quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Vazio

Olho para o mundo nesta tarde,
vejo o céu azul, as plantas verdes,
sinto um calor intenso que arde.
O vento sopra lá fora,
as folhas ficam balançando,
parecem estarem mandando
o sol ir embora junto da tarde.
Tudo está tão calmo,
tão quieto, parecem repeitar
o fim do ano. Quando
as tardes são tão vazias
quanto as ruas de Barão.

Iniciar

Assim os últimos dia do ano estão acabando, assim também estão acabando as últimas flores de acácia do meu jardim, restarão apenas frutos e folhas. E assim como o ano inicia, todo o ciclo da minha acácia começa novamente e assim segue a vida.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Tempo

O tempo acende a apaga tudo.
O tempo não existe,
as coisas que existem,
e seu espaço de existência
dita o que é tempo.
As vezes há um vazio de tudo dentro
de nós,
Até as ideias perdem a substância,
e nada faz sentido
na ausência de um sonho.
As cores do amanhã
perdem a graça sem a esperança,
mas quem dita as esperanças?
Tudo inexiste,
na ausência de sentido,
na ausência deste espaço
chamado tempo.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Sol nascer

E quando amanhecer,
quando o sol cruzar a linha
do horizonte,
quando fizer despertar as flores,
quero está bem acordado,
pra poder sentir
ser abraçado
pelo sol que tanto viaja,
que tanto desperta.
E quando amanhecer,
sei que algo vai acontecer,
espero que seja algo de bom.
Porque já basta
que acontece na vida
antes do sol nascer.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Morte

Eis que o destino a todos chegam.
Chega o dia em que a vida para,
e o calor que circula em nossas veias
estanga e os músculos guardados
no peito já não pulsam e não fazem pulsar.
Já não se sente o cheiro da flor,
nem se ver suas cores.
Neste dia tudo vivo que nos ama
se entristece, eis que não morremos
apenas nos encantamos.

Horizonte

Sempre que pude fui a praia
foi lá contemplar o mar,
gosto de ver a linha do horizonte,
gosto de imaginar
que indo lá eu consigo
ver o muito além da minha visão.
Sei que não vejo tão
longe quanto vejo numa noite de luar,
mas ao menos estou olhando
para o horizonte
como que encara um olhar.
Gosto muito de ver o mar,
gosto de ouvir o ser cantar,
e ver as ondas quebrarem na praia,
gosto de sentir o cheiro
da maresia, aroma que vem da áfrica ou sabe lá de onde.
O fato é que existe algo além
da linha do mar,
algo que me faz viajar.
Sempre me amarei na praia,
mesmo sem saber surfar.
No mar posso viajar vivo
em minha consciência.

Tempo e o vento

O tempo e o vento
mudam o curso das coisas.
Assanham as águas e
banham as praias.
As flores tira-lhes as cores,
e roubam seus odores.
As aves permitem fazer seu ninho
e cantar desde pequenininho.
Eles até despetalaram
as flores da acácia.
Conseguiram dar vida
ao meu jardim
que só tem planta
e nenhuma lesma.
O tempo e o vento
seguem sempre em frente
sem nunca voltarem-se para trás.
Acho que temos que ser
como o tempo e o vento.

domingo, 18 de dezembro de 2011

Tarde de domingo

Uma leve chuva cai sobre a tarde de domingo.
Tudo está quieto, nada além da água
se move na rua.
É tarde de domingo, tarde de fim de ano,
nem dar vontade de trabalhar,
não dar vontade de fazer nada.
Só ficar aguardando o novo ano chegar.
O que passou é passado.
Água que caiu do céu demora voltar
pra lá...
E a chuva continua a gotejar a tarde de domingo.

E nada mais.

A brisa sopra lentamente
fazendo os ramos das árvores
se mover, mexe no espelho das
águas do rio, faz as flores balançar.
Enquanto o sol se esconde atrás
das nuvens.
Enquanto isso minha alma
foge do meu corpo,
minha alma monta essa brisa.
Não sei onde estou,
mas a sensação é semelhante
a caminhar sobre as águas,
tão deliciosa quanto desfrutar
do aroma de tilia,
ou divagar no tempo
contemplando algo
bom que nos construímos.
E a brisa continua soprando,
enquanto continuo sonhando,
pois só no mundo dos sonhos,
sou perfeito, sou pleno
e feliz.
Só sobre as ondas da brisa,
pois a realidade é dura,
é cruel é infiel a nossas
idéias.
Então contemplo
as flores, pois sei que
sua existência é plena
e nada mais.

