terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Tarde crepuscular

Hoje a tarde foi tão bela. O céu estava tão azul e limpo. Quando a noite foi caindo e o azul foi cedendo o tom para a noite. Fazia muito que não via um crepúsculo tão belo. O céu vazio, minha mente vazio e o dia se entregando para noite. Ao passar próximo a uma figueira vi que choviam frutos e fazia um som tão agradável. E a tarde foi caindo e o sorrido do sol se apagou para se acender o riso da lua. As estrelas piscaram para mim.
E a noite chegou tão agradável e a vida me pareceu doce como mel, cheirosa como terra ao ser molhada pela chuva...

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Noite

Hoje a noite está tão escura. As estrelas brilham longe seus brilhos parecem serem levados pela brisa interestelar. Longe, longe no no céu, vejo o cinturão de Orion, ou as três marias. E sinto a brisa da noite. E sinto o vácuo da noite...E vejo toda aquela noite distante dentro de mim, todo aquele universo me compõe, pois meu maior mistério é saber quem eu sou... E a noite a lua tardou a aparecer. Fui ao varal e coletei as roupas limpas, ainda cheirando a sol. E me recompus e meu quarto e fechei meus olhos para o merecido sono, com a mente na negra noite estrelada.

Longo dia

E a tarde caiu limpa e quente.
A noite certamente será bela, enluarada.
Estou cansado deste longo dia,
quem sabe uma poesia não me
livrará de meus pensamentos,
quem sabe...
senão só a noite poderá
me trazer descanso.

domingo, 29 de janeiro de 2012

Dias eternos

Que delicioso dia de sol e céu azul.
O vento correndo frouxo
e as árvores com suas copas
frondosas fazendo sombra
pra refrescar seu chão.
Um dia de paz,
todos bem,
tudo bem.
Certos dias são raros,
ou não, pois tudo depende
de nossos humores,
da nossa fé.
E quando nos lembramos dos dias dantes,
sempre pensamos que poderia ter sido melhor,
sempre esperamos o melhor.
Hoje foi um dia especial
que correu frouxo como vento
no final de inverno no milharal
até parece que somos eternos,
e somos eternos na nossa realidade.
No entanto somos passageiros como
hoje, domingo.

Manhã de sol "domingo"

Hoje, difente de ontem, sábado, o sol brilha magestoso no céu azul. Todo o mundo amanheceu animado. O jardim estava sequinho, pedindo para ser varrido. Então me levantei fui a cozinha e peguei o pão de cada dia dos sanhaçus e puz sobre o muro. Depois fui varrer o quintal. Uma brisa fresca soprava do nascente, leve e frouxa. Os ramos longos da a acácia, mas parecia criança na animação a balançar. A rua toda sequinha e vazia. Vez por outra passava um carro ou um transeunte. E então vi como flores desabrocham no jardim sugrir pessoas varrendo suas calçadas, contentes com o dia azul e o sol brilhando forte. Depois fui ao mercado e vi todo mundo bem vestido, limpinhos e cheirosos, comprando alimento para fazer aquele almoço de domingo. Só faltou mesmo encontrar as pessoas voltando da igreja. As flores nos jardim desabrocharam num viço. E assim parece que o verão voltará a todo vapor como candeira de engenho no começo de safra.

sábado, 28 de janeiro de 2012

Despertar do sábado

E a manhã de sábado nasceu nublada e fria. Mas a natureza está linda. As ervas e árvores  estão tão verdes e vigorosas, algumas até estão floridas. As ruas estão vazias, até os cães dormem e tudo é silêncio. E quando abri a janela o aroma do jardim invadiu o meu ser, enchendo o meu ser de umidade e imenso prazer. E me senti bem e me senti feliz. E que assim seja.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Nem mais nem menos

Hoje a noite chegou e nem percebi. Estava ocupada trabalhando. Não percebi na natureza, encorpei-me no trabalho. Agora que cheguei em casa estou cansado e não tenho animo para nada. Como pode alguém que trabalha oito horas ter ânimo para nada. Não quero ganhar rios de dinheiro, apenas o necessário. Quero poder chegar em casa e ter ânimo para alguma coisa. Não quero que meus filhos estudem nos melhores colégios ou faça as coisas mais legais que eu não fiz. Quero que eles aprendam como aprendi a da valor a vida, independente do que possuo. Suo e vou atrás do que quero, não quero nem mais nem menos, mas o suficiente para ser feliz, o suficiente para poder ler um livro e relaxar como quem bebe ou fuma. Só isso nem mais nem memos.

