domingo, 30 de setembro de 2012

Subjetivismo




Muitas vezes quando nos sentimos só, nos sentimos também tristes e reduzidos. Neste mundo tão grande e maravilhoso há espaço para a solidão. Somos seres por natureza solitários. Cada um tem o seu universo, seus pensamentos e suas manias. Mas há dias que a gente acorda e se sente só no mundo, sentimos uma dor no peito, um vazio. Percebemos que as pessoas que mais amamos vão para muito distante e sentimos a falta do amor. Andamos perdidos, com o olhar desolado. Matutamos feito aves solitárias. Cada um matuta sobre o mundo que conhece.
Chegamos sentir saudades dos momentos vividos. As histórias que ficam impregnadas na memória e materializadas na matéria.
Dito isto, desenvolvi o hábito de observar. Observo as formas, as cores e os comportamentos e assim descubro mais do mundo. Mundo além de minha solidão.
Não faz muito tempo que percebi que faço parte da natureza que sou natureza.
O mundo tem me revelado tão sólido, e as relações tão líquidas e as situações tão plásticas.
Mas minha viagem chega ao fim resta a ti reflexão e fuga da solidão.

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

O que somos?



O que somos?

Acho que somos um pouco de tudo que tentamos ser.
Um dia acreditei que meus sonhos poderia se tornar realidade.
Tive tanta convicção de que meus sonhos eram realidade que se tornaram realidade.
Sempre tive a alma de criança, em acreditar nos meus faz de conta.
Antes de dormir eu rezava baixo só para mim, pedindo a Deus por aquela benção.
"Deus me ensine sempre a seguir em frente a acreditar sempre nos meus sonhos".
Não sei de onde veio-me tal ideia, talvez com ao ver meus pais rezarem antes de dormir.
Sempre acreditei muito na fé deles e através desta construí a minha fé.

Isso é uma peculiaridade minha, mas tens alguma peculiaridade?
O mundo existe além de nós e continua mesmo na nossa ausência.
Só tomamos consciência disso, às vezes muito tarde.
Às vezes que tomamos esta consciência, pensamos poderia ter sido diferente.
Muitas coisas poderiam terem sido diferentes em nossas vida,
mas estas aconteceram mesmo de maneira torta, mas acontecem.

Os atos tornam-se fatos e para que aconteça é necessário vontade de poder,
força de viver, preparação...

Os mais lindos ipês para florir sofrem as adversidades da natureza,
seca, chuva, vento e luminosidade, mas permanecem fixos
resistentes até que a natureza permita o surgimento das flores
e a fecundação desta e por fim o surgimento dos frutos e sementes.
E as sementes iniciam todo o ciclo.

Somos apenas sementes dando continuidade aos ciclos.
Seria uma desgraça não acreditar em nossos sonhos...
Seria uma desgraça desistir de ser semente.

A cada um é dado o livre arbítrio das escolhas,
embora a vida não seja generosa com todos, embora seja muitas vezes traiçoeira,
mas não podemos fugir.
É só através da vida que descobrimos quem ou o que somos.



Foto

O tempo passa
e nos distância da nossa infância.
O tempo nos ensina que a vida é orgânica.
Ainda ontem brincava de faz de conta.
Nem sabia ler, nem sabia que era viver. Vivia.
Ainda ontem meu pai era forte e novo.
Ainda ontem estive em casa
e vi que o tempo deixa marcas
mais fortes em meu pai que em mim.
O andar curto já arrasta o chinelo.
Mas quando volto a casa, parece que nunca sai dela.
Olhava a lua
que parece mais jovem que nunca
enquanto o cachorro cochilava na estrada
e papai como sempre preocupado
que um carro desgovernado acabasse
com aquela pobre vida sai para espantar
aquele cachorro.
Ergueu da cadeira e saiu bem devagar
sem gritar, parecia que ia encontrar a lua.
E foi lá e espantou
e tomei a foto sem que percebesse.
Que grande é o coração de meu pai
que impiedoso é o tempo.
A foto, imagem com memória, revela
que o tempo passa para todos nós.
Algumas coisas continuam...
Algumas coisas simplesmente perpetua.
Coisas que gênios como Mozart, Beethoven,
Gogh, Nietzsche, Borges...
O tempo não consegue apagar...
Ah, mas eu, mau morri
e sequer sou conhecido...
E o tempo apaga tudo,
corpo, memórias e alma. 

