sábado, 29 de outubro de 2011

Neomarica




Flores lilás e candidas
Neomarica candida
Neomarica cerulea
Que belo é nosso jardim,
flores belas,
coloridas,
simétricas
flores de neomárica,
pra mim,
pra quem passa,
e é de graça,
neomárica...
são tão belas para mim.

Acácia amanhece

É muito bom acordar e ser abraçado pela manhã com seu hálito fresco, cheio de odores.
É bom ainda acordar e ver o sol sorrindo, afogando o mundo em luz, e este semelhante
ao girassol com sua coroa de luz, laranja nos rouba atenção. E então vem as aves
e cantam no meu jardim. Um casal de pombas namoram na sibipiruna, é até
engraçado. No meu jardim as plantas crescem desapercebida e aos poucos
a acácia vai se enfeitando com seus racemos amarelos e se torna maravilhosa,
feito uma poesia de Pessoa.

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Crescer

"The Infant Samuel," by Sir Joshua Reynolds, 1776 (The National Gallery, London)

Todas as crenças que temos por verdade, ruem a cada dia. Toda a minha fé que me movia, me tornava mais forte foi reduzida ao empírismo ou ao racionalismo. Acreditava que Deus estava no céu, mas ai vieram os físicos, matemáticos astrônomos mostraram que céu só havia galáxias e estrelas, sem nenhuma presença de Deus. Acreditava ainda que Deus me ouvia sempre que orava e atendia aos meus desejos, no entanto vieram os cientistas políticos e disseram que Deus não é injusto, ao atender o meu pedido, não seria justo com o outro. E o mundo foi descortinando meus pensamentos, minhas esperanças, Deus era um personagem importante na minha vida. Ao longo de minha vida sempre quis saber o que tinha por trás das coisas. E muitas vezes era empirista, reducionista, não sabia sobre o conceito de substância é aquilo que está por trás, nem entendida nada sobre o princípio de organização, não sabia nada sobre átomo, molécula ou qualquer conceito de matéria. Sendo, assim, tentava compreender a essência das coisas, só sei que dissecava frutos, desmontava objeto, mas nunca encontrei nenhuma essência. Não sabia química, biologia, física, mesmo assim tentava entender o mecanismo da vida, das coisas o princípio da vitalidade. Porém compreendi que minha vida é também faz parte dessa matéria é é composta por essa substância, no entanto  não tem como me dissecar, ou reduzir-me, descobri que apesar de sermos todos compostos da mesma matéria, somos todos diferentes, temos habilidades, comportamentos e crenças diferentes. E com o passar do tempo vim a descobrir que nada faz sentido no mundo, nas coisas em lugar nenhum. Somos nós que criamos as coisas, damos sentido e valores, pois sem nós nada faz sentido, existe por ter existência. Nem tudo é exato, nem tudo é errado, crescemos, mas ao crescer, enche-nos nossa cabeça de sentimentos,
de medos, desilusões, de maneira que já não nos basta apenas ilusões. Resta-nos reconfortar com o bom que podemos viver e lutar contra o que nos faz morrer.

Manuel de Barros

Manuel,
Manuel de Barros
suas poesias tem tanta alegria,
vida e metafísica.
Manuel ainda bem
que voce nasceu,
sem voce minha vida
teria menos poesia,
sem voce,
teria um olho cego,
mas ainda bem que me ensina a ver
a beleza da vida,
da natureza
e do mundo.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Oculto

Amanhã vai ser outro dia,
e quando amanhecer,
o sol vai brilhar,
as aves vão cantar,
as flores vão abrir,
alguém vai dormir,
alguém vai trabalhar,
Amanhã quando amanhecer
alguém vai nascer,
alguém vai morrer.
Amanhã vai ser o dia mais importante
da vida de alguém,
alguém vai viajar,
alguém vai se encontrar.
Amanhã, certamente, vai existir,
independente de todos nós
que não sabemos,
mas somos todos
ocultos, somos todos
perdido neste mundo,
acreditando que somos melhores
que os outros,
que merecemos mais,
que trabalhamos mais,
e nunca paramos para
pensar no amanhã,
porque não nos interessa o amanhã,
não nos interessa o presente,
o que nos interessa é a certeza
de que somos especiais
para alguém,
e nunca sabemos que somos especiais
para nós mesmos,
por isso,
passamos a vida ocultos,
sem saber o que vem no amanhecer.

Oculta


No lago tranquilo nadam
as aves,
ou seria no rio tranquilo 
que nadam as aves?
Enquanto a vida no lago ou no rio segue
a parte.
uma senhora de chapéu mira no horizonte além do lago,
bem próximo da li um homem de chapéu observa-a,
mais distante um homem de terno observa o que acontece.
A mulher está imersa em seus pensamentos,
enquanto trança suas ideias,
olha o horizonte,
olha as aves,
seria uma transeunte ou virá sempre ali?
a grade com curvas barrocas servem de suporte para
a senhora que sente de tocar algo sólido,
sente necessidade de sentir que esta viva.
E tudo se passa
sem que ela perceba
que é a única oculta naquele lugar.

As aves e as frutas

Certamente, as aves não sente sabor,
não sei, talvez, ao que parece
sim, pois preferem sempre as frutas
mais madura, que são aquelas mais
saborosas, ou percebem a cor,
ou sentem o cheiro, mas isso não me interessa.
O que me interessa
é que me sinto muito bem
em alimentar os sanhaçus,
e vê-los degustando
a manga ou a banana madura.
Dá-me o mesmo ou mais prazer
que estivesse saboreá-la,
certamente, não estaria
mais feliz do que me sinto
que quando os vejo
pousarem sobre o muro,
a sombra da acácia
 e comerem de naco em naco
toda a fruta,
e depois voam
para os galhos da acácia
e cantam numa alegria
que parecem me agradecer,
e me sinto tão feliz,
certamente. mais feliz que tivesse
deliciado daquelas frutas.
As aves são tão generosas,
cantam sem cobrar nada,
numa alegria, numa sintonia,
que me fazem feliz
a cada instante
que vem e que vão.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Que sou?

O que me constitui?
A água que bebo,
a comida que ingiro,
as imagens que vejo,
os sons que ouço,
o cheiro que sinto,
o calor ou o frio.

Tudo em é processado,
interpretado e transformado,
e quando não absorvido é excretado.

Sou o que sou,
o que projeto,
e que busco ser,
mas afinal o que faz
de mim ser quem sou?

Seria o acaso.

Por que paro para ver o céu estrelado,
sentir o aroma das flores,
ver as crianças brincando,
suponho que veja beleza.

Por acaso vou construindo
que vou me tornando.

Vou seguindo minha vida
com meus dramas,
as vezes minha mente crer está a beira de uma tragédia,
mas são coisas minhas.

Nada explica que eu sou,
porque sou o que sou
e o que é, simplesmente é.

Sou eu quem filtro as minhas
verdades e muitas vezes
por não usar as três peneiras
de Aristóteles,
uso uma máscara que não é minha.

Sou matéria,
energia
e a existência
a prenúncio de minha essência.

Cheiro de flor

A rua está bem perfumada,
afinal o jasmim está florido
a todo vapor com suas
alvas cores e  a magnólia
a toda potência, como é
gostoso acordar e sentir
o doce cheiro de flor.

Jardim

Após a chuva da noite,
a manhã chega tão fresca,
o jardim úmido exala o cheiro
de folha molhada,
as plantas crescem viçosas.
A brisa traz o aroma
das flores de magnólia
do outro lado da rua
e perfumam meu quarto,
os sanhaçus canta
numa felicidade.
A acácia está tão bonita,
perdeu todas as folhas
só para mostrar a beleza
de suas inflorescências
longas, amarelas,
ah, esse aroma de jardim,
aroma da manhã,
são tão doces para mim.

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Tarde fresca

Na tarde quente a chuva caiu
e logo a tarde esfriou.
As águas correram pelas ruas,
levando as folhas secas.
As flores salpicadas de pingos de água,
as aves voam em busca do doce fruto,
e a tarde passa, suave,
fria, fresca.

Petivéria

A Petivéria do meu jardim está soltando um cacho de flor, ela é tão verde. É linda minha Phytolacaceae que está florindo, parece está sorrindo. 

Estado

Canta sabiá,
perfuma magnólia,
claria sol,
pois as coisas
são tão momentâneas,
por isso,
o sabiá sabe e canta,
a magnólia perfuma,
e o sol brilha...

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Saudades

Levo em minha mente imagens de pessoas e lugares maravilhosos, de doces risos, de belas flores. Carrego ainda, muitas saudades dos meus parentes e amigos que partiram e numa viagem sem volta. Pessoas que compartilharam comigo suas alegrias, suas tristezas, seus problemas, mas que me deram o que havia de melhor que podiam me dar a amizade. E de vez em quando consigo resgatar da memória essas imagens, o resgate vem a partir de situações que revivo, em aromas que sinto, em formas e cores, em gesto ou o simples contemplar de uma paisagem. Uma dessas pérolas com quem eu e meus amigos pudemos conviver e compartilhar bons momentos, mesmo que simples momentos, mas muito bons, tudo isso na época em que eramos residentes da moradia estudantil, e dividíamos os mesmos ambientes o mesmo prédio. Seu nome era Taneberge Albano, fazia psicologia, era uma das pessoas boas e religiosas que conheci, tinha a voz suave como o vento ecoando num vale, a rizada engraçada, enfim era uma pessoa super educada.  E uma coisa das coisas que costumávamos fazer era tirar um tempinho para conversar. Geralmente, sentávamos no pátio da residência, onde tinha vários bancos de cimento, a noite e enquanto mirava as estrelas, os planetas, ou simplesmente observava as formigas trabalhando, o papo ia sendo tecido como quem tricota e ver teve. E eu como sempre, sem noção, falava mais do que devia e assim arrancava risos dos amigos e ria com as safadezas dos outros. Naquela época, tinha amigos para conversar, e mesmo tendo o que fazer tirava um tempinho para ser amigo e  ter os amigos, e foi uma época muito difícil, mas muito boa. Foi neste período que conquistei os meus amigos. Todavia, esse meu amigo, quando que iria viajar para uma nova cidade, resolveu ir pra praia comemorar, e foi com o pessoal da igreja tomar banho de mar, e infelizmente o mar tragou-lhes o que mais raro ele tinha, sua vida. Choramos muito, ficamos muito triste, no entanto, restaram boas lembranças, as boas intenções. E as vezes quando estou só, em silêncio, lembro da algazarra que era conversar, não se sentir só.

Flor

As flores são tão efêmeras.
Algumas plantas só florescem uma vez na vida,
outras florescem diversas vezes no ano.
As flores são atraentes
por suas formas, cores e odores.
Algumas flores são tão inconspícuas,
e outras tão perceptíveis.
Algumas flores são tubulares,
outras são petalóides.
Podemos elencar tantas coisas
sobre as flores,
mas o que é uma flor para mim?
O que é uma flor para ti?
Uma flor tem significado
subjetivo, pois cada um
tem lembranças peculiares
com as flore e seus adjetivos.

domingo, 23 de outubro de 2011

Jacaranda

As ruas estão todas vazias, quase nenhum carro passa. É bom caminhar nas tardes de domingo, pois é quando as pessoas estão fadigadas dentro de casa, depois de um farto almoço, as pessoas querem mais é curtir a suas preguiças. Aproveito para caminhar um pouco,  ver o mundo fora do meu quarto. Saio e volto sem falar com  ninguém, não por ser misantropo é que não tenho mesmo com quem falar. As vezes ligo para os amigos que moram longe. E saio na minha bicicleta pedalando, oras aproveitando as decidas e quando aparecem as subidas aproveito para caminhar, e pensar, e contemplar. Contemplo as plantas floridas oras ervas, oras arbustos e oras árvores. Agora por exemplo contemplo as jacarandas, suas flores azuis são tão lindas quando estão floridas. As vezes encontro plantas com flores perfumadas, agora por exemplo, encontro as magnólias e os jasmins. E vou assim passando o meu tempo contemplando. Hoje, quando saia de casa, o céu estava cheio de nuvens, não chegava a ser um céu nublado, estava gostoso. E num certo lugar do percurso fui arrebatado por uma paisagem linda. Aquele céu com nuvens e feixes de luz fugindo das nuvens e formando uma cortina de luz me deixou estático por alguns minutos e ao mesmo tempo pude ouvir as aves cantando, os vagos carros passando, um ou outro transeunte. Fiquei ali parado contemplando. Quantas belezas há na natureza que nos deixa feliz até mesmo numa tarde de domingo.

Graça da manhã


Hoje, acordei mais tarde, que de costume, é domingo, mas mesmo assim os passarinhos já faziam algazarra. Abri a janela e logo meu quarto foi inundado pela da luz da manhã. Então fiquei ali, parado, bebendo da paisagem, que invadia minha vista modificando o meu ser, olhando para o mundo. O céu todo azul, a plantas  verdes com seus caules escuros, para os muros brancos, as folhas secas pelo chão. Enquanto, meu ser foi se afogando no doce aroma das flores de magnólia. E esse era o perfume do mundo e esse era perfume da manhã. E esse era o meu universo, mais uni que verso. Me anima o canto das aves, parece tão feliz. Por isso pus frutas sobre o muro, só pra ver as aves virem e irem cantarem felizes, quem sabe não sou inundado por essas aves. A brisa da manhã passa sua e agita os galhos das árvores parece até da vida. Uma rolinha se coça enquanto está pousada sobre o fio da eletricidade. Cães latem longe. Hum é tão bom.

sábado, 22 de outubro de 2011

Foge

A noite se encerra,
começa o dia,
vaga poesia,
a noite se vai,
o dia se vem,
logo será domingo,
logo será amanhã,
em poucos minutos
o tempo vira,
tudo gira,
e passa...
e foge...
é tempo

Desperta magnólia


As vezes, olho para o as coisas, para o mundo e não presto atenção nos detalhes, nem a nada. Talvez, esteja buscando fora de mim, além da linha de minha visão o que não encontro dentro de mim. Não sei, nem todas formas me encantam, nem todas as cores, nem todos os movimentos nada. As vezes sou eu mesmo. Mas hoje, hoje cedo senti um doce cheiro, era o perfume da magnólia, já sabia! foi lá fora só para conferi e vi ela toda florida. Tive uma manhã toda perfumada.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Noite perdida

A noite caiu escura,
quantas vezes a noite cai,
quantas vezes vem e vai,
e tu não reparas nas estrelas,
não reparas na lua.
A noite não existe para baladas,
a noite não existe para a solidão,
a noite não existe para procriação,
a noite não existe,
a noite deixou de existir para nós,
já não é algo romântico,
já não nos orienta.
Mas creia sinto falta
da noite estrelada,
da noite de lua,
da noite perfumada de caju.
Hoje só percebo a noite
porque faz silêncio,
porque muitas vezes,
não vejo a noite,
pois tenho a noite
dentro de mim,
uma noite que quero fazer dia,
tenho o escuro da noite
dentro de mim,
mas o escuro que há
dentro de mim é o escuro
da ignorância, sem estrela,
sem lua, sem som do vento,
e todo dia tento preencher,
manter acesa a luz de vela,
tento apagar a minha ignorância
e muitas vezes,
perco a noite.

Obscuro

Haveremos de nos encontrar nossos caminhos, pois vivemos a vida como quem anda perdido, sem ter um sentido para tomar. Somos providos de tantos sentimentos que muitas vezes acabamos perdidos. Muitas vezes nos alimentamos tanto deste sentimentos nos tornamos dependentes de algo que venha suprir nossas faltas. Sentimo-nos, muitas vezes, desorientados como quem caminha sob a neblina. E assim vamos nos tornando seres frágeis e sentimentais. Ninguém nos ensina nada sobre a vida, aprendemos tudo observando, num jogo de faz de conta, muitas vezes as pessoas tentam nos ajudar, mas não cremos no que as pessoas tentam nos falar,  na maior parte das vezes somos empiristas, precisamos experimentar para acreditar e vamos aprendendo como cegos ao andar em um lugar desconhecido, vamos aprendendo no tato. Essa maneira de aprender nos custa muito caro, mas é a forma que nos adéqua que buscamos, pois não se aprende a viver senão vivendo. 

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Aposta



Saber que o tempo passa nos angustia e imaginar que a noite estamos mais velhos do que quando o dia  nasceu, que o dia de ontem, nos angustia mais ainda. Pois cada dia que se passa nos aproximamos de nosso fim e assim vamos nos distanciamos de quem fomos, vamos nos transformando, e cada dia mais longe de quando nascemos, e nos afastamos de quem gostamos. Saudades! Vamos seguindo a vida como quem segue cerrado a dentro sem saber o que vai encontrar pela frente. Ah, saber que o tempo passa! Certas vezes temos tanta ansiedade que isso aconteça, que ele passe mesmo e acabamos  por viver a vida sem prazer. As vezes queremos tanto uma coisa que abdicamos de tantas outras cosias, que talvez nos fizesse mais felizes, mas será se vale a pena? Será? Creio que é regredir acreditar que vale a pena ou não. Viver é como fazer aposta, pode se ganhar ou perder com as decisões e o tempo ele nos ensina a fazer as melhores apostas, mas ele passa e nos como carro desgovernado...

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

O mundo através da janela

Através de minha janela posso ver o céu, o sol, as estrelas, as plantas, as árvores, os carros.
Através de minha janela posso ouvir o som dos carros, o passar do vento entre os galhos das árvores, posso ouvir o canto das aves, dos sabiás, sanhaçus, cambacicas, bem ti vis e cambacicas.
Através de minha janela posso sentir o perfume da magnólia que fica do outro lado da rua.
É através da janela que contemplo meu jardim, as folhas secas espalhadas pelo chão, que vejo a dicorisandra crescer e vibro pra que cresça mais e mais, olho a beleza das samambaias, sem os livros de botânica do Marcelinho, como fazem falta, não dar para consultar o nome dela, vibro pelas Petiverias, pela palmatória que está enorme, pela triplaris e pela alamanda, por fim pela acacia que está tão deprimida. É fim de estação algumas plantas ficam deprimidas, minha acácia está perdendo todas as folhas.
Através da janela contemplo a chuva, adoro contemplar a chuva, ainda mais se é da minha janela, fico tão feliz quanto a Dichorisandra, a Petiveria, a Opuntia, a Allamanda, A samambaia, a Triplaris e a Acacia. Fico feliz em ver os pingos caírem, sem desfazerem nas folhas, no chão e se refazerem em água correndo pelo chão, gosto de ver os cordões de água que caem das biqueiras, tão lindos, transparentes.
Sem dair de casa, através da minha janela eu vejo o mundo e a partir destas imagens construo o meu mundo.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Conhecer

Viver é provar a cada dia diferentes sensações, aprender com as situações, superar os medos e seguir adiante, mesmo após uma derrota que nada significa, pois mesmo que as derrotas nos façam sofrer, mas ao mesmo tempo nos fortalece.
Viver é saber despertar dentro uma eterna vontade de compreender, aprender, executar e fazer acontecer.
Viver é o eterno exercício de dia após dia buscar sempre novos sonhos que alimentem a alma.
Creio que os sonhos são o alimento do espírito e assim como o corpo precisa ser alimentado diariamente,
assim acontece com o espírito, precisamos alimentamos sempre com sonhos, mesmo que tomemos emprestado dos outros, nos inspiremos nos dos outros. As vezes é preciso ter o espírito forte, pois não é fácil seguir a vida, visto que a monotonia e a repetição cansam até a alma, por isso é preciso seguir os grandes espíritos que passaram na terra podemos encontra-los lendo bons livros, buscando conhecer novas e belas histórias. E assim vamos cruzando a vida nos enchendo de essência. Nada na vida é de graça, não existe almoço franco. É preciso força para seguir, pois a vida passa, até mesmo se nos enclausurarmos. A vida é constituída de possibilidades, não joge-as fora. Pois viver é um eterno conhecer o mundo e a se mesmo.

Vida de sanhaçu


Os sanhaçus ficaram numa alegria o dia todo,

num voar de cá pra lá, vinha e ia sem parar,
numa alegria a cantar e comer e tudo isso
por deixa-lhes de graça uma banana e
a metade de uma manga.
Da banana cedo não quis provar,
só quem quis foi o pacato sabiá,
mas os sanhaçus nem deram
a mínima.
Já está escurecendo,
a manga acabou e a casca
o vento levou
só sobrou mesmo a banana.
O sanhaçu ainda canta.
Chegou e viu que tinha apenas
a banana, nem ai,
come e canta numa alegria,
eita vida boa de sanhaçu
é só voar, comer e cantar.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Vento

O vento sopra forte durante a tarde,
não para de importunar as plantas,
balança suas folhas, derruba suas
flores e frutos. Ah, mas esse vento,
não para parece criança ruim,
importuna a todos, e sopra
sopra sem parar.

Meu jardim

A manhã nasceu tão úmida
e está tão bela, em meu quintal
há folhas pelo chão,
folhas molhadas, espalhadas
da acácia que orna de beleza
com flores amarelas
que dar até gosto olhar
através da janela.
Os sanhaçus escolheram
meu muro para comer
frutas, é tão bom ouvir
os seus pios vem e voam
numa pressa.
Hum é bom ir
a janela e encher o peito
de ar, e alma de aroma 
da manhã.

domingo, 16 de outubro de 2011

Ordem

A chuva caiu no fim da tarde,
esta se entregou a noite fria.
A noite veio com sua sombra
e apagou a beleza das flores,
apagou tudo quanto eram cores,
e por fim cobriu toda a natureza.
Mesmo assim o jasmim insistiu
e continuou a perfumar o mundo
com suas flores alvas e doces.
A noite veio imperiosa,
não quis mostrar o brilho
das estrelas e então chamou
as nuvens que ocultou tudo quanto
foi de brilho
e então a noite ordenou
que todos dormíssemos,
assim se impôs a noite,
assim fomos dormir,
num sentimento de injustiça.

sábado, 15 de outubro de 2011

Vida perspectiva

   Vivemos em um eterna busca pela felicidade. Carregamos na alma a esperança. As vezes me pergunto o que é a vida? e o que é viver? Acho que estas questões não são apenas minhas, mas inerente a ser humano. A tempos que fico atento ao que acontece em minha volta, observo as pessoas a minha volta, ouço o que falam, o que fazem, pois queria captar algo que explicasse a essência para a vida.
    Quanto aos animais, antes de serem humanizados, porque sempre humanizamos muito as coisas e os seres. Bem quanto estes, creio que a vida é um eterno renovar da espécie. Trazem consigo instinto de sobrevivência. Acho que esse instinto também é inerente a nós. Por exemplo o que explica o amor da mãe para com o filho? Não seria porque o filho é parte dela, é o seu ser renovado e melhorado? mais forte para seguir a diante a espécie, isso quando falado através do canal da ciência soa duro, bestial, porém se usamos metáforas como o fez Shakespeare já havia falado sobre uma forma de se tornar eterno seria através dos filhos. Seria aceito sem discussões.
   Uma das ideias de Sartre é que a existência antecede a essência. Quando penso nessa máxima, percebo que são as relações que dão sentido a nossa vida, sem estas as coisas não fazem sentido. Um exemplo bem comum é que um objeto existe independente de nós. Uma rocha é apenas uma rocha,  no entanto ao trabalhamos aquela rocha podemos da-lhes uma forma que expresse um símbolo para nós. Um escultura por pode ser outro exemplo, através de sua forma expressa algo, a beleza de um corpo. No entanto sem nossa visão humana continua a ser uma rocha. Os objetos não têm essência, tem substância, sabe-se que a substância não expressa a essência, mas sim propriedades químicas e físicas. Quando Eisntein faleceu dissecaram o seu cérebro e o que encontraram além de uma massa cinzenta semelhante a borracha?
   Sei que vida é algo que não cabe um conceito, sei que viver é o que fazemos da vida. Pelo que observo, a vida em si corresponde as possibilidades que se pode realizar a partir dela. Sartre estava certo quando afirmava que ao longo da nossa vida é que vamos construindo a nossa essência. São nossas decisões que vai nos formando e transformando quem somos. Muitas vezes não sabemos denominar o que somos nem porque fazemos algo, mas seguimos o que achamos que é certo. Sartre dizia que somos condenados a liberdade, mas essa liberdade quando relacionada a decisões, somos nós que decidimos ser aquilo que nos tornamos, temos esse poder de decisão, no entanto muitas vezes gera incerteza e angústia. Concordo com Hegel quando afirmava que a vida são possibilidades e as relações advindas destas possibilidade e viver é o que decidimos e fazemos da vida. A vida é todo o momento presente e a felicidade é sermos o que somos, sofrendo, ou alegre,ou triste, porque ser é viver.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

O beijo da manhã

Hoje, quando acordei,
a chuva cantava sobre telhado,
o mundo todo belo estava molhado,
um sabiá laranjeira veio cantar
na minha janela e foi uma visão tão bela.
O canto da chuva junto ao do sabiá.
então fui a cozinha e preparei um chá.
E quando abri a janela,
Senti o aroma da manhã,
invadir o meu quarto,
meu corpo e minha alma,
sei que senti aquele aroma
de folha molhada,
senti minha alma estremecer de alegria,
a manhã me beijou,
e a chuva foi testemunha,
e a chuva canta
como num coral
pingo a pingo,
gota a gota,
e assim me embreaguei
manhã a dentro,
Feliz.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Repetição

Quando fico em casa, fico tão cansado. Coisa que faço repetitivamente me cansam. Vou a janela, vou ao jardim a geladeira. Olho os malditos facebook, gmail, yahoo. As vezes me concentro, as vezes não,  minha mente esquenta feito cana passando na engenhoca, feito milho na forrageira ou no moinho, a pressão também esquenta. E nessa embolia, que se segue por todo o meu dia, deixa minha vida tão incomodada, tão cansada. Sinto que a vida é uma eternidade, até chegar a hora de almoço ou de sair para desparecer. E quando saio quando o tempo passou, penso o tempo voa... A repetição maldita como me cansa a alma.

Pássaros

Pus uma banana sobre o muro e veio saboreá-la o sanhaçu, depois veio a cambacica que cantou algo bem de lá da sibipiruna. A tarde está tão enfeitada com o canto dos pássaros. Está nublado, até choveu hoje cedo. Acho que os sanhaçus temem muito nos, porque nem posso olhar que eles já saem voando. Mesmo assim
é tão bela essa tarde.

Dias escuros



Há dias que o sol não aparece,
dias que ficamos sob as sombras
das nuvens.
Há dias que a mente não apetece,
e ficamos mais escuros
que cavernas.
Há dias que não
queremos sair de nosso
caracol.
Há dias que nos sentimos
literalmente caracóis
e nos arrastamos
existência a fora.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Noite de lua

Hoje a noite o céu está tão claro e limpo. A lua cheia clareia as ruas e as praças. Na rua Felizberto Brolezze, onde tem um doce pé de jasmim de flores cândidas e perfumadas, ao passar ali próximo, com tanta claro da lua pude ver as flores e beber o do seu odor, é tão gostoso. Então, fui caminhando até minha casa que estava sob a sobra das sibipirunas. O vento sopra fazendo chiar as folhas das árvores de minha rua. As árvores estão tão bonitas, suas folhas brilham ao refletir o brilho da lua como espelho sob a água. Que noite serena e cheia de paz. Enche-me de saudade de tempos atrás. 

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Natureza condenada

Que maravilha é poder contemplar a natureza. Ver as aves voando pelo céu, cantando entre os ganhos das árvores. Sentir o perfume de uma flor. Sentir a bruma afagar nossa face. Quanta coisa há na natureza que não sabemos expressar e muitas vezes e preciso beber na poesia e se encher de metáforas e melhor compreender a natureza. Para percebermos e entendermos a natureza precisamos saber substancializar, materializar em palavras, pois o que vemos e quando o buscamos ver passamos a perceber sempre e mais. Todavia, falta um olhar humano à natureza. Olhamos para a natureza sempre com um olhar progressista, pois em nosso entender o que merecemos é o conforto. E esse conforto leva ao sacrifício da natureza. Não compreendemos ainda que a natureza é anterior a nossa existência e que portanto somos produto seu. Que a natureza é em sua maior parte transformação. A natureza se recicla, contudo a natureza viva, essa está desaparecendo dia a dia em função de nossa espécie. Então hoje será preciso ir a literatura para ver a beleza da natureza que se acaba sem parar.

domingo, 9 de outubro de 2011

uma gota de chuva ou um pingo da alma

Agora é tarde e chove.
O sol nem apareceu, pois
as nuvens não deixaram.
Agora é tarde e chove.
Chove uma chuva lenta,
sem pressa
e seus pingos vão
apagando as marcas de pó
do mundo,
vão lavando as ruas.
Até plantas estão sorrindo.
Agora é tarde e chove.
Os pingos da chuva
são gotas que lavam a terra.
Os pingos da chuva são doces.
Assim como os pingos lavam a terra,
as lágrimas costumam
lavar a alma,
e as vezes como a chuva,
costumam cair em tardes de chuva.
Às vezes quando chove
a tarde e quando aves cantam,
as lágrimas costumam
fazer os olhos sorrir,
se choramos é de emoção,
uma boa emoção,
porque as tardes de chuva,
sempre nos faz lembrar
quem amamos,
que nos faz lembrar que somos humanos.

Mudanças

A vida é tão passageira e nela as mudanças ocorrem sem cessar e em grande velocidade. Não faz muito tempo que o dia nasceu e fazia muito sol e calor, agora, pouco o tempo depois, está nublado e esfriou. Não faz muito tempo era criança e não entendia nada, hoje poucos anos depois, sou adulto e o aprendi muito com as mudanças, porque de certa forma elas atuaram também em mim. As mudanças me deram muita experiência. São tantas as transformações que acontecem em nossas vidas e, muitas vezes, ocorrem tão depressa.
Ao longo da vida vamos abraçando estas mudanças, pois fazemos parte delas, parece nos acostumamos tão fácil que até parece que nascemos com elas. Todavia, tem dias que a realidade nos trás a reflexão e pelo que percebo essa mudanças velozes as quais vivemos não nos permite cimentar os fatos, as ideias, os sentimentos que nos tornamos seres frágeis. Percebemos e conhecemos diversas realidades, mas quanto realmente compreendemos? Essa reflexão me veio a mente porque muitas vezes temos uma leve visão de compreensão do as coisas que acontecem no mundo. Cremos que determinadas situações são instrumentos de fácil resolução, no entanto a realidade é outra, só quando  estamos vivendo essa situação é que percebemos que não é o tão fácil quanto pensávamos e ai, ao vivê-las, ocorre uma mudança em nosso paradigma de mundo e com o tempo vamos acumulando experiências, vamos nos adequando ao mundo nos tornando mais humildes, mais experientes, mais humanos. Todavia na velocidade em que as coisas estão acontecendo, não sei se isso será possível. Estamos passando pela vida, sem viver. As mudanças que  nos levam a sabermos viver em harmonia, mas se estas ocorrem em grande velocidade o que absorvermos, certamente, é algo muito inferior ao que poderia ser apreendido. Muitas vezes fugimos dos problemas, driblamos as situações, mas o fato é que mais cedo ou mais tarde nos será cobrado. Portanto é preciso coragem para entender que a vida é passageira que as mudanças ocorrem sem parar.

Mãe natureza

A natureza em movimento,
a ondular pra lá e pra cá,
como é gostoso o vento,
um vento suave, que até
parece a voz da natureza.
O vento e as sinuosidades
da natureza são tão belos.
O chiado das folhas,
o aroma da flor,
a semente ou frutos
alados tão suaves
são levados ao vendo.
As vezes oramos
e cremos que o vento
levarão nossos desejos a Deus.
Sortuda é a praia
que tem o vento como
correio,
e manta para o continente
suas águas.
O vento é testemunha
que a natureza
não necessita de nossa
presença para se fazer
em movimento,
pois tudo em sim
é movimento
e é triste quando
não percebemos
nem mesmo sua
generosidade na menor dar brisas,
na beleza e no perfume das flores,
deveríamos ser mais gratos
para quem nos acomoda,
porque o pior sentimento
é a ingratidão.

sábado, 8 de outubro de 2011

silêncio

O silêncio de minha casa incomoda minha alma!

Mikania

O nosso jardim nem sempre é regado,
acho até que ele sofre um bocado,
mas assim é  melhor, pois as ervas ficam
mais aromáticas quando murchas.
Em nosso jardim tem várias espécies de plantas lindas.
Temos uma cana, uma cidreira, um mamão,
uma tumbergia entre outras.
Há ainda um lindo pé de guaco,
sim é uma bela Mikania glomerata Spreng.
Acho que ela se acha
mais bela no jardim.
Está sempre tão bela,
não precisa que a reguemos,
enquanto estão muchas
ela está verde,
florindo e sorrindo.
A danada nem dar bola
para nós.
Que independente é ela.

Solidão



Creio que temos noção de quanto somos pequenos diante do mundo. Acho que sabemos muito bem o que podemos ou  não fazer e também o quanto nos tornamos ou somos mais fortes quando não estamos sozinhos. No entanto, nem percebemos o quanto somos seres solitários. Certa vez um amigo escreveu que nascemos e morremos só. Então diante desta frase compreendemos que cada um destes fatos são, extremamente, subjetivos, pois só mesmo o indivíduo é capaz de expressar a sua própria sensação de dor, medo, solidão, alívio,    alegria, felicidade entre tantas outras. Cada um expressa da maneira que aprendeu. Sabemos, portanto, o quanto é importante sabermos nos relacionar com as pessoas que nos rodeiam, que  conhecemos e até mesmo com quem desconhecemos. Visto que tudo na vida gira em torno de relações, sei que é uma afirmativa muito forte, mas que creio ser verdade. No entanto o que podemos fazer de útil se só pensamos apenas em nós mesmos, creio que a relação será unilateral. E isto poderá nos levar num caminho sem volta a solidão. Bem diante de tantas frases expostas, creio que não fiz uma boa introdução sobre solidão. Nem terei como fazer, pois creio que seja um sentimento peculiar e talvez, assim sendo como a felicidade a solidão é um estado de espírito, sentimento de abandono. Bem também não quero conceituar a solidão, nem tenho autoridade para isso. Então pensemos se a solidão é um estado é um estado de vazio, de niilismo, por que se escreve sobre esse tema. Não seria melhor esquecer? Ora eu mesmo já escrevi diversas vezes, sobre esse tema. E se quero pesquisar sobre basta acessar a internet e podemos perceber que é um sentimento comum entre nós seres humanos, então encontraremos milhares de arquivos, fotos, vídeos, poemas, tudo sobre solidão. Mas o que entendemos por solidão? Não sabemos apenas sentimos. Sentimos sempre ou vez por outra, nem todo mundo tempo espirito forte. Conheci pessoas que nunca sentiam solidão e olhe que eram muitos simples, enfrentava os dramas da vida com energia e alegria. Pessoas as quais dava gosto está junto. Então me questiono será então um sentimento bom ou mal? Já questionei se reflito sobre a vida. Então creio que a solidão as vezes é uma chave para abrir nossa mente para a reflexão. Não creio que o seja de toda má.  Se é mais fácil de se comunicar nos dias de hoje, por que nos sentimos cada vez mais solitários? Nem sei porque, talvez pelas escolhas que temos que fazer, pelas dúvidas e medos, talvez por isso achamos melhor ficarmos sozinho. Então não tem prosaque ou álcool ou droga que dê jeito. Pense que como qualquer coisa na vida que passa, a solidão também vai passar. 

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Pensar


Os dias e noites se passam sem parar, e sucessivamente, vão adicionando histórias a nossa vida e subtraindo nossa vida. Seria muito pejorativo falar em consumir a vida, seria muito capitalista usar esse termo. O fato é que o tempo passa, envelhecemos independente de qualquer coisa e de nós. Não tem jeito, paciência essa é uma lei irrevogável. No entanto quantas vezes pensamos para pensar nesta situação. Em algum momento de nossa vida paramos para refletir sobre a vida. Creio que muitas vezes não, a natureza humana sábia nos faz esquecer, todavia acredito que a reflexão sobre nossa vida muitas vezes pode nos ajudar a nos entendermos, a sermos mais parcimoniosos e buscarmos viver melhor. Quantas vezes não imergimos de corpo e alma em nossos objetivos para cumprir tudo ali no prazo certo, muitas vezes sacrificamos nossa vida só para que no final encontremos uma recompensa a qual achamos que será tal qual encontrar um diamante. Já fui e sou muitas vezes vítima desta emboscada. Então foi através das poucas reflexões que faço que decidi que necessitava fazer algo que me desse prazer, mesmo que fosse por poucos instantes. Lembro que meus pais antes de dormir rezavam e nos fazia rezar juntos, não entendia o que significava, eles nos explicava que não eramos animais para ir dormir sem rezar. Depois de muito tempo compreendi que através da oração é que muitas vezes paramos para pensar na vida. Achei muito legal essa interpretação que dei para o porquê da oração. Mas se pararmos para analisar, quando oramos, realmente conversamos com nos mesmo, refletimos sobre nossas atitudes, nossos gestos e prometemos melhorar. Sim nós humanos adoramos melhorar as coisas, aperfeiçoar, gostamos por natureza de perfeição, mesmo que não signifique que sejamos.  O fato é que refletir sobre a vida é um exercício que deve ser cultivado, pois muitas vezes pode tornarmos seres melhores.

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Música



A música tanto pode acalmar como agitar só depende do rítimo, todavia independente do deste a música provoca em nós uma sensação de bem estar, alegria ou na maior parte das vezes um estado felicidade instantâneo, podemos sentir até mesmo uma plenitude.
As vezes nem mesmo sabemos o significado, mas a melodia, a harmonia nos encanta. Não tenho o dom para tocar nenhum instrumento, no entanto, para mim a música é tão necessária quanto as necessidades vitais. A música faz parte da identidade de um povo é uma das mais importantes partes da cultura humana.  Acredito que cada pessoa gosta de um rítimo, acho que um entre os fatores que nos faz gostar de um rítmo é a idade. Esta vai delineando em nós determinados perfis, apurando os gostos. A luz da compreensão do mundo, a experiência, as vivências vão determinando em nós nossa personalidade. Vamos construindo nossas verdades. A música portanto, acredito que ao provocar em nós essas sensações é muito importante na em nossa definição como  seres. Não há quem não goste de música, pelo menos não conheço. Há músicas que basta ouvir para me sentir bem. Portanto a música é sempre benéfica a nós, e provoca em  nós felicidade.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Desejo




Há algo em nós ser que nos leva a querer o que não temos. Algo que imaginamos que ao possuímos nos fará mais feliz, como dizia Spinosa algo que nos faz feliz aumenta nossa vida. Existe em nós o desejo. Somos talvez os únicos seres que desejamos e estamos sempre desejando. Este desejo pode ser um objeto, um sentimento ou até mesmo um momento a ser vivido. Mas o que nos leva a desejar? Ao que me parece não é a necessidade, até pode ser, mas desejamos até mesmo quando não temos necessidade. Nem é a ausência de algo. O que nos leva a deseja serão os sentidos ou as sensações que eles nos proporcionam, ou as ideias? Partindo dos sentidos dos elementos podemos chegar a uma  forte conclusão. Que sim os sentidos despertam em nós desejos, são as boas sensações que nos permite sentirmos felizes. O cheiro, a cor, a beleza nos dão sensação de bem está e despertam desejos. Boas ideias nos levam a desejar nos tornarmos melhores. Entretanto vezes somos reféns de nossos próprios sentidos que nos levam a desejar. As vezes somos reféns de ideias perigosas expostas a nós ao aceitá-las como verdadeiras sem refletir. Creio que somos capazes de controlar nossos desejos, acho que devemos nos educar, e a educação é exatamente algo que na maior parte das vezes poda nossos desejos. As vezes a renuncia de um desejo nos dar uma sensação de que somos fortes. 

As vezes podemos desejar uma coisa de maneira tão intensa que esquecemos quão bela é a vida, quão importante são as pessoas que nos rodeiam e passamos a viver em função de algo. Não creio que renunciar os desejos seja a solução, mas as vezes ter paciência nos levará a sermos mais forte e certamente atingiremos o desejado.

O fim da tarde

Suave a tarde entrega o dia para a noite.
O céu pálido com nuvens frouxas,
onde um ou outro avião mergulha.
As sibipirunas com suas flores
cor de gema perfumam e enfeitam
o fim da tarde.
Hoje não teve crepúsculo,
mesmo assim o fim da tarde
foi tão lindo.
Pombos pousados sobre fios
contemplam a tarde.
Cães nem latem, cochilam,
as ruas estão tão preguiçosas
vazias.
E pedalando vou sem
vontade de parar,
quero apenas contemplar
o fim da tarde.

É tarde

A tarde chegou, embora infantil,
a tarde esta ai. O sol ainda arde,
o sabiá canta lá fora e seus filhotes
corrochiam, contente com o
pouco de comida trazida.
É tarde, no jardim as ervas
mucham suas folhas para
se proteger.
É tarde, é tarde.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Quem sou?


Queria que algo roubasse minha alma de mim, mesmo que fosse só por um instante. Queria por este instante deixar de ser eu. Queria me ver como o outro me ver, sem subjetivismo. Queria realmente me conhecer. Queria por um instante fugir de mim. Quem sabe o que queria constituir. Talvez os tecidos de uma flor, ou talvez páginas de livros, penas de águia. Sei lá queria fugir de mim por um instante. Queria me sentir como um papus leve levado ao vento. Estou me sentindo muito pesado, como se minha carne fosse feitas de fibras de aço, meu sangue de mercúrio meus ossos de chumbo. Uma sensação toma conta de mim, e me deixa assim, escuro como a sombra da noite. Tudo isso porque não sei quem sou, não sei o que fazer. Seguir em frente, mas em que direção? Hoje vi o vento, que parecia vento de praia, daqueles de arribar saia. Vi o vento balançar a tipuana cheia de flor, me deu uma vontade de ser vento, mas só para sentir essa leveza. Minha acácia está começando a florir flores amarelas, logo vai ficar tão bela. Logo vai me alegrar, as flores da sibipirunas partem, mas logo vai chegar a das acacia. As flores do jasmim já floriram. Queria ser todas elas só para contemplar a natureza, a estação sem nada pensar, mesmo que seja por fase tão efêmera. Uma ideia não me sai da cabeça. A ideia de liberdade, a ideia de leveza, logo que terminar meu trabalho, logo que encontrar a beleza nele escondida. Vou sorrir e me sentir feliz como girassois de Gogh. Por isso quem me dera me ver de fora por um instante como sena de novela. Quero realmente descobrir quem sou, se sou bom ou ruim.

Oscilar

Onde está minha mente?
Não sei, meu corpo esta aqui,
mas minha mente não, está distante.
Meu corpo está em silêncio,
não falei uma palavra hoje,
não encontrei com ninguém.
Um dia vai passar.
Tive momentos
felizes e momentos tristes hoje.

Lindo dia

O dia está tão lindo.
O vento sopra tão assanhado que me fez lembrar de Natal, parece até vento de praia.
A tipuana está florida até o jasmim da minha rua.
O sabiá construiu um ninho em nossa área da frente,
onde tem três lindos filhotinhos,
então ele canta feliz na minha acacia.
Canta toda a tarde.
Ouço uma boa música,
me sinto em paz.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Vento passar

Ouço o vento soprar lá fora,
ouço as folhas chiarem agora,
é noite, uma noite agradável
noite fria, noite vazia.
Abri a janela só para
vero planeta amarelo  que é tão belo.
É noite.
Ouço o vento passar,
ouço o mundo
ecoar, ouço e não entendo nada,
nada...
Não entendo nada,
uma maça sobre minha mesa cheira.
É noite vou logo dormir,
estou cansado,
já não tenho porque ou por quem esperar.
Ah, a vida continua,
mas meu coração dói.

Na minha janela


Através da janela é por onde tenho visto o mundo, esta tem sido como minha iris. E tudo que vejo é a mesma paisagem, o mesmo jardim, as mesmas plantas, estou percebendo até o crescimento das plantas. É pela janela do meu quarto que estou regulando meus dias. O sol nasce e se poe e eu fico aqui tal qual um doente convalescente que aguarda ficar bom. Estou aprendendo a olhar através da minha janela. Aprendendo tanta coisa e nada ao mesmo tempo. Quando me canso de olhar pela janela da nuvem internet, vou a janela real e vejo as folhas secas espalhadas pelo chão, a acacia  em seu demorado processo de transformação, as flores amarelas da sibipirunas caídas pelo chão. Vejo ainda samambaias, uma opuntia, uma alamanda, uma trilparis, três petiverias, um ficus e uma dichorisandra, nem mais o estrela pra balançar a calda. Pela janela ouço o som das aves, dos carros, das pessoas. Tudo vai passar, estou só sofrendo uma metamorfose e a luz que cruza minha janela, as cores, os odores são só uma graça divina.

