apenas a infância,
Depois... doce ilusão.

sábado, 22 de novembro de 2014

Algo

Por que o oculto nos encanta?
Desconhecemos o porquê, mas amamos tudo quanto é misterioso,
Talvez seja peculiar a nossa natureza animal.

Fernando Pessoa em sua obra mostra que não existe mistério
que as coisas são o que são, em seu poema Tabacaria deixa muito claro.

Meu amado Borges em sua maravilhosa obra muitas vezes
Nos faz pensar certas coisas como em muitos de seus contos
Estão presentes homens que se duelam até a morte.
Sinto que o mistério e a ousadia de querer conhecer
Como é a outra face uma suposta desexistência
Levam homens a duelar até a morte.

Não sei...
A vida muitas vezes é imbricada em suas próprias fases
como uma cebola em seus catafilos
Que vai se consumindo
E vai sumindo.

O que há além da infância, adolescência e as demais fases da vida?
Talvez tudo ou nada, experiência?

Esperamos sempre por algo a ser revelado.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Tempo, Pensamento e Ser

É noite de verão,
Fim de novembro,
Apesar do vento fresco
Faz calor nos átrios do apartamento.
O céu está limpo,
Em sua imensidão e profundidade
Vemos estrelas rutilando,
Nuvens passam devagar,
Como o tempo.
Acendo o fogo e esquento a água
E faço um chá.
Aguardo a brisa esfriar
E vou tomando gole a gole,
Ouço os cães latirem ativos,
Ouço grilos catarem,
Ouço a brisa arrastar folhas secas,
Reduzo a luz ao apagar as duas lâmpadas
E penso.
Penso nas coisas da vida,
Penso no fim da vida,
Penso no pensar,
Penso na minha existência,
Nos sentidos que cada um encontra para viver,
Alguns tão nobre, outros tão pobres...
Cada um ver o mundo a sua maneira,
A maneira que mais te apetece ver.

Gole a gole tomo meu chá de boldo
Amargo como a vida é muitas vezes,
Mas o amargo muitas vezes é sadio,
Para atingirmos nossos objetivos,
Temos que viver cada dia
E completar as atividades que nos são dadas.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Monotonia

A água aquecendo mudando de estado e evaporando,
Bolhas borbulhando e o oxigênio saltando e a água sumindo,
Então quando a chama se apaga,
A água imerge o chá,
E a água incolor ganha as propriedades e o sabor da erva,
Enquanto isso eu estou entretido nos afazeres a serem feitos.
Enquanto o chá esfria e incorpora
A noite se passa,
Se passa sem que possa notar,
Os  momentos escoram de minhas mãos
E muitas vezes não tem como impedir que aconteça.

Paro, vou a janela olho para o mundo
Com minha palpebradas cansadas
Olho para o mundo
E vou tomando o chá sem pressa
Até que vou dormir.
E a noite continua,
E a vida continua.


terça-feira, 18 de novembro de 2014

Tensão

A brisa noturna,
O som suave da radio Suíça,
Uma xícara de chá
Olhar o horizonte,
Contemplar de minha sacada
O horizonte que chega por tabela no mar,
E uma noite
Me ajudam a esquecer
Os maus momentos.
Bom amanhã estarei novo outra vez.

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Inacabadas

Acho que minha leitura é torta
É feia como as coisas que manoconfeciono.
Como a gaiola que fiz cheia de nesga,
Como o caminhão de madeira que fiz,
Como o cabresto para jeque que me disseram nunca aprender.
Como tudo na vida que faço!

Acho que minha leitura é torta.
As vezes acho que leio meus sonhos.

A quanto tempo deixei de sonhar?

A quanto tempo tenho tentado viver meu ser.

Sei lá! Acho que a tortura de minha leitura
É uma tortura ingênua,
É uma tortura de garapa de cana
Fervendo no engenho,
Aquele caldo quente
Doce, mas difícil de se tomar,
Enjoativo!

Acho que as coisas que faço
São sempre inacabadas.

Deixei de sonhar faz tanto tempo,
Vivo a deriva,
Vivo a deriva.

Que busca a alma?

O calor chegou,
Chegou calado
Nem avisou as cigarras.
Eita que coisa danada.
Cadê a brisa invocada?

Cada recanto da casa
Tá quente.

Até parece triste.

Minha amarilidácea floresceu,
Flores lindas,
Flores azuis,
Como o calor
Do fogo do fogão.

Fogo quente,

O som de piano...

Memórias do Brasil central,
Do horizonte do Cerrado.

Ah, mais que alma forasteira essa minha,
Que alma vagabunda
Vive acolá,
Sempre,
Que buscará?

domingo, 16 de novembro de 2014

Seguir

E as tardes,
E os dias,
E os meses,
E os anos,
E os lugares,
E as pessoas se vão.

Tudo se vai,
Invernos
E verões,
As águas que escoram no inverno,
A poeira seca do verão...

E as gerações,
E o mundo é lato além de mim,
Além de você.

Estamos aqui por acaso.

sábado, 15 de novembro de 2014

Contra o tempo

A tarde cai,
O céu tingido de azul,
No escuro da copa da mangueira
Cantam guinés,
As luzes se acendem,
Luzes amarelas,
Luzes vermelhas,
E os pisca-pisca
Evidenciam a chegado do Natal.

Viva a vida,
Viva o fim que chega ao fim.

Tarde de sábado

A tarde de sábado
Se desfaz suavemente
E a noite cai paulatinamente,
O cansaço do corpo
E o alívio da alma me faz sentir bem.

As tardes de sábado tem sido tão solitárias.

As tardes geralmente são saudosas.

Lembro das tardes de Serrinha,
Tardes de Natal,
Tardes de São Paulo,
Tardes de Campinas,
Tardes de Londres,
Tardes de Brasília
E agora aqui tenho
Em João Pessoa todas as tardes de minha vida
Até o meu entardecer.


sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Adeus Manuel de Barros

Partiu,
Se encantou,
Ficou apenas o encanto,
Agora dorme na eternidade,
Oh! Manuel...
Oh! Manuel de Barros,

Deixastes uma grande obra,
As aves,
As árvores
E o Pantanal
Voltaram ao encanto
Que tu revelastes.

Adeus Manuel.

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Cotidiano

Uma aurora,
Um sol que nasce,
E o céu violeta,
E as nuvens azuis,
E o verde viridescente dos coqueiros a acenar,
Manhã, manhã...

O primeiro olhar para o horizonte,
O despertar para a vida,
A primeira leitura,

Reflexão,

Uma xícara de chá,
E em seguida vem o dia de trabalho.

Estes últimos tempos
Tem me feito muito feliz
Com essa rotina
Que me faz sentir vivo,
Me sentir humano.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Declaração de amor oculta

Você partiu e não olhou para trás,
Como um fruto que se desprende de sua mãe árvore,
Desprendeu-se completamente de mim.
Você plantou suas sementes em outro lugar
Largando meu coração fértil ao leu,
E me deixou para trás,
Perdi-me de você até parece que faz uma eternidade.
Mas ainda sinto sua presença viva perto de mim.
Deixaste tanta coisa e mim,
Durante o curto tempo que existiu em minha presença.
Sim sinto sua ausência.
Cada dia se dilui meu amor por você,
Minha eterna estrela guia.

Antitese

A lua,





A rua e a noite,

Um observador da janela,

O vigia que apita longe como a lua,

O canto dos grilos,

A brisa que atravessa a janela,

A vida que passa,

O tempo que passa,

O sentido sem sentido,

Algo como a vida

Pode ser mais antitese?

Minha rua

A rua calma e vazia,
Alumiada pelo sol da manhã,
Jambeiros com folhas novas,
Estames rosa sob sua copa,
Pétalas amarelas de senna
Espalhadas pelo chão,
Sobre as rochas duras
Que já não dormem em sua matriz,
Um transeunte passa a pensar,
Na vida, no trabalho, na saúde
Ou sabe-se lá.
Dia a noite na rua Venâncio José.

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Rede

O tempo que escoa de nossas vidas,
Escoa em calor e em vida.
Viver é morrer lentamente,
Sofrendo ou sendo feliz,
A vida se passa por um triz.

