domingo, 31 de março de 2013

Tempo, estação e chuva

Ontem a tarde choveu, mas não foi chuva forte nem chuva fraca.
Então a noite caiu úmida, fresca e suave.
As noites frescas após a chuva exalam cheiro de vida.
É a impressão que sinto sempre após sair a noite após a chuva.
E foi o que senti ontem quando voltava pra casa.
Senti a brisa fresca da noite, o perfume úmido
das folhas verdes, e flores abertas.
Senti o cheiro úmido das murraias de Barão.
Essa sensação me fez mais feliz.
A luz fria envolvia meu ser...
Como é gostoso o outono,
como é intensa a vida sob suaves memórias.

sábado, 30 de março de 2013

Sábado

Sábado.
Quando a gente é criança, fica feliz com coisas bem simples como sair para brincar na casa dos amigos, receber balas, brinquedos, soltar traque no São João e até mesmo vencer qualquer jogo de criança. Viajamos em nossas brincadeiras.
Quando criança ficava muito feliz nos dias de sábado, pois achava um dos melhores dias, era nestes dias que vovó vinha do sertão fazer a feira trazia Meire, minha irmã mais velha, que morava com ela deixava lá em casa. Papai também a feira fazer as compras da semana. Naquele tempo todo mundo ou andava de bicicleta ou a cavalo. As estradas em frente a nossa casa ficavam quaradas de gente subindo do sertão para a rua e à tarde quando voltavam para casa. Mamãe sempre me pedia para pastorar os peixeiros pra comprar uma palha de peixe, geralmente só comíamos peixe nos sábados. Eu ficava lá no terreiro pastorando. Enquanto fazia as lutas de casa, eu ficava lá no terreiro da frente da rodagem esperando aqueles homens ou de bicicleta ou a cavalo. E quando passava um peixeiro conhecido, gritava para mamãe que vinha às pressas. Eu sempre gostava de escolher os peixes com a mamãe. Escolhíamos pelo tamanho ou pela cor da branquia, quanto mais fresca fresca a branquia e maior melhor. Depois ia brincar com a minha irmã Meire e Lidiana. Havia aquela expectativa pela volta de papai da feira que sempre trazia um punhado de confeitos. Naquele tempo as balas embrulhadas em papel uma delícia.
E o dia se passava era ruim ver Meire ir embora, os transeuntes voltavam para casa, vez por outra havia um ou outro que voltava embrigado.
Muitos destes passavam lá em casa para beber água.
Depois que minha infância passou, acabou aquele fluxo de gente. Hoje todo mundo só anda de moto. Os homens do sertão se mudaram para a cidade.
Hoje não passam mais peixeiros e os sábados já não são tão bons quanto aqueles da infância.
A felicidade de adulto é mais exigente, é preciso mais que um sábado e balas para ser saciada.

sexta-feira, 29 de março de 2013

Crença! a noite chegou

A noite chegou quase por completo.
A mais de dois mil anos, aquele que homem por muitos considerado filho de Deus não iria ver o mais o anoitecer. Ele foi crucificado sem se defender. Naquela sexta-feira sofreu entre dois ladrões e como um criminoso foi crucificado. Ele que só viu aquele dia nascer. A noite chegou por toda eternidade.
E a noite caiu como caia antes deste fato e continuou a cair e continuará a cair por toda a eternidade.
Quantos que viram a manhã passar e a noite hoje passou a ser eterna.
Através da minha janela vi a noite cair
e ela caiu antes que terminasse de escrever este pequeno texto.
A brisa atravessa a janela, não faz calor nem frio...
A televisão ligada... ouço blue.
Tanta coisa mudou de minha infância para cá. Mudei meu jeito de pensar...
O tempo já parece profundo em minha mente.
Jesus que a tanto morreu, ainda é importante, mas já não me parece o filho de Deus.
A borra da tarde se desfaz.
A comodidade e o respeito a certas cosias partiram com a tarde.
É noite, quantos que dormem não me chamariam de louco.
Quantos não me chamarão no futuro.
Cada povo, cada tempo.
E a memória da paixão continua viva em nossos corações.

Sexta-feira Santa.

Quando morava com os meus pais a sexta-feira santa era um dia sagrado. Os meus pais são muito católicos e no dia da paixão de Cristo fazer um jejum era o mínimo que podíamos fazer. Então neste dia, não comíamos nada até o meio dia, era dia de jejum. Ouvia que já que Jesus deu a vida por nós, ficar sem comer em sua memória, pelo menos até o meio dia era o mínimo que podíamos fazer.
O engraçado é que as perguntavam sempre: -" está jejuando"?
Quase cem porcento das pessoas de Serrinha do canto eram evangélicas, tínhamos duas igrejas uma assembléia de deus e uma batista... E a noite ouvíamos aquela louvação lamuriante na assembléia, enquanto a batista era mais comedida.
Para eles jejuar era besteira, perca de tempo. Comer carne vermelha também podia...
E nós uns poucos católicos tínhamos que aguentar ouvir essa maioria ignorante por não nos respeitarem, já que não falávamos dele.
Papai ainda diz que é fiel a igreja em que nasceu... Hoje deve está jejuando.
Bom ao menos mais gente naquele povoado e construíram uma capela lá para Santo Expedito.
De certo mais gente hoje vai jejuar em Serrinha do canto que agora tem três igrejas...
Hoje a sexta-feira contínua sendo muito importante continua sendo um feriado nacional.
E o mundo continua celebrando a paixão de cristo. Há aqueles que jejuem, mas a grande parte não mas o faz...
Um dia quem sabe não seja como meus pais, crentes nesta fé.
Mas agora vou tomar meu café, a nutricionista falou que temos de comer de três em três horas.