Dama da noite

Quando o dia acaba
e a natureza se recata
chega a noite.
Depois de mais um dia,
a noite chega iluminada
pela lua.
Como é linda a lua...
A lua embeleza qualquer lugar.

E quando a noite finalmente chegou
a lua iluminou o lago.

E quando o lago refletiu
a luz lunar no espelho da água
podia se ver um caminho
ondulando...

Não me senti só,
podia me guiar pela luz
lunar...

Divagando


Manhã ensolarada de nuvens e brisa frouxas.
Manhã gostosa de sexta-feira...
Um João-de-barro caminha
Contente sobre a palha e o chão.
Bambos nus, amarelos e verdes,
Mimosas desfloradas, de folhas desbotadas.
E a brisa acaricia as folhas das árvores
E a bandeira da nossa pátria.
Uma nuvem passa apaga levemente
O sol que parece ressurgir mais intenso.
Depois de poucas chuvas a grama começa
A aparecer.
E mais uma linda manhã desfia
A minha frente, enchendo
Minha meu ente de alegria.
Bom dia.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Lua

Quando a noite cai enluarada.
Os vales, as montanhas
e as planícies ficam inundadas
da fria luz branca da lua.
A coruja canta tarde da noite,
e logo chega o vento de açoite.
E quando fica tarde da noite,
a natureza viva se movimenta,
formigas a forragear,
corujas a cantar
e morcegos a voar...
Toda a natureza permanece clara,
toda a natureza permanece calma.
E as ondas que quebram na praia
foram um espelho de água na areia.

É noite, noite de lua cheia...

Flores brancas desabrocharam,
flores brancas perfumaram
para nix, a deusa da noite.
E a noite segue bela e eterna.

E outra noite de lua cheia.
A mesma lua que enamorou
meus avós, meus pais
e me enamora...
A lua será sempre bela,
sempre esteve lá
e nós somos meros observadores,
embalados em amores
até o fim de nossa espécie.

Eternidade


Nasce mais um dia,
mas uma lida pela frente...
E a manhã vai passando
a tarde chegando...
Tudo vai passando
e nem percebemos
que a vida passa.
Só quando contamos
os anos que vivemos
ou paramos em frente
ao espelho que o tempo
deixa marcas.

Mais um dia nasce,
mais um dia partiu
e entrou na eternidade
como tantos anos
que se dissolveram
no tempo...

As manhãs sempre passarão
os dias também,
mas nós vamos ficando,
vamos envelhecendo,
se apagando
como o dia no ocaso
até que somos esquecidos
e as manhãs
sempre nascerão
eternamente.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Primavera


 Quando é primavera,
as manhãs são sempre mais belas.
As flores desabrocham em
ervas e árvores.
O sol e o céu são tão limpos.
Campos aromatizados.
Os pássaros fazem seus ninhos
e cantam com tanta vida e harmonia.
Ah, a natureza toda se enfeita.
Ontem na volta pra casa
vi  uma árvore florida.
Toda coberta de
flores brancas perfumadas.
Senti alegria em viver,
senti quão maravilhosa é a existência.
As flores e as aves dão graça pela vida.
Cada uma flor,
cada uma doce flor,
que vejo desabrochar.
Não tenho palavras para explicar
mas sei que quando vejo.

soa a mais bela melodia
criada por Mozart
e é como se os campos
desabrochassem
em flores
como se tudo
se tornasse primavera...
Como é doce, meiga e porque não maravilhosa...
A primavera.
As flores são visitadas
por borboletas
e beija-flores
E tudo é tão belo.

E hoje algo me faz mais feliz
mesmo diante da solidão
ouço  uma doce melodia e quando se acaba
fica apenas o silêncio.
E o dia segue vivo.

Tim Maia http://www.youtube.com/watch?v=7T4gzCpQKgg

Manhã

Cordia glabrata

O dia nasceu fresco,
nuvens desfiam e desfilam no céu.
As aves cantam sem parar,
parecem celebrar a chuva
da tarde anterior.
No chão fresco e úmido,
germinam as sementes
adormecidas, crescem os ramos
das ervas vivas.
A grande paineira,
o mogno se cobrem de folhas.
Jovens folhas coloridas.

Longe candam quero-queros,
andorinhas e tantas outras aves.

Nem ouço o que toca no rádio.

Estou distante. Vivo, mas distante...

Nesta manhã fresca,
tenho tantas imagens
relembradas...

Canto do sabiá, do rouxinó...

A vida é curta
e as manhãs maravilhosas
um respiro de esperança...