Tipuana tipu


Está tão bonita, tão brasileira,
toda enfeitada de flores tão belas,
doces flores bordejadas amarelas,

Tipuana tão doce, tão maravilhosa,
lembra quando a vi pela primeira vez,
tipuana tipu, falou a menina,
na tarde chuvosa,
estava tão bela e eu tão feliz,
mas agora doce amarela,
estou tão triste e voce tão bela,
obrigado pelo riso de suas flores,
tipuana, tipuana,
de flores franjadas.
O tempo passou
e nem percebi, nem vi,
quanto tempo passou
tipuana, estou tão sozinho,
sinto um vazio,
mas suas flores sorriram pra mim,
me alegraram,
tipuana tipu.

Drama da vida

Cada pessoa tem seu drama. Há pessoas que perdem bens materiais ou pessoais ou sentimentais. Nenhuma perca é insuportável. Mas a dor e o desespero que nos causam nos tornam mais fortes. É preciso voltar ao ponto zero. É preciso ter fé, ser forte de espírito, pois a vida continua e precisamos continuar. Quando estava na graduação, convivi Nonato, um estudante de letras, que sempre falava: -"Vão se os anéis e ficam os dedos". Acho que se referia aos bens materiais, sim certamente é verdade.  Certamente sim, mas não é fácil, sofrer nos faz mal, mas ao mesmo tempo nos faz crescer. De fato parando para refletir um pouco, creio que podemos nos reconstruir, ainda mais quando essa é nossa única possibilidade. 
A vida é um conjunto de possibilidades, já ouvi dizer, ou tudo na vida são relações uma rede. Creio que em algum nó fui fraco em minha relação.  Enfim quando uma pessoa morre, sentimos uma forte dor a dor da perca ou ainda quando uma relação rue e finalmente percebemos que acabou. Ficamos muito triste, pois percebemos quando acabou. Conversando com meus poucos amigos salpicados Brasil adentro, busco força, mas não é fácil. Sinto-me só. É preciso viver a situação, por um ponto final. Quando alguém morre só percebemos a parte boas do falecido e todas as más coisas são repentinamente apagadas ou postas sob o tapete. Quando realmente se ama uma pessoa, podemos até mesmo renunciar a essa pessoa em função de sua felicidade. Temos que aceitar o fim quando sentimos que é o fim. Temos a certeza do fim da história. Quando uma relação acaba, nem sempre isso é possível, não podemos fazer isso e então sofremos noites e dias afinco. Mas ai, enquanto houver vida sempre haverão noite e dia, e música de sofrer, e poesia. Desde que o homem é homem houve e há sofrimento e dor. No entanto se suportar essa dor certamente se sai mais forte. As vezes não aprendemos e seguimos errando porque não se sabe o que vai acontecer amanhã. Li que aquilo que nos faz feliz é aquilo que nos da a impressão de aumentar nossa vida e vice versa. Acho que sim que morremos um pouco quando acabamos uma relação, então ficamos triste. A separação, a ausência são sentimentos que nos fazem sofrer e saudade e a tristeza são sentimentos nos seguem por muito tempo e só o tempo faz-nos reconstruir tudo. Paciência, a vida segue, as árvores florescerão, as estações passarão. Tudo passará e será então doces as lembranças.

domingo, 2 de outubro de 2011

Anoitece

Posto que anoitece e dentro de mim também escurece,
sem estrelas, sem brilho. Dentro de mim há algo escuro
há algo frio, existe um vazio de ser. Sim ser esse algo
vazio que não preenche nem a si e como preencher
o outro, como doa-se para o outro se não me doo
a mim mesmo, tantas vezes me privo de viver tanta coisa,
esperando sabe lá o que. Esses sentimentos me entristecem,
pois vivo preso a minhas ideias e minhas ilusões.
Posto que em meu peito o sol também
se apaga, tenho dor não calma, sinto aflição.
Não vejo estrelas em minha noite negra,
sinto o frio úmido pos chuva.
Ouço algo que me contenta, os últimos cantos
da tarde, cantos de um bem-ti-vi,
que delícia ser uma ave que espera
a  noite e espera mais um dia,
queria sentir essa liberdade.
Queria falar com alguém além de mim.
Chega de monólogos,
mas anoitece e todos dorme,
todos tem os seus sentimentos,
todos estão com seus sofrimentos,
ou suas grandes alegrias.
Posto que anoitece, anoitece emfim, mais um domingo,
amanhã é segunda-feira e tudo começa
novamente, quero acordar sorridente,
porque agora meu eu entristeceu, pois anoiteceu.

Chuva e a tarde

É tarde e nesta tarde uma pequena chuva caiu e apagou a poeira. O tempo estava tão quente e o ar tão seco, estava tudo tão empoeirado que essa chuva veio como um milagre para amenizar o calor e o ar. Até as aves cantaram mais felizes. A tarde certamente ficou mais gostosa. Fui a janela ver as gotas umedecerem o chão, lavar as árvores e a rua. Foi tão bom logo a tarde escureceu e esfriou. Como as coisas podem ficarem melhores com poucas coisas, e através dessas nos sentimos melhores. Água caindo das nuvens, refrigerando o ar e nossa alma, nos trazendo calma. Que deliciosa tarde silenciosa.

sábado, 1 de outubro de 2011

Vida contemporânea "projeções e sofrimentos"


Nem tudo na vida é fácil, pois encontramos muitos sofrimentos no decorrer desta. Sempre buscamos a felicidade, sentirmos melhor que já vivemos, mas nem sempre a encontramos essa felicidade tão buscada, pois sempre falta algo. A vida é uma eterna luta e o que a alimenta é a esperança de tudo dia melhorar. Às vezes é uma luta tão injusta, cansamos, no entanto tempos que continuar. E o que povoa a vida é o sofrimento. Sei que há pessoas que tem sofrimento físicos como doença e fome, sofrimentos mentais os sentimentos. A dor é inerente a nós humanos que projetamos o futuro, ansiamos por viver algo que não existe no real. Nós construímos em nossas ideias o que acreditamos nos faz feliz. Essas projeções nunca saem como imaginamos. Muitas vezes esperamos do outro o que projetamos nele e quando não corresponde, nos frustamos. Somos um mundo de sofredores cheios de ânsias, por isso sofremos. Nos sofremos mais com a mente que com o corpo. Muitas vezes a ignorância nos livra de determinados sofrimentos, mas nos condena com outros, não temos escolha, estamos vivendo e viver é aprender, temos que balancear muito as coisas, mesmo que saibamos que sempre perderemos, todavia precisamos acreditar na vida, pois ela é tudo que temos, sem ela nada somos. A vida é a presença de possibilidades e de escolhas. Precisamos lutar sempre, saber enfrentar os sofrimentos e a partir destes nos tornamos mais fortes.