quinta-feira, 28 de março de 2013

Passar do dia antes da paixão


Vi quando o dia nasceu em Franca, cidade bonita.
O dia nasceu tão belo sobre os canaviais
e pequenas manchas de mata.
Toda a gente no ônibus dormindo
e eu bolando vendo o aurora raiando...
e a manhã nasceu
e o dia passou em Ribeirão.
A tarde foi tão bela e embrasada,
engraçado, como são belas as tardes
aqui em Ribeirão...
São enfeitadas de nuvens encarnadas
e a noite caiu...
Linda, escura
e silenciosa...
E a viva a Páscoa.

quarta-feira, 27 de março de 2013

Sob a lua cheia "memórias"

Desde quando a lua me encanta

Já quando criança a lua me encantava. Morava num povoado pequeno sem eletricidade. As noites eram escuras alumiadas pela queima do querosene em lamparinas ou lâmpadas a gás. Todo mundo comprava aquelas latas de 18 litros de querosene e uma ou duas vezes na semana havia um ritual de alimentar as lamparinas com aquele líquido mágico. Lá ia papai ao armazém com as lamparinas carregar as lamparinas. Tínhamos que tomar banho antes do sol se pôr. Então, depois da janta, um fósforo acendia as lamparinas. Muitas vezes, saímos para as casas dos vizinhos para conversar e disparecer. Naquele tempo sabíamos conversar, narrar histórias, fazer as bocas de noite, não eramos meros telespectadores. Mas muitas vezes as histórias de adulto não eram tão interessantes. Gostava das histórias de caça e pesca, mas como papai nunca caçou ou pescou, quando a conversa estava ficando boa, nós íamos embora. Papai adorava viajar, e quase ninguém ali, conhecera São Paulo, Rio ou Salvador. Papai ficava em desvantagem.
Eis que uma vez por mês tínhamos a lua cheia. A nossa lua cheia nascia ou na terra de Chico de Vicente de Joana atrás do sítio de cajueiro e bem em cima de uma carnaubeira ou na terra de Zezinho de Luiz atrás de uma maloca antiga de coqueiros catolés. Ela surgia grande imperiosa, ofuscando o brilho das milhares de estrelas que brilhavam no nosso terreiro.
A lua era fornalha de cor forte no início, no entanto vai perdendo a intensidade da cor e fica mais clara. Logo que se estabilizava, depois do memento de contemplação, depois que chegávamos na casa de boca de noite ou depois que recebíamos as visitas a festa começava. Eram gritos de alegria na escolha das brincadeiras, a minha favorita era cai no poço, mas tínhamos muitas e uma noite alumiada pela lua e pelo tempo. "Como eram felizes aquelas noites". Passado o tempo, tomado o café, chegada a hora. As brincadeiras acabavam, nós cansados ficávamos quietos, cansados, e assim depois de um até amanhã, ou íamos dormir ou voltávamos para casa. Como era pequeno, papai muitas vezes me levava no tuntun, sobre os ombros. E voltava cansado, caminhando devagar. Papai resumia as conversas com a mamãe. Eu ouvia o que eles falava e contemplava a lua.
Sentia-me seguro no seio de minha família  e sob a lua cheia.

terça-feira, 26 de março de 2013

O brejo

A noite caiu enluarada,
no brejo grilos cantam e namoram.
O brejo é um lugar esquisito,
mas tem cada coisa bela,
quem não conhece as talaumas...
Enfim, os grilos cantavam,
faziam uma algazarra
na noite de luar...
Pirilampos piscam-piscam sem parar.
Mas sempre tem o sapo velho,
verrucoso e chato
que vive ali a muito tempo
e conhece muito daquele lugar
só reclama...
Reclama da luz da lua,
do canto dos grilos,
do frio do brejo...
Mas não sai de lá
ou porque não sabe onde ir
ou porque tem voz para falar
bicho para ouvir...
Cada um fala o que quer,
cada um ouve o que lhe parece melhor,
Se ofende quem a carapuça cai melhor.
O sapo, os grilos, o luar e o brejo
existem, até que um sapo
de duas pernas chegue lá
e devaste tudo em nome
de sua espécie...
Raça de hipócritas.