Vemos nossos dias se passarem,
Se escorrerem,
E vamos sendo e deixando de ser,
Vamos ganhando espaço e perdendo espaço,
A gente descobre o mundo
E depois se perde,
Se esquece,
E é assim nossa vida.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Adormecer

A noite,
O canto oculto do grilo,
O vôo do morcego,
O sono dos justos,
No poleiro dormem as galinhas,
Enquanto os cães vigiam os muros e suas propriedades,
A noite e a luz elétrica,
A noite e as mariposas,
A noite e as letras,
O cansaço de um dia justo,
A abreviação do cansaço,
Nem demais nem de menos,
Justo.
Cantam os grilos,
Sopra o vento,
Rutilam as estrelas,
E eu como uma semente,
Adormeço.

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Chuva de prazeres

A lua cheia,
A brisa fresca,
Borges,
Mozart,
A casa vazia,
Silêncio,
Nada de celular,
Nada de internet,
O silêncio das palavras,
Só a mente pensando em silêncio,
A hora que passa,
O sono que chega,
Uma caneca de chá.
A noite se vai,
Vai tá cedo,
O tempo voa as vezes,
A vida voa as vezes,
Em Eclesiástico
Li hoje que a vida passa como um relâmpago.
Bem é mesmo,
É mesmo.
As vezes lembro de coisas hilárias que me contavam os amigos,
Por que a gente tem que crescer e ficar sério?

Bom então vamos curtir as coisas boas,
Porque discutir não vale a pena.

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Esquina

A esquina esconde algo
Que quando dobro desaparece,
Da esquina posso ver dois ambientes,
Ah todos viventes
Dobram a esquina
E logo encontram outro horizonte,
As esquinas da idade,
Cruzei duas já.

Esta e ser

Algo tênue e místico nos faz sentir bem
Como uma música, uma paisagem, um sorriso.

Está bem é sentir felicidade em viver em ser.

Algo que nos impressiona e nos impulsiona
E nos faz acreditar na vida.

Não sei...

As vezes sinto minha loucura
Mais forte que minha sanidade.

Às vezes necessito expressar,
Às vezes preciso apenas viver,

Agora mais que nunca sei que tudo vai passar
E nada no universo será alterado,

Nossa existência é uma mera existência,
Portanto temos que nos fazer diferentes,
Importantes para os outros e para nós mesmos.

Fazer o bem e ser altruísta já o suficiente.
Amanhã quem sabe será o fim.

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Busca

Viver é ser.
A vida nos ensina
Que só vivendo se aprende,
Só vivendo que se sabe quão breve ela é.
Tanto faz termos 10 quanto 90 anos,
Se o momento vivido é o mesmo,
Sai na vantagem quem viveu mais,
Pois sabe que nada é eterno,
Até mesmo a matéria, rochas
Se transforma, se acaba...
Na ingenuidade e na crença
Que o momento é eterno,
Ledo engano,
Há uma linha tênue entre o ser e o não ser
Que não cremos transpor,
Pois continuamos vivos,
Mas que a cada momento,
Pode ser o último.
Borges sabia,
Mozart sabia,
Gogh sabia...
E quantos não descobriram?
Quantos, como Pessoa, não anunciaram?
Quantos, como diversos livros bíblicos,
Não anunciaram,
Jesus se sacrificou,
Mesmo assim continuamos cegos.

Haveremos de encontrarmos o que buscamos,
Haveremos...
Geração após geração.

domingo, 2 de novembro de 2014

Domingo

O domingo começa preguiçoso,
Cresce bem gostoso,
E no almoço todo o gozo,
O sono da tarde,
E o fim que parte,
Preparos para uma segunda,
Tudo recomeça,
De novo...
Se a vida não passasse...
Os domingos são sempre assim,
Meio tristes ou descontentes,
Nos preparam para a segunda.

sábado, 1 de novembro de 2014

35 anos

Posso parar e pensar
Quantos caminhos e estradas passei,
Quantos lugares e pessoas conheci,
Quanta coisa eu vivi.
Lembro de poucas coisas, mas tenho memórias vivas,
Lembro que ainda era criança na escola (1988) quando meu primeiro ente querido se foi, meu avó Francisco.
Lembro bem do ano 1990 quando minha vida era plena em Serrinha do Canto,
Minha infância, minhas alegrias,
Boas safras de caju, o barro vermelho do parieiro,
As estradas de barro, nossas idas as casas de meus avós pelos caminhos de barro,
A água escorrendo, as jitiranas floridas, flores brancas e azuis.
Flores de jurema, de calumbi,
Flores de jasmim, por mim temida, associava a morte, por serem usadas para enfeitar os entes mortos.
Não se medo o amor das pessoas, mas se ver na dor da perca...
Eu vivi e vi a tristeza da seca no sertão,
Vi as pessoas venderem o que sobravam de coisas para sobreviver,
Vi a tristeza da pobreza, (1993), mesmo ano que perdi o meu avó.
Mas também vi a natureza a todos agraciar com água, pasto e belas colheitas (1994),
Vi o Brasil ser tetra (1994), no mesmo ano que perdemos o maior campeão de formula 1.
Em 1995, partiu minha avó Chiquinha.
Sofri ao querer passar num vestibular, tentei por três anos seguidos 1997, 1998, 1999.
E tive a felicidade de entrar na universidade no ano 2000...
Houve ai um divisor de águas, sair de casa, do calor e proteção paterna para aprender a viver,
Novas amizades, novas tristezas, novas problemáticas... 2000 foi um grande ano...
Em 2002 ganhei minha primeira sobrinha, foi muito estranho, Veio Giovana e no Ano seguinte Felipe. Nossa família aumentou, foi muito bom... engraçado como as pessoas surgem em nossa vida
E vieram as grandes conquistas, formatura, mestrado.
Após o mestrado mais uma grande mudança, pude conhecer e morar em São Paulo, tive um sonho realizado poder conviver com os taxonomistas tão falados por minha querida Iracema Loiola.
Conheci Rosângela, Inês... Amigas como Cíntia Vieira, Fátima Otaviana...,
Minha querida Sinhá (2007) partiu.
Veio minha terceira sobrinha Alessandra, ainda lembro no dia que ela nasceu, quando fui visita-la em Santo Amaro.
E em 2008 fui para o doutorado onde conheci uma das pessoas mais especiais em minha Vida Ana Paula Caetano ganhei uma nova família.
Comecei a colecionar livros e ler bons livros.
Bom e os anos passaram e com eles minha intolerância, minha rabugice,
Bom de 2008 a 2012 foram anos de bonança, com exceção das dificuldades de Mamãe com algumas doenças...
Em 2012 fui para Brasília onde morei numa grande solidão até 2013...
Desde então estou em João Pessoa...
E a vida vai passando.
São 35 anos completos...
Percorridos,
Felizes ou doidos,
São eles que compõe minha história.


quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Oco

Vai o dia,
Vem a noite,
Poesia e melodia,
Vento de acoite,
Cada dia é impar,
Corremos cansados,
Ignorando o mundo
E suas coisas,
Seus adornos,
Hoje me impressionou
Ver a lua ao meio dia,
Tantas coisas se passam
Sem que percebamos,
As vezes nosso mundo
É um grande oco,
Entre o dia e a noite.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

o Sertão

O sertão,
Folhas secas pelo chão,
Galhos cinzas,
Troncos ramificados,
Flores perfumadas,
Cipós de marmeleiro,
Terra seca, corrida,
Que chupa a urina,
E solta um cheiro de terra molhada,
Ou aroma de folha...
Ah, o sertão,
Parece que tudo é solidão,
Tudo é resistência,
E quando a noite cai,
E o vento sopra,
Vemos que o sertão
É sempre o mesmo
Plantas espinhentas e retorcidas,
Flores amarelas...
E o homem,
Esse ser perdido.

sábado, 18 de outubro de 2014

Bem devagar

 Mais uma noite caiu,
Após uma tarde mateira,
As sombras da noite
Faz a natureza silenciar
Faz a natureza descansar.

