terça-feira, 30 de novembro de 2010

Estrelas

A maestria da noite,
a noite brilham as estrelas,
piscam sem parar,
azuis, vermelhas, brancas e amarelas,
as estrelas são todas belas,
umas pequenas, outras grandes,
umas distantes, outras próximas,
são sempre todas belas,
uma noite sem estrelas,
é como um dia sem sol,
nossa estrela maior,
vai o sol, vêm o sono,
vêm o sol, vai o sono,

num mundo cheio de luz,
e brilho do sol,
belas estrelas,
silenciosas,
rutilam como brasa do por do sol
ao nascer do sol.

Volta

Saudades.

Como é difícil viver,
parece ser sempre incompleta,
ansiamos sempre por algo, não aprendemos a viver,
sempre queremos mais e mais.
Mas o tempo nos leva tanta coisa.
Nossas melhores memórias ele apaga,
rouba pra si,
absorve nossa beleza.
Sabia que o tempo é sempre jovem por que fica roubando a juventude das pessoas?
pois é.
Nossos momentos preciosos,
ele sabe esconder bem na nossas mentes,
nos nossos giros cerebrais.

Hoje mesmo, deixei minha flor,
longe, espero que ela saiba se cuidar,
dar um aperto no coração quando tenho que partir,
mas o tempo toma conta,
o vento trás as saudades.

Às vezes quando estou só, eu apelo pra acacia,
pra lua, pras flores.

Como é bom voltar pra casa,
sair da estrada,
melhor ainda é ter alguém te esperando,
mas se não tem, crie um cachorro,
ele já anima, fica todo feliz,
balança o rabo, late e abana as orelhas,
melhor ter uma criança, ou um amor esperando em CASA,
mas é assim,
tudo a seu tempo,
o tempo nunca falha.
o tempo é o senhor de tudo


segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Morcegos

Depois da chuva da tarde,
caiu a noite úmida,
sem vento, sem estrelas.
Ouço o canto dos morcegos,
que me faz lembrar,
as noites sossegadas,
na casa de papai.

Embalado em seu canto,
cai o sono lentamente,
vai chegando os sonhos
e a alma vai fugindo docemente.

Quando era pequeno acreditava que ratos originavam morcegos,
teve uma vez que encontramos um grande morcego, na cumieira da casa,
ficamos achando que fazia pouco tempo que ele havia se transformado de rato em morcego.
Pobre morcego, não durou muito além daquela manhã.

Os morcegos não são criaturas amáveis alguns são hematófagos, se alimentam de sangue, e
muitas vezes quando acordava e ia pegar o animal no paieiro, encontrava-os com o pescoço em sangrando, os morcegos mordiam e depois lambiam o sangue.
Papai geralmente colocava um pano no paieiro para espantar os morcegos, ele não sabia que morcegos quase não tem visão, não enxergam quase nada. Que estes emitem um som forte e que é o eco que os guia durante a noite.
Alguns morcegos se alimentam de polém, por isso são muito importantes na polinização de algumas plantas. O Cardeiro é um exemplo de planta polinizada por morcegos. Outros ainda de frutos, por isso são importantes na dispersão destes frutos, outros ainda de insetos. Enfim os morcegos tem vários hábitos alimentares. No entanto são animais com hábito totalmente noturno. As asas dos morcegos são modificações de uma mão, onde ocorre o desenvolvimento de membranas entre os dedos. São os únicos mamíferos voadores.
Os morcegos me trazem muitas lembranças da infância.

Era uma noite escura,
noite estrelada,
os cajueiros pensos de fruto e flor,
o cheiro de seus frutos coloriam a noite,
cheiro de cajus amarelos,
voltava da vizinhança,
quando ao chegar em casa,
encontramos um morcego
grande no chão junto a parede,
então dog queria pegar,
mas papai não deixou,
podia ter o vírus da raíva.
papai jogou no mato,
fomos dormir com morcego na cabeça,
sonhamos com vampiros a noite,
foi uma noite negra,

metafísica

É perversa a ilusão que posso tudo,
quando não posso nada.
Estou preso a tudo,
a matéria, a substância a alma.

Mas e o que sou?
senão um ilusão,
se minha realidade só me causa confusão,
é necessário toda uma construção,
da alma, da vida e do ser.

Mas afinal o que sou?
sou produto do meio?
Sou uma ilusão?

O que posso senão ação,
como fazer cristalizar o que penso,
e não viver penso,
porque senão aceitar abdicar da liberdade,
o que faria só,
seria expulso do grupo,
um eremita!

ilusão, ilusão
tu me aflinges a alma,
me tiras a calma,
me coage a metafísica.

domingo, 28 de novembro de 2010

Leitura!

