domingo, 28 de julho de 2013

Redelinear

É estranho descobrir que no mundo há maneiras de se perceber algo distinta da nossa. São poucas estas situações em que somos tomados por essa sensação, principalmente quando não gostamos de viajar de sair da rotina. Há determinadas memórias adormecidas que são despertadas por meio de uma música, um texto, uma propaganda. Estas memórias são compartilhadas por um determinado grupo que pode ser pequeno como o núcleo familiar, o ambiente escolar, a cultura de uma cidade ou até mesmo amplo como os programas transmitidos pela rede globo. Um bom exemplo são as coisas que aconteceram na década de noventa, certamente é compartilhada pelas pessoas, como eu, com faixa etária entre os 30 e 40 anos. Enfim quando saímos do nosso universo, nossa cidade ou cidade ou país, estranhamos que o outro conheça tais coisas, mas conhecem de outra maneira, a partir de outra perspectiva. Estava viajando de Genebra para Viena, de ônibus, durante toda a noite, quando acordei, ainda muito cedo percebi que na rádio tocava a música "Crazy for you" de Madona. Como assim, pensei, está música toca aqui, percebia meu pequeno conhecimento de mundo. Naquele momento senti o êxtase tomar todo o meu ser. Estava muito feliz por está conhecendo o velho mundo e ao mesmo tempo aquela música me trazia lembranças de minha vida em Serrinha dos Pintos, pois ouvira muito aquela música tocada na difusora de Alexandria.Aquele música estava viva em minha mente e decerto não tinha ou tinha um significado muito diferente do que existia em mim. Naquele instante estava muito distante do passado e minha origem, mas aquela música era um elo entre o passado e o presente. Mais uma vez aquela música ganhava sentido em minha vida de uma outra maneira, poderia até me levar a esquecer o passado mais distante. Imagine que para aqueles passageiros que estavam preocupados em dormir, aquela música não significava nada. Talvez para suas realidades aquela viagem seria semelhante a minha ao ir de Campinas para Ribeirão Preto.  Eu estava viajado sem saber por onde ir, mas sabendo para onde eu ia. Então o dia nasceu e eu conheci Wiena. E agora que ouvi a música revivi, relembrei e mais uma vez redesenhei pude redelinear minha memória e perceber quanto o mundo é amplo e nossa vida pode ser sensacional.

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Quero-quero

O quero-quero caminhando no campo,
Gritando quero-quero, quero-quero.
Voa, da rasante e grita.
Pela manhã, à tarde
Ou a noite estarão sempre lá
Em qualquer lugar.

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Dominar

Sentimentos quem os domina?
Somos uma bomba de sentimentos,
Oras estamos felizes ora tristes.
Oras amamos a solidão oras a odiamos.
Estamos contentes pela manhã,  pela tarde rabugentos
E a noite felizes.
Enquanto tudo isto acontece.
Nossas válvulas de escape são comer, beber, fumar e fu - amar
Bem se  nada disto nos alivia a tensão da vida,
Somos dominados pela gula, pela luxúria...
Ou viramos carolos de qualquer religião.
Quem não controla seus atos?
Nesse mundo cheio de competição,
E desejo.
Sentimentos quem os domina?
Enquanto isso resta-nos olhar o aurora,
o segundo crepúsculo...
Conversarmos com os nossos sonhos,
Dominarmos nossos instintos.
Sabe lá.
Contemplar a lua e as estrelas e a companhia de quem nos ama.

terça-feira, 23 de julho de 2013

Noite imperial

A tarde caiu suave e leve.
Logo veio a brisa fria.
A água do lago paranoá
Está tão transparente
Que vemos os peixes nadar.
Ou pele de sapo tem
As capivaras nadando
Nesse gelo da noite.
E calmamente apareceu venus,
A noite e de brinde
A maguestosa lua

Alvorecer

A luz fria da manhã
Atravessa a janela
E junto a ela o canto
Suave das aves
E a brisa me revelam
As formas, as cores, os sons
E a tenuidade da vida.
Eis que inicia o dia.
Que delícia iniciar o dia
E poder identificar o som do sabiá,
Som da maritaca,
Som dos sanhaçus.
As cores das plantas verdes e vivas,
Secas e mortas, cinzas...
O sofrimento da grama,
O esplendor das plameiras.
As vezes encontrar o sentido
Para viver mais um dia
Está nas coisas pequenas,
No entanto sublimes.