A rua vazia,
Cães a ladrar,
Tudo não passa.

As luzes frias alumiam
As ruas e avenidas,
O tempo vai passando bem devagar.

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Amanhã

A noite chega,
Tudo é cansaço,
Tudo é vazio,
Tudo é solidão.

O vento sopra de vagar,
Os cães latem sua solidão.
Ruas vazias,
Casas apagadas,
Uma noite de sexta que se passa.

Amanhã é um novo dia.


quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Consequências da noite

É noite,
E a noite é misteriosa.
A noite é fogueira apagada,
Luz das estrelas feito cinza na brasa,
Quente ou fria sempre se passa.

É noite,
E a noite temos memórias noturnas,
Memórias que surgem sob a sombra da noite.

É noite,
A noite lembro de coisas,
Mas a noite reserva um tempo só meu,
Posso tranquilamente tomar um chá,
Ler um livro, ou papear,

A tempo que me livrei dos telejornais
E até mesmo da televisão...

Se bem que na minha gênese nem tv tinha em casa.

A noite não é ociosa para mim sem tv,
Ao contrário a noite é curta,
A noite é misteriosa.
E é a noite que os sonhos se tornam realidade.

A noite

O escuro da noite,
Oculta maldades,
Oculta realidades,
Mas revela belezas,
Como a lua e as estrelas.
É preciso conhecer a noite
Para ver um céu estrelado,
Para ver um céu enluarado,
Uma luz acesa,
Mariposas voando,
O canto do urutau.

Uma xícara de chá,
Quantas ideias...
A noite apesar de tudo
Acalma a alma,
Dar descanso ao corpo,

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

A realidade

A realidade é solta como uma rocha num riacho.
A realidade é fragmentada como areia.
O que é a realidade?
A realidade é o todo e por ser o todo,
Torna-se abstrata.
A realidade às vezes me arrebata.
Nem tudo que percebo é realidade,
São breves ilusões frutos de nossos sentidos.
Conceitos, abstrações e conhecimentos,
Eis que está tudo dissolvido,
Tudo preso ao humano,
Além do humano,
Nada faz sentido.
A realidade é solta,
E só faz sentido a luz da razão.

terça-feira, 14 de outubro de 2014

O vento

O vento soprando suave,
Invisível o vento nos toca,
Nos envolve nos embala.
O vento assovia na janela,
O vento fecha e abre porta,
O vento venta pela manhã, pela tarde e pela noite.
As vezes calmo e as vezes de açoite.
Vento, vento, vento.
Vento que envolve algum amor,
Vento que fez as flores sorrir,
Vento que me faz sentir,
A vida viva.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Humanizar

Sempre que acordo costumo olhar através da janela.
Olho para o mundo e contemplo.
Contemplo o céu, o verde das árvores,
O colorido das casas o movimento da gente que passa.
Quando abra a janela ouço o som do mundo, do vento e do belo canto das aves.
Há tanta coisa por ser descoberta,
Quanto tempo tenho para fazer isso?
Explorar este mundo?
Não podemos adivinhar.
Muitas coisas não são previsíveis.
Como o amanhã por exemplo.
O amanhã que é eterno e não saberemos quantos amanhãs mais seremos.

As coisas e o mundo continuarão,
Flores a florir,
Aves a cantar,

E nós nos encantaremos.
Nós voltaremos a eternidade de onde viemos.

Tenho, hoje, a certeza que um dia desaparecerei,
E serei esquecido,
Como desapareci de Serrinha, de Natal, de São Paulo, de Campinas e de Brasília...

Eu sou o meu tempo presente, meu lugar presente e minha vida presente,
O mais são memórias, são histórias e o que materializei e que construí de bom.

Amanhã serei uma história, depois de amanhã memória e depois uma lápide.

Vão-se as memórias, as histórias e tudo some.

Quando acordo lembro que tudo é passageiro, omnia vanitas...

Lembro da vida de Borges, uma vida inteira vivida e contada.

Eu lembro dos que me divertiram e partiram,
Lembro dos que amaram os que me amam e me amaram.

Quando amanheço tento me humanizar.

domingo, 12 de outubro de 2014

João Pessoa

O sol,
O sol radiante brilha sobre João Pessoa,
O sol revela nossa cidade viridescente,
O sol brilha intensamente e deixa todos os seres contentes,
Cantam alegre patativas, cigarras e pardais.
Querida cidade que delícia é em teu seio habitar,
Filipeia, Paraíba, João Pessoa,
A pouco que aqui habito,
Mas já me sinto em casa,
Com esse sol,
Com esse mar,
Com as nossas matas...
Que a vida seja próspera nestes ares,
De matas de tapirira, maracujás, açoita-cavalos e amesclas.
E as manhãs, quem não conhece são as mais belas.

sábado, 11 de outubro de 2014

Indagações

Os jarros com as plantas,
Folhas secas desprendidas no chão,
A poeira do ar,
Os livros,
O sofá.


O brilho criso da tarde,
A palha do milho,
As maliças secas,
Os acúleos desprendidos na pele,
O vermelho caliente do sangue riscando a pele.

A solidão!

Hoje e ontem,

Sinto falta de coisas simples,
Do vira lata, da areia frouxa,
Do cheiro e do chiado das folhas do marmeleiro,
Da segurança materna,

De onde viemos sabemos,
Mas para onde iremos?

As vezes sinto falta da minha ingenuidade,
onde muitas coisas se resolviam
Em Ave Marias e Pai Nossos,
Onde deixei essa fé?

Bom, nem todas as interrogações serão resolvida.



Somos todos passageiros

O céu com seu firmamento,
O solo por onde ando,
Os seres que aqui habitam
Tudo isto dá significado a minha existência,
Tudo isto é a minha existência.

Ah, o céu uma janela para o infinito,
O solo um abraço que me torna finito.
Nos pobres seres e nossos enganos.

Nossos ideais e nossos medos,
Por que nos iludimos?

Nossas ilusões passageiras,
Por que discutimos?
Por que negamos ou afirmamos?

O céu e seu firmamento eternos,
O solo que desde o início nos consome,
E nós corrente de vida nos desentendemos,
Brigamos... Somos todos irmãos,
Respiramos o mesmo ar,
Nos alimentamos da mesma coisa,

Somos passageiros,
Somos todos passageiros...

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Coisas

Tenho vários hábitos esquisitos,
Mas um é muito mais esquisito,
Gosto sempre que viajo
De trazer objetos como pequenas rochas, conchas e sementes.
Adoro observar as formas amorfas das rochas,
A beleza sólida das conchas,
E as sementes com suas formas e suas cores.
Acho que as coisas carregam uma história,
Ou melhor cada coisa tem a sua história.
Nestes objetos, enquanto os observo
Imprimo neles memórias do lugar,
Dou-lhes um novo significado.
Guardo ali, as minhas memórias daqueles lugares.
Mas com o tempo, tudo esqueço,
É da natureza humana o esquecimento.
Restam apenas conchas, rochas e sementes,
Guardava mais a memórias,
Bom, mas acho que estou vivendo mais o presente...


quarta-feira, 8 de outubro de 2014

A odisseia da vida

Minha querida amiga,
Dia 1/11 farei 35 anos.
Bom parece que vivi séculos.
Quando me olho no espelho
Eu já vejo o rastro da idade,
Perdi parte dos cabelos,
Minha pele pouco a pouco perde a elasticidade,
Já me sinto muito cansado a noite,
Já não tenho mais tanta energia,
A ousadia já não faz parte de meu ser,
Minha amiga minha querida amiga,
A idade chega sem avisar,
Ela vem devagar,
Ao menos nos dar o sabor da sabedoria,
Ouvir uma música,
Admirar uma poesia,
Parar para admirar a lua da rua,
Se impressionar com um planta florida,
E ter muitas memórias para rememorar,
Minha amiga,
35 anos se passaram tão rápido,
E quando esse número dobrar
E se dobrar,
Ah minha amiga,
Vou pensar,
Na metade da vida era um velho...
Deus, ensina-me a viver com alegria,
Mostra que minha vida é uma história,
Que eu faça de meus dias
Uma doce odisseia,
E que adormeça na paz e nos braços do criador.