Primeiridade (Sentimento)

As vias do conhecimento são os sentidos. Que sabemos sobre cores se não vemos, sobre música se não ouvimos, sobre sabores se não percebemos? A partir das experiências que vivemos é que vamos construindo nosso mundo subjetivo. São estes saberes que vão nos dando propriedades para julgar o que nos é real ou irreal. A soma do que sabemos com nossas crenças vão formando nossas personalidades. Acho que somos seres muito sensuais e nossa capacidade de apreensão está completamente as emoções. São estas que intensificam a nossa cognição.

Securidade (Conflito)

Descartes depois que saiu em excursão no exército de Maurício de Nassau, viajando a cabo pelo mundo percebeu que haviam pessoas muito inteligentes, além daquelas pessoas que conhecia na França, percebeu essas pessoas ignoravam as ditas verdades francesas. Estariam estas pessoas erradas? Partindo dessa indagação. Descartes começou a duvidar de tudo. Antes de fazer uma afirmação, viu que era necessário um profundo questionamento, depuração e por fim uma apuração. E só então pode-se começar a pensar em faze-la.

Esse conflito que tem o ser ao questionar o que existe fora do ser?
O que eu vejo é real? é universal?

Terceiro (Interpretação)

A partir do nosso conhecimento nos interpretamos o mundo.
Nos vemos o que está fora de nós, interpretamos, e a partir desta leitura construímos o que acreditamos ser a essência destas coisas.

voo

Dia de sol, intenso brilho,
no céu azul, pontos negros,
se movimentam,
em círculos,
Deslizam no ar.
Quão belo é o urubu voar,
o majestoso do ar!
Pra lá, pra cá,
sobe e desce.
Já ouvi o som de suas asas quando plana baixo?
Que forte!
Quanta majestade de graça no ar!
Mas em terra!
É tão desengonçado,
e come carniça.
Toda graça na vida não vem de graça.
voa, voa.

Amadeus

Ah! Mozart,
Divino seja Mozart,
Que maravilha sedes sua obra,
algo bom humano, havia de se fazer,
e tu Mozart, foste via,
da Música!
Tu gênio, eterno seja,
enquanto existir,
Hei de aprendeu um pouco sobre ti,
sua obra,
hei de aprecia-la sempre.
Ah! Mozart,
Divino seja!

Ilumina

Dia,
claro dia de sol,
plena luz dourada,
em todos lugares irradiada.

Bem vindo seja Apolo,
vinde aquecer sua enamorada terra.

Aqui neste átrio,
sol, clareias minhas ideias,
refrigera minha alma.

Ilumia, desperta, acalma minha mente,
traz-me um pouco de fé,
sol, amanhece minha mente.

sábado, 27 de novembro de 2010

Calor

Noite quente, corpo ardente,
não corre uma brisa,
As ruas claras e vazias,
noite em ribeirão.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Noite

A noite sozinha,
tão fresquinha,
tão escura.
A noite parece triste daqui,
estrelas sorri,
estrelas piscam,
estrelas dormem no poente,
a noite, noivas flores,
se perfumam e desabrocham,
esperam os amantes,
como a lua, são cativantes do amor,
flores almas, perfumadas,
Que esperam as flores?
Mariposas? morcegos?
As flores noturnas não vêem cores,
ignoram a beleza,
só veêm a alma, na clareza as flores murcham.
Serão vampiras?
São flores, são flores,
que se entregam a nix,
as estrelas, a lua,

As flores são alvas,
são almas,
cheiras de aromas,
de essência,

A noite escura,
o que guarda?
estrelas,
luas
e flores.