Tarde perfeita

Hoje a tarde foi linda.
Não existe nada mais lindo que uma tarde ensolarada bordada de nuvens. 
Chega a ser uma tarde perfeita.
A brisa sopra suave,
a natureza em silêncio,
a água do lago ondulando
com o sopro da brisa.
E a tarde se vai cheia de tons,
Vermelho, marrom, azul, cinza...
Avião nos céus.
Homens pescando e o parque vazio,
nem uma criança,
ninguém no parque!
Ah, que sossego.
E a noite vai caindo,
Caindo...
E a noite vai surgindo,
desponta no vasto horizonte,
prateada, suave lua...
E seus raios deitam-se
sobre as águas do lago,
feito um caminho lácteo
e a noite vem vindo.
Mariposa voa devagar,
com suas asas de seda...
E a tarde foi perfeita.

domingo, 24 de março de 2013

O telefonema

Sempre fui muito matuto e para nós matutos algumas coisas marcam em nossas vidas.
Ainda me lembro a primeira vez que usei um telefone. Para os dias de hoje parece ser um absurdo, mas eu vivi e me emocionei com isso. Uma ligação não era coisa banal, as cartas sim eram, comuns e banais.
Lembo que já estava no ensino médio, sétimo ano de hoje,  quando pela primeira vez falei ao telefone.
Ano de 1993 quando cursavas sétima série. 
Minha cidade natal, Serrinha dos Pintos, que a pouco tempo havia se emancipado da grande Martins, já não era apenas um distrito. Ali tínhamos apenas um poso telefônico onde todas as pessoas recebia ligações de seus parentes distantes.
No nosso caso, meu irmão mais velho que morava em São Paulo. Nossa família se correspondia através de cartas com ele. Então, quando o dinheiro de meu irmão sobrava pouco, ligava pra mamãe ou para o papai nos fins de semana, quando o posto telefônico, TELERN, estava cheio.
Havia ali um fuzué, mas todos se entendiam e falavam com seus filhos, maridos ou irmãos. 
Era assim ele ligava na semana e deixava o recado com a atendente, marcando o horário que desejava ligar para a mamãe, quase sempre era Lenísia nossa vizinha que trazia o recado. Então a mamãe que ficava muito feliz e no dia marcado lá ia ela, a pé ou de carona, nem tínhamos moto ainda. Era muito bom ver mamãe satisfeita, nós todos ficávamos felizes. 
Certo dia, era tarde, estava em aula quando alguém apareceu na janela, Corrinha de Tonheca, e falou que tinha alguém que queria falar comigo ao telefone. Senti um frio repentino na  barriga, e minhas pernas ficaram meio bambas. Nunca tinha falado ao telefone. Morria de medo e vergonha de falar no tal objeto. Então sai andando e depois corri. Chegando lá, peguei no telefone, daqueles antigos de disco, pus no ouvido: "Alô."
Era meu irmão, foi algo maravilhoso, fazia tanto tempo que não ouvia sua voz, acho que foi recíproco. Conversamos um pouco, ele falou que queria falar com mamãe no fim de semana. Depois voltei para a sala feliz. Nunca mais tive medo do telefone.
Coisas simples que marcaram minha vida no interior.

Dissolução do tempo

O tempo de nossa vida não dilata, mas ao contrário se contrai.
Quando eramos criança tínhamos a noção que os anos se arrastavam.
Queríamos tanto que o tempo passasse bem de pressa, pra que pudéssemos fazer muitas coisas que só um adulto poderia. A nossa falta de noção, nossa inexperiência e ingenuidade dava-nos esta falsa impressão, mas pelo menos a vida era amena. Já entendiamos das coisas.
Com do passar dos anos é comum que nós passemos a compreender a vida e sua ácida realidade.
Descobrimos que os nossos super-heróis não existem e nos frustramos e passamos por um processo contínuo de aprendizagem. Passamos a perceber que as coisas só acontecem em nossas vidas se fizermos acontecer e o tempo que tinha uma grande dimensão aos poucos vai se dissolvendo. E então aprendemos mais um pouco quando percebemos que para muitos entes queridos é chegada a hora de partir e sentimos a perda e sentimos a responsabilidade da vida.
Então descobrimos o amor e percebemos que cada minuto do lado da pessoa amada é quase nada,
o tempo se torna ínfimo.
E o tempo de dissolveu quase todo, pois precisamos administrá-lo entre nossas atividades intelectuais, amorosas e profissionais.
E ai o tempo vai passando e chegamos a "melhor idade" onde os nossos desejos já se foram, queremos apenas viver o tempo que nos resta.
A melhor idade é trágica, uma ácida e trágica peça em que o fim está próximo. Temos que ficarmos felizes por não nos tornamos reféns de nós mesmos. E o que pensamos nesta hora?
Que o fim está próximo.
Estamos maduros e experiente e nesta melhor fase temos que descer da viagem que é a vida
e o tempo acabou...
Que nos resta?
Quantas gerações não perceberam isto? Milhões, mesmo assim continuamos a ser uma espécie prepotente que se acha inteligente...
Nada mais orgânico para provar quanto somos animais indistintos das demais categorias...
Só porque construímos uma ideia de tempo e aprendemos a nos organizar e protelar nossa existência, nos eternizarmos por nossas obras. Somos diferentes?
Só o tempo calará e renderá nossos orgulhos.
E o tempo já se dissolveu...  