Graças

Demos graças todos os dias.
Graças pela luz do sol,
pela água da chuva,
pela fertilidade dos solos,
pelo verde das matas,
pelo perfume, as cores
e a beleza das flores.
Demos graças por todas
as manhãs que nos são concebidas.
Tudo isso temos de graça.
Tudo isso a que ou a quem devemos,
nem posso imaginar,
só sei que ah,
a vida passa tão depressa,
e nem temos a graça
dever quão bela é a natureza.
Quão generosa é a vida
e tudo nos dado de graça

O Vento

O vento quando sopra
segue sempre uma direção.
O vento não tem intenção,
mas rouba o perfume das flores
e distribui entre os amores.
Beija a flor proibida sem nenhum pudor.
Acho que o vento
é mesmo um serviçal
de erus.
Será?
Sei lá.
Só sei que ele vai mundo a fora,
mal chega já vai embora.
Porque o vento não tem limites,
não tem fronteiras,
não marca as horas,
não escolhe o lugar,
Simplesmente vai mundo afora.
mal chega vai embora.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Meio

E quando passou meio dia,
quando o sol já passava
para o poente e a tarde
chegava tão bela,
O sol brilhava tão intenso.
No meu jardim
a acácia e a alamanda
refletiam a amarelo,
o dia era tão belo.
Vez por outra lufadas
de vento refrescavam o calor.
As aves cantavam e
se alimentavam felizes.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Atravessar

A manhã chegou faz tempo, mas  o sol não apareceu. Hoje é mais um dia daqueles que pra mim é perfeito. Manhã nublada, muito úmida, uma maravilha para ficar na cama, mas como não tenho esse hábito, além do mais é quinta-feira, não posso me dar o luxo. Então acordei bem cedo, preparei o meu chá, vasculhei na internet as notícias que queria ler. Selecionei algumas que achei serem boas para serem compartilhadas. Então como sempre faço fui a janela olhar o mundo. Olho para o céu nublado, as plantas de meu jardim. Não tem como não ficar namorando a minha linda acácia. Está perdendo as flores e ganhando folhas. A maior parte das flores são abortadas, mas muitas foram fecundadas. Logo os frutos aparecerão. Muitas coisas acontecerão até lá. Mas essa manhã, ai que delícia, tenho que contempla-la por ser tão gostosa, fria e silenciosa. Uma das certezas que tenho é que o que me resta na vida são os momentos do presente, o instante em que vivo o resto é passado não me pertence mais ou futuro algo que não atingi. Todavia posso sentir e viver as coisas. Posso guardar em minha mente tudo que penso ter e isso inclui essa manhã que caminha feito idoso, para seu fim. Então vejo as folhas das plantas do meu jardim surgirem uma a uma, bem devagar e vão aparecendo e se fazendo firmes e fortes, mas na medida do tempo, usando tudo que é necessário gastar para serem forte. Ah que delícia é essa suave manhã.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Chuva da tarde

Quando a chuva veio,
já era tarde,
o sol esfriou,
e a tarde não mais apareceu,
a tarde partiu com a chuva
que lavou o mundo,
as ruas e regou
o meu pequeno jardim.

Tornar-se

Nossos mundos são tão subjetivos e peculiares que as vezes é impossível entender as ações do outro. Aprendemos a ver o mundo de maneiras completamente diversas e é através destas que vamos nos construindo como ser. Temos as opções mas somos nos que decidimos o modo como fazemos isso.
Por vezes achamos muitas vezes no direito de fazer tudo que quisermos, no entanto, por esse pensamento
acabamos invadindo o espaço do outro. E se nos pegamos no erro muitas vezes age em no um ataque de cólera que nos impede de refletir, de racionalizar nossas atitudes. Creio que fatores químicos e físicos atuam em nós. É  nessa peleja que passamos pelas fases da vida. As vezes aprendemos muito, outras vezes não assimilamos nada. Não justifica os erros, no entanto é um adendo para uma reflexão sobre a natureza humana.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Formas e cores

Eis que amanheço com o sol,
minha alma fica cheia
quando abro a janela
e percebo o mundo.
Quando percebo
que a luz do sol dar
cor e forma as coisa.
Quando percebo que a minha
acácia ainda tem folhas velhas,
ainda tem flores, mas estas
vão continuamente sendo
substituída por folhas
nova. As vezes me sinto
como a Acacia,
meu cão fica amarelo de pétalas,
mas é necessário
se não como terei frutos,
como vou amanhecer?

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Hoje

Hoje,
Hoje quando acordei,
vi o sol nascer,
vi o dia passar,
vi a noite chegar,
mas não imaginava
que viria a lua
bela e plena no ar,
ela chegou tão bela,
toda nua,
ah, que delícia ver a lua,
o céu azul,
ver a vida passar,
pois não sei
qual será a hora que esta
vai me faltar.
Sempre me emociona
a lua,
a vida...
Tudo passa
e hoje já passou,
levo em mim
tudo que vivi
que senti,
e amanhã
será um novo dia
espero ter sempre a esperança,
de poder viver
e poder ver
mais e mais a lua,
o hoje...

Conhecer

Algumas coisas me enchem de emoção,
disso tenho certeza,
coisas que me fazem fugir do mundo físico.
Creio que é algo sobre natural.
Creio ser algo tão subjetivo
que cada um sente isso,
é algo muito peculiar.
Quando descobrimos
e sentimos isso que nos enche
de alegria, nesse momento somos felizes.
É como se fosse uma chave,
um hormônio que desencadeia
em nós algo sobrenatural.
Algo que nos arremete a outro mundo,
o que será isso?
Não sei, realmente não sei,
no entanto sei que cada dia
que passa em minha vou me descobrindo
mais e mais.

Espelho do céu

Esta noite o céu está tão limpo,
parece até que foi polido.
Um azul marinho tão gostoso de ser
apreciado, este azul
tingido pela fraca luz
da lua.
Estrelas piscam sem parar,
tudo é silêncio
logo a noite será dia,
logo a noite vai passar,
vou beber do brilho das
estrelas e do azul
nu do céu.
Vou tragar o aroma
das flores noturnas
e então, ébrio dormir
com os meus sonhos
mais absurdos,
neste momento sei
e me sinto pleno e feliz.

Manhã

O sol dourado pintou a manhã
com todas as cores.
As aves encheram de vida
as plantas e os jardins.
A sabiá veio cantar no meu jardim,
trouxe seu filhote,
que anda de pinote,
quase toda manhã é assim.

domingo, 11 de dezembro de 2011

As coisas

Tantas coisas posso pensar sobre a vida. Coisas boas ou ruins. Posso filtrar muitas destas, mas  não posso me livrar de vive-las. Afinal tudo faz parte da vida,  ou melhor a vida é o todo e não partes. Quem seria eu se só conhecesse as coisas boas e desconhecesse as coisas ruins? Mas o fato é que muitas pessoas tiveram a sorte ou azar de viver só as coisas boas. Desculpe pelo substantivo coisas, mas entendo e muitos entendem então opto pelo que mais pessoas entendam, os que não gostarem nem leiam. Enfim, muitas coisas acontecem em nossa vida e não temos domínios sobre ela. Por exemplos, não escolhemos nascer, nossos pais ou as condições que nos e dada quando nascemos. Tive a sorte de nascer e crescer num sítio, você pode esta pensando é ele teve sorte, ao mesmo tempo outra pessoa pode dizer tive a sorte de nascer numa cidade grande, mas todos somos unanimes que nascer com o mínimo de conforto é o básico, no entanto, há pessoas que nem essa teve essa sorte. Foram jogadas no mundo, tiveram apenas o ato de nascer e depois foram abandonadas nas ruas. Feito animais necessitam buscar o que comer. 
Bem quantas coisas poderia escrever, mas não sei o que escrever, porque muitas vezes as coisas querem ser escritas, as vezes as ideias elas criam vida na cabeça da gente feito berne vai nos consumindo por dentro.
E então quando vou fazer um texto as ideias tomam conta de mim e querem sair, ganhar substância, se materializar. Algumas coisas me revoltam, as coisas ruins por exemplo as vezes são tão fortes que me deixam triste.
E muitas vezes as pessoas tentam explica-las usando astrologia, coisas ocultas, outras vezes acham que a fé vai nos livrar. Sei lá, somos todos malucos e pensamos tantas besteiras na vida. Não pensamos em nada substancioso.
Na verdade estamos sempre tentando explicar o inexplicado. Viver é tudo e nada ao mesmo tempo, essa relativização é uma merda, mas a vida é autônoma, cada um faz o que quer da sua, mas aceite as consequências.
Acho que perco meu tempo pensando nessas coisas. As malditas coisas "boas" ou "ruins".

sábado, 10 de dezembro de 2011

Chuva

A chuva que caiu pela manhã
invadiu o meu ser, entranhou
em minha alma.
Foi muito gostoso
sentir o seu aroma
e seu frio a me acalentar.
A chuva caiu pela manhã.
Molhou folhas e flores da acácia.
Perfumou o meu jardim.
E depois passou,
mas deixou minha alma
docemente calma.


Senti

E quando a tarde caiu,
quando a noite quase
chegava.
A natureza em silêncio
me calou.
Olhei para o céu,
olhei para dentro de mim,
Me senti pequeno,
e olhei para a tarde,
e olhei para mim.
E a tarde partiu
e a noite chegou
silenciosa feito brisa.
E eu senti a noite
e eu senti a vida.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Sentir

A tarde toda é silêncio.
As rua esta vazia e fria,
ainda molhada da chuva.
As aves gorjeiam.
Eu não sei, parece até que
morri.
Todo o meu ser é silêncio,
as vezes desilusão,
nenhum verso ou poesia.
Eu olho para o mundo
belo e colorido, sinto-me
escuro, taciturno,
macambuzio.

Canta chuva

E amanhã chega, mas o sol não aparece, pois a chuva chegou antes e não deixou que ele aparecesse. Agora chove sob uma luz fraca da manhã. Chove uma chuva doce. A chuva canta biqueiras  e calha abaixo. A acacia amarela fica toda bela molhada. 

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Medo

O quarto parece vazio,
o dia parece longo e vazio,
de repente tudo parece tão frio.
De repente sinto um vazio
em meu peito,
chego a ter arrepio.
Tenho um medo,
nem tenho uma praia
para caminhar,
nem tenho o mar para me salgar...
De repente tudo ficou sem sentido,
que me dar até medo.

Tarde e chuva

A tarde chegou e já está partindo,
mas antes dela parti veio a chuva
que molhou as árvores, os arbustos
e as ervas. Molhou também as frutas,
os sanhaçus são exigentes
não comem manga molhada.
O chão do meu jardim
ficou todo assim,
amarelo com as pétalas
da acacia.
Depois a chuva partiu
e as árvores ficaram gotejando.
E eu não sei o que fiquei esperando.

Feriado

O que esperamos num dia santo?
Que o dia passe, que o tédio passe,
que a chuva não venha.
Não sei o que fazer,
não sei o que  não fazer,
por isso fico no limbo que é a internet,
nada tenho pra esperar,
só sei que o tempo passa!
Logo será natal...

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Passagem

A tarde segue lentamente,
segue muito quente.
A manhã passou num
abrir e fechar de olhos,
os dias passam,
a vida passa
como o vento,
como o tempo.

domingo, 4 de dezembro de 2011

Ondas

As ondas se quebram na praia.
As ondas vindas do oceano,
do azul oceano.
Espumam e quebram na praia.
A existência tudo proporciona.

sábado, 3 de dezembro de 2011

Linha da vida

Desfia a linha da vida. Passo a passo chegamos a lugar algum.
Vamos cegos como gado em direção ao fim.
Ainda bem que não sabemos nem quando nem onde.
Sabemos que seguímos sempre nesta direção.
Então inventamos os sonhos,
as poesias, a arte e aprendemos a tentar viver
melhor cada dia que vivemos. As vezes cheios de
esperanças, as vezes desiludidos.
Nossos humores mudam como as mares.
E seguimos vida afora,
porque pensar na morte é morrer.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Caracol

E a noite nada ouço.
Tudo é silêncio.
Apenas as estrelas
piscam, vezes por outra
sopra o vento.
As vezes canta um grilo.
E na noite posso me ouvir.
E o que escuto
é só as batidas
do meu coração,
minha mente ecoa
o vazio
que cabe na concha
de um caracol.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

A bromélia abandonada

Hoje adotei uma bromélia,
achei-a numa esquina,
estava até amarela,
parecia não ter seiva,
mesmo assim é tão bela.
Trouxe-a para o meu jardim,
e plantei-a bem em frente
a minha janela.
Ela ficou tão bela.
No fim da tarde
veio a chuva e a banhou.
Como uma mãe
banha seu filho.
Espero que agora
ela ganhe uma nova cor
e fique mais bela
que gado gordo.
Hoje não deu,
adotei uma bromélia.

Relógio louco

E o tempo passa devagar,
os ramos das árvores
balançam de lá pra cá.
O sol sorrateiro vai
passando junto,
mas o sol seria o tempo?
ou uma medida do tempo.
Seria muito engraçado
medir o tempo pelo vento,
pelo canto das aves.
Talvez menos rotineiro.
Talvez mais verdadeiro.