Silêncio

E quando a manhã cai sob a chuva as aves respeitam e calam só para ouvir a chuva.
E quando a manhã passa e a chuva fica, o dia parece monótono.
A chuva silencia o mundo.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Vai embora com a tarde

O céu estava cinzento e as cores tão apagadas.
As pombas e as rolinhas voavam e pousavam
nos telhados.Soprava um vento frio.
Tudo está tão parecido com essa tarde
que minha barriga chega a coçar por dentro.
Ah, cadê o crepúsculo da tarde.
Cadê o céu azul e as nuvens tingidas
de encarnado?
Não hoje a tarde está triste
e eu também estou meio
sorumbático.
Mas a tarde se vai.
Vai tristeza embora com a tarde. vai...

Ser

Chegará o dia em que a velhice nos alcançará. Então, seremos apenas mais um velho. Seremos a causa de alguém ficar em casa. Seremos um peso para alguém que nos dará atenção por carinho ou dinheiro. A juventude não dura para sempre. Não estaremos com as pessoas que amamos para sempre. Então nosso tempo, nosso espaço será lenta e progressivamente ocupado por outros e aos poucos sumiremos.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Memórias vivas

Olho para os objetos e através de associações, percebo que eles estão presentes em minhas memórias, exceto quando desconheço-os. Alguns são muito especiais pra mim e por isso estão presentes em minha escrivaninha ou simplesmente espalhados pelo meu quarto. Mas se não os tivesse, minhas memórias morreriam? No meu quarto, guardo muitos livros e quase não tenho fotografias. Tenho uma coleção de rochas que coletei nos lugares mais distantes que fui. Costumo olhar minhas rochas para manter viva as memórias. Agora dei para guardar frases, textos sem valor material algum. Acho que o valor que atribuo aos meus escritos são muito subjetivos. Mas para que guardo-os? não sei. Talvez minhas memórias queiram manterem-se viva além de mim. Pois no momento que materializo-as no papel, já não são mais minhas, mas do mundo... do mundo vieram e para o mundo voltam, cristalizadas, mesmo que nas mais rudes frases.

Transição

Hoje, manhã de janeiro, amanheceu numa gostosura. Abri a porta e fui ao jardim por banana para os sanhaçus e quando sai no jardim, senti o cheiro úmido da  manhã e senti ainda o abraço frio da brisa que soprava do norte. Minhas plantas do jardim estavam tão lindas, pareciam me agradecer por cuidar delas, demostrando sua beleza com toda intensidade. Minha Dichorisandra até abriu uma linda flor lilás e a Russelia várias flores vermelhas. O sanhaçu veio até o muro, deliciou-se com a banana e cantou seu canto singelo.
Hoje, 25 de janeiro, é aniversário de São Paulo e por incrível que pareça consegui visualizar ou acessar memórias de quando morava em Serrinha dos Pintos. Sempre via na te, a sena do bolo gigante. Eu nem imaginava que viria morar aqui.
Aqui estou, feliz com as manhãs, com as plantas com a vida. Todavia sei que tudo vai mudar e continuar mudando, porque o tempo cristalizado é um tempo morto e o mesmo serve para as pessoas.

Som da manhã

O canto das aves junto a aurora anunciam a chegada da manhã.
Bem-ti-vis, João-de-barros e sabiás.
Cantam pra anunciar a chegada do sol.
Ainda que esteja tudo escuro,
cantam pra alegrar o mundo.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Cair da tarde

E quando a tarde cai,
muitas flores murcham.
As flores do campo
se fecham e se protegem
do sol ou da chuva.
E quando a tarde cai,
o jasmim se perfuma
ainda mais.
E quando a tarde cai,
quantos eventos já
não se passaram.
Na tarde de sol
ou de chuva ouvir
Holst é sempre bom.