sábado, 23 de março de 2013

A noite

A noite é silenciosa e sombria.
Ela muitas vezes nos perturba,
nos faz sentir mais solitários,
e as vezes condensa tristeza
em nossos peitos.
Está sozinho às vezes é bom,
mas às vezes é péssimo.
Uma noite de sábado sozinho
é algo muito ruim...
A gente se sente abandonado
e desiludido.
O que pode melhorar
ou piorar?
Quase nada ou muita coisa.
Sabe-se lá.
Após o ocaso,
a solidão noturna
é tão sombria, densa e fria,
mas nosso consolo é que sempre passa,
sempre vai passar.

sexta-feira, 22 de março de 2013

Ser e viver

Ah, viver louca emoção,
há quem seja louco e tenha sonhos,
aos sonhos só restam trabalho e suor.
Esforço e labuta diária.
Assim é a vida, assim é viver...
Esta busca incessante, constante.
Algum dia valerá algo?
Sabe-se lá, mas que seria da vida
se não tivéssemos estas coisas?
Nada, nada, nada...

João Pessoa

Ah, o nordeste terra boa e quente.
São 6:30h e o sol já brilha a pelo menos uma hora.
Bem-ti-vis e pardais corrocheiam anunciando o dia.
O calor nos incomoda bastante.
Mas aqui tem muita gente alegre e vivideiras.
Gente que gosta das praias e dos sertões.
Gente amiga e pacata.
Como é bom visitar João Pessoa com suas matas conservadas.
Rubro-negra bandeira da Paraíba,
Casas caiadas, doces risos e gente prestativa
qualidades que nos faz esquecer o calor e os incomodos
faz todo mundo se sentir em casa.

quinta-feira, 21 de março de 2013

O destino

E um dia o fruto explodiu e liberou suas sementes distante da árvore mãe.
Uma semente caiu no sol e ficou ali exposta durante todo o verão, parecia que ia morrer,
mas quando caíram as chuvas foi a primeira a germinar e a desenvolver,
mas a pequena planta sofria com as estiagens, sofria com o verão, sofria com as adversidades.
E foi neste rítmo que cresceu, e suportou, hoje está uma árvore bonita...
Quem encontra sua sombra não imagina quanto tempo e sofrimento foram vividos pela bela árvore,
nem passa pela cabeça que ali o sol ardia dia a dia.
E assim aquele ser que foi semente, depois plântula... agora estava no seu auge
e sua vida descamba para o fim.

terça-feira, 19 de março de 2013

Passagem

O dia aqui nasce cedo,
O sol aparece muito antes das seis,
O calor é exagerado,
As ruas silenciosas.

Meu ser em efusão,
quase uma explosão,
ansioso aguardo o tempo passar
e o tempo se arrasta
e o tempo parece mais quente,
e a cabeça fica demente...

domingo, 17 de março de 2013

Medo x acaso

Diante do medo,
Quem sou? Valente ou covarde.
Não sei, tenho muito medo,
mas quero seguir em frente
e enfrentar os meus medos.
Pode ser que perca,
Sempre penso que vou perder,
O medo me tenta,
As vezes parece que vou perder,
Pois não confio em mim,
na verdade eu não confio
no acaso que pode me favorecer,
mas que pode me desfavorecer.
Não sei se sou valente,
mas acho que covarde também não creio ser.
Passamos por provações
e muitas vezes as reprovações são necessárias,
pois fazem parte do aprendizado.
Diante do medo se esconde o acaso,
que sobrevivamos a este acaso.
E os vencedores são os que
continuam a enfrentar seus medos
e não desanimar diante das surpresas do acaso.

sábado, 16 de março de 2013

Algo a dizer

O silêncio do meu quarto
e o silêncio de minha mente
São ensurdecedores.
Objetos estáticos.
Só as horas passam
e o que se passa em minha mente,
nada?
O calor frita minha mente,
preocupação e medo...
Até gostaria de sair para ver o mundo,
mas neste calor,
a inércia toma conta de mim.

Lar

Fecho a porta do meu quarto,
aqui é o meu pequeno universo.
Abro-lhes quando quero
e para quem desejo.
Entra, senta, toma um chá.
Aqui é o meu lugar agora,
amanhã sabe-se lá,
mas agora, fique a vontade.
A casa é sua.
Que as pessoas especiais
sejam sempre bem vindas ao meu lar.
Aqui tudo é simples,
mas o coração e a boa vontade são grandes.
Aqui deixo entrar a luz e o ar.
No momento final,
partirei e podem ocupar de tudo
deste átrio,
vai ver que não vou deixar nada,
além de objetos,
pois sou o meu pensar,
o meu falar,
meu querer,
mais nada.

sexta-feira, 15 de março de 2013

O leiteiro

Por que simplesmente acordamos tristes?
Há dias em que nada na vida está errado,
tudo está muito bem, mas nos sentimos tristes.
Esta tristeza seria um sentimento carregados
por todos ou por apenas algumas pessoas?
Nem toda beleza da vida nos anima,
nem as melhores coisas, nada.
Porque algo nos falta nos sentimos assim
incompletos.
Seria memórias de coisas que vivemos
guardadas em nosso inconsciente
que aflora e nos faz sentir-nos assim?


