quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Doce Anonna

O branco doce da Anonna squamosa (pinha).
Desmancha na boca.
Na pinheira, quando há pinha madura,
É sempre festa, cantam sabiás, sanhaçus e patativas.
Voam lerdas as arapuás.
E de longe, sempre malandro, buscava sempre
uma festa da passarinhada,
Ali, encontrava sempre a doçura gerada da terra.
Pinheira nova e viçosa, com ramos crescendo
Fugindo da sombra dos cajueiros,
E lá estava ela uma, duas enormes pinhas,
Doces pinhas, que frutos doces,
Sementes negras,
A casca enrugada.
Vai o doce e ficam as cascas,
e lá se vai em busca de outra passarinhada.

Vinte

Pela manhã, saia do meu apartamento de número 20,
ouvindo a bandnews e caminhava para a Embrapa
Até a sala de número 20.
Chegava, abria a porta de número 20,
Entrava e abria o computador,
Ligava na tomada 220 volts.
E punha uma música, de Mozart.
Então, ela vinha de um lugar que não era de número 20.
Mas entrava pela porta de número 20,
Ela que não tinha 20 anos ainda.
Abria um sorriso maior que a lua cheia quando nasce.
Nos abraçávamos, seu cabelo dela cheirava a mel.
Sua voz suave. Comentava o que acontecera fora da sala 20.
Ouvia e ela perguntava o que ouvia. 
_ Mozart respondia. -É óbvio.
Ela pedia para colocar Chopin.
Como poderia negar aquele olhar e aquele riso.
Então ao som de Chopin sorria  a sala 20.
E assim, Senhorita Stêfani,
Vicie-me em Chopin,
Na sala de número 20,
No meu apartamento de número vinte...
Soa suave agora no 303...
Em algum lugar do mundo.

Novos hábitos

O calor da manhã,
À proximidade com a mata onde crescem
Ingas, Protium, Erioteca e muitas outras árvores.
O ronco do ar,
O canto das aves, sanhaçus, patativas e sabiás.
Aos poucos desperto para o dia,
Aos poucos desperto para o trabalho,
As notícias dos jornais,
As colunas,
A cigarra canta.
E assim percebo as manhãs de minha nova lida
Tomar sua forma.

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Noite de chuva

A noite escura após a chuva.
A água escoa caindo sempre para baixo.
Enlameada, se mistura com o pó que oras é seco
Oras é lama...
O mundo cheira após a chuva.
No escuro silencioso da noite,
Após uma longa estiagem
Suprimida pela chuva,
Ovos de insetos desencadeiam seus desenvolvimento.
As árvores sedentas matam sua sede
E silenciosamente se transforma para o novo dia.
As aves após o banho acordam se preparam para um novo dia
Acordarem cantando...
E ao quebrar da barra
A luz dar cores as formas
E as velhas cores ganham um novo tom.
O chão molhado, fresco, unido nos enche de alegria.
Sementes germinarão nos campos e em nossos peitos.
A vida com toda força
Volta a pulsar após uma noite de chuva. 

A velha


A manhã desperta da noite.
A barra quebrada, vermelha em brasa, aurora partiu.
O sol cresce levemente atrás das árvores.
A luz atravessa a janela e toda o cheiro suave
Da roupa guardada, a roupa de cama embrulhada.
Na cozinha a lenha estala e se queima quase molhada.
O cheiro do café. A goma perdendo a umidade no caco.
Café pronto. Levanta levemente a velha senhora,
Caminha devagar e vai ao oratório.
Reza uma oração e segue para a cozinha.
O conforto que só o tempo dá a paciência.
A idade domou o corpo vicejante que hoje
Arde em dor, rugas, dores e a longa espera pela morte.
A manhã talvez virá...
A morte chega antes às vezes.
Hoje, já não estamos mais só.
Temos rádio, televisão e um aposento que não nos deixa passar fome.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Textura da noite

O silêncio da noite.
O silêncio das luzes
Que alumiam ou sinalizam
Rotas, olhares...
Noite vazia, às vezes fria
As vezes quente e triste.
Chiam as folhas dos coqueiros,
Flores de Avenrroa no chão,
Um fruto ou outro no chão frio e escuro da noite.
Areia fina como o escuro da noite.
E inebriado de sono
Durmo tocando a textura macia e escura da noite.

sábado, 26 de outubro de 2013

Lúcia

A casa amarela,
A lojinha,
A sobra fresca da área,
A roseira, as flores e os anões artesanais,
Um cavalinho de barro...
Rubinho cachorro, quando você chegou?
Olha Jacinto quem está aqui.
Ah! Cabra besta, Willianinha venha falar com Rubinho.
Um abraço forte, bem apertado...
Beijos e afagos amigos.
A risada...
E como anda o coração?
Deixa de ser safado...
Água... Sente ai.
Gente sobe e desce.
Os dias de trabalhos juntos.
Curta manhã para tanto assunto,
Do mundo, de Serrinha...
Olho o jardim com um contentamento
De quem sente afagado pelo estética viva,
O crescer paciente das flores.
Balanço-me e conto como estou
E quero saber como está.
Volte mais, não vá embora sem vir aqui CACHORRO.