Que doce que é essa manhã de primavera.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Universo















O universo cabe em meu verso.
Pobre verso quem sabe infinito.
As vezes bonito e sem vida.
As vezes feio, mas cheio de vida.
O universo azul, azul marinho
é tão belo.
De noite estrelado,
de dia apagado.
A luz do sol tudo revela,
as flores, as cores e as formas.
A luz do sol é energia e é vida.
O mar azul, o céu azul.
Ah, ponho o universo em meus versos.
Versos tênues como semente germinando,
pus tanta coisas nos meus verso.
Tentei dar vida, mas não pude dar vida,
cabe a ti somente a ti doar-lhes ar.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Tarde harmoniosa


Quando chega o fim da tarde,
depois do dia perder força,
depois daquela chuvinha.
Como é bom caminhar
ou não fazer nada.
Ouvir Schumann ou o sabiá cantar.
Sentimos a vida tão leve, sem nenhum pesar,
tão agradável.
E se saio para caminhar
sinto os aromas,
vejo as formas molhadas.
E a tarde preguiçosa
mergulha na sombra da noite
e a alma dorme calma.

http://www.youtube.com/watch?v=4fR17bJl2ow

domingo, 23 de setembro de 2012

Nascimento

http://www.youtube.com/watch?v=KRbfFQPaHs4


VENTO NORDESTE - 1979




Nasci numa noite enluarada de verão que de certo o vento nordeste ventava. Era uma noite de quinta feira. Não sei por onde papai estava,
mas mamãe me paria na maternidade "Dr." Manuel Vilaça.  
Às oito horas da noite 1 de novembro de 1979 pela primeira vez vi a luz
do quarto, só  no dia seguinte vi a luz solar.
logo fui amamentado e dormi muito.
Voltei à casa onde fui gerado e já não era mais parte do corpo de minha minha mãe que doou todo o seu amor a mim.
Fui festejado e visitado por todos entes amados.
Riram de felicidade por minha vida a existência.
Era apenas mais um ser sem compreender o mundo em minha volta.
Era apenas uma expressão da vida se desenvolvendo sem nada compreender aos cuidados de meus pais.
Apenas me alimentava e dormia sem nada compreender.
Muito tempo se passou e a casa que me abrigou, abrigou muitos outros e hoje não existe mais, virou pó e as memórias se apagam lentamente.
Partimos muito cedo dali, para o lugar onde cresci e aprendi a apreender o mundo.
Sai do Sítio de fora para Serrinha do Canto... 
Onde cresci sob o amor paterno, mas cresci como cresce uma erva no meio do campo.
Cresci rodeado pela natureza viva, plantas e animais...
Ali, aprendi a sentir, viver e ser do mundo.
Aquele mundo de apenas duas estações a de chuva e a de inverno.
Mundo onde a mais harmoniosa melodia era a das aves que eram quem muitas vezes encantava nas casas entisnadas pela queima da madeira para cozinhar o feijão, o arroz e o toucinho.
Aprendi sobre a vida com a vida.
A natureza aquilo que mais me encantava, aquilo de mais moderno que existia e nós não sabíamos. 
Fui sempre pragmático, aprendi fazendo. Aprendi ajudando minha mãe e meu pai com as lidas da casa.
Ajudei no plantio e na colheita,  na criação dos bichos.
Aprendi a respeitar  os idosos e professores.
Aprendi a me virar e a viver naquele lugar.
Tinha muitos amigos com quem vivi e compartilhei uma vida semelhante.
Eles estavam lá, com suas grandes famílias e dificuldades, mas todos cuidavam de todos. Eramos uma grande família.

Não me lembro a noite que nasci.
Sei que era verão e que o céu estava plenilúnio.
Que a poeira tingia de vermelho os caminhos e os pés dos burros e pedestres.
Nasci só, mas cresci entre muitos
num lugar tão pequeno, mas tão grande para um ser crescer.
Este lugar pequeno que tanto foi habitado aos poucos desaparece.
O vento leva aos poucos as vistas e as almas.
E a terra consumiu e consome aos corpos e as almas.
Hoje  os adultos de minha infância dormem lado a lado.
Já são tantos os que partiram
que parece que estou longe na viagem de minha vida.
Meus avós e alguns tios que sentiram-se feliz quando  nasci já
partiram também ou e apenas dormem à sombra da eternidade.
Dormem com suas histórias que nunca mais serão contadas por falta de memórias.
As histórias desaparecem com seus protagonistas.
E o que faço com minha história que nem sei contar?
Nasci e desde que nasci não paro de caminhar, já passei por tantos lugares, conheci tantas belezas, mesmo assim não paro de
trilhar esta jornada que é a vida...