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Doce manhã fria

A manhã foi tão fria,
Embora sol brilhava num doce céu azul.
Os eucaliptos pareciam animados,
a bailar junto à brisa.
À sombra da sala,
Que frio! Como é agradável
Saborear um chá.
No banheiro um grilo cantava,
Cri, cri, cri...
Percebi ao acordar
Que os sabiás voltaram
A cantar.
Cantava alegre
Um feliz sabiá.
E a manhã se passou,
Fria e bela.




sexta-feira, 19 de julho de 2013

Agora é hora passada

A lua prateada alumia
a noite em Rio Paranaíba.
O silêncio das estrelas
É quebrado pelo canto dos galos.
Já é dia nas horas passadas
Agora doce madrugada.
Quanto tempo
que não ouvia o galo cantar.
Quanto tempo
não via a lua alumiando a noite
Agora é hora de dormir.

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Em qualquer lugar

A noite caiu
Nem vi o tempo passar.
Palavras pensadas e pensadas.
A noite chegou,
sem que visse os horizontes.
Tudo e nada
É só uma questão de percepção.
O dia passou!
Aqui estou,
Perdido na noite
em qualquer lugar.

terça-feira, 16 de julho de 2013

Palavra

Como os elos de uma corrente,
As palavras unidas formam uma oração, uma frase.
E o que o texto senão o tricotar com as palavras,
como num tecido em que fios são cruzados,
assim são os textos pinçados com palavras.
As palavras são tão ricas,
pois carregam em si o significado das coisas.
As palavras descoisificam  nossa língua.
Com a palavra certa não se diz, essa coisa que esta na suas mãos,
Se diz esta flor, esta rosa, este livro.
Verbalizam o indizível,
Encurta as explicações,
Pois são signos,
conceitos.
Palavras são o que são.
A palavra é uma luz que acende
na mente de cada um
a todo instante,
ampliando a compreensão do mundo.
Como ficou mais fácil entender o Sertão depois de Guimarães Rosa.
Como  é mais fácil entender nossos sentimentos
verbalizados pelos poetas...
Drummond e Pessoa, falam o que sentimos.
Que palavra Gogh daria a suas pinturas
e Mozart e Bach a suas sinfonias?
Que palavras uso para denominar minha vida?
Não sei! Certas vezes só sinto,
e me expressar é uma forma
de dispersar meus sentimentos.
As palavras servem para entender o mundo
e para minha compreensão de mim mesmo.  

Conjunto matinal

A manhã,
A aurora,
A lua, todo este conjunto é tão belo.
Como é maravilhoso poder despertar
E ver e sentir e viver
A manhã despertar pela aurora
Acalentada pelo olhar da lua.
Quando percebemos,
Tantas vezes estamos concentrados
Em nossos objetivos
que vivemos sem ver e viver
a vida, sem sequer contemplar
A manhã, a aurora e a lua.

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Nasce

Suave a bela manhã desabrocha como uma flor.
A brica fresca acaricia as flores, as folhas
e os sulcos de minha pele, brincando
com minha alma, meus pensamentos.
Sigo em frente não dá para olhar para trás...
A vida se revela a cada instante
e a manhã nos alumia, nos faz sentir feliz,
e contemplar a obra do grande criador!

domingo, 14 de julho de 2013

Só resta

E a noite chegou e nem percebi.
Senti que o tempo esfriou,
Mas não vi o sol se apagar,
O tempo passou e fiquei preso
no meu ser...
Só me resta descansar.