Um leiteiro,
todos os dias punha a cangaia na burra e com os caixões de litros de leite e saia para a cidade
para vender leite. Não se sabia se era feliz ou triste, pois ele sempre sorria. Sorria de sua condição ou de seu estado?
Era uma pessoa com dificuldades mentais, nem louco, nem normal. Era uma pessoa que possivelmente nunca casaria, pois tinha uma mente pueril. Não trabalhava na roça porque não tinha força e jeito com a foice e a enxada.
Por isso era o vendedor de leite...
Fazia atividades de menino: por água em casa, vender leite e pastorar o gado...
Era tímido e sempre sorria.
Havia nele alegria ou tristeza ou medo ou subordinação.
Desconhecia as letras e lia a natureza como ela de expressava. Ignorava a beleza das flores, a lealdade dos cães, os animais eram apenas animais.
Via no riso do leiteiro tristeza...
Será que roubei aquele sorriso triste para mim?
Será que somos capazes de introjetar estes sentimentos.

cada um

Amanhece, oculto pelas nuvens
o sol não aparece,
o silêncio da noite é quebrado
pelo canto das maritacas,
mas cadê os sabiás?
Só temos maritacas?
E o mundo vai revelando
as cores e as formas
suave, a manhã vai crescendo,
e o que devemos aguardar?
As flores da primavera,
um evento que nos faça
intensamente feliz?
Cada um tem uma forma
de ver o mundo,
cada um com sua subjetividade...

quarta-feira, 13 de março de 2013

Cair dos anos

Vida, breve vida,
assim percebem a que os anos já estão tarde.
Assim sabem quem muitas tardes e luas contemplaram.
Assim sabem aqueles que já amaram e se desiludiram.
Assim sabem os que cruzaram os cinquenta
ou aqueles que a vida maltratou desde cedo.
Quantos não passaram pela vida sem audácia.

Breve vida, vida,
Contemplai cada instante, mesmo que por um breve momento.
E o que hei de contemplar?
Ah, são tantas as coisas
e a vida é tão breve. 

A entrega

Depois da chuva já era tarde.
O calor sumiu, a tarde esfriou.
Depois da chuva o sol
nem apareceu,
o céu ficou coberto de nuvens
cor de azul e os raios que fugiam do sol
tingiam de vermelho o véu de nuvens.
No fim da tarde, após a chuva
são seis horas,
hora do anjo
e o dia se entrega a noite
e mais um dia partiu
nos braços frescos
de uma tarde fresca de chuva.

terça-feira, 12 de março de 2013

Eterno tempo

E o tempo passará como sempre passou,
o tempo passará, os dias e as noites,
mas não será como antes.
Depois de um dia vivido
carregaremos em nós algo
que pode ser eternizado,
cristalizado...
Algumas coisas ficam assim
cristalizadas em nossa mente,
guardados e vem a tona
a luz de algo carinhoso e bom...
E o tempo passará como sempre passou,
E o tempo sempre passará,
E o que guardaremos deste dia
ou do dia que estará sempre presente
em nossa vida...
Não saberemos qual vai ser esse dia,
mas ele existirá.

Tarde primeiras horas

Meio dia,
O dia cai na tarde,
A manhã suave já passou.
A brise que agora passa
é brisa da tarde...
Aves em silêncio,
Folhas a bailar,
Até a flor descansa
o seu doce odor.
Agora é tarde,
Agora é tarde,
E numa tarde,
numa jovem tarde,
até a natureza relaxa e descansa.
Cochilam meninos,
adultos e idosos.
Nenhuma borboleta
voa perdida,
nada nada...
só um breve cochilo
alcalino,
mais nada.

segunda-feira, 11 de março de 2013

Metamorfoses da vida

Acordar e ver o sol ou a chuva.
Sentir-se vivo.
Sentir a brisa da manhã
ou o calor do sol radiante.
Ver o vento abanar a copa das árvores,
a abelha visitar as flores.
Sentir o aroma de flor
ou do lixo que também existe.
Poder ir onde quiser por si.
Delicia-se de qualquer coisa
que mate a fome.
Cada segundo é raro,
cada segundo nos faz falta.
Viver tem que ser com prazer
ou com dor...
Viver é mais importante.
Mesmo que às vezes não valha a pena,
Tudo passa, hoje estamos vivos,
amanhã quem sabe?
Os campos elísios
estão cheios de magros,
sábios, leais... todos mortos.
Viver é um conjunto de possibilidades.
A cada manhã que vejo,
a cada manhã que vivo,
tudo pode mudar,
par bem ou para ruim.
Mas tudo muda a todo instante.