sábado, 22 de setembro de 2012

Primavera 2012

Flores em antese,
desabrochando com frescura,
beleza e elegância.
E as flores vão se revelando
perfumadas ou coloridas
todas enfeitam a vida.
Flor de jitirana, angico,
crotalária, ingá e ipê.
É primavera.
A primavera chegou ontem
e trouxe consigo
a chuva pra refrescar
as plantas
para desabrochar as flores.
A flores de ontem são plantas de hoje
e as flores de hoje
quem sabe serão plantas amanhã.
É primavera...

Solidão


Quando estou só, penso na solidão
e me acostumo com essa imensidão.
Ver o meu quarto vazio
da nada ouvir, além de minha respiração
ou o inoportuno mosquito tarde da noite.
E o sono que deveria ser meu companheiro
atrasa, parece que não vai chegar.
Quando amanhece a solidão ainda está ali
como todas as coisas que esta trás,
livros sobre a cama, migalhas no chão,
xícara na pia...
Usa a vassoura para varrer a solidão
ou a poeira do quarto.
Ontem a noite choveu e hoje está fresquinho bom para passear,
mas não te esqueças do maldito, bendito trabalho...
Estuda,  estuda se quer ser alguém no amanhã.
E ainda tenho que resistir a solidão.

A solidão é triste.
A solidão é má.

Ela teima em me perseguir,
na graduação me sentia só,
mas vivia numa caravela grande,
que caravela era a residência universitária,
mas lá havia gente pra compartilhar as coisas.

Bem, passou-se pós-graduação
e a solidão continua comigo.
Quero te queimar,
torná-la cinza,
mas sedes mais forte solidão.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Noite de chuva

A noite chegou, nas ruas vazias as luzes do poste alumiam o nada.
A chuva veio com a noite e trouxe raios e trovões.
Os pingos da chuva, o calor dentro de casa...
Fazem me lembrar Campinas.
Da minha casa um barulho irritante não para
de manhã a tarde ou a noite
são as maquinas nos malditos ar condicionados do shopping.
Ao menos tem o barulho da chuva...
E a noite como companheiras.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Ando tão solitário. Vivo imbuído em meus pensamentos. Parece que vivo só no mundo.
Eu acordo e já neste ato me preocupo com o que hei de fazer para sustentar o amanhã.
Eu acordo, mal desperto meu cérebro se põe a pensar e a ler e a ouvir que passa no mundo ou o que nele aconteceu.
E esta sede de busca se estende dia adentro.
E consumo os fatos e as palavras que o codificam na crença que eles me darão um norte.
E todo o meu presente é canalizado nisto.
Que me importa o que acontece ao meu lado?
Mal tenho tempo para caminhar e respirar e ver o por do sol...
Meu Deus me sinto tão só.
O lago Paranoá que acaba ou começa perto de minha casa, me distrai. Nele posso ver e sentir o aroma de doces Ipomoea alba, ver as  margens ocupadas por lixo, ver os carros passarem e se engarrafarem na pista enquanto caminho.
Caminho ao lado do lago.
E vejo gente que não fala ou que ignora...
Ah, como me esforço para perder os quilos que se acumularam e que se teimam em permanecer em mim...
Mas ao menos me deixa feliz as Ipomoeas, a tesourinha a voar...
E tem as capivaras que passam nadando, ou que me ignoram, nem tem medo de mim. Outro dia um transeunte que parado olhava elas passarem disse que são nove...
Eu vejo os casais, vejo tanta coisa... vejo as plantas que florescem.
Ontem mesmo que como o sol partiu lindo.
Partiu lindo e só.
Volto pra casa. Com quem hei de conversar?
Com o computador ou o celular?
Essa vida líquida...
Tudo está tão próximo e tão distante.
Tenho sentido falta de Campinas.
Saudades da Dani e do Zé e da nossa casa e da Tereza...
Este tempo corrido... esta vida corrida e líquida.

Espera

Quem nunca desiludiu da vida?
A espera de um grande amor.
A espera de uma grande oportunidade.
A espera do grande dia.
A espera de boa saúde.
A espera de algo que nunca veio.

Quem nunca sorriu na vida?
Com o passo tropego de um bêbado.
Com o riso desdentado e alegre.
Com o encontro de uma onça no bolso.