sábado, 13 de julho de 2013

Força, fé e trabalho

Cada homem tem a sua arte que forja no desenrolar das horas e dos anos.
Meu tio Aldo que desfechou o próprio destino. Aprendeu a negociar e a trabalhar na roça por gosto e necessidade. Desde muito cedo, por ser o primogênito, teve que trabalhar para ajudar no sustento da família. Vem a minha mente, por que meus avós lhes batizaram com este nome Aldo. Um nome de origem alemã que significa velho. Imagino ainda no começo da década de 1930, quando minha avó Chica e meu avó Chico foram a cidade registrar o filho. A parte isto, meu tio não sei em que ano, iniciou uma jornada hercúlea de negociar. Saia do povoado do Porção e ia a cidade de Alexandria. Carregado de goma, todas as sextas saia no lombo de uma burra vermelha e seguia pelos caminhos longos, monótonos. Se ao menos soubesse os nomes das rochas, das plantas, dos relevos e das paisagens. Talvez não se entregasse tanto aos seus pensamentos e a monotonia, mas não que houvesse monotonia em tantas horas dispendiosas no lombo de um animal. Creio que havia amor, como há no seio humano, as coisas creadas pelo ser superior. Amor pelas paisagens, formas, cores, cheiros e revelar das coisas que surgiam e desapareciam em sua mente. As floradas rosas de jitiranas, o som dos riachos escorrendo, o som do casco nas rochas, a amplidão do mundo e a esperança de ganhar seu dinheiro honesto.
Aldo Batista, servira ao exército, era um homem muito sério, de voz grossa e forte. Era fácil saber quando estava lá em casa, de longe ouvia sua voz contando suas histórias. Será se tinha problemas de audição? Geralmente quem tem fala alto, ou queria ser entendido? Na juventude de meu pai fora não apenas irmão, mas um segundo pai. Tio Aldo, casou com a primogênita, Maria das Neves, de meus avós José e Sinhá. Foi por meio destes que meu pai Chico conheceu e casou com minha mãe Chica. A parte isto.
Como comecei minha fala, além de pequeno comerciante, Aldo trabalhou na roça. Sim, suas roças eram grandes e bem cuidadas. Não gostava de fazer serviço sujo, seus roçados eram zelados desde o plantio a colheita. Dava gosto de ver, mas pareciam grandes hortas. Com a força de seus braços, uma enxada que não precisava ser das melhores, campinava do nascer ao pôr do sol. Como quem ler uma texto clássico, com cautela e reflexão, assim ia capinando. Certamente, pensava na feira do fim de semana, no que faltava em casa, no zelo da família, no melhor para o povo. E assim ia construindo sua vida e seu destino.
Todos os anos cultivava uma roça, com habilidade, fazia suas feiras e dava dignidade a sua família.

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Surda noite

É noite.
A noite é silenciosa, escura e triste.
Estou só imerso no mundo e na vida.
A sombra da solidão o que nos faz feliz?
Tentar fazer algo que nos desperte alegria.
Não me parece uma boa opção,
pois, logo vou querer mais e mais.
Será o desejo fonte de felicidade?
Só sei que num instante estou radiante,
no seguinte quero sumir e pouco tempo
depois estou radiante.
E como lidar com esta efusão de sentimentos.
Adestrar-me em uma religião, se moldar a um estilo?
Não sei, não me encaixo em nada disto.
Abro um livro, outro e mais outro.
Ver um filme quem sabe?
Quando é noite que me sinto só,
quando percebo a solidão tocar meu coração,
penso, penso, penso e fico triste,
mas a tristeza é fonte de criação,
pois que venha bons pensamentos,
traga-me tudo de bom,
doce noite escura.

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Noite vasta noite

Noite, silenciosa noite,
profunda como minha alma.
E o que ocultas?
O mundo vasto mundo.
Noite vasta noite.

Recarregar

Por vezes, certos instantes, tudo perde o sentido,
mas há tantas coisas que me rodeiam acendem
em mim um novo sentido. As formas e as cores
reveladas pela luz, os livros e o que me cerca.
Todavia nestas horas de ócio que me recarrego,
que busco sair do ócio. Há em mim um sujeito
antiacrático. Sempre foi assim, mas confesso
que sofro neste processo de criação de reinvenção.
Descobri na leitura um princípio construtor,
e encontro em Borges a fonte mais rica.
E por vezes recomeço sempre.

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Restaurar

Quando a alma não quer aceitar mais nada,
quando o corpo quer descansar.
Deita e dorme.
Não temos neste instante apetite para o saber
o que nos resta é dormir e sonhar
com tudo feito e criar energia e fazer.

O brilho da manhã em Barão

O vento frio da manhã,
O brilho do sol num céu azul,
O canto das aves,
A grama seca,
O adeus dos eucaliptos
fazem de minha manhã tão bela
que pensar é esta doente dos olhos mesmo.
De repente bate a saudade,
imagens das manhãs em Barão Geraldo,
minha bicicleta,
a luz difusa entre as árvores,
a praça dos cocos com seus guapuruvus,
as fachadas das escolas de inglês,
o riacho poluído,
as grandes figueiras,
as espatódeas,
o star clean
e a Unicamp.
Tudo parecia tão sólido e feliz.

terça-feira, 9 de julho de 2013

Questões diurnas

Por que às vezes o dia se arrasta?
Enquanto seus extremos são tão fantásticos?
O primeiro e o segundo aurora me alegam muito.
Quando desperto e ouço o canto das aves
e quando o sol se poe vejo as estrelas brilharem
suaves.
Às vezes a manhã parece ter voz,
Às vezes as estrelas parecem nos flertar.
Hoje a lua apareceu de leve,
só uma fraçãozinha sob vênus,
mais que encantadora.
Sei lá por que o dia se arrasta,
talvez seja pressa de ver a tarde partir,
sabe lá.

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Noite

Noite,
Noite que adormece os olhos
Noite que traz a calma, revigora a alma.

Noite de céu estrelado,
De vento solto,
De profundo silêncio.

Noite que nos revela os sonhos
Sedes muitas vezes ventre fecundo da vida.
Noite tudo ou nada...
Somente noite

Em Quanto a tarde Cai

A tarde cai devagar. O brilho dourado da tarde se derrama sobre as folhas e as flores das árvores.
E a luz aos poucos vai minguando e desaparecendo. As cores se apagam e junto com elas as formas. Enquanto caminho penso. Alberto Caieiro dizia que pensar é está doente dos olhos. Acho que estou doente dos olhos mesmo porque há tanta coisa para ser vista no fim da tarde. As vezes não penso e vejo a poeira, simples pó, colorida, vejo as plantas floridas, o vôo paciente da garça.
E a tarde se passa. As vezes penso o que ficou de mim da tarde? O que ficou de mim do dia?
Estou preso ao meu pensar. De certo vó Sinhá e vô José, a tempos atrás, estariam sentados na frente da casa bem a tardinha. Vô e vovô conversando sobre coisas triviais que acontecia e viam.
Coisas do tipo o gado hoje está de barriga bem cheia, vai demorar a terminar de apanhar o algodão. Fulano passou aqui hoje, ciclano está doente. Enquanto essa conversa desfiava o sol se punha e vovô terminava de catar o feijão para deixar de molho para o dia seguinte. Em seguida entrariam e jantariam e logo após uma breve noite iam dormir.
Com certeza não entenderiam o mundo de hoje. O dia que se estende até a meia noite. As luzes, as leituras, as preocupações.
Naquela época que nem é tão distante na história, eles seguiam o curso da natureza.
O dia não só a tarde caia devagar. Havia tempo para viver e digerir os fatos e a tarde.
Sabe-se lá, hoje já não existe gente como vô José e vó Sinhá.
Acho que as pessoas ou pensam demais ou nem pensam, apenas correm em busca de objetos que lhes deem uma breve alegria. Vivem em busca de respostas e felicidade. Nada mais.

domingo, 7 de julho de 2013

Andorinhas


As andorinhas,
As andorinhas são aves elegantes,
parecem está sempre vestidas de terno.
Sempre olham acima de seu bico,
até parecem que não comem.
Voam por altos céus,
sabe-se lá para onde vão.
Encantam-me desde criança.
Só via as andorinhas
na minha escola,
ou na rua.
Ah, andorinha,
quanto te vejo
sinto uma saudade,
quem dera voar
até onde te vi pela primeira vez.

Belezas

Há coisas prazerosas na vida
que se banha na luz do sol matinal,
ou na luz do por do sol.
Comer galinha caipira nos domingos.
Esta sob a sombra num dia de calor.
Se deparar com um prear na vereda.

Caminhar pelo campo numa manhã de primavera.

Talhar a melancia sobre uma sombra de jurema
sentindo o cheiro das flores do milho,
do marmeleiro e do cerrador.

Caminhar sobre a terra molhada
depois de uma grande seca.

Agrada  a vista ver dos ramos secos
gemas se desenvolverem em folhas.

Ver a aroeira florida.

Apesar de tudo,

A vida é bela no sertão.

sábado, 6 de julho de 2013

Alcancei

Sob o eco das palavras em nossas mentes criamos.
Criamos os mitos, as histórias e construímos nós mesmos nossas próprias histórias.
Sobretudo, já faz tanto tem que vô José se foi que nem me lembro se nutria um carinho por ele, mas nutria fortemente o carinho e amor que mamãe tinha por ele. Na nossa infância, nutrimos sentimentos de verdade e paixão por tudo aquilo que nossos pais falam e sentem. Rimos quando eles riem e choramos quando eles choram. Mamãe às vezes é dura, mas é terma e amável conosco sempre. O fato é que mamãe amava seus pais, meus avós como ama seus filhos, nós. E sempre estava presente, pelo menos mais de três vezes no mês estávamos nós lá. Quem dera fosse hoje.
Mas me lembro que as histórias de vô José eram profundas e saudosas, sentia a proximidade da morte, a velhice o encarcerar em seu corpo, e o lugar onde se deslocava era do quarto para a cozinha e para o banheiro. É triste ser prisioneiro da idade. Com seus passos arrastados e seu corpo encurvado segurando uma bengala lá ia e vinha, e sentava na cadeira, e muitas vezes ria um riso sem dente, mas cheio de som de alegria. Rememorando, rememorando de quando em vez recebia uma visita e rememorava, os tempos, as histórias, as lutas, quase sempre as vitórias e remexia as vezes nos rancores. Sentava na calçada e olhava para o horizonte que terminava entre chapadas, a mata verde, o frio, o joazeiro, o canto das aves, o rincho do jumento. Aquela estrada de poeira e barro vermelho por onde passara subindo  descendo, cargas e mais cargas de capim, lenha, milho, feijão, tudo passara, tudo não reverberava mais... aos poucos acabara. Aquela estrada, a velha estrada de pedras farinhentas, de flores silvestres, dava nas cajazeiras e cajaranas, que em certo tempo podia sentir o cheiro ácido dos frutos podres, cheiro delicioso,  e o cheio das unhas de gato.
Vô José só podia contar as histórias. Muitas histórias só fazem sentido para aqueles que a presenciou, para mim, não fazia sentido, mas ficava ali, sentado ouvindo,  não me lembra de nenhuma sequer. Estas histórias foram encerradas na última roupa limpa vestida. Podem serem rememoradas.
Uma frase profunda é a que usava:  "Eu ainda alcancei o tempo de seca de 1915".
Hoje, restam os perfumes das flores e a casa, e a memória e a terra parece mais árida e o sol mais quente e mais nada.

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Noite

A noite estrelas brilham no céu.
Hoje com o vento frio
parece o céu parece um espelho
de tão limpo.
Tanta coisa nos espera numa noite,
mas a cama é a predileta delas.
Com ou sem estrelas
a noite é refrigeradora.

O silêncio reflexivo

Que maravilhosa manhã de sexta-feira,
Que silêncio maravilhoso.
Parece a sala está surda.
Através da janela ouço o som intermitente das aves
maritacas, graúnas, joãos-de-barro,
doidela, canários, papa-cebos, bem-ti-vis,
o silêncio é tamanho que posso ouvir
a brisa chegando e acariciando
as folhas da sibipiruna, do coqueiro-de-vênus.
Não sinto cheiro algum,
só ouço. Às vezes é bom parar para ouvir o mundo.
Bem no fundo deve está soando o som do ir e vir dos carros
e da máquina de cortar grama.
Soa como uma manhã de paz.

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Por do sol Brasiliense

E a noite cai calma.
As águas do lago estão agitadas,
o céu está encarnado feito brasa acesa.
Enquanto a noite se deita sobre a terra,
desponta no poente Vênus tão belo,
grande e amarelo.
E a luz se dissolve por completo
quando chego em casa já é noite.
Nas ondas do rádio, ouço
um piano ao cair da tarde.
Como é maravilhosa a voz da Lúcia,
diretamente do auditório
Mário Garófago.
As tardes em Brasília,
que se partem depois do lago
são tão belas quanto
as de Ribeirão,
Todavia tenho aqui o lago,
e a paz que Nix me traz.

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Restaurar

A noite é silenciosa, escura e muitas vezes fria.
No seio da noite a natureza descansa.
No fundo da noite muitas plantas exalam um doce aroma,
que nos guia em direção a doçura e candidez das flores.

O solo esfria fica tão fresquinho.
A brisa sopra suave.

No céu escuro podemos ver as estrelas piscando
coloridas, vemos ainda os planetas.

Nesta hora as águas do lago estão tão plácidas.

A natureza respeita a noite e descansa.
E tudo despertará pela manhã com o primeiro crepúsculo,
doce aurora.

Vozes da manhã

É de manhã,
O sol brilha intenso lá fora,
O céu está tão azul,
A brisa sopra suave e fresca,
Ela toca aqui na janela que estala
Com paciência,
Ouço longe o som do martelo
No poção rachando e desfazendo
O cimento sólido.
Os galhos da sibipiruna
Agitam-se com a brisa
E balança pra lá e pra cá.
É manhã próxima de julho,
É uma linda manhã de junho,
Gente a trabalhar,
Sei lá onde,
E a manhã passa
Fagueira.


terça-feira, 2 de julho de 2013

A tarde florida

É fim de tarde,
e o sol não arde,
descamba ao poente,
e vai ficando ausente,
distante do nascente.
E agora sua luz se apaga,
a noite de leve nos afaga
as montanhas, os vales,
e solve toda luz,
impõe sua sombra.
No lado oposto da estrada
um ipê rir todo florido,
suas flores tão amarelas,
ah, como são belas.
Fez me lembrar,
das tardes de tempos atrás,
que sei que não volta mais,
E o ipê, e a tarde,
me preencheram de alegria,
me iluminaram essa poesia.

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Aceitar

No mundo quem não reclama?
Nem tudo se aceita, mas também
como aceitar, ser humilhado e pisado,
ninguém é animal irracional,
tem que revidar?
Aceitar! como podemos aceitar,
guardar na alma tal humilhação!
É o mesmo que engolir um sapo,
mas se algo maior nos repreende,
paciência, só temos que aguardar,
a bondade e a maldade,
está em nosso coração,
a escolha muitas vezes 
está na razão.
Aceitar, muitas vezes 
é a melhor opção,
revela sua grande percepção
da ignorância humana,
Aceitar é ignorar
ser superior, superar com o menosprezo,
porque há gente que precisa
ser ignorado,
pois até o ódio é uma paixão,
ignorar é dizer não,
deletar tudo
e recomeçar.