A tarde que passa


Mais uma tarde se foi em minha vida.
Esta tarde foi tão agradável e bela.
Quantas tardes já não se passaram,
praticamente uma eternidade de tardes.
Tardes como esta que se passaram
em puro silêncio.
Tardes como esta ensolarada,
sem um sopro de vento.
O lago era um largo espelho brando.
O céu azul desenhado por nuvens
suaves, oras azuis, oras brancas ou vermelhas.
Quantas tardes como está já não se passaram?
Quantas tardes adormeceram para a eternidade.
Olhos que contemplam podem não poderão contemplá-la
nunca mais, nunca mais.
Olhos que pela primeira a viu
terá uma vida pela frente para descobrir
os teus mistérios.
Vivo tentando entender a tarde,
tentado encontrar um pouco de mim nelas,
tentando ser um pouco parte dela.
Os pombos voltam de seus passeios,
papagaios voam aos casais.
E a tarde se desfaz,
E a tarde se desfaz. 
E minha vida, por um fio
o que me trás?
Só o criador saberá o que será do meu amanhã,
é ele quem sabe.

domingo, 10 de março de 2013

O bezerrinho

No curral nasceu um bezerrinho
que é todo vermelhinho,
Nasceu tão fragilzinho.
Todas as crianças do mundo
iriam adorar ver o bezerrinho
que após nascer
já se levantou,
em poucas horas
saiu correndo.
Na manhã seguinte,
quando o sol nasceu
o bezerrinho corria
pra lá e pra cá
de rabinho levantado,
berrava um berro de alegria.
Que alegria e vigor do bezerrinho.
O velho dono do curral
roupa suja, barba por fazer
sorri de alegria
cada bezerrinho que nasce
mais viva é sua esperança
e sua alegria no viver.

sábado, 9 de março de 2013

A barata angustida

Solitária na lixeira pensa a barata:
_ Quem sou eu? O que faço tem sentido para a minha vida?
Enquanto se alimenta do lixo a barata continua a pensar.
Sou uma barata, sou rica, vivo no meu mundo falto de alimento. Nunca me falta comida. Sou linda e maravilhosa, sei voar. Seria capaz de viver a uma gerra nuclear.
Tudo que faço é viver e ai está o sentido da vida. Viver.
A barata vivia sozinha, mas não sentia solidão...
Certo dia, enquanto chovia a lixeira virou jogando a barata para fora.
A lixeira foi arrastada para o rio.
A barata desamparada, logo buscou um abrigo até a chuva parar.
A barata se sentiu desamparada.
Quando parou a chuva, a barata saiu em busca de uma outra lixeira.
Não demorou muito encontrou uma lixeira.
Conseguiu entrar e uma surpresa ao entrar na lata haviam mais baratas. Estavam numa algazarra.
Sem graça a barata falou um oi.
As outras baratas a ignoraram e riram da barata.
Pela primeira a barata se sentiu ridícula, mas como não tinha para onde ir ficou ali mesmo.
Comeu do lixo e ficou só observado.
As outras baratas olhavam para ela com desprezo.
Até tentou conversar, mas não obteve atenção.
A barata se sentiu mal, feia e ridícula, mas precisava ficar ali ou achava que precisava.
Achou que poderia ser amiga das outras baratas.
Mas sempre era rejeitada.
As outras baratas se acostumaram com a barata, mas como ela sempre vivera sozinha, não sabia
como se portar, falava alto e o que pensava... Isto não era permitido...
Poxa barata por que não mandou elas se fuderem?
Mas não a barata ficou ali, aguentou até chegar o dia de ir embora.
Ficou ali para ver até onde suportava.
A vida nunca fora tão ingrata para a barata. Ela sentiu nojo de si, de tudo que pensava de quem era.
Então numa manhã de sol foi embora.
Encontrou uma lata de lixo sem baratas e foi viver sozinha.
Mas nunca mais foi feliz, pois ecoava em sua mente
as risadas e a recusa das outras baratas.
Então numa manhã de sol se atirou na calçada
e foi pisada pelo primeiro humano que passou.
Suicidou-se de tanta angustia.

sexta-feira, 8 de março de 2013

Dupla face

É tarde da noite. Saio da rodoviária do plano em direção a W3 Norte. Meu corpo está cansado. Vem a mente reflexões. Olho através da janela e nada percebo. Ninguém senta ao meu lado. Acho que tenho cara de mal mesmo, como alguns conhecidos dizem. Enfim, penso na vida, penso nas coisas que falo, penso no que sou. As ruas estão escuras e vazias... A certa altura da W3 vejo mulheres nas áreas escuras do setor comercial. Mulheres usando roupas curtas e sob a luz das áreas escondendo a face. Mulheres que vendem o corpo por necessidade. Há quem diga, mulher de vida fácil. Não sei por que falam isto. Uma pessoa que sai de casa a noite e se subordina a fazer sexo com qualquer pessoa por dinheiro, seja uma pessoa de vida fácil. Quem são elas? De onde elas veem? Por que se prostituem?
Junta todas estas questões em minha mente e ai não sei mais distinguir minhas ideias.
Vou dormir num caos...
E a noite segue, hoje a noite algo foi revelado, coisa nunca tinha visto.
As pessoas, as ruas e a cidade revela ter diversas faces. Conhece-las as vezes nos choca,
mas ao mesmo tempo nos ensina.


quinta-feira, 7 de março de 2013

O espelho

O que vejo quando olho no espelho?
Muitas vezes não vejo nada.
Muitas vezes uso o espelho, 
mas não me vejo ali...
Todavia tem dias que me vejo no espelho
vejo as marcas do tempo,
sulcos na pele, sulcos na pele,
barba feita ou crescida,
olho nos meus olhos
e nada vejo, perco até o timo,
as vezes me pergunto: Quem sou eu?
Não vejo os anos passarem,
parece que cruzei a infância e adolescência
sem perceber...
O espelho me faz cair em si,
por isso me vejo ou desprezo
minha imagem no espelho...

quarta-feira, 6 de março de 2013

Faróis... Só Jesus salva?