Outro dia

A manhã surgiu escura e fria.
Minha rua está vazia.
Nem as aves apareceram
para comer a banana que sempre
lhes ofereço.
Acordei muito cedo,
ainda estava escuro
e fiquei na cama pensando
em muitas coisas.
Então quando me levantei
nada aconteceu no meu quarto,
mas através da janela do meu laptop
vi o que aconteceu no mundo
nas últimas 24 horas.
Fechei a janela do mundo
e tudo continuou escuro e frio.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

A essência

E assim segue aquele que a tudo amou,
e assim aquele que tanto nos fascinou,
se encantou, foi para o mundo dos elfos,
se transportou para o mundo de sua
imaginação...
A matéria até pose se transformar,
mas a alma viva está
nas memórias e enquanto
estas existirem aquela alma
viverá e um dia só restará
a escrita e um dia
será como o tempo que o antecedeu,
como algo que nada existiu...

Encantamento

Gosto da ideia de que as pessoas não morrem, mas se encantam. Ontem a propósito uma pessoa muito querida se encantou. Adalberto Varela foi uma pessoa que povoou a minha mente antes de conhece-lo, em decorrência das muitas histórias sobre ele. Encantava-me aquela figura clássica, cheia de histórias, paixões pela Biologia. Encantava-me o fato de ter se formado em medicina e nunca ter exercido a profissão, mas se embrenhado pela Zoologia. A primeira vez que falei com o professor Adalberto foi para pedir um favor. Lembro que ele estava regando o jardim, como sempre gostava de fazer. Eu havia perdido um livro da biblioteca e precisava de um professor que indicasse um livro e ele prontamente me ajudou. Com o tempo aquele mito tomou forma e substância. Tornamo-nos grandes amigos. Eu adorava ouvir suas histórias cheias de misticismo e de mitos e de sabedoria. Seu conhecimento de fauna era inquestionável. No mestrado onde desenvolvi meu campo, tornou-se morada de Adalberto, onde cuidava de sua imensa coleção de insetos. Era apaixonado por rock, pincipalmente Pink Floyd. Desenvolveu seus últimos dias de trabalho na ESEC, onde era um mito. Ele tinha muitas histórias sob abduções, elfos entre muitas coisas. A última vez que o vi foi quando fui a ESEC coletar uma planta para meu doutorado. Almoçamos juntos, conversamos muito. Muitas boas memórias estão guardadas. Some o corpo, mas permanece a alma. Descanse em paz professor Adalberto, mas sei que sua alma enquanto existirmos povoará sempre a ESEC e sua sala na UFRN.  

domingo, 22 de janeiro de 2012

Mar

O que nos encanta,
salva-nos da morte,
porque a vida sem suporte,
é um mar de desilução.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

A brisa da vida

Hoje, sei que tudo é passageiro, mas nem sempre foi assim. Só com o passar dos anos foi que a vida me proporcionou experiências que me fizeram amadurecer. A matéria sofre constantemente transformações. Estas transformações às vezes ocorrem muito rapidamente e outras vezes  lentamente. A vida também está sendo constantemente renovada e é só através destas sucessões de eventos que a vida torna-se evoluída e modificada.
Por não compreender que tudo é passageiro, muitas vezes, fiquei indignado com a vida. Todavia, descobri, através das experiências e através de muitas leituras que o final das coisas é o curso normal. E quando descobri que o curso normal é dá sequência a vida independente das dificuldades. Percebi que tenho que fazer sempre o melhor para ser feliz todos os dias. Embora sabendo que a vida é orgânica e que a felicidade é um estado de espírito e que é necessário certas passagens na vida para que possamos crescer. Com o passar dos anos, aprendi ainda que ser fiel as minhas ideias poderia me levar a onde quis chegar. Apesar de tudo isso, tenho certeza que tudo pode melhorar sempre mais e aprendi que as coisas sempre podem piorar também. Descobri que podemos sempre fazer escolhas, embora cada escolha que fazemos há sempre uma dúvida e que estas dúvidas podem nos trazer angústias, a parte disto, as passagens e transformações podem sempre nos ajudar a sermos pessoas melhores.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Perfume do verão

As murraias florescem
e suas flores alvas
perfumam e embelezam o verão.
Ah, o aroma das flores de murraia
é tão doce e suave...
O perfume das murraias
tem aroma de verão.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Observar a natureza