Minha história


Sabe, nasci numa cidadezinha bem distante no nordeste, Serrinha dos Pintos, fica no estado do Rio Grande do Norte, filho de pessoas humildes, muito simples. Meu pai era carpinteiro, vez por outra vinha para São Paulo ganhar alguns trocados e minha mãe que segurava o tranco, ficava conosco, 5 filhos, o irmão de meu pai a ajudava. A vida era bem difícil. Minha cidade nem era município quando nasci. Tinha uma imensa vontade de aprender, mas não tínhamos livros, nem uma biblioteca no distrito. As escolas eram muito precárias. Aprendi a gostar de ler só. Lia o que aparecesse nas mãos. Eu tinha um sonho, ser diferente e sair daquela cidade. Não que achasse ela muito pequena, não nem tinha noção de tamanho de cidade, fui conhecer um prédio os 18 anos quando fui para Natal, minha vida alí era muito boa, mas queria ser biólogo ou médico. Então quando fui cursar o segundo grau, hoje ensino médio, descobri no novo ambiente uma biblioteca e foi lá onde descobri aquela coleção para gostar de ler. Uma coleção maravilhosa cheia de contos. Foi lá naquela biblioteca, lendo e vendo dona Bebete cochilar que comecei a viajar nas palavras, nas poesias e prosas. Fiquei encantado com a leitura, desde então lia muito, as vezes escrevia alguns versos que os perdi na minha bagunça. Não faltava uma aula, mas confesso que adorava quando faltava um professor, pois só assim corria para a biblioteca para ler.
A situação era muito precária, sonhava em fazer faculdade, mas não sabia como, nem onde, nem se seria capaz. Então costumava sonhar, todos os dias antes de ir para a escola a noite no pau de arara antes de jantar, saia para caminha no nosso sitiozinho. Parava olhava para aquela paisagem da caatinga com aqueles arbustos latentes, olhava para o sol, contemplava-o e pedia, feito Saliere, por talento. "Deus dai-me graça". A vida era cheia de esperança. Então no quando a noite caia, contemplava vênus que parecia me olhar com dor, ela nascendo no poente tão bela, encarava-a e suspirava, e segui com minhas irmãs e vizinhas até o ponto onde pegaríamos o pau de arara. Não foi fácil, não tinha livros de biologia, química, física, inglês, enfim quase de nada, e na esperança de aprender algo, pegava emprestado os livros dos professores. Não estudava eu lia, um e outro. Bem acabado meu ensino médio estava decidido a prestar vestibular para biologia, pois tive uma professora excelente. Não tinha dinheiro para pagar a inscrição, mas mamãe conseguiu com um candidato a vereador, da cidade, o dinheiro, isso em 1997, Então peguei o programa, fiquei numa tristeza, pois muito daqueles temas, jamais tinha visto, mas vamos lá. Fiz a seleção, minha pontuação foi excelente, mas minha redação foi péssima, bombei, fiquei muito triste, mas fazer o que. Queria vir para a casa de meus irmãos em São Paulo, mas mamãe me convenceu a ficar, pois iria acontecer um concurso da prefeitura, bem nessa época a prefeitura conseguiu um acervo de livros, então prestei para bibliotecário, pensei que assim poderia estudar, enquanto "trabalhava", na seleção concorri comigo mesmo, enfim passei, mas fui chamado para trabalhar na saúde. Fiquei muito feliz eu iria ganhar um salário que não era lá essas coisas, mas já era diferente, no entanto, meu objetivo era ir à universidade, então comecei a trabalhar, veio uma segunda prova de vestibular, então fiz para a UERN e UFRN, dois vestibulares, por mais que estudei não foi o suficiente, dessa vez fiquei muito triste quase arrasado, todavia era aquilo que queria. Então uma enfermeira nova chegou, ela tinha uma escola privada, a única na cidade vizinha, só quem podia estudar era quem tinha dinheiro que não era bem o meu caso. Ela começou desdenhando de meu trabalho, mas depois viu minha seriedade e me deu a mão. Nesse ano já tava ganhando comprei livros, e a enfermeira montou um minicuros de preparatória para o vestibular. Já ta cansativa minha história? Então, acordava com os livros, ia para o trabalho e todo tempo vago era preenchido com estudo, minha mãe coitada achava que eu ia ficar louco, já que um irmão dela quase, pirou quando estudava no seminário, quando dava dez horas, naquele silêncio. Coitada ela brigava, e me obrigava ir dormir, sendo que minha vontade era ir estudar, para driblar minha mão e meu pai, durante a noite, eu ia estudar na casa ao lado vazia, mas não tinha jeito, ela não entendia. Então saia para uma casa vazia que pertencia a meu irmão, pra não ouvir a televisão, mas quando dava 10h meu pai chegava chamando para eu ir dormir, quase fiquei louco, mas com meus pais. Nos fins de semana, mamãe não queria que eu estudasse com a mesma justificativa da loucura! Então eu dizia que ia passar o dia na casa de meu padrinho que trabalhava comigo na saúde, mas ia mesmo era para a secretaria e ficava lá estudando, comia na casa de uma amiga. Outras vezes eu realmente ia para a casa de meu padrinho, mas se enfurnava num quarto vazio da casa da mãe dele, era tratado muito bem lá, almoçava, tinha até lanche. E no final da tarde de domingo estava exausto, 1999 foi um ano muito cansativo. Então prestei a prova, e finalmente passei na seleção. No dia que saiu o resultado, eu, meu pai, minha irmã e meu irmão caçula tínhamos passado o dia plantando, pois tinha dado três chuvas seguidas a terra está pronta pra plantar, no fim de tarde um vizinho veio trazer a notícia, foi um dia muito emocionante, pois vi mamãe chorar já prevendo minha partida. Foi uma das maiores alegrias de minha vida. Enfim, fui embora pra Natal, tudo novo, gente nova, juntei um dinheiro, já que tinha passado para o meio do ano, e fui embora, sem lenço nem documento, fui morar moradia estudantil, cursei biologia, me especializei em botânica, fiz mestrado, depois que terminei fui morar ai na capital com meus irmãos. Passei um ano estagiando no Jardim Botânico, não consegui uma escola para dar aula, morava com minha irmã, o dinheiro que tinha era 50,00 que meu irmão dava por mês. Foi a muito custo que me adaptei, 2007 foi um ano em que aprendi muito, conheci muita gente importante na minha área. Então no fim do ano passei na seleção do doutorado, onde estou até hoje, desenvolvendo minha pesquisa. Descobri o gosto que já tinha pela filosofia. Descobri que cada dia conheço mais um pouco, descobri que nada sei e que o aprendizado é eterno. Viver é aprender.