Há pessoas que sabem ver, perceber e viver no mundo. Creio que estas pessoas são faróis que guiam as pessoas por um caminho mais suave diante das dificuldades da vida. Certamente não sou uma destas pessoas, mas percebo pessoas que foram ou são assim.
Para mim, Borges que foi um bom escritor é um farol da literatura. Lineu um farol para a Taxonomia. Gandhi um farol para a Índia e para o mundo. Mozart um farol para a música.
Acho que estas assertivas são indiscutíveis. São clássicos que devemos conhecer, mas quem seria o nosso farol real vivo? Até conhecer alguns professores, não sei se teria um. Os ídolos da televisão ou cinema só divertem, mas o que me ensinam?
Além de meus pais, minhas mestres e orientadoras, Iracema Loiola e Ana Tozzi, ajudaram-me a me tornar quem sou, apararam muito minhas arestas. Diria que aprendi muito com os meus amigos
aprendi a viver melhor...
São tantos os amigos que estão demasiadamente distante...
Precisamos nos reconstruir e recriar tudo para não sermos esquecidos.
Com o tempo vamos perdendo a cor e nos tornamos invisíveis...
Queremos sempre tanto ter cor e não cair no esquecimento.
Os faróis podem serem visto a distância.
E se quisermos ser faróis o que faremos?
Há quem creia que estamos aqui para cumprir uma missão,
há os que creem que só viemos aqui por acaso e devemos viver.
Pois eu digo é sempre bom ter um farol, mesmo que seja tão popular como Jesus.
Pois o mais simples dos homens fala: -"Só Jesus salva".
Ah, Jesus é um dos maiores faróis.
Como pude esquecer o farol da religião.
Aquele que sempre esteve comigo e espero que continue,
pois é a memória mais viva de onde vim e o que eu sou...
Borges, creio que foi ele quem disse que a oração é herança que levamos para sempre
de nossos entes queridos.
Ele que sabia tanto falou isso... sábio farol...

Após a chuva

À tarde choveu. Após a chuva o mundo parece mais vazio. As pessoas não saem para caminhar ou curtir a tarde.
E foi isso que percebi na tarde de hoje.
Sai para caminhar com um guarda-chuva. Andava a passos lentos tentando perceber o mundo a minha volta. Olhava para as plantas, as pedras, os carros e para o céu procurando algum avião. Nada mais belo que aviões no ar. E fui caminhando enquanto a tarde caia.
O sol ressurgiu entre as nuvens e deu o último suspiro de luz.
Logo a noite foi caindo.
Enquanto voltava pra casa sentia o cheiro do mato molhado, o cheiro das Ipomoea alba, da palha do capim.
Senti tão só, mas muito feliz.
A passarela molhada, a noite chegando
e eu pensando na beleza da vida.
Coisas tão simples podem nos fazer tão felizes.
Coisas como caminhar numa tarde após a chuva.

terça-feira, 5 de março de 2013

Questões banais?

Hoje ao me deitar lembrei dos moradores de rua. Próximo a EMBRAPA há um grupo de moradores de rua composto por quatro pessoas. Montaram uma cabana sob os grandes eucaliptos.
Então penso o que fazem durante o dia? Onde depositam suas fezes? Como conseguem comida?
Como é viver sem tomar banho ou ter roupas limpas? 
Vejo sempre que há uma senhora, idosa, que aparenta ser mais velha que realmente é. Ela fica sentada, as vezes tem uma mais jovem. Já ouvi elas falando sobre não se meter com a vida dos outros. Ali mora também um senhor de barba, outro dia, um domingo, o vi mexendo no lixo de nosso prédio.
O vi sentado com olhar perdido a fumar um cigarro. Pensei: Que será que pensa?
Não sei, mas podia ser eu, podia ser um irmão, um amigo ou qualquer pessoa...
Este é apenas um retrato, um pequeno retrato,  pois as cidades estão cheias de pessoas na mesma situação ou pior, pessoas viciadas.
Gente que vive sua miséria calada.
Gente como eu, humana de carne e osso e pensamentos.
E o que fazemos para mudar?
Como dormimos sossegados?
Como queremos os melhores objetos e nos esquecemos das reais necessidades humanas.
Temos até medo de olhar no olho daquelas pessoas, parece que aquela realidade não nos afeta,
já é tão banal.
Eles falam, se organizam, mas não tem um norte.
Vivem perdidos, angustiados?
Sabe-se lá!
Nem sei o que fazer, nem por onde começar.

