domingo, 30 de dezembro de 2012

Ano, estações e vida

Estações.

Fim de ano,
agora é verão,
sol quente, chuva forte.
Agora é verão.
Dezembro, último mês do ano.
Ano que parece longo,
mas passou tão rápido.
Penúltimo dia!
Nossa alma se enche de emoção.
Vitórias ou derrotas logo mais serão superadas,
após a meia noite de depois de amanhã,
recomeçamos tudo novamente...
Logo passará o verão,
virá o outono, a primavera
e o inverno.
No ano quantas coisas não acontecem,
quantos se vão, quantos não nascem.
Precisamos de esperança e fé,
para superar as adversidades
da vida 
e cultivar diversas belezas.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

NATAL

Noite de NATAL.
Ruas escuras!
Garotos soltando bombas,
pisca-pisca,
perniu e peru...
Noite de natal,
luzes coloridas,
Pena Branca...
Noite de natal
de 2012.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Espelho do lago

Hoje a tarde estava tão quente.
O sol brilhava intensamente.
As águas do lago estavam calmas,
paradas.
As águas do lago formavam
um espelho de tão parada.
O céu estava azul.
As plantas não estavam floridas,
estavam verdes.
Nada aconteceu demais,
foi uma tarde agradável,
foi uma tarde excelente,
tarde de sol.
A noite caiu limpa
e escura.
Estrelas brilhavam
no céu.
Estrelas de natal,
noite de natal...
Os últimos dias do ano
se desfazem,
desfecham...
E lá se foi mais uma tarde,
uma noite de dezembro,
de minha vida...
Ao menos vi mais uma vez
o lago espelhado,
mais nada.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Monotonia

As ruas ficam vazias
nos feriados e fins de semana.
Nada passa, nem mesmo um vento...
O tempo passa,
e tinge de cinza
tudo que há na vista...
O tempo se encarrega de apagar tudo.
Ruas vazias...
Que são as ruas sem as pessoas,
que são as pessoas
sem os dias?
Talvez tudo se esvazia
a vida vira uma monotonia...

sábado, 15 de dezembro de 2012

A natureza

Nunca pensei, não gosto muito de pensar. 
A vida toma de conta do meu ser.
Pensar!
Vivi sempre o mundo,
as coisas, as plantas floridas ou não,
as rochas, os objetos e a arte neles impressa!

Pensar, quem pensa quando apenas vive...

Viver o presente, sentir as coisas...
Sentir o calor ou o frio de cada lugar,
olhar o capricho da natureza
e de admirar.
Se admirar com a beleza da flor,
com a leveza e a beleza da borboleta
e do beija-flor
que cultiva as flores
por um pouco de mel.

A natureza é tão perfeita.
A vida é tão cruel
e nós imersos na vida,
imitamos a natureza
na pela beleza,
e nos apegamos
ao belo artificial
e destruímos o real pelo
artificial...

Tigres enjaulados.

Nossos filhos,
nossos netos,
quem sabe só reconhecerão
a natureza e sua beleza através de imagens,
nada real...

Casa, carro, rio seco,
mata devastada...
Soja, gado, mais nada.

Não gosto de pensar,
pois quando penso em nosso futuro,
penso que tudo que vivi
e existiu não existirá mais.

Cadê o preá? Cadê as lendas de onça em Serrinha dos Pintos,
o velho alto do Barroso, devorado por uma onça...

Mitos, nem nos trazem mais risos.

O meu mundo era tão pequeno,
mas tão grande, cheio de imaginação...

Desvendei o mundo real
e descobri a realidade...

A arte humana que humaniza,
A técnica humana que desumaniza,
desnaturaliza...

Pensar!

Gosto de comer livros,
e nem isso posso fazer,
tenho que tentar ser o melhor,
mas ser o melhor não significa nada,
não diz nada...

E enquanto isso, ficamos mais glutões
e natureza mais estiolada.