A rosa

As flores do jardim,
são tão belas para mim,
adoro as cores,
os odores,
adoro a delicadeza,
sua singela beleza,
cultivadas ou na natureza,
as flores!
são cheias de primores,
a delicadeza dos vento,
a umidade da água,
a fertilidade da terra,
a delicadeza do jardineiro,
se enlaçam,
cultivam e cativam as flores,
ao som de Mozart,
sopram os ventos no jardim,
acenam as flores, pra mim,
mas a mais bela rosa escarlate,
como é séria,
e armada, oculta,
isso que encanta,
das flores do jardim,
uma delas é assim,
a mais bela,
mais oculta,
rosa bela para mim.

A noiva

O jardim daqui está numa festa.
Todas as plantas resolveram florir,
mas o que será que aconteceu.
Sai para ver.
Hum perguntei para a galactia que estava em festa,
vestida de rosa.
Belas flores galanteei.
Respondeu obrigada,
então indaguei o que acontece?
_Como assim respondeu.
-Por que estão todas belas?
-Você não sabe?
Não gosto muito da resposta de uma pergunta com outra resposta.
-Não sei!
-Olhe pro lado.
-Que tem?
-Ah! Não está vendo que a Musaendra?
-Sim, mas que tem.
-Ela está noiva.
-É mesmo! Que lindas plumas!
-Que botânico é voce!
-Não são sépalas brancas.
-É isso.
-Que bela sepalagem.
-Com quem vais casar?
-Com quem?
-Com a Ezenbekia leiocarpa.
-Parabéns!
É a primavera, suspirei e entrei cheio de alegria.
Viva a Musaendra.
Linda de sépalas brancas.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

grosso

-Olá quer alguma coisa?
-sim um café com pão.
-só isso?
-só.
- Sai um pingado.
- não eu pedi foi café.
-tá com ou sem leite?
-um café!
- só café.
- um pão na chapa!
-ou ta de brincadeira?
- pedi um pão.
- ah!
- de onde voce vem?
- pra que quer saber?
- Tai.
Esse povo!
- quanto custa?
- 3 reais.
-chau.

Tempo passa

Ontem, 24 de novembro fez quatro anos que defendi minha tese de mestrado. Passou tão rápido. O tempo realmente é imperceptível sem cor, cheiro ou textura. Durante todo esse tempo fui me enfiando no futuro, fui me desenvencilhando do meu passado, sem ver o presente passar. Fiquei pensativo, mas por pouco tempo. É tanta coisa pra fazer, pensar ou se informar, que esquecemos de viver o presente, somos ansiosos por aquilo que pode acontecer. Estamos cada vez mais consumistas e o tempo é nosso capital mais valioso, temos que fazer bem nossas escolhas senão somos atropelados. O mundo não para. No Rio de Janeiro ocorre uma guerra civil, em Brasília a presidenta selecionas sua equipe para governar, aqui em Campinas ocorre concurso para professor na Unicamp. A Coréia do Norte lança míssil contra Coréia do Sul. O Haiti se acaba em cólera. A Irlanda esta afundada em dívida e a China luta para equilibrar a inflação. O mundo não para, o meu mundo não para. É a pós-modernidade. Que coisa nunca pensei que me afogaria nisso. Nunca no ano de dois mil, mal sabia usar um computador e agora quando acordo a primeira coisa que faço é ligar o computador. Nestes quatro últimos anos toda minha vida mudou. Sai da minha terra, conheci novas pessoas, novos costumes. Quem sou? não sei.
Mas é bom pensar sobre.

a vida amanhece


Aurora companheira da manhã,
surge paulatinamente,
bem do nascente, longe no horizonte,
os primeiros raios despontam sem afã.