Passagem

O céu azul, o sol brilhando
E a manhã segue bela.
As aves buscam as matas
e cantam timidamente.
Hoje não há brisa
Apenas a luz do sol.
E muita gente com suas perspectivas.

segunda-feira, 4 de março de 2013

Dissolver a alma

Segunda-feira depois de um longo dia de luta a tarde cai. 
É uma das lindas tardes que já vi. 
A brisa sopra frouxa e fresca.
Os eucaliptos faz sombra nas calçadas.
Saio para caminhar e vejo o lago Paranoá
Que está tão calmo. Suas águas
Mais parecem um grande espelho.
O céu estava tão azul com umas
Nuvens perdidas.
Os aviões se perdem em tamanha imensidão.
Aves voam de volta para seus pombeiros,
Voam um voo rápido e ágil.
É tão imensa a tarde
E tudo que ela alumia.
É tão pequeno meu ser,
São tão pequenos meus sonhos
Que se dissolvem nesta tarde tão bela.

sábado, 2 de março de 2013

Chove chuva

A noite caiu bem devagar e quente.
A chuva veio cantar em minha janela.
Chove chuva,
Chove chuva...
Chove chuva,

Vem e desperta em mim
memórias de alegria,
Vem chuva e me trás
Os sonhos que preciso sonhar,
E quando acordar
Que eu me sinta mais forte.

Estou feliz, com sua companhia chuva,
Estou feliz com a música de Dvorak,

Com os meus livros,
Com o meu autor favorito Borges...

Chove chuva,
Que a noite é bela
e não vai acabar de uma hora para outra,
Servirei-me de um chá,
E a noite sumirá no amanhecer.

Profunda noite

A noite já é profunda.
Quando é noite profunda 
E o movimento para,
As pessoas sozinhas
Em suas casas,
Consomem sua solidão
ou desfrutam da companhia
De quem ama...
Uns esperam,
Outros vivem
E a vida passa.

sexta-feira, 1 de março de 2013

Ócio da noite

É noite.
Tudo em silêncio, exceto o ar condicionado do shopping vizinho.
O escuro da noite é quebrado pelas luzes frias da rua que ilumina com um verde escuro
a grama do jardim.
Através da janela nada de interessante para ver.
A quitinete vazia e silenciosa. Abro o computador, ponho pra tocar algo.
Faz calor, ligo o ventilador... e tento fazer coisas relacionada ao meu trabalho ou a estudo, mas não consigo. Não me concentro em nada. Parece que há algo me revelando que neste momento estou só.
Vou a estante olho meus livros, objetos e imagens... o ócio me consome.
Posso fazer mil coisas como ler, ver um filme ou fazer o que deveria fazer, mas me recuso
a fazer qualquer coisa. Pego o telefone e ligo, a conversa não me agada então desconverso e desligo.
E o dilema e a angústia me consome porque não faço o que devo fazer.
E a noite passa.

Paixão as palavras

Os livros por que lhes amo tanto?
O lugar onde cresci era o meu universo e tudo era tão imenso e havia tantos momentos de ociosidade o tempo se alongava tarde a fora. A noite via novela e o Jornal Nacional.
Quando a tarde caia, em minha casa, só restava dormir, sair para o mato ou não fazer nada. 
Então ficava ali na frente da casa na área olhando homens passarem a cavalo de jegue subindo e descendo com cargas de capim ou lenha. Uns apressados outros lentos, cada um a seu ritmo, gente passando com gado.
Então descobri as palavras e os livros que explicavam gramática, matemática, ciências entre tantas coisas. Descobri os livros não didáticos. Todos os nossos livros eram velhos e perfumados pelo tempo... Descobri um maravilhoso de Mahatma Gandhi, achei maravilhoso. Lia e relia as máximas que mais gostava. Li outro de Bruce Lee...
Lembro do primeiro romance que li o Cortiço de Aluízio Azevedo. Achei muito bom...
Aos poucos a leitura foi sendo inserida em minha vida, fui ocupando o ócio com textos, gostava de textos curtos... Depois vieram os romances. Praticamente lia tudo que caia em minhas mãos.
Aos poucos as coisas começaram a fazer sentido. Comecei então a me orientar por um universo paralelo ao que meus pais e os meus amigos diziam...
No início a leitura era apenas para matar o tempo, mas depois passou a ser o meu norte. Fui encontrando nos livros o alimento necessário ao meu bem estar. Aquelas histórias, instruções, questionamentos. Achava o máximo falar sobre os autores, sobre obras... Eu queria ser famoso como os escritores.
E foi assim que me tornei quem sou um eterno amante das palavras e dos livros

Coisinhas boas

Hoje a manhã amanheceu suave,
Nublada e leve.
Uma brisa fresca corre pelas ruas,
Faz balançar os ramos das árvores,
Os bambus parecem dançar.
As folhas esvoaçam
O cheiro do tempo,
das folhas e flores...
O tempo corre
E a vida segue...