Às vezes preciso me calar e apenas observar a natureza. Preciso sentir o mundo em minha volta. Muitas vezes é só desta maneira que consigo esta plenamente comigo. Eu preciso olhar para a natureza porque só olhando para a natureza eu consigo me livrar dos meus pensamentos. Tem dias que tenho em minha mente tantos pensamentos que acho que tudo aquilo não cabe em mim. Quantas memórias não guardo dentro de mim. Quantos pensamentos desnecessários. Então quando saio para caminhar e olhar para o mundo. Vou aos poucos vou fragmentando e organizando as minhas pobres ideias emaranhadas em pensamentos. Caminho olhando para as plantas, os animais, para o céu, as rochas e tudo que minha vista consegue alcançar. Muitas vezes eu olho para o nada, de tão emaranhado que estão meus pensamentos. Com paciência e persistência vou  organizando meus pensamentos, transformando-os em ideias. E quando tudo está tão difícil, eu oro, eu leio poesia e vou aos poucos me recompondo. Viver não é fácil, ainda mais quando estamos mais preocupados com o futuro que com presente. É por isso que insisto e sempre que posso paro e observo a natureza.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Através

Da janela no meu quarto posso ver o mundo cheio de vida.
Entre o mundo e o meu quarto fica uma janela.
Através dessa janela vejo tanta coisa bela.
A janela do meu quarto dá para o meu jardim.
Através da janela do meu quarto minha vista
acaricia minhas plantas estejam ela com flores
ou não.
O mudo pode ser mais belo
quando se deseja perceber
suas melhores coisas,
mesmo que seja apenas através de uma janela.

Dolce manhã

A manhã surge fria, úmida e silenciosa.
Hoje até os pássaros permaneceram em silêncio.
Meu quarto pareceu tão aconchegante.
Sob meu cobertor me senti tão protegido
e contente porque não feliz.
Naquele momento tudo estava tão pleno.
Nem queria levantar, mas tive que fazer.
Continuo agora no meu quarto,
só ouço o som das aves que já
despertaram. Vez por outra recordo
uma frase de Borges ou de Pessoa
e me sinto muito feliz.
Sinto-me muito feliz
com meu mundinho,
minhas estranhezas,
E fico grato por essa dolce manhã.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Graça da vida

Vivi cada dia da minha vida.
Vivo cada dia que me é dado.
Todos os dias são plenos,
assim tem que ser.
Tenho lembranças de alguns,
outros, a maior parte, esqueci.
Não se vive de memórias.
Acontece que os dias são sempre
cheios de mistérios, não sabemos o nos espera.
Por isso quando acordo
sinto o calor do meu corpo.
Tento senti o mundo através de todo
o  meu corpo, cada ponto de minha pele.
E assim começo um dia.
Abro a janela do meu quarto,
como quem abre os olhos para o mundo...
E vejo as cores, as formas e vejo o mundo;
e sinto os cheiros; e sinto o tempo.
E em cada dia busco sentir e viver tudo isso.
Procuro ser mais humano
pra quando chegar meu fim,
poder agradecer por ter vivido.

Cheiro da manhã

Gosto do cheiro da manhã. Quando a gente acorda e tudo está estático. A casa vazia, pessoas dormindo. Tudo é paz. E a casa exala um cheiro frio da noite. Enquanto em casa tudo é silêncio no jardim, na rua, as aves cantam contentes. Então quando abro a janela sinto o cheiro do mundo. Os odores da manhã invadem o meu ser. E me sinto leve e feliz.

domingo, 15 de janeiro de 2012

A esperada

Estamos no verão,
como é comum nesta estação,
sempre chove a tarde.
Chuvas que vão desde
uma triste garoa,
a uma eufórico pé d'água.
Chove depois para.
As pássaros fazem uma algazarra
enquanto secam suas penas.
As flores molhadas,
ficam inconsoladas,
feito mulheres com
suas maquiagens borradas.
E as ruas ficam vazias
e lavadas e úmidas.
E  a vida continua
agradável.

sábado, 14 de janeiro de 2012

As larvas da tarde

Serena passa a tarde passa.
Tarde, quase sem luz, fria.
Saio a pedalar e percebo que o mundo está tão parado.
O vento que balança os ramos das árvores,
faz-me senti mais frio.
Parece até que tarde estagnou.
As plantas estão tão escuras
e sombrias.

Uma ou outra ave conta e voa e aparece e some.

As mangueiras exaustas da floração,
descansam estáticas com suas folhas negras.
Agora podem ficar em paz,
sem mangas não há mais ninguém para incomodá-las.
Sob a copa das mangueiras mangas podres exalam
um cheiro ácido adocicado.
As goiabeiras estão muito carregadas
de frutos, essas ninguém as incomoda,
pois suas bagas são devorados,
como cadáveres podres,
internamente por larvas
branca.
Larvas brancas vivas,
devorando a carne branca
do endocarpo das goiabas.
Larvas brancas como o céu,
 tarde esta que se despede.
Tal qual dia de funeral.
Chego em casa sem ânimo,
como qualquer coisa,
vou para meu quarto
e incluso fico como as
larvas da goiaba.
Sem ninguém me incomodar,
ou se dar por minha inútil existência,
assim como as larvas.

Verdade?

A verdade existe? Não sei, creio que não.
Verdade... vamos falar a verdade.
Busquemos a verdade das coisas.
Acho que a verdade é uma ferramenta.
A ferramenta mais poderosa
que se criou.
Criaram a verdade para subordinar,
para ser superior.
A assim sob essa ideia,
as pessoas creem serem
superiores. As pessoas
usam digamos seu conhecimento
sobre a verdade e se dizem
autoridade.
Que ideia perigosa
é a verdade.
Acordo e fico pensando no que devo ou não fazer. Primeiro preciso comer algo, mas tem que ser algo substancioso. Só um pão com manteiga faz mal.
Então depois de tudo engolido, tempos que encarar o mundo,
encarar os malditos substantivos.
Temos que engolir o sucesso dos outros,
porque não somos capazes de darmos
verdade as nossas mentiras.
E passa o dia, enquanto isso, vivemos nossas vidas imaginando
nossa mediocridade, porque temos que inventar nossas próprias verdades,
mas baseado nos outros.
_ Não, esqueça os outros, tendes que pensar em si,
porque cada ser é um projeto único.
Então cuidado,
porque certas verdades
não passam de uma mentira
repetida por muitos.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Rima breve

E caiu uma chuva leve,
chuva boa é assim breve.
Nem deu para molhar
nada. O sol voltou a brilhar,
e o mundo ficou a gotejar,
gotas leves e suaves
como são as tardes.

Desumano

Então o sol apareceu, brilhando com toda a sua força
e o vento se expandiu por todos os lugares. E os
animais se refugiavam sobre as árvores da floresta,
mas e agora que as florestas foram desmatadas
e os animais reduzidos ou extintos. O que restará
do mundo? apenas lixo e mais nada!

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Desordem

Tenho gasto meu tempo pensando em algo que não existe. Pensando como será meu amanhã. Isso chega a tirar o meu sono. Tenho pensado por que escolho isso a aqui? Não sei, as vezes penso que sou louco ou que o  mundo é louco. Sei como regar uma planta sem que me ensinem, mas insisto em tentar regar uma planta da maneira certa. Acho que minhas coisas são muito orgânicas e não funcionam sob a visão da lógica. Sei lá, só sei que no meu jardim as flores teimam e florir, mesmo numa bagunça.

Após a chuva

Hoje, quando o sol apareceu e invadiu o meu quarto, fui até a janela olhar para o mundo. Lá fora tudo parece tão verde e vivo. As aves cantavam felizes.  No céu, o sol brilhava, mas as nuvens ainda apareciam, porém menos densas. As plantas do jardim estavam tão viçosas. Vi que dichorisandra esta com um cacho de flores que logo desabrochará. Como é bom o dia após a chuva.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Flores de jasmim

Flores perfumadas do jasmim
são tão alvas, são tão rosas,
todas doce para mim.

Radiantes como sol
são as flores do jasmim.
Perfumadas, tão perfumadas
são as flores do jasmim.

Um jasmineiro é tão elegante
por suas flores perfumadas,
alvas ou rosas que são todas
belas para mim.

Se sinto a presença do jasmim,
fico todo assim, feliz e radiante.
E viva ao jasmim.

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Só chuva

Choveu o dia todo e ainda chove. O sol sequer apareceu. Ficou naquele chove e para. A tarde até apareceu um pica-pau no meu jardim. Ele comeu manga. Quando fui tirar uma foto, ele voou. E o dia passou sem novidades.

Tarde de verão

Chove sem parar,
choveu pela manhã,
e segue tarde a dentro
chovendo, molhando o mundo.
Alguns sofrem,
outros reclamam,
mas a chuva não houve,
só se derrama
na tarde de verão...

Memórias

Os sentidos me abrem as portas para o mundo. Através dele conheço o mundo e internalizo as ações, através deles me tornei quem sou, embora pudesse ser mais plástico as ações do mundo. Estes mesmos sentidos despertam em mim sensações que podem me levar a reviver as coisas. Acender nossas memórias mais longas e torna-las presente. O som, as cores, textura e forma, o sabor. Vivemos o presente, mas sempre avaliando-o buscando em nossas memórias o que conhecemos e assim assimilamos, cimentamos nossos conhecimentos. Hoje pela manhã, quando abri a janela, chovia, então senti um aroma gostoso de chuva, este invadia o meu ser e despertou tão rápido quanto a luz a lembrança de minha casa mãe. O aroma das folhas e madeira molhadas me levaram longe no lugar e no tempo. Então de imediato vi a fumaça saindo da chaminé, o solo molhado, as gramas e o cheiro da madeira queimando. Percebi que naquela época não acreditava que o tempo não passava, me sentia preso, aquelas sensações não pareciam suficientes para mim. As frutas que degustava, a companhia de toda a família unida, a calma daquele lugar que parecia ser eterno. E hoje quando vou lá, fico perdido em meus sentidos, o tempo voa e é eterno. Hoje sei que  nada é eterno, até porque a experiência e os sentidos me mostram isso. Sou menos sonhador, mas vou buscando no passado, a força para realizar o presente.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Erva viva

Ah, o tempo até pode nos roubar tudo, mas pensando bem o tempo nos ensina tanto. Com o tempo aprendemos a sermos melhores ou piores. Se buscarmos sermos melhores o tempo nos dar essa possibilidade. Tendo em vista que a vida são possibilidades o tempo marca esses compassos e sucessivamente vamos melhorando na arte que escolhemos. E vamos cimentando nossos conhecimento, vamos nos consolidando como pessoas, humanizando-nos. Creio que cada um faz sua escolha, mas a mais humilde das escolhas e a convicção faz-nos felizes. As vezes sou ingrato ao tempo porque ele sempre me leva para a morte, mas enquanto isso, delicio-me da arte dos que souberam driblar o tempo e se imortalizaram. Tais pessoas são os pintores, músicos, poetas, pedreiros... tudo quanto respira e realiza. Alguns não se dão conta, mas passaram seus genes para nós nos educaram e o que seria deste mundo se não fossem as pessoas simples? Para isso temos possibilidades e escolhas de driblarmos o tempo, de sermos ainda melhores. Azar de quem busca o contrário, não creio que ninguém seja o pior, creio que muitos não tem persistência. A mais maltratadas das ervas, mesmo pisada e machucada, opta pela vida e renuncia a morte, se seu destino seja breve morte, mesmo assim cada dia que tem, que vive, é para a vida e não para a morte. Que assim o sejamos.

Gemas apicais

Depois de duas semanas fora, voltei para minha casa que me parece diferente, mas estão tudo igual. Acho que esta tudo igual apenas no meu quarto porque o meu jardim está bem diferente.
Hoje quando acordei, abri o computador e li os jornais  não vi nada de diferente. Senti-me cansado por isso tomei um chá, mesmo assim me senti mole. Abri a janela e nem namorei meu jardim, vi que a dichorisandra estava florida. Então deitei-me, levantei apaguei a luz e dormi um  breve sono que me revigorou como se tivesse dormido a noite toda. Acordei muito bem. Peguei um livro e li dois poemas de Bandeira. Então fui a janela e vi como está belo o meu jardim. Todas as plantas tem as gemas recuperadas, estão muito ramificadas, pois sempre que posso capo as gemas apicais que para elas ficarem mais ramificadas, junto as folhas e colo-as no canteiro só para minhas plantas terem adubo natural, trato sempre de rega-las para ficarem mais bonitas. Cuido das plantas, mas quem cuida de mim? Deus, bem e velho Deus dai-me paciência.
Joguei sementes de favas no meu jardim duas germinaram e crescem lindas. As heliconias e o boldo que plantei já pegaram. Creio que choveu bem aqui também nos últimos dias.
E a vida segue e o ano se inicia.

sábado, 7 de janeiro de 2012

Ameaça

Gostaria muito de caminhar agora a tarde, mas o tempo não me anima.
Nuvens escuras de chuva se aproximam rápido, não quero me molhar.
Será se vai chover? O vento sopra forte e frio.
Não sei se quero que chova ou não.

Mais humano

E o que sei eu do mundo?
Algo físico ou algo metafísico.
Quando criança e muito jovem
era regido pela religião e ética
ensinada pelos meus pais.
Hoje que cresci, sinto que ainda
estou preso as ideias de meu pai,
ao carisma e doçura de minha mãe
que sempre fez tudo para me agradar.
E o meu mundo pouco a pouco
foi criando vida, formas e cores
e foi se revelando cada vez mais
diversos.
E descobrir que podia caminhar
com minhas próprias pernas,
e que aquilo que buscava
no mundo onde nasci,
descobri que as formas,
todas as formas tinham nomes,
palavras que poderiam
serem interpretados por todos.
E foi num dia de sol que descobri
que através das formas
poderia tirar meu sustento.
E me sinto feliz ao saber
que saber o nome das
famílias das flores,
poderiam me alimentar.
E o que sei eu do mundo?
Não sei nada,
pois ainda tenho medo,
medo de não dar certo,
de não ter onde morar,
medo de voltar de onde eu vim,
mas voltar para onde eu vim
seria regressar
ou seria falhar?
Não sei,
sei que conhecer o mundo
não faz maior ou menor,
melhor ou pior,
faz-me ainda mais humano.
Faz-me mais humano viver mais e mais
neste breve mundo.

Sem eco


O tempo não para um segundo sequer. Então vai nos consumindo, nos corroendo e nos ensinando. Que memórias tenho do tempo? Quase todas as minhas memórias foram enterradas no tempo, quase todas, restam algumas impressas em fotografias ou documentos, mas são tão poucas. Há ainda as memórias vivas que aos poucos o tempo vai consumindo, meus parentes, vizinhos e amigos a morte os consome. E eu que sou tão displicente, desaprendi de como conversar. Muitos temas não me interessam mais, só porque parece que estou aqui por uma eternidade. É a falta de memórias provoca isso em nós. E quando vou descobrindo que vivi num mundo de mitos e de crenças tão ingênuo em que muitas coisas fazia sentido a luz do mundo em que vivia, hoje parece que vivi num mundo de adultos crianças. Meus avós eram tão simples, mas suas experiências o davam autoridade para seguirem suas vidas, o mesmo modelo foi seguido por meus pais e tios que aprenderam a viver tudo sozinhos, num mundo de faz de contas. Nesse mundo discussões por nada, orgulho de ego era comum. E quantas pessoas não se aproveitaram de suas ingenuidades ou digamos de sua ignorância. Foi naquele modelo, naquela forma que fui moldado como tijolo que quando barro úmido é moldado em uma forma, depois seca e é cozido e nunca mais volta a ser o mesmo barro, porque o fogo mudou as propriedades do barro. Tenho medo de já ter sido cozido e ter perdido a minha plasticidade. As condições onde eu nasci não eram fáceis e por isso o ter era tão importante por questão de sobrevivência e nessa ilusão várias gerações foram consumidas felizes ou tristes. O tempo as consumiu, sem sequer deixar um eco.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Sol e chuva

No finzinho de tarde chove suavemente em ribeirão,
o sol ainda teima em aparecer formando uma
linda paisagem, um gostoso contraste entre
a chuva e a luz do sol.
E só de imaginar o calor que estava,
só de sentir a gostosa brisa.
Que felicidade!

Breve ilusão

Guardei tudo,
tudo do ano que passou,
em um porão,
procurei deixar minha mente vazia.
Pensei em tanta coisa...
Então refleti o absurdo,
que escrevi, guardar tudo,
mas que tudo,
tudo meu que só preenche a minha imaginação...
Tudo isto não passa de uma breve ilusão.

Horizonte

Olho para o céu como quem olha para o mar e tudo que vejo é um horizonte distante. Pessoa disse que somos do tamanho do que vemos. Se for verdade sou muito grande porque adoro olhar para o céu a qualquer hora, adoro olhar a linha do horizonte no mar. Talvez não por ser grande é que goste de olhar para o horizonte, mas porque sei que sou tão pequeno, tão ínfimo que ador olhar para longe e imaginar o que poderia encontrar, algo que me tornasse imortal. Olhar para o longe faz bem a minha alma, pois parece que ela sente falta de onde veio do mundo. E olho para o céu, para as nuvens, para o nada, simplesmente imagens do nada do horizonte.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Limões

Quantas vezes penso coisas que me deixam indignado. Às vezes quando saio e percebo o quanto as pessoas precisam se tornar civilizadas. A educação resolveria isso? É muito saliente o desrespeito pelo qual somos pressionados a conviver. Atitudes que vão desde as mais medíocres como furar uma fila, jogar lixo pela janela do carro ou do ônibus, lavar a calçada com jato de água, ouvir o som do carro nas alturas até violência verbal e física no trânsito, assalto ou até mesmo assassinato. E por que esses fatos ainda nos deixam indignados? se são tão trivial onde moramos, além disso temos uma mídia sedenta que necessita ganhar dinheiro, e publicar, mesmo que sejam fatos irreais, quanto mais sensacionalismo melhor. E ainda tem as novelas, e os programas comentando as novelas, uma coivara que se tocar fogo nem cinza produz, vai tudo pelos ares. Creio que o Brasil nunca cresceu tanto, mas ao mesmo tempo, nunca o outro invadiu tanto o espaço alheio. As pessoas pensam que só  por terem poder de aquisição podem desrespeitar os outros, creem que só porque pode comprar, gastar podem invadir o espaço alheio. Indigna-me saber que a Justiça serve apenas para proteger o capital dos ricos. A merda é que hoje nem isso acontece, pois existem ladrões que são eleito pelo povo para surrupiar nossos bens. E o que acontece com os recursos arrecadados que deveria ser investido em diversas coisas na sociedade? Vão parar nos bolsos dos ricos. E como ficamos? Com a cara de ignorantes, sem saber o que fazer. E nós pobres mortais que reclamamos dos ladrões de colarinho, cortamos a fila do banco, jogamos lixo pela janela... porque achamos que podemos! Ah, quando vamos tomar consciência. Será se um dia essas coisas não acontecerão. Não creio, mas se só temos limões, que podemos fazer, tomar limoada azeda.

Imaginação

Não sei voar, nem mesmo a baixas altitudes, mas as vezes algumas coisas me roubam a atenção e emocionam-me e fazem com que voe as altas altitudes, talvez o lugar onde Nietzsche dizia está os ares mais puros. Fisicamente não seria possível acontecer, mas no universo mental, tudo é possível e é através dele que consigo atingir tais alturas. Não faz muito tempo, quando não era tão envolvido por esse mundo capitalista, eu conseguia passar longos instantes olhando para as nuvens e vendo coisas mais lindas e bizarras. E consegui viajar na imaginação, mas a nova vida adotada me arrebatou daquele mundo, só restaram resquícios. Tomaram meu tempo! Acho que aprendia com maior facilidade naquele tempo. Hoje, muitos males me importunam, problemas como onde vou morar, como vou me virar, bem é acho que o  mundo se expandiu,  não é só doces e brinquedos que me fazem feliz. Talvez esteja sendo muito saudosista, mas meu intuito é refletir um pouco, voltar mais para o meu mundo de faz de conta quem sabe assim seja ainda mais feliz.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Chuva na tarde de Ribeirão

Chove em Ribeirão,
chove enquanto o sol brilha,
chove na tarde de sol,
e a água da chuva vai lavando as ruas,
vai roubando o calor
pelo sol doado,
as plantas se movem
ao sopro do vento,
felizes
e a tarde vai ficando mais amena,
mais gostosa.

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Nada nos define

O que nos define? A matéria e sua forma, nosso comportamento, tudo que aprendemos. Afinal que ou quem somos? Talvez sejamos um pouco de cada coisa que vivemos. Certo dia um amigo me falou que somos o que absorvemos do outro. É somos tão complexos física, química e psicologicamente pensando que seria impossível nos definirmos. Todavia acho que somos como a água cheio de formas, sem limites. Somos como tudo na natureza, tudo na vida. Somos tudo e nada dependendo dos nossos humores. Nem sempre que ouço uma poesia, uma música tenho harmonia, embora estes estímulos desencadeie muitas lembranças. Acho que somos muito natureza, somos como a brisa sem destinho, somos como o sol claro e quente, como a lua fria e serena, como o mar que se quebra e se deita na praia, somo como as florestas esplendidas, mas podemos ser como covil de raposas escuros, fétidos e traiçoeiros. Nada nos define.