sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Inquietude da alma

Profunda noite, silenciosa,
Escura e suave.
Que há no mundo fora de mim?
Há matéria, energia e vida.
Há tanta coisa por conhecer,
Há tanta coisa que preciso designorar.
Noite profunda que diz o teu silêncio ensurdecedor?
Que expressa o meu ser além de minha consciência?
É tarde e imerso na noite profunda,
Perdi o meu sono
E busco nas palavras
A expressão da inquietude de minha alma.

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Sentido

O silêncio do sol nesta manhã de agosto,
A amplidão do Cerrado onde imegem
O raios do sol no inverno
O canto distante das aves.
Nada parece acontecer.
O som de uma ambulância,
A fala do vizinho
São coisas sem sentido,
Mas que constroem o sentido
aqui e agora.

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Força

Há tantas coisas que nos faz cansar e desanimar.
A correria do dia-dia, a terrível batalha de aperfeiçoar e ser o melhor.
O tempo que não ajuda, pessoas estressadas.
Mas tudo passa, o tempo passa.
Sólida poesia brota dos momentos incógnitos da vida.
Algo nos faz feliz ao menos por breve instantes na vida.

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Passageira glória

Suave a noite caiu.
Rubra e azul sob a tarde
O sol se foi.
São tantas coisas lindas
Que não percebemos,
Tentando se sobressair,
Que adianta a glória
Se desconhece a aurora e o segundo crepúsculo.
Nada.

Aguardando a primavera

O sol deita sua luz sobre os vales e montanhas e planícies.
As aves cantam intermitentes, parecem agradecer pela vida.
Pássaros de diversas qualidades com os mais variados cantos.
Encantam com seus cantos a manhã.
Só as árvores florescem, flores perfumadas e coloridas.
As ervas dormem em sementes.
A poeira vermelha tinge tudo que lhes cerca.
E o tempo passa, e a primavera vem,
Que venha com toda sua beleza e força.

Noite

A tarde cai tão bela,
e sobre a tarde a noite.
Emana grandeza e silêncio.
Um passo para o fim.

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Viver amar a vida

E se enxugam as poesias.
Viver apressado não é interessante.
O interessante é viver livre
Para olhar as estrelas a noite
Para ver as flores durante o dia.
Para contemplar as coisas boas da vida,
O doce do pudim, ouvir Mozart,
Ver Gogh, ler Borges...
Temos que viver
Já que a vida não cessa instante algum
E quando cessa! A morte abarca.

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Luar

É noite de lua cheia,
O céu azul estrelado,
O espelho da lua no cerrado.
O brilho da lua flameja
Nas águas do Paranoá.
Cansado, deito e durmo,
Não penso em nada.
Verão no Cerrado.
Não é inverno,
Mas sim calor,
Sol e beleza nas extremidades do dia.
Mais nada.

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Agosto

A tarde estava tão bela
Havia crepúsculo no poente e no nascente.
Enquanto o sol partia
A lua aparecia...
Quantas cores maravilhosas.
Depois da tarde belíssima
Veio a noite sensacional.
E mais um dia de agosto se foi.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Sensações evanescentes

Tudo a todo momento está se fazendo e desfazendo.
Alguns semtem mais que outros a evanescência da vida.
E como uma fornalha consome madeira,
Vamos consumindo os momentos vividos,
Consumindo nossas saudades,
Porque o que foi, não volta mais, apenas dá espaço
Ao novo, mas queremos o novo e de maneira alguma
Desapegar do velho. Isto nos faz sofrer.
Nem todos temos a mesma sensação,
Mas como somos seres efervescentes de sentimentos,
Um dia nos deparamos com esta  mesma sensação,
Várias coisas podem desencadear.
Mas isso não faz parte deste texto,
Apenas as sensações avanescentes.