No fim da tarde

Estava caminhando devagar para casa,
Como o sol lentamente partia pelo poente.
Caminhava firme e observava,
As rochas ordenadamente formando calçamento,
As paredes caiadas ou pintadas
E as árvores, majestosas e idosas  e experientes,
Árvores que viveram e suportaram longos e cálidos verões.
Castanholas e jambeiros,
observava ainda as ervas,
As folhas juntadas pelo vento.

Ah, estou envelhecendo.
Envelhecemos sem perceber.

Como o dia só percebemos que acabou,
Porque no segundo crepúsculo o sol lentamente vai desaparecendo.

A gente vai aprendendo a viver,
Vai aprendendo a ser pacientes.

Tanta coisa coisa eu sentia enquanto caminhava,
Não consigo nem expressar,

Sinto que Borges se expressou por mim na escrita,
Mozart na música,
Gogh na pintura,
Kant na filosofia,
Não menosprezo os demais,
Apenas desconheço,
A beleza está na soma do todo,
Mas algumas estrelas brilham mais.

Ao final da rua olhei para trás,
A rua continuava vazia,
Meu horizonte sempre a se expandir,
Deus meu, mostra-me por onde devo seguir,
O existencialismo é muito realista,
Me amedronta,
Mesmo assim a vida continua.

terça-feira, 7 de outubro de 2014

M - A - N - H - Ã

Um sabiá cantando longe,
Sanhaçus e patativas cantando perto,
Manha nublada.
Abro a janela para ver o mundo,
Meu mundo termo ainda desperta.
Aos poucos vejo as formas,
Vejo o céu,
Vejo o que me cerca,
Vejo as palavras impressas nas coisas,
N U V E M numa nuvem,
P - A - S- S- A - R - O...num sanhaçu...
Tudo tem nome e o que não tem eu ignoro...
Algumas coisas tem nome, mas ignoro por desconhecer,
E assim crescemos como a manhã, como o dia.
E as aves cantam por generosidade a beleza,
Nada mais.

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Mais uma vez

É noite,
Foi manhã, 
Foi meio dia,
Fez-se tarde,
Fez segundo crepúsculo
E agora a noite
É carregada pela brisa 
Escura, calma e fria.
Quantas sensações percebo em um dia?
Quantas informações,
Quantas imagens vi e vivi?
Quem seria capaz de saber?
Se pudéssemos ver nosso dia
Todo em fotografia,
Ou gravar tudo que ouvimos...
Quantas informações,
Passam ocultas por nós.
Mas amanhã poderemos perceber
Mais uma vez,
Numa linha reta seguimos a vida,
Sigamos adiante,

Canto encantado do sabiá

Outubro chegou,
O ano se finda,
As plantas perdem as flores
E se cobre de flores,
Logo mais virão as chuvas de verão,
E os sabiás voltarão a cantar,
Voltarão a cavar o jardim,
As magnólias florescerão...

Memórias de Barão, Campinas,
Unicamp...

Saudades dos sabiás,
Da terra vermelha molhada,

Bom, as vezes lembramos do passado,
Das coisas boas impressas em nossas almas.

Mas como dizia o velho Heráclito
"Não se banho no mesmo rio duas vezes".

Talvez a pessoa habite potamus,
E não percebe sua beleza,
Talvez nunca aceitemos a realidade,
Porque somos idealistas demais para aceitar a realidade,

Canta sabiá.

domingo, 5 de outubro de 2014

Eleições

Hoje, mas um dia se passou,
Mas um dia muito importante para alguns políticos.
E quando se fala de política no Brasil.
Ai, é uma vergonha,
Mas vamos lá,
Vamos seguir em frente,
A vida continua,
Há de continuar.

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Aurora

Entre a madrugada e a manhã
Te encontro oh aurora,
Primeiro crepúsculo que norteia o meu dia,
As aves cantam em ti e para ti,
Sabe lá se não será meu último aurora.
Sorte que vejamos o segundo aurora.

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Flores de outubro

As cores das flores,
São tão belas,
Tão atraentes,
O rosa da calósia,
O vermelho da helicónia,
O branco das flores de palmeiras,
O lilás das centrosemas,
O amarelo das anteras de solanum,
O pink da flor do jambo,
O branco e rosa das caliandras,
Tudo que vejo,
Tudo me encanta,
Flores vivas,
Com suas pétalas,
Seus aromas,
Suas texturas...
Flores de outubro.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Outubro

Outubro chegou,
Agora, a margem que separa o ano
É tão curta,
Praticamente o ano se passou.
Que outubro seja equilibrado,
Que este mês nos encha de esperança e alegria,
Que seja intenso,
Cada dia,
Cada dia,
Que nos seja pleno como o mês passado.

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Aprender a ver

As formas,
As palavras,
As cores,
A matéria...
A matéria apresenta formas e cores
Que são reveladas apenas através das palavras,
Nem sempre as formas são nomeadas,
Por isso precisamos nomear o mundo,
Nomear as coisas,
E tornar as coisas compreensíveis,

As relações podem serem pronunciadas,
Pronunciadas através das palavras,
Podem serem faladas...

O meu mundo ganhou cantos
Nas linhas e entrelinhas dos textos,
O meu mundo se expandiu quando
Aprendi a ler,
Na verdade aprendi a ver através dos signos,
Compreendi melhor o mundo
E tudo que me cerca.

Descobrir
As formas,
As palavras,
A matéria que me constitui
É mágico.

Manhã

De repente somos,
De repente acordamos,
Ficamos deitados aquecidos com o próprio calor,
Ouvindo o corruchiar dos pardais,
O canto de cambacicas,
E pensamos em toda a  vida,
E pensamos no que faremos,
A razão nos faz levantar,
Mas a preguiça, ai! Essa nos puxa, nos abraça, nos afaga!
A manhã desabrocha como uma flor,
Os crisos raios do sol,
Suavemente vai subindo,
Se revelando vivo, pleno e dominante,
Então, nos levantamos e tomamos um café,
E partimos para a vida,
Porque precisamos de tudo isso,
Amanhã é outro dia,
O que nos importa é o agora,
Bom dia, 

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Outra estação

A primavera chegou nas regiões temperadas,
Porque aqui chegou foi o verão,
O sol já amanhece quente,
Janelas de vidro fervem luz do sol,
Nos jardins sem água a grama torra.
Nossas matas muda de folha,
No chão um tapete espesso de folhas
Amortecem e fazem soar nossas pegadas,
As flores da castanhola fedida é sentida de longe,
As gameleiras estão tão belas,
No fim da noite nuvens de morcegos voam
Orbitando as lindas árvores...
Agora até que enfim,
Temos noites estreladas,
Vento e poeira frouxa,
Temos uma lua cristalina,
Ah, não que a chuva seja ruim,
Mas depois de tanto inverno,
Que venha um caloroso verão.
Então vamos viver outra estação.

domingo, 28 de setembro de 2014

Noite de domingo

Depois da manhã ensolarada,
Depois da tarde preguiçosa,
Cai a noite de lua crescente,
Lua nua na noite escura,
Lua que aprece junto a belas estrelas,
E a vida vai passando,
Ouvi a voz de mamãe,
Que quase sempre tem um som de solidão,
Sinto com ela um pouco de tristeza,
Algo nos falta na vida,
Algo nos falta na vida,
Vejo o tempo passar,
Sem perceber vou vivendo minha vida,
Alegre ou triste,
Alegre ou triste,
Mas inventei um jeito peculiar para viver,
Diante da vida,
Sempre serei vazio se não aceitar a realidade.

sábado, 27 de setembro de 2014

Sábado sem Por do sol

O dia nasce ensolarado,
E seus raios aquecem
As plantas, as ruas e os cantos das camas
Daqueles que descansam da semana,
Mas logo que a manhã vai passando,
As nuvens e a chuva chegam
E se derramam durante a tarde,
E a chuva chove,
E a tarde entardece,
Quando a chuva da trégua,
Cantam alegre as aves,
Patativas, Bem-ti-vis, Sairicas,
E o cão late na esquina.
E a chuva continua chovendo,
Hoje não veremos o por do sol do sábado...
Mesmo aqui,
Que dia especial.