Bom, não viverei mais estas senas,
Minha doce amiga partiu,
Concluiu sua caminhada,
De certo agora descansa num campo
Flores, num campo de rosa
Sob árvores de Tílias,
Ouvindo hinos de amor,
Contemplando o senhor.
Deixa saudades,
Está viva em nossa memória
Até que nós sejamos só memória.
Adeus linda flor, doce amiga.
Lúcia.

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Refletidas

Quantas são as fazes da vida?
Tudo poderia ter sido tão suave.
Por que me cobrei tanto?
Não imaginava que a vida passava tão depressa.
Agora que sei quanto tempo me resta,
Deixei de fazer tantas coisas,
Nem se fui feliz pelas minhas escolhas,
Felizes ou não a vida passa!
O tempo passa,
Tudo passa,
E não podemos esperar parados,
Temos que fazer as coisas acontecerem.
De vez em quando ouvir Mozart,
Ler Borges ou Drummond ou Neruda,
Apreciar Gogh,
Apreciar o mar ou o céu ou a lua,
Ou apreciar o que se ver.
Nosso universo as vezes é tão melhor do que o universo
do outro e nem percebemos,
Não conseguimos perceber a intersubjetividade...
Mas a vida continua,
A vida é imortal,
Enquanto vida existir,
As coisas belas serão refletidas...

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Meu castelo

O lugar onde moro, está mais para castelo.
Quando vou a sacada e olho para o céu é tão belo.
No céu de minha noite,
A lua vai minguando,
As estrelas estão brilhando,
Nuvens passam sombreando a lua,
Hoje, que trabalhei tanto estou tão cansado,
Mas recebo o afago do vendo,
Um abraço da noite
E a cama me chama.
Minha casa é meu castelo,
Nunca me senti tão bem,
No meu pequeno castelo,

terça-feira, 22 de outubro de 2013

domingo, 20 de outubro de 2013

Feliz manhã

O coqueiro cresce fagueiro,
No quintal da vizinha,
Cresce também uma caramboleira.
No chão crescem gramas.
No alto do coqueiro
Pousam sanhaçus
Com chamado curto...
Na manhã ensolarada,
Plantas coberta de flores
Flores brancas, lindos Himatanthus,
Embelezam tantos jardins
Do meu bairro,
E canta, canta a cambacica,
E a manhã se vai...
E o coqueiro faqueiro
Dança acompanhando a brisa.

Agrados da vida

Uma manhã de sol,
Após a chuva.
A brisa soprando.
O cheiro das flores,
Música clássica na vizinhança,
Uma poesia de Borges, Neruda, Drummond ou Bandeira.
A música de Almir Sater ou Cartola.
Uma cédula de alto valor perdida no bolso de uma roupa guardada.
Um telefonema marcando um encontro,
Um riso de criança,
Um afago,
A paixão de alguém pela vida e seu prazer em executar.
Acordar cedo ou dormir até mais tarde.
Um bom almoço,
Uma boa companhia
E uma boa conversa.
Coisas que são possíveis apenas
Em vida.

A lua, a manhã e cantatas

A lua cheia encheu a noite
Duma luz clara e suave.
A lua reinou na noite
E junto com a brisa
A noite silenciou.
O sol nasceu,
Os pássaros cantam felizes
Coletando néctar e frutos.
E a manhã vai passando.
Ao som das cantatas de Bach.

sábado, 19 de outubro de 2013

Quantos?

Quantos seres habitam em mim?
Quantos são aqueles que fazem de mim quem sou?
O que vejo,
O que sinto,
O que ouço,
O que penso,
Sentimentos de alegria,
Sentimentos de tristeza,
Quem me descreve uma poesia?
Faço às vezes alguma proeza?
Quantos seres habitaram Pessoa?
E Gogh,
E Nietzsche,
Aquilo que nos separa a vida,
Aquilo que nos une o amor
A existência!
Existir é sofrer sempre,
Amar é sofrer,
É ter coragem de se doar
Mais que receber...
E há algum dentro de mim
Que quer amar?
Aquilo que me constitui
é aquilo que permito
ou que insiste e expressar em mim.
Porque sou apenas um ser
Que aguarda sem pressa pelo fim.

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Sexta-feira

Na minha nova rotina para quem não sabe, adoro uma rotina. Acordo muito cedo. Antes das seis horas já estou quase de banho e chá tomado. É lógico que estou dormindo supercedo.
Acordo, abro a janela e contemplo o sol e comtemplo a mata e contemplo a vida.
Quando acordo, em meu apartamento despertam juntos o rádio e o fogão.
O rádio fala e o fogão aquece. Confortam-me a solidão.
E o sol me abraça e o dia se passa.
E tudo vai passando.
Agora é menos de onze e eu já estou vovozando.
É a vida.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Tudo passa!