Cada segundo

Como o mundo mudou! ou serei que estou ficando velho?
Adoro caminhar na beira do lago Paranoá. Quase todas as tardes estou eu lá malhando na academia que meu amigo insiste que não é academia. Adoro sair para caminhar e ver as águas do lago, as aves voando, um ou outro avião, ver as pessoas pescando, as vezes noivas sendo fotografadas
e muitas crianças. Elas, as crianças são tão felizes! tempo melhor na vida não há, usam todos os equipamentos da academia, pulam, correm... E o mais interessante! As crianças, as vezes com dois anos não podem ver uma câmera que já fazem pose! Meu Deus sou um bicho do mato! Quando tinha 6 anos tirei minha primeira foto e foi um evento em minha vida! tive que tomar banho, vestir a roupinha que minha madrinha me deu! E hoje as crianças posam rindo, fazendo pose e tudo mais.
Fico me acabando de rir por dentro... Como o tempo muda, como as gerações mudaram em pouco tempo!
Ainda bem que tem o lago para caminhar e pensar na vida, ver quantas coisas acontecem
sob o nosso nariz.
O mundo mudou mesmo e estou ficando velho,
apesar de tudo a vida vale a pena a cada segundo.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

12-12-2012

O tempo faz curvas
como o vento.
O vento passa
como o tempo,
mas o vento acaricia
as coisas e o tempo
desgasta as coisas.
O tempo passa sem parar,
a vida é consumida
a todo instante pelo tempo.
Hoje dia 12-12-2012,
quanto tempo passou,
quando tempo passou
e quem eu sou?
Ah, a vida é um grande
aprendizado,
mais nada!

domingo, 9 de dezembro de 2012

Divino

O que nos prova a existência do divino?
Acho que o céu azul,
a chuva chovendo,
o vento ventando,
as flores cheias de cores desabrochando,
as flores florindo,
o rio correndo,
as aves cantando,
estrelas brilhando,
a vinda surgindo e partindo...
Tudo prova a existência
do divino...
Mesmo que tentem dar outro nome,
tudo é tão belo para
surgir do acaso e do tempo...

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Pedro nasceu

Dias de felicidade!
Hoje nasceu mais um ser,
hoje Pedro aqui veio viver,
Veio pra uma família feliz e unida,
em ceia de natal reunida,
vamos celebrar sua vida,
A muito que esperávamos sua vinda.
E hoje quando nasceu,
quando tudo correu em paz,
Aleluia, aleluia,
que seja bem vindo a vida.
Papai e mamãe são novamente avós,
nós os tios, somos novamente tios.
Felizes.
De certo hoje é um dia
pleno de felicidade e alegria
em nossa vida,
por isso essa pequena poesia.

Seja bem vindo Pedro
a vida e ao seio de nossa família.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Céu, amanhã

Um céu mudando de cor,
um céu que foi azul
agora escurece.
As vezes somos como céu
estamos vivos e estamos radiantes
e azul...
E há momentos
que nos escondemos nas sombras
mais profundas de nosso ser.
Uma música pode nos fazer feliz,
uma lembrança...
Mas quando ficamos sós
como encontrar
esses veios de felicidade?
Então escurecemos
sob a noite
ou sob a chuva...
Ah, mas como o céu azul
sempre aparece,
temos ainda uma esperança
no amanhã.

domingo, 2 de dezembro de 2012

Tarde de domingo

Domingo,
A tarde vai caindo devagar.
Que tarde fagueira!
Paro, deito, penso no passado,
penso no futuro,
penso na família,
penso nos amigos,
quase ninguém lembra de mim,
mas eu penso em todos eles...
Embora tenha muitas coisas
com que me ocupar,
mas caio no ócio,
e penso,
penso,
penso que há tanta gente por ai
como eu no ócio,
pensando no que fez e no que vai fazer.
Há pessoas deitadas que não podem levantar...

A parte isso a tarde continua caindo.
Agora mesmo desfia do céu 
uma leve neblina,
o chão quente libera um cheiro
de chuva...
Causou-me surpresa saber
que esse cheiro de chuva
é na verdade cheiro de um fungo...
Pra mim vai ser sempre cheiro de chuva.
A verdade as vezes soa mal...
Prefiro mitos muitas vezes.
E a tarde se vai,
e a vida se vai,
e eu procurando
saber quem eu sou,
quem eu fui...
Tanta coisa se passa em minha cabeça
numa tarde vagabunda
de domingo...