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Mata

Ah,
Quem nunca andou no meio da mata,
Quem nunca sentiu o cheiro das folhas esmagadas,
Que nunca viu um ipe florido,
É triste viver ser perceber as belezas
Que a natureza nos mostra,
Viver sem nunca se deparar
Com uma árvore grandiosa,
Ou uma frama fresca,
Ou um jardim colorido,
Pobre do ser que só ver nas plantas  mato...
Bem, esta visão pode ser pequena,
Cada um aprenda e desfrute de sua
Experiência de vida.

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Passageiro

Vão-se os velhos hábitos e novos se estabelecem. Sou sempre assim, sempre me apego a uma rotina.
As quintas-feiras sempre foram mornas, mas ótimas porque antecedem as sextas. Bom depois que cheguei em João Pessoa, passei um tempo só, um curto tempo sem amizades e o melhor dia passou a ser a quinta-feira, pois descobri um restaurante que as quintas serve baião de dois e carne de sol. Bom então todos os dias chegava lá, cumprimentava as meninas, almoçava e voltava para minha sala. Com o tempo aquelas pessoas ganharam nome e ganharam vida para mim e me conhecem como ninguém. A atendente, descobri que se chama Kênia, a cozinheira que fica no balcão se chama dona Linda, a que faz suco se chama Lu, tem a Lívia que faz fono e é sobrinha dona Marta quem eu gosto de aperrear. Bom assim não dá mais para almoçar só, tenho a companhia e o carinho dos funcionários e a quinta é certamente o dia mais interessante. Sei que isso tudo é passageiro, mas bom. Passageiro como foi o tempo que almoçava sempre com os amigos em Brasília na Embrapa, passageiro como foi os almoços no RU na Unicamp, passageiro como foi o tempo que almoçava com o povo na cozinha do Instituto de Botânica em São Paulo, passagueiro como o tempo de RU da UFRN, isso sem voltar a Serrinha dos Pintos. Assim percebo quanto a vida é passageira e como os anos caem sobre nossos corpos.
Bom esses dias tenho sentido a alegria da Primavera, as plantas floridas, parecem sorrir.

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Entender a si

Nasci no meio do mato,
Aprendi a calar por não saber falar,
Aprendi a falar sem comunicar,
Falo coisas sem sentido,
Só pela beleza do som das palavras,
Ou falo por alvoroço,
No fundo e no exterior sou aquele matuto do sertão,
Que fala, fala e fala...
Mas apesar de tudo sou,
Algo me fez essa matéria viva,
Que vivo está,
E que ver a vida passar,
Que faz as coisas acontecerem,
Na timidez de um ser do mato,
Um bicho do mundo.

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Cariri

A luz,
A luz que alumia cada forma,
A luz que acende o mundo,
E através da luz eu posso ver,
O vermelho da semente do mulungu,
O branco da areia lavada do riacho,
O cinza tingido nas plantas da caatinga,
O brilho dos feldspatos,
As garras da macambira,
As chamas da cansanção que queimam a pele do sertanejo,
A roseta do chique-chique,
E quando a noite cai,
E quando a brisa chega...
O céu tão limpo e estrelado,
O Cariri tão enamorado.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Divagar

Cai a noite,
O que me faz seguir vivendo?
Um suspiro de esperança,
Um texto de Borges,
A filosofia de Kant,
A busca em conhecer uma nova espécie botânica...
Queria tanto que as pessoas sentissem o que sinto,
Mas ai, cada um com seu cada um...
Nos imaginamos sempre tão especiais,
Mas somos tão solitários,
E frios e Vazios,
E inseguros.
Cai a noite, um chá ia bem,
Uma leiturazinha também,
Mas esse mundo online,
Mas esse mundo online,
Amanhã não tem nada,
Mas quinta tem Luiz Fernando,
Antes hoje tinha Eliane,
Falando nisso!
Boa noite.

Cantos e encantos

Em cada canto há um encanto,
Cada um de nós cria um encanto num canto,
E isso nos provoca um grande espanto,
Quantos cantos e encantos pode nos espantar,
O encanto no canto do sabiá,
O canto encantado do joão de barro,
Matuto que voa, mas que gosta de caminhar,
Encantado em canções de amor está...
Cada um de nós se encanta em algum canto,
É bom nem pensar como em que canto
Haveremos de se encantar.

Como sempre

Um rouxinol cantando,
A manhã que cresce,
As árvores perdendo as flores amarelas,
Nenhuma brisa,
O solo frouxo e seco.
Os musgos tostados nas pareces e muros,
O lodo que escureceu e virou tinta,
Este ser que sente...
Este ser que percebe,
Percebe que tudo já passou,
Anos após anos,
Gerações após gerações...
Coisas que se repetem e se repetirão,
Lágrimas de alegria,
Lágrimas de tristeza,
A flor que desabrocha
E se transforma em fruto,
E o fruto em semente,
E a semente em árvore...
Doí perceber essas coisas,
Doí perceber o tempo,
Saber que em pouco
Tudo é esquecimento.
Cada ser com sua história,
Cada flor por mais efêmera que seja,
Permite a eternidade da vida...
Tudo tão simples...
Canta o rouxinol,
Passa a manhã,
Como sempre aconteceu
E acontecerá.

domingo, 21 de setembro de 2014

Passagem

A manhã,
O vento,
As Nuvens,
Passam sem parar.
Uns passam devagar
E outros passam por passar,
O vento assovia
Move os ramos das árvores,
Rouba o aroma das flores,
A fumaça perfumada do incenso.
O canto das aves me impressiona,
A paisagem de minha janela,
Tudo me impressiona,
Mas aqui minha casa é vazia.
Passam as manhãs,
Passam os dias,
Fecha-se minha poesia.

sábado, 20 de setembro de 2014

Ad eternum

Estamos trilhando a vida,
Descobrindo a cada dia
Uma maneira melhor de viver,
Uma maneira melhor de ser,
Sabemos do que passamos,
Mas desconhecemos o que virá.
E assim vivemos experimentando a vida,
E assim assumimos  a vida,
E vivendo a vida vai se construindo,
E se reproduzindo dia a dia ad eternum...

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Ocaso

A tarde que desaparece,
Morcegos voando cambaleante,
Voam pra lá e pra cá,
Nas castanholas
E nas gameleiras,
E o escuro que oculta
Tudo...
Tudo é;

A tarde que chega

A tarde que se desfaz,
A manhã que se desfez,
A madrugada que faz parte do passado...
O tempo que foi encerrado,
E agora a noite que se chega,
A noite que se faz,
A brisa que nos agracia,
Uma música
E as memórias...
Os anos dobram nossa pele
E tinge nossos cabelos,
Mas nos dar o sabor da experiência,
Nos agracia com as memórias,
Embora sejamos tomados pela saudade,
Mas a vida segue,
E aprendemos a lutar
E lutamos,
E vivemos,
E consumimos nossas vidas,
No dia a dia, nas manhãs, tardes e noites que se desfazem
Nos tornando quem somos.

Maravilhas da vida

A tarde caindo,
Sexta-feira,
Chegar em casa,
Ficar descalço,
Sentir a brisa
E ir até a sacada
E ficar contemplando o mundo,
Ah!
As palmeiras,
Paus-brasil,
Abacateiros
A mata,
A luz da tarde dourando
Dourando o mundo...
Neste instante, temos aquela sensação
De um convalescente que restabelece a saúde
E o mundo parece mais lindo,
Cada detalhe impar,
As cores crepusculares nas nuvens,
Castanholas renovando as folhas, parecendo grandes candelabros.
Os idosos caminhando,
Crianças correndo,
Algo em nós que une
E que nos separa ao mesmo tempo,
Tempos que vivemos,
Tempos que viveremos...
Tanta coisa maravilhosa na vida.

Verão a porta

A manhã desperta livre,
Ensolarada, enfeitada
Com a cantarolada das aves.
Hum! o chá quente,
O cheiro da manhã,
O sol crescendo,
O verão está ai...
Sol, sol, sol...
E as cigarras começam
A anunciar o calor,
E a gente vai empapar a pele de protetor,
E assim cai 2014...

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Stefani uma flor

Tantas coisas são importantes em minha vida.
Faz mais de um ano que não sentamos juntos,
Faz mais de um ano que ouço Noctune sozinho,
Faz mais de um ano que não ouço sua voz,
Que não almoçamos juntos, que não vejo seu riso,
Faz mais de um ano que eu ti vi...
Não sei o quanto voce cresceu,
Sei que muito voce viveu.
E cresce em sabedoria.
Faz falta...
Se gosto de Chopin a culpa é toda sua.
Se gosto do silêncio,
Se gosto do Barulho da chuva
E da chuva...
Também tem culpa.
Curto foi o tempo que passou em minha vida,
Mas muito importante para o crescimento de minha alma
De todo o meu ser.
Plantou em mim doce semente de amor.

Aprender

Ontem vivi um amor,
Ontem senti uma dor,
Ontem não estava só,
Mas parti, parti e parti
E o que me resta?
Trabalhar, construir
E reconstruir a vida,
As coisas e a história,
O tempo voa minha patroa,
O tempo voa.
Ontem é a réstia do hoje,
Sem matéria,
Só um delírio,
Uma miragem...
É preciso aprender sempre.

Espiral do tempo

O tempo em espiral,
Girando sempre sobre o centro,
Girando num mesmo movimento,
Entre o dia e a noite,
Entre a alegria e a tristeza,
Girando, girando, girando,
Sem nenhum firmamento
E o ontem se confunde com o hoje,
E o agora com o já...
E eu me perco em pensamentos,
Progressivos pensamentos,
Vivos pensamentos
Que tentam se organizar,
Que fazem sentido a minha vida.
O tempo se elevando em espiral
Fito bases nitrogenadas,
Feito DNA e Cromossoma...
Perdidos na espiral,
Vemos tudo acontecer,
Vemos tudo desacontecer,
Manuel de Barros pensando,
Uma leitura de Borges,
As Bachianas de Villa Lobos,
A velhice que chega com as estações.
Enfim, o começo do fim.

domingo, 14 de setembro de 2014

Alma da tarde

Mais uma tarde se vai,
A tarde parte crepuscular
E fria.
Ouço o estouro de bombas,
Vejo o sol criso...
Tarde que parte...
Deixa sua arte
Impressa em minha alma,
Distante e calma.

sábado, 13 de setembro de 2014

Cores, formas e memórias

A tarde,
A tarde de que cai,
Nublada, fria e solitária.
Nas ruas vazias apenas
A brisa fria corre sem destino,
Corre livre brisa,
Corre livre brisa.
Então quebro o vazio da rua,
E passo a caminhar com a brisa,
Através da rua,
A passos contados,
Olho as pedras,
Olho a rua,
E de repente percebo
A beleza das castanholas com flores coloridas,
Castanholas nuas,
Castanholas como candelabros,
Com folhas jovens sendo lambidas pela brida,
Enquanto a tarde cai,
Enquanto a tarde cai,
Enquanto caio em mim,
Ah, as castanholas fecham mais um ciclo,
A tarde cumpriu sua sina,
Volto para casa
Cansado,
Mas volto ao ponto inicial,
Com cores, formas e memórias.

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Incertezas

A vida,
Os olhares,
Os risos,
O bem viver,
Fazer o bem,
Não furar a fila,
Ser generoso,
Ser paciente,
Na vinda nem sempre
Precisamos de muitas coisas.
A vida pode ser muito breve.

domingo, 7 de setembro de 2014

Interrogações

A existência,
Não podemos tocar na existência,
Não podemos nos dá a existência,
Existimos...
Existimos por um breve tempo,
Somos por um breve momento,
Breve momento em que sentimos a vida em plenitude,
Breve momento de coisas simples...
Um jardim ornado de flores belas e perfumadas,
Uma música bela ouvida de distante,
O uivá do vento na janela,
O momento de compreensão,
Uma simples epifania...
Afinal o que nos afirma
E o que nos define como seres?
Nossa sensibilidade, nossa razão?
Nossa cultura?
E o que me norteia como ser?
Os sonhos?
A morte?
O trabalho?
Algo nos dá sentido a vida.

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Que sinto

A noite,
Sombras frias e fresca,
O vento soprando,
Estrelas piscando,
Céu limpo,
Céu limpo,
Grilo grilando, cantando, cantando, cantando.
Sexta-feira,
Bebe, rir, come e fala...
Tantos desejos vividos,
Vidas,
Vidas iniciadas,
Vidas encerradas,
A noite,
O vazio dos átrios da casa
Preenchidos pelo vento,
Preenchidos pela sombra da noite,
E as nossas sensações diante disso,
Céu limpo,
Céu limpo,
Seu limpo,
Que sinto...

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Xícara de chá

Uma xícara de chá,
Escoa pela boca suave e mornamente
O delicioso chá.
Aos poucos feito popoca,
Estoura um pensamento,
E outro e mais outro...

As vezes as coisas tornam-se tão
Complexas, que inibem o sono,
Mas na verdade tudo passa,
Poucas coisas valem a pena na vida
Como uma boa xícara de chá
Ou o riso frouxo dividido entre amigos.
É assim que a vida vale a pena.

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Esquecimento

A vida,
Perguntei para um amigo se não temia a morte.
Exatamente pelo temor que tenho da morte.
Talvez não pela morte em si,
Mas pelo fato de morrer,
Significa para mim, cair no esquecimento,
Voltar para o infinito.
E meu amigo sensato falou que não temia a morte,
Pois viu a morte com os olhos.
Viu a morte matar o seu pai.
Que tragédia.
É engraçado a maneira como cada um se comporta
Diante das coisas da vida,
A morte é uma coisa da vida.
Morte,
Substantivo que habita sempre o meu ser,
Talvez por medo de ser esquecido,
Coisa que logo acontecerá.
Cairemos todos nós
Na sombra do esquecimento,
Sendo a morte a vertente que nos separará deste mundo.

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Destino

Desenrola do carretel o fio da vida,
Desse enovelado aos poucos nos é revelado,
A teia e a trama da vida.
Como uma semente que germina e se faz árvore
Assim é a  minha vida,
Assim é a minha vida,
Fui semente e plântula
E agora sou árvore,
Sou tudo o que me fiz,
Sou tudo o que me diz,
Desde aurora
Até o segundo crepúsculo,
Sou...
Sou um sol,
Uma lua,
Estrelas,
Noite...
Sou um continuo ser,
Um ser em movimento
Movimento em tudo,
Na vida e no tempo,
Sou uma reação química
de vida contada,
Fui gerado no berço do amor,
E serei gerido pela dor,
Viver é conhecer,
E o nosso fim a Deus pertence,
Nascemos e morreremos todos sós,
Porque nossa peculiaridade é tudo.

Barão Geraldo - Asa norte - Bancários

A noite que se aprofunda nas horas,
Uma caneca de chá,
Palavras, reflexões...
O calor ou o frio,
Os planos para o futuro,
O presente imediado,
O presente próximo,
Aflição, medo...
Tudo que constitui a vida...
A noite aflita e mal dormida.

Dúvidas...

As sibipirunas perdendo as folhas,
A acácia florindo,
As paineiras florindo,
Chuvas torrenciais,
A luz branca no quarto,
Os livros e o desejo da leitura,
O cansaço de um dia,
Na luta que se desenrola em espiral,
De uma manhã povoada pelo sol vivo,
A banca de revista,
A grama orvalhada fresca,
A poeira vermelha,
As tipuanas com exsuvia,
As manhãs de quinta,
O povo vindo da festa,
E o dia começando
E o dia se encerrando,
E a vida passou,
Passando.

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Memória viva

O espaço,
Espaços e lugares conhecidos,
Ambientes compartilhados,
Uma casa antiga,
Cheia de memórias,
Casa de paredes brancas e janelas azuis,
Com piso de cimento talhado em desenhos,
De portas e janelas antigas
Rachadas da luz e do tempo.
De telhas grossas e caibros roliços,
Linhas de carnaúbas,
Tornos de forquilhas de pereiros,
Uma casa grande e alta,
Muito maior que a sua,
Com pessoas muito experientes
E doces, nossos avós.
Poucas coisas nos restam
Além da memória,
Tudo que temos é emprestado,
Tudo que somos é passageiro,
Hoje senti minha avó paterna,
Ouvi minha avó paterna,
Que se encantou,
Desde a última vez que fui a casa dela e a vi,
Não voltei mais,
Seu corpo se encantou em minha memória,
Daquele ventre vivo, nasceu
Quem me gerou,
E no fio da vida
Ela para a eternidade voltou,
E eu!
Quem sou?
Memória, corpo,
Meio para o fim.

Segredos de uma manhã

A manhã chuvida,
Mais uma manhã em minha vida,
A chuva chovendo,
Chovendo e cantando,
Ouço os pingos se derramarem das nuvens,
Sobre as folhas cantam
E molham
E esfriam a manhã.
Que doce manhã chuvida,
Como é interessante a vida
Com seus mistérios,
Seus ocultos segredos.
Que são revelados
A todo instante.

sábado, 30 de agosto de 2014

O silêncio

Tenho familiaridade com as coisas,
As rochas, as estradas  e as plantas
E tudo que tem o seu próprio universo,
Não fala o que não sabe.
O silêncio é uma sabedoria
Que poucos sabem utilizá-la.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Canto da vida


23 de agosto de 2014
Sábado à tarde,
É tarde,
O sol já se decai no poente.
Sentado em frente de casa,
Estou no ócio,
Eu olho para o tempo,
Olho para mamãe e ouço,
As vozes do sertão,
O canto intermitente dos galos,
De muitas aves,
Vem-vem, peidos de veias,
Galos de campina, periquitos,
Cantam também as cigarras,
E o vento faz chiar as folhas dos catolés.
E na estrada passam pessoas

De riba para baixo, de baixo para riba.

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Cedo da tarde

É cedo,
Cedo da tarde,
Esta hora em que o sol arde,
Os galos canta,
O periquito corruchia,
Um leve cochilo,
Entre o sonho e as memórias
Assim me percebo,
As ervas secam,
As árvores se despedem de suas folhas,
E a tarde que entardece,
Entardece, mas não envelhece,
Como envelhecemos,
É forte e vigorosa,
Enquanto isso enchemos de memórias,
E partimos para o fim,
Fim de tarde,
Fim da vida.

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

A vida é curta

Os dias que se passam,
Passam para a eternidade,
Para que a vaidade,
Os dias são apenas dias,
Os dias são longos para os jovens,
E curtos para os idosos,
Longos para os doentes,
E curto para os sadios...
Independente de qualquer coisa
A vida passa...
A vida passa,
E é curta demais para não escrever um poema,
É curta demais para não cultivar uma flor,
É curta demais para não cultivar um amor,
A vida é curta,
Por isso os grilos cantam,
Por isso as aves cantam,
Por isso os galam cantam na aurora,
As flores desabrocham com o desabrochar do sol,
E as estrelas com a noite,
E as chuvas encantam as ervas,
E os homens continuam sua caminhada,
Na esperança da eternidade
Porque a vida é curta.a

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Coisas simples

Um rouxinol canta feliz na borda da mata.
O sol quara as gotas de orvalho da noite passada,
Ramos e folhas estáticos são acariciados pela luz solar.
Tudo passa devagar,
E embalados em nossas ideias,
Nem paramos para contemplar
Coisas simples.
Estamos perdidos em fazer
Algo, sabe lá pra quem ou pra que.
Então toma os sentidos
E vive um momento
Mesmo que breve,
Vive o mundo que o cerca. 

terça-feira, 19 de agosto de 2014

O giro dos sonhos

A noite cai,
O corpo cansa,
A alma viaja,
Sonhos,
Estrelas,
Cama e cansaço.
Tudo turvo,
Tudo curvo,
Nas órbitas dos olhos,
Giram os sonhos,
Giram os sonhos.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Tutano

Objetos, no espaço,
Os sentidos,
As formas,
As texturas,
Os aromas,
A delicadeza de perceber,
Uma flor,
Um gato,
Um ser.
A água que molha tudo,
Que faz germinar a semente.
A sutileza de tudo,
Muitas vezes ocultos.
É preciso ter calma para perceber,
É preciso calma para viver,
Porque quase sempre não percebemos nada,
Apenas o que nos interessa,
E tudo permanece oculto,
No curto tempo de uma vida.

domingo, 17 de agosto de 2014

Contas a pagar

Como bichos,
Vivem os homens encarcerados,
Em suas aconchegantes celas,
Olhando através de suas janelas eletrônicas,
Sonhando em ter mais, ganhar mais,
Se destacar mais e ser mais...
Trabalhando sem parar,
Sem saber quando nem por que parar.
Os homens estão cada dia mais loucos.
Uns acumulam tanto
E outros não tem nada.
É o paradoxo da contemporaneidade.
Omni vanitas.

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Manhã amanhecendo

Manhã de agosto,
O vento venta soprando forte,
O galo canta atrasado,
Canta, canta...
Canta também o bem te vi.
Daqui posso ouvir,
O mundo a acontecer,
Cachorro a latir,
Carro a roncar,
A manhã a despertar.

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Revelado

O tempo,
O espaço,
Os seres vivos,
O seres não vivos,
Tudo em meu entorno,
O que eu percebo
O que está oculto,
Tanta coisa oculta
A minha percepção
Que pode ser revelada,
Pela poesia,
Pela alegria,
Pela simplicidade,
No tempo e no espaço.

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

O olhar

Que lindo é ver a lua nascer,
Lua cheia,
Lua grande,
Lua prateada.
Grilos cantando,
Vento ventando,
Estrelas brilhando,
A noite caindo,
Cheia, plena...
Uma poesia sendo parida,
Uma poesia ganhando vida,
Em versos tímidos e lúdicos,
Cheios de nada,
Ocos...
Como o quengo do autor...
Mas ao menos mostra a beleza
Do singelo,
Todo o mundo é belo,
Dependendo do olhar.

domingo, 3 de agosto de 2014

Angústia

Tenho no peito
Qualquer coisa que me causa pavor,
Tenho no peito
Qualquer coisa que me causa dor,
A angústia angustia nossa alma
E nosso corpo,
Nos tira a razão
Nos tira a calma,
Como viver assim,
Temos que ter uma fé,
Temos que nos entregar ao divino
Que nos preenche,
Que nos anima,
A viver mais um dia,
E no dia seguinte
Tudo pode ser diferente.
Sem angústia ou dor.

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Os mistérios da noite

O silêncio da noite,
Compacto nas janelas
De luz branca fria,
Pessoas sozinhas,
No celular no leptop.
Televisões desligadas,
O vento sopra na janela,
A música baixa,
O corpo cansado,
A vida vivida cotidianamente.

Existencialimo

A gente vive,
A gente vive tateando no mundo, nas coisas, nas relações, nas nossas percepções.
E assim vamos experimentando e vamos nos alimentando de nossas vidas.
Vamos alimentando nossas vidas ao mesmo tempo que consumimos nossos tempos.
A vida é um mistério, a alguns longa e a outros curta.
Alguns aprendem a viver cedo,
Outros vivem uma vida longa de desconhecimento...
A gente vive,
A gente vive,
A gente conhece gente, se relaciona com gente,
E sempre se surpreende com a gente e com o outro,
Muitas vezes nos desconhecemos,
Conhecer a si mesmo, eis algo sobrenatural,
Entender os próprios erros...
A gente constrói o que a gente é.
Existencialismo.

Ser o ser

Queria saber inventar, contar histórias,
Escrever contos, crônicas, ideias...
Quando quero, quero demais,
Contar contos como Veríssimo,
Contar histórias enigmáticas como Borges,
Coisas divertidas como Millor,
Mas não,
Não sei copiar,
E o que invento, não dá para pagar um café.
O gato gateia,
O sapo Sapeia,
E eu identifico plantas.

Felicidade

A noite,
A música,
O chá,
Os livros...
Pensamentos, ideias e memórias.

Quando a tarde cai doce,
Quando a noite chega alegre, suave,
Com coisas simples como ensinar...

O corpo entra em estado de êxtase,

Uma sexta-feira,
O quebrar da barra,
A leitura reflexiva,

Pedalar em busca da felicidade,
Parar, fotografar,
Contemplar a mata,
Ver as mulheres generosamente
Varrerem o campos,
Os corredores,

O café da manhã,
O riso dos amigos,
A comida gorda,

As conversas ricas e sabias,
Outras nem tanto,
A generosidade de Vera,

A manhã partindo,

O encontro na geografia,
Bartô e seus orientandos,
A irreverência de Mônica,

O almoço com pessoas inteligentes,
No Lando,
O ir e o voltar,
Doces conversas, com pessoas generosas e inteligentes,


A tarde vindo com os risos,
Das amigas e um lauto almoço,

E a tarde se passa,
Brindando-me com a companhia,
Das minhas estagiárias,
Manu, Rayana e Sâmara,
Que me ensinam a aprender,
Coisas simples,

O aconchego do lar,

A saudades da família,
E assim segue a vida.


Faz

O que faz sentido?
Algo ouvido,
Algo olhado,
Algo vivido?
O silêncio.
O sol dourado,
Ano passado,
Ano passado...

quinta-feira, 31 de julho de 2014

Acordar

A manhã nasce tranquila.
Podemos sentir seu aroma
Ao abrirmos a janela,
Um delicioso bafo de mundo,
Fresco e úmido.
As aves felizes a cantar!
Cães a ladrar,
Enquanto o sol desperta suave.

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Ver

Na contra mão,
Viver,
Viver na solidão,
Viver a solidão,
Ver os dias passarem,
Ver a brisa passar,
Ver o dia passar,
Ver o primeiro e o segundo crepúsculo passarem,
Ver as luas passarem,
Ver os dias e as semanas passarem,
Sem saber o que espero passar.

O tempo já foi mais lento,
Hoje, percebo mais poeira, mais cinza no horizonte.
Vejo as aves partirem,
Vejo as aves partirem,
Eu vejo a idade impressa nas faces dos meus amigos,
Vejo no espelho a impressão do tempo,
E doí perceber que as aves partem,
Porque elas partem e levam o que nos faz bem
Sua presença...

Mas é preciso viver,
É preciso viver,
Cada minuto,
Cada segundo,
E ver tudo passar,
Até que passemos,
E a vida continua...

Sem sentidos

A solidão,

Olhos que não vêem,
Ouvidos que não ouvem,
Bocas que não falam,

Tem olhos, mas não vêem,
Tem ouvidos, mas não ouvem,
Tem bocas mas, mas não falam,

Os cegos,
Os surdos
E os mudos.

De uma certa por uma deficiência,
Tem olhos, mas não vêem,
Tem ouvidos, mas não ouvem,
Tem bocas e balbuciam...

Hoje estas pessoas se comunicam são normais,
Mas no passado não tão remoto.

A cegueira,
A moquiça,
Eram prisões aos idosos,

Conheci Vicente de Joana,
Conheci o cego da casa do sampaio,
O cego que tocava flauta.
Uns sisudos,
Outros falantes,
Uns contentes e outros tristes.

O que é a natureza humana?
Certamente se tivesse uma deficiência
Seria triste...
Por falta de fé ou por indisposição?

Onde estão as paredes que encerram nossa prisão?

Em busca do amanhã

Aqui,
Ali,
Acolá.
Onde minha mente está?
Muitas vezes distante,
Muito distante do meu corpo,
Fico a matutar.
Minha alma, minha calma...
Minhas memórias vivas,
Que surgem a cada olhar,
A cada tocar,
A cada impressão que tenho.
E reflito sobre tudo,
Inclusive sobre nada.
Vejo a vida desfiar,
Por um fio,
Cada coisa a se desfazer
E a reconstruir.
Ah!
O poder das fotografias, espelhos com memória
De nos fazer refletir,
A doçura dos aromas,
Viver é quase sempre reviver.
Nunca estaremos plenos.
Pessoa nos ensinava a voltamos
Aos sentidos... Sinta o mundo e viva o presente...
Mas ecoa em minha mente,
Instantes de saudosismo.
E vamos buscando o melhor
Que sempre nos promete o amanhã.

terça-feira, 29 de julho de 2014

Matutar

Um chá quente
Para esquentar a brisa fria.
O sofá no escuro,
Para o corpo descansar,
E pensar, matutar...

Cães a ladrar,
Os vigias a apitar.
O barulho dos carros.

Penso tanta coisa,
Quem sabe meus pensamentos,
Não marcarão um pessoa.

Sabe lá.

O rio

O rio que como o mar
tem maré, oras esta cheio
e oras esta vazio,
como entender esse rio,
se enche para secar
ou seca para encher?
Vá entender o rio
que todo tempo é frio.

Errante

Sinto um doce aroma quando passo perto de um pequeno arboredo,
aroma de ar puro matinal.
gosto de ver a grama orvalhada.
manhã ensolarada,
flores brancas e roxas,
canto do sabiá,
vivo aqui, ali aculá.

Noite

Quando a noite caiu, fez-se o escuro e o silêncio.
O feito breu não mostrou as estrelas.
Dentro da casa escura e fria,
meus olhos embutidos em saudades
e silêncio calaram a qualquer movimento,
Senti o peito bater, o braço pulsar,
senti a noite fria me abraçar,
a noite como estava vazia,
tão vazia de tudo
que apagou qualquer coisa visível,
apagou minhas ideias,
me senti feito pintura
imóvel eterno.
Toda a natureza recatada...
toda a noite calada.

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Passagem

Segue o tempo,
Segue o vento,
Segue a noite,
Seguem os dias.
Cremos na nossa permanência eterna na terra.
Só cremos,
Porque nada temos,
Nada é nosso,
Tudo é emprestado.
O nosso corpo,
A nossa família,
O nosso nome,
A nossa profissão,
Nossos dias.
E tem dias que nos falta coragem,
E assim nascemos,
E assim vivemos,
E assim cremos
E passamos por nossa vida.

Vidas numa vida

A manhã está pálida e calma,
Canta contente o rouxinol,
A chuva choveu brevemente,
Nessa paz vem a  minha mente,
Cenários de inverno de minha infância,
Das manhãs alegres pós chuva,
Do calor perfumado de nossas cobertas
De malha de rede.
O vento ventando no telhado,
A voz agitada de mamãe,
O badalo paciente do chocalhos do gado.
E a cada manhã,
Posso perceber e reviver as vidas em minha vida.

domingo, 27 de julho de 2014

Praia

O sol,
O céu azul,
O mar,
Ondas se espalham na areia.
A brisa fresca,
Grupos de pessoas,
Comida,
Coqueiros
Praia.

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Humanidade

E na hora profunda da noite,
Na hora última,
Aceite senhor,
Aceite senhor,
A minha calma,
A minha alma.
Quando já não resta vida,
Tende piedade de nós,
Que a humanidade é tamanha,
Que quase não há humanidade.

Rogado senhor

Meu Deus,
Meu Deus,
Cadê a minha fé?
Aquela fé que me destes agora me tirastes?
As minhas esperanças,
Os meus sonhos...
Tanta coisa que parece me faltar,
Talvez seja sua ausência
Gritando em meu ser.

Ser triste

A noite e a solidão se misturam,
Se confundem e se fundem.
Noite sem lua,
Sem ninguém na rua,
Noite de sexta-feira,
Ah, a vida se passa,
A noite se passa.
Eu estou perdido em minha solidão,
Estou perdido em meu ser.
Está tudo tão vazio...
E porque me entrego
Ao meu fim...
Ser triste é ruim.

Chuva

A chuva chovendo,
Canta, dança,
Escorre,
Escoa,
A chuva chovendo
Molha, lava e umedece.
A chuva chove numa vitalidade.
Chove de manhã,
Chove a tarde,
Chove a noite,
Chove e para
E a vida segue.