O tempo passa!
O tempo urge!
Fotos, objetos e memórias
E o tempo nos liga
Nos une e não deixa
Nos esquecer que o tempo passa.
O ontem nos é tão próximo!
A quem viveu muito,
O amanhã chega tão depressa,
Tudo passa,
Tudo passa!

Para o fim

A noite caiu suave,
Nem a vi chegar,
E ela nem veio depressa!
Veio devagar,
Quando percebi,
Era noite,
Quando percebi,
A lua crescente brilhava no céu.
O vendo derrubava
Os estames das flores de jambo.
E a noite corria para o fim...

terça-feira, 15 de outubro de 2013

O vago da noite

A noite caiu tão depressa
Que nem vi o sol partir.
A noite caiu e quem viu?
O sol de hoje se foi,
Um dia a menos,
Tanto esforço
E tanto cansaço!
Tudo foi levado pelo fim da tarde!
Amanhã é outro dia,
Outra luta, outras coisas acontecerão.
Engraçado, sempre cremos na felicidade
Presente no passado.
Cadê a tarde e o sol rubro?
Sei lá, ainda hei de ver!
A solidão e os livros e as aulas
Me acompanham!
Sinto falta de minhas doces leituras!
Sinto falta das tardes!
Tudo se foi com a tarde e o tempo...
Será isso mesmo que eu quero?
Goethe dizia que um homem sem tempo
é um homem sem métodos.
Acho que não tenho métodos...
E ansiedade horas tomam conta de mim,
Horas a esqueço!
Ainda bem que posso ouvir Pessoa, Neruda e Borges!

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Caminhar

Cada dia em nossa vida,
é único, cada um deles 
um teste, uma provação,
Por isso esqueço dos dias,
leio poesia, leio a natureza,
ouço o que fala a brisa,
paquero a lua mesmo da rua,
E a vida me revela dura
e a vida me revela doce,
E continuo a viver
A buscar, mas docura para a vida,
quem sabe não encontre,
alguma doce companhia.

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Sonho

A vida uma poesia,
Ao sonho a paciência
De poder aguardar e realizar,
Ou esquecer!
Tudo é ilusão depois de vivido,
E desejo e paraíso pelo não merecido.
A brisa da noite canta
E me faz dormir
E me faz sonhar,
E me faz ser quem sou,
Pois tudo é emprestado
E passagueiro.

domingo, 6 de outubro de 2013

Nocturne

Nocturne!
Após a noite
A luz do dia me acaricia
E me acorda,
A brisa da manhã me afaga!
Cantam as cambacicas
Os sanhaçus,
Cheiam as folhas do coqueiro,
O mundo é tão vasto de minha janela.
E meu ser se torna vasto para o dia,
Refletir Tao the Ching,
E viver mais um dia

Nocturne

Nocturne!
Após a noite
A luz do dia me acaricia
E me acorda,
A brisa da manhã me afaga!
Cantam as cambacicas
Os sanhaçus,
Cheiam as folhas do coqueiro,
O mundo é tão vasto de minha janela.
E meu ser se torna vasto para o dia,
Refletir Tao the Ching,
E viver mais um dia

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Apelo

Borges, Nietzsche e Pessoa venham me tirar da solidão,
Dai-me com suas lindas palavras um pouco de ilusão.
O amanhã é incerto e pra mim já chegou,
Vejo as coisas sem graça nem alegria,
Ah, Neruda e Drummond me enbriem com suas poesias.
Amanhã será outro dia.
O amanhã não nos pertence,
Nada nos pertence, os lugares, as coisas, as pessoas...
São todos passageiros e seguimos o mesmo fluxo
Em direção ao nada.
Por que e para que querer tanto...
Buda já dizia e Schopenhauer reverberava
Que apego é sofrimento.
E como viver neste mundo incerto,
Cheio de homem esperto?
Sabe lá. Sabe lá.

Andar perdido

Quando anda perdido,
Caminha sem saber para onde,
Vai e volta.
Quem anda perdido,
Certamente está buscando se encontrar.
E aprende a ir e vir,
Aprende a se virar,
Aprende a ser.
Não se sabe quando se anda perdido,
As vezes quando estamos perdidos,
Estamos mais apto para viver,
Mas viver a solidão,
É está eternamente perdido.

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Efêmera

O sol que anima a vida
Também queima e arde
A pele e a alma,
Pode tirar a calma!
Vida passagueira,
Como um pessegueiro
Cuja frutificação
É tão efêmera.
Tantas coisas assim o são.

Cada momento

A noite escura
De céu estrelado,
Grilos cantando,
Cachorros dormindo,
Música clássica,
Um chá de gengibre
E a cama e o sono
Que mais pode querer
Um homem simples.
Viver cada momento.