Quem nunca sentiu a dor sentir o coração partido?
Com o fim de um grande amor.
A partida de um ente querido.

Quem nunca sentiu sem motivos para viver?
E não buscou a religião ou o psicanalista ou até mesmo a morte.

Somos demasiadamente humanos
para não sentirmos tantas coisas.

Há pessoas que intensificam suas emoções
e sofrem e amam e se apaixonam e se sentem mais que os outros...
Há tanta gente,
e essas pessoas todas pensam
e essas pessoas sentem,
se expressam e vivem...
São tantas que às vezes nos sentimos inúteis...

Toma sua vida e segue,
porque o maior mal do mundo
é se preocupar com os outros...

Reflete sobre a vida
espero que sinta amor por ela,
pois é tudo que possuímos
e o resto não passa de algo emprestado.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

A dimensão do viver

Já andei por lugares onde nunca imaginei andar.
Mas nem sempre encontrei nestes lugares algo que pudesse levar dentro de mim.
Em cada lugar que vou, descubro um pouco do que sou sou e me sinto diferente porque estou sempre descobrindo algo diferente do mundo, algo diferente em mim. A vida é um conjunto de sedimentos de tempos e situações.
As sensações são diferentes a cada instante e as lembranças antigas nos norteiam.
Levo tudo dentro de mim. Se busco beleza, encontro beleza e se busco desgraça encontro-a.
O mundo maior está no nosso interior. O mundo exterior só revela um pouquinho de nós...
Para descobrir este mundo só nos resta viver.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

O garoto

Um pequeno garoto sempre caminhava no campo próximo a sua casa. O campo era de terra cansada, mato ralo. A casa era uma casa velha de tijolos a amostra, não rebocada. Sozinho a garoto se divertia com flores, calangos, aves e rochas que achava interessante. Não sabia nomear todas essas coisas, mas gostava delas mesmo assim. Gostava das flores por sua beleza e seu perfume. Gostava dos calangos porque se moviam com agilidade entre paus e pedras, também eram belos. Gostava das flores porque elas eram coloridas e tinham um canto lindo. Gostada das rochas por sua diversidade de formas e porque brilhavam.
Este garoto que sempre caminhava no entorno de sua casa. Aprendeu a conhecer o mundo. Aprendeu que aprender se inicia de pequenas coisas. Antes de tudo ele aprendeu a observar e observando, percebeu qual diversas eram as coisas. Ele sabia que existiam coisas, mas não sabia como chamar as coisas. Só sabia o que seus pais lhes davam significado. Pedra, plantas, flores, calango, pássaros e rochas era tudo que sabia. Quando aparecia alguém em sua casa ele gostava de ouvir o que os visitantes falavam. Estes falavam do que acontecia fora do mundo do pequeno garoto. Ele tentava entender, mas não consegui, pois não conhecia o significado das palavras, seu vocabulário era pequeno... Então certo dia para não se sentir só. O garoto começou a falar com as flores, os calangos, as aves e as rochas. Seus pais começaram a se preocupar porque o garoto criara   palavras próprias para falar com seus objetos...E o garoto foi para a escola e seu mundo se ampliou  quando aprendeu a ler e substantivar as coisas. O garoto compreendeu que haviam pessoas que criavam linguagem própria para viver no seu mundo. E esta intuição o deixou feliz.

Angústia

Não estamos livres da angústia.
A angústia muitas vezes nos toma por  inteiro e nos faz sentir frágeis. A angústia trás a tona nossas fraquezas e medos.
Não sabemos porque nos sentimos angustiados ou o que nos causa este sentimento. Creio que ele vive dentro em  nós como um vírus e se expressa quando estamos fracos.
Na presença da angústia nada nos apetece.
Mesmo sabendo da fragilidade e brevidade da vida.
Ainda assim somos acometidos por tais sentimentos.
E o que nos traria a felicidade e espantaria angústia?
Talvez o amor daqueles que amamos e num sentimento mútuo de dedicação nos trás sentido a vida.
O amor pode nos livrar destas coisas. Só o amor.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

O Tempo

Somos obra de nosso tempo.
Não temos consciência, nem nos ligamos que fazemos parte deste tempo o qual passa dia-a-dia e nos faz esquecer de sua continuidade, faz-nos esquecer de nossa finitude.
Ontem já não nos pertence, passou e muitas vezes nem percebemos pois estamos planejando o amanhã.
Não nos damos conta que ao consumir o tempo, estamos sendo consumido pelo mesmo.
E tudo que fazemos tem reflexo na matéria ou no espírito. No entanto o tempo continua intacto.
Gerações passaram e passarão. Não restará nada além de histórias, memórias e matéria. Isto é aos importantes. Porque na maior parte do tempo, passamos ocultos na vida, vivendo para nós mesmos.
No tempo está a raiz de tudo e de nada...
Tempo passará, fria e calmamente pondo cabelos brancos nos homens,
levando vidas e criando vidas, mais nada.

domingo, 16 de setembro de 2012

Sertão

O sertão arde em calor neste verão. Este ano de 2012 quase não choveu. O mato quase não enramou, só não está pior porque é época de eleição.
Quantos heróis resistentes não há no sertão?
Quantas lágrimas de dor já não foram derramadas ao serem vistos seus animais, únicos recursos, famintos sem ter o que comer.
O sertanejo depende da fé para continuar no sertão, pois sem fé como suportar as dificuldades.
Sou do sertão e sei que, apesar das dificuldades, nem tudo é dor.
Embora haja sequidão lá. Quando cai a chuva em março sementes explodem em vida
a babugem cobre os campos, vales e serrotes. Catingueiras nuas se cobrem de folhas e aromas.
Tanajuras saem de seus ninhos e voam pelos céu perdidas, as aves voltam a cantar, os sapos  magros saem da hibernação a forragear e os riachos voltam a correr.
A vida parece surgir do nada...
A terra molhada, macia é tão gostosa para caminhar.

Quem foi criança e cresceu no sertão certamente tem na memória essas imagens vivas na alma.
Quem que lá viveu que não teve um cão como melhor amigo e teve vizinhos passivos e animais para cuidar. Quem nunca saiu para pescar, caçar ou tomar banho nos riachos e açudes.

Quem não lembra dos aromas das flores pequenas das mimosas, mufumbos, catingueiras, dos muçambés, bamburrais, das cajaranas maduras, dos currais.

O sertão apesar de maltratar tem muita coisa a louvar.
A vida pode ser sofrida, mas é sossegada...
Ah, o sertão... o sertão dos sabias,dos concrizes, golinhas, azulões...

O calor do sertão, a cinza do sertão maltratam, mas a vida do sertão, a morte no sertão.
Só quem nasce lá qualquer custo carrega consigo na alma estas memórias.

E o sertanejo que foge de lá todas as vezes que ouve os sons do sertão chora internamente
porque sua alma lá foi gerada.
Nunca esquece... nunca mais aqui ou no Japão.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Questões

Hoje quando acordei, abri a janela, como sempre faço, permitindo que a brisa entrasse e ainda para poder ver ver o céu e lá nos fundos. Uma lufada atravessou a janela e me encheu de nostalgia. Pensei comigo: o que estou fazendo de minha vida? Qual o meu propósito? Dei-me conta de que estou sem propósito e isto me deixou mais triste.
Olhei através da janela e o céu estava cinzento, translúcido como meus pensamentos, nem vi o eucalipto.
Li as manchetes dos principais jornais, uma ou outra coluna. Tudo me pareceu tão insípido, incolor...Ou seria meus sentidos que não reagiam aos estímulos.
Eu me senti inútil como o cão deitado na palha seca.
O que eu fiz ou deixei de fazer? O que eu sou?
Sequer encontrei respostas para as duas perguntas anteriores... Pensei em ser tanta coisa, mas não sou coisa alguma. Este foi ou é o pior sentimento que já  me acometeu...
Para fugir destas ideias, fiz um chá, sempre funciona, mas não adiantou...
"Estou me sentindo um inútil"
Ah, por que estes pensamentos existem e por que quando encrostam em nossa mente fica lá nos incomodando...  
Bem, não consegui me livrar desta sensação ainda...
Temos que nos reter aos estímulos externos para fugirmos de nossas piores sensações.
Bom com calor, sinto-me incomodado...
O incomodo gerá essas ideias...
Ah, mas essa brisa veio só desequilibrar minha homeostasia ou talvez, se tivesse permanecido na minha cama como pedia meu corpo nem tivesse pensado essas coisas...
Acho que é o fim da estação.
Sabe lá... ficam as questões.

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

As curvas

As curvas que desaparecem de nossas vistas o que nos contam?
Ainda ontem corria como menino na ilusão que a vida tudo podia me dar.
Ia dormir a noite feliz com a possibilidade de ter um novo brinquedo,
na ilusão de não ter o que fazer e ficar sem ter o que fazer o tempo todo,
apenas divagando em meus pensamentos.
Como eram ricos os meus pensamentos de criança,
tão criativo quanto um escritor inglês,
mas com nordeste como cenário.
No inverno quando tudo era verde e florido cheirava ou rasgava flores sem
nada entender daquelas estruturas. Ah, beleza das flores sempre foi real e me encantou.
Corria para o mato, caçava, corria para as goiabeiras e degustava da vermelha doce goiaba.
No verão adorava o cheiro doce da flor do caju, seus frutos...
Sem contar como eram boas as festas juninas, soltar traque... Ano que vem vai ser melhor
vou ter dinheiro para comprar mais que João de Daleia.
E no fim do ano, catava castanhas pra ter o trocado da festa.
Ano que vem vou ter mais dinheiro que é para comprar um brinquedo bem bom...
Os anos se passaram e as coisas ganharam nomes e os nomes revelaram a realidade da vida.

As curvas se revelaram, ficaram para trás.
Hoje vejo tudo tão real e tudo é tão sem gosto...
Os padres e médicos morrem e são gente.
Milagres, se existem nunca me aconteceu.
As curvas só falam a quem busca algo...
ou são apenas curvas de um círculo.

Vento e tempo

Passo meu tempo útil,
fazendo coisas inúteis.
Lendo o que não preciso,
pesquisando o que não me serve.
Eita tempo pra que me serves?
Viver, viver...
Viver bem ou mal, será se depende de nós?
Chova ou faça calor,
não sei como somos felizes.
E o tempo passa
como o vento.

Aurora

Acordo preguiçoso, levanto, tomo um chá.
Ainda não acordei, leio colunas, rio muito.
Algumas coisas me fazem matutar,
mas tudo passa logo. Enquanto isso
ouço o notícias no rádio...
Já me acostumei as novas quatro paredes brancas,
mas ainda sinto falta das antigas.
Minha janela agora é enorme,
mas não tem um jardim,
uma acácia e uma magnólia como
antigamente.
Tenho só paredes de um shoping
e alguns eucaliptos ao sudoeste.
Agora vejo grades...
Que isso importa, paredes brancas,
claras como minhas ideias,
vazias e frias.
Às vezes me sinto feliz.
E assim acordo novamente.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Caminhos do passado

Ah, o que nos parece velho.
O que é velho aos nossos olhos será mesmo velho?
Nossa vida é tão curta, breve...
Os dias se sucedem sem que percebamos,
simplesmente nos acostumamos com tudo.
E quando nos acostumamos as coisas vão se desbotando,
e ficam parecendo velhas.
O velho caminho por onde passei,
por onde aprendi a andar,
onde reconheço cada buraco, curvas e pedras,
para mim, parece velho, mas será?
A minha interlocução sim.
Embora perceba isto,
não creio que o é.
A vista do outro pode ser novo.

O velho caminho onde caminhava
para buscar a água de beber ou as vacas,
hoje, já não existe mais,
nem é novo ou velho...

Revelo que existiu,
mas a quem interessará
uma velha rota de jegues,
vacas e homens...

Tudo isso agora é passado quase apagado,
restam algumas lembranças...

Cada um tem um caminho que acha velho.
Qual é o seu?

Vento

Nestes dias quentes como é gostoso quando o vento sopra
e leva o calor para longe.
Como é bom ter um jardim para poder banhar.
E ter a ilusão de que o calor se foi.
Às vezes queríamos que nossos problemas fossem
como o calor fácil de resolver...
Mas não são, pelo menos é o que achamos.
Nestes dias quentes nema as ilusões são leves.
Enquanto isso a vida passa.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Saudades

Ah o tempo vai nos afastando dos velhos costumes e trazendo-nos novos.
Agora nesta estação as árvores perderam as folhas e os ipês estão florindo.
O tempo torna distante minhas lembranças, minhas maravilhosas lembranças
das praças arborizadas de Barão. Saudades doces de Barão Geraldo,
da Unicamp, do IB, do Departamento de Botânica...
Saudades do velho Tama, dos Joazoinhos Semir e Galvão.
Saudades da Sandra Caramello, da Ana Tozzi.
Saudades do João Aranha, do Padre, da Rose, do Marcelinho, da Suzana, da Maiara, da Emília, da Dani, do Zé Bola, do Tomate, da Aline...
Saudades desse povo, saudades de Campinas...
Saudades do tempo cinza.
Saudades das coisas boas que passaram por minha vida.
Coisas boas como o cheiro do Jasmim, das Murraias, da Mangólia.
Saudades de namorar minha Ana em Campinas.
Sair da Unicamp passar na sapore e comer aquela pizza.
Saudades de minha bicicleta azul, linda xabrobike.
Depois de sair da Unicamp, ir para casa, pegar as coisas e sair para passear.
Pedalando pelas ruas Felizberto Brolezze, Luiz Vicentin, passar pela igreja Santa Izabel o super barão que hoje é hiper, Cruzar a avenida santa Isabel,
e pegar a praça dos cocos, depois malhar um pouco a sombra dos Ficus.
Sair pedalando pela rua José Fernandes pegar poeira, ver a Bhoemeria depois do objetivo. Pedalar toda José Ferndandes, e indo olhando as plantas e catalogando...
Saudades de minhas Dichorizandras...
Depois de descer subir pela santa Isabel e chegar em casa.
Comer qualquer coisa, ligar o ventilador e ler.

Saudades, saudades das coisas mais simples mas que me faziam feliz.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Nova noite

A noite chega calma.
O céu azul se enrubresce
e depois de tinge de azul marinho.
Suave as estrelas surge.
As cores se apagam,
e apagam consigo as formas
e o que era próximo
torna-se distante.
A noite torna as flores brancas e perfumadas
que doce a Ipomoea alba e o Inga vera.
Quando finda a tarde,
desço lá pras bandas do lago,
vou caminhar a beira da água.
Olho para o céu e vejo aves voando,
as vezes dou sorte de ver as capivaras.
O vento sopra de onde o sol nasceu,
E vejo tudo isso,
e sou alegre como as ondinhas do lago
e me sinto feliz por existir.
Amanhã será outro dia.
Novas colunas, crônicas,
novos desafios
e uma nova noite.

Passageiro

Passageiro,
Acordo, saio do mundo dos sonhos, subjetivo e volto ao mundo real.
Mais um dia, mais uma batalha.
Cedo penso viajar o mundo sem sair de casa.
Analiso rapidamente nas manchetes e creio saber sobre o que aconteceu no mundo ontem.
Sei que é um ledo engano, mas ao menos não sou totalmente aleio ao todo.
O terá acontecido com meus pais lá no nordeste ontem, ou com os meus amigos pelo dentro e fora do Brasil.
Meu mundo ultimamente parece tão pequeno, nunca tive tanta certeza.
Nunca me senti tão pequeno e alheio ao mundo.
Vivo no meu mundinho e tento construí-lo cada vez mais forte e assim, quiçá eu posso conversar com outras pessoas e seus mundinhos.
O mundo anda tão veloz em sabedoria.
Outro dia fiquei espantado quando um garoto, ao usar um objeto para caminhar usou o substantivo "simulador de caminhada" que fiquei rente com o chão.
Não estou perdendo muito rápido este mundo, como me apropriar de algo que não conheço...
Apesar de tanto tentar me informar, sinto-me mais e mais ignorante.
Ler os clássicos será minha salvação...
Mas pra que tudo isso se sou só um passageiro?
Amanhã nada que é meu me pertencerá...
A vida é visceral, mas vale ser vivida que jamais ter existido...
Sejamos então esse passageiro.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Loucura

Vejo o dia e a noite nascerem.
Vivo cada momento entre estes momentos.
Gosto de vivê-los?
Talvez seja apenas mania da idade ou seria vaidade?
Há aqueles que preferem ao sono.
Há quem prefira tanta coisa,
mas minha maneira orgânica de ser é assim
as vezes irritante para quem não o é.
Sei lá, acho que todos são loucos,
acho que os loucos acham que sou louco
quase isso ou nada.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Distante

O tempo,
os fatos acontecem
a todo instante
e em todos os lugares.

Só sei daquilo que acontece a minha frente,
embora possa saber sobre o que acontece
em outros lugares...

O que é externo a mim
muitas vezes me espanta.

domingo, 2 de setembro de 2012

Solidão

É noite,
A noite é silenciosa.
Estrelas e a lua brilham no céu.
O clima seco,
árvores nuas.
Ruas esfriam lentamente,
liberam o calor do longo dia.
Há pessoas felizes
e pessoas tristes.
Estes sentimentos
afloram com a noite...
Nos confundimos
com as palavras e a solidão.
Grilos cantam...
A noite passa,
seca.
É noite no meu coração.
É noite e sinto solidão...