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Graças

Graças, dou ao tempo passado e a ação realizada.
Mais um dia se passou e todas as etapas foram realizadas
Ou pelo menos houve um esforço nesta direção.
Vi a luz do sol nascer, saciei minha fome e minha cede.
O dia transcorreu em paz.
Este dia parte outro dia virá.
Graças, dou pela vitalidade, pela energia.
Porque sei que tudo passa para todos a todo momento.
Que assim seja.

O silêncio interior

O silêncio habita em nosso ser e nem percebemos.
Conversamos a sós, pensamos e até podemos ouvir nossa voz.
Mas passamos o dia ouvindo nossa voz  interior.
Passamos o tempo todo ouvindo esta voz nos orientando.
Dei conta de que o silêncio habita meu ser.
Abri um livro e li em voz alta
Para espantar o silêncio
E dissipar essa sensação.
E dormi sem a sensação de ser tomado pelo silêncio.

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Saudades

Há tanta beleza para ser vista
E ser descoberta.
Há tanta coisa boa na vida.
Hoje, à tarde, cantava alto o sabiá.
As maritacas sumiram.
Bem cedo, ainda madrugada
Canta o sabiá.
Lembrei de como era bom acordar nessa época
Em Barão onde o sabiá cantava em minha janela.
Tinha, ali, um pequeno jardim,
E o silêncio e noites inteiras,
De alegria.

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Profunda noite

É noite profunda.
O céu estrelado,
O frio da noite nos envolve,
E nos faz sentir medo do nada.
A noite profunda
Muitas vezes é o nada.
Ausência de movimento,
Ausência de tanta coisa.
Grilos cantam,
Maquinas refrigeradoras
Trabalham.
E a noite cai
Para se derramar na manhã.

Dança das folhas

É verão,
O sol brilha
E é tão belo.
Dançam as folhas ao vento
Quando se desprendem
Dos galhos,
Saracoteam, flutuam
E tingem o chão
E lhes dão chiado.
Nuas as árvores florescem
E depois se vestem,
Aproveitam o verão.

O cerrado e eu

O Cerrado no verão é tão belo,
Com seu céu limpo e azul,
Com suas plantas nuas floridas,
Com a algazarra das aves na matina,
Com o calor, o barro solto,
Numa frenética espera pela chuva.
O Cerrado encanta,
A cada estação, embora reduzido,
O cerrado ainda é cerrado.

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

O mundo e a palavra

Amplo é o mundo,
Densa é a palavra que o determina.
Tudo que vejo se não consigo verbalizar
Não tenho como expressar.
A palavra, organiza o mundo.
Cada língua tem seu trato
e densidade de sua palavra.

domingo, 11 de agosto de 2013

Cerrado Dourado

É agosto,
O Cerrado aparentemente tudo está seco.
A poeira vermelha se desprende do chão 
e tinge o mundo de vermelho.
O céu está tão azul,
O horizonte cinza,
E agora temos a florada dos dourados ipês amarelos,
Belo, belo, belo,
Embora efêmero,
Douram o cerrado,
Embelezam o mundo,
Flor a flor se abre,
Flor a flor se desprende,
Logo serão apenas, frutos,
e mais logo em seguida sementes aladas,
E mais em seguida se germinar, plantas,
Nunca mais verei esta floração,
Cada ano é uma nova estação,
Linda florada de ipê,
Doce Cerrado,
É tão belo dourado.

Os Sinos de Ouro Preto

Dobram os sinos,
Rua afora, ladeira acima,
Ladeira abaixo, soam seus timbres peculiares.
Quem é daqui, reconhece de onde vem
E em qual igreja dobra,
Dobram e encantam a cidade.
Que anunciarão os sinos?
Quantas vezes dobraram os sinos?
Gerações foram despertas
E adormecidas...
Linda Ouro Preto,
Cheia de tradições,
De jovens alegres,
De repúblicas vivas,
De turistas curiosos.
Quando dobram os sinos,
Viajo na concha do tempo,
Que só existe em pensamento,
Cantam as várias aves,
Enquanto a cidade é silêncio
E som de sinos.

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Tempo reflexão

O tempo passa
e deixa marca na pele
e deixa marca na alma.
O tempo passa
Sem que percebamos.
Ontem, hoje, e amanhã
são infinitos...
Tudo passa.

Escorrer

Enquanto caminho, penso na vida.
Nem sempre penso, as vezes tenho uma ideia me dominando,
Consumindo minha alma.
Ontem enquanto caminhava via a aspereza do chão
de concreto corroído pela água.
A água que mesmo amorfa e líquida transforma as coisas
Ou são as coisa que se transformam.
A aspereza daquele chão empoeirado
me levou a esquecer a bendita ideia e pensar numa coisa mais simples e forte.
A água que escorre, mole, plástica, suave e vai se entregar ao mar,
ou sabe á o que, mas escorre sempre, por força da gravidade.

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Noites

Noite, noite, noite...
Três formas diferentes de ver a noite.
Noite pós fim de tarde,
Noite profunda meia noite,
Noite aurora,
Finda a noite.
Logo mais tudo é dia.
Ou nunca mais veremos a noite
ou o dia.

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Que tem as flores

Quantas flores dispersas nos campos
Nas montanhas, nos jardins e praças.
Quantas flores encantam os homens?
Já perdi a conta, já nem sei quantas
São as combinações.
Flores são só flores.
O perfume das flores,
A cor das flores...

domingo, 4 de agosto de 2013

Sensação

Como o domingo é longo à sombra da solidão.
O frio da ausência humana,
Uma palavra mesmo que seja baixinha.
Um pouquinho de atenção.
Mais nada.

sábado, 3 de agosto de 2013

Niilismo

Ontem a noite, sexta-feira,
Perdi o sono.
Folheei o buda que estava sobre a mesa.
Tanta coisa bela, mas inacessível a um humano, demasiado humano.
Peguei o caderno e escrevi duas páginas,
Na tentativa de não morrer naquele momento,
Minha triste existência.
A solidão é triste.
A vida é tão curta para sentirmos tristeza.
Tenho certeza que nenhuma frase que escrevi interessa
Ao mais papolvo ser.
Fiz um chá, tomei-o.
Até que o sono chegasse,
Li quase duas páginas de Pessoa.
Questões preenchiam minha mente.
Minha existência tem um significado?
Respondam-me Sartre, Borges, Nietzsche.
Por um breve instante nada faz sentido,
Mas quando olho sobre a cama vejo
Livros de Gogh, e volto a mim,
Algo pode fazer sentido amanhã.
Apago a luz, deito e durmo.

Povoar

Após o meio dia,
a sol pino, ocorre o primeiro ocaso.
Nem as aves contam,
nada acontece,
feito serpentes,
pessoas se esticam deitadas,
dormem
ou despretenciosas vão ao shoping
se mostrar? encontrar alguém?
Lá na caatinga, a cigarra canta,
o calango corre sobre as folhas secas.
Enquanto o Cerrado é tomado por soja....

Tanta coisa fútil povoando o mundo.

Motivos

Os sábados são tão maravilhosos
quando esperamos algo.
Envelhecer tira o brilho deste dia,
cadê aquele motivo que fazia
o coração sorrir, pulsar alegre?
e agora depois de tanta coisa vivida
o que é possível de esperar?
Deus salve Borges e Guimarães Rosa,
estrelas de minha manhã.

A mesma coisa

Às vezes viver é ser triste.
Quando lutamos por algo
e cremos tanto que ali está
o motivo para existir.
Atravessamos a existência
que é tão vazia.
Porque nunca queremos
a mesma coisa.

Climax

Já é tarde, embora a tarde pouco avançada depois do meio dia. O sol brilha em sua maior intensidade.
A natureza toda está recolhida. O silêncio só é quebrado pelo chiado de folhas que se quebram a cada passada. No horizonte podemos ver o tremer do vapor. Tudo está tão vazio. Meu peito vazio, o mundo vazio. Calor! Viver este momento belo, mas de peito vazio é tão difícil. Saudades? Deveres, sigo caminhando como a tarde vai partindo.