O galo desperta o sol,
o sol desperta as flores,
o mundo fica cheio de cores,
e nós não percebemos nada,
somos passivos,
loucos subjetivos,

Ah, quanta beleza,
há na natureza,

Desde aurora, crespúsculo do por do sol,
vivemos divagando,
algo esperando,
não percebemos na vida,
as passagens,
do frio do inverno,
do calor do verão,
a indiferença do outono,
da explosão de cores da primavera,

não percebemos que a vida passa.

Sem falar na beleza da noite.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Silêncio

Estou aprendendo a contemplar o silêncio,
a acacia que de minha janela, sempre bela,
sorri pra mim, me namora, com seus buquês,
dourados, flavas flores,
contempla-me no silêncio,

o tempo só torna-a mais bela,
imponente, real.

Existo, resisto ao tempo,
mas os dias, deixam as marcas,
na carne, na mente e no ser.

A foto

Hoje tirei minha primeira foto, calma. Foi a primeira foto com minha nova câmera. Então eu esperei até encontrar uma paisagem que fosse digna de ser registrada. Como a ansiedade era tanta não deu para esperar o por do sol. Adoro ver o crepúsculo, o sol se pondo o fim do dia, mas não foi dessa vez, espero que demore muitos anos pra poder comprar outra câmera. Bem então depois que sai de casa, tive aula de inglês. Então quando ia divagando na minha bicicleta, carinhosamente apelidada por Malrício de Xabrobike, na cicloria, quando passei sob um lindo flamboiã, isso mesmo um autêntico Delonix regia. Estava lindo cheio de cachos, rubros, encarnados, colorados. Então sorri por dentro. Minha câmera sorriu também. Saquei-a da mochila, da bolsa e então busquei o melhor ângulo achei. É esse saquei uma foto. Minha primeira foto que emoção com minha nova câmera! Pensei eram quase onze horas, o céu estava limpo, fazia um calor, mas tinha o som de fundo o canto do sabiá. O flamboiã que adoro, como é lindo. Acho uma das mais belas árvores. Sabia que é uma planta exótica, sim é de Madagascar. Pertence a família botânica das Leguminosae.

Damas da noite

Na noite estrelada,
a lua pálida se escondia atrás das árvores,
em minha caminhada,
sentia o frio do escuro,
das sombra das árvores,
noite cinérea.
Aos passos curtos,
sentia a noite,
sentia meus pés tocar o chão.
a cada passo um espaço,
quebrando a inércia,
sentindo a noite.

Ah a dama da noite,
vestida de branco,
exalava uma essência doce,
tal qual som da sereia,
me deixou encantado,
parei, e vi aquelas flores brancas,
a dama da noite sorria pra mim.
Bela dama,
Solanaceae, cheira assim.

A lua quebrou-me o encanto e se escondeu entre as nuvens,
fez-se escuridão,
senti a pele negra da noite
tocar-me.

E logo a lua clareou,
segui então ela,
aquela encantadora um novo odor,
era magnólia me chamando,
seu cheiro acariciava minha alma,
tornou-me estático...
Namorei-a mas a noite passa,
deixei-a ali,
parti.
Quando cheguei em casa,
tinha a alma embotada,
de essência, de sonhos e de sono.

manhã da campina

Rubra quebra a madrugada aurora,
e surge dourada manhã,
plena de luz, canta o galo de campina.
O riacho ronca o som da chuva da noite passada,
o eco resoa no serrote,
o verde brilho das campinas,
salpicado por flores amarelas, rosas e azuis,
a bonança, a paz, depois da chuva,
frio segue o dia.
Canta o galo de campina.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

campo

Um jarro de flores

Vi o campo cheio de flores,
de todas as cores,
cada uma das mais belas,
colhi-as e pus em um jarro,
depois pus na sala
que ficou perfumada,
um pequeno girassol amarelo.
a casa ficou tão bela.

Trabalho

Quanto tempo tenho?
Acordo atordoado com o celular despertando. Como algo que não é um café substancioso, tomo banho e saio correndo. Tenho que chegar antes das 6:30h pra dar tempo de ler um pouco antes de trabalhar. Leio e ouço os rádios, duas rádios uma do Brasil e outra da Argentina. Depois que passa das oito horas, o povo começa a chegar. Conversa vai conversa vem começo a trabalhar as nove. Passa um outro o João chega. Ufa! Agora vai! sintoniso uma rádio de música clássica. Nossa meu pensamento divaga. Com o nada. Se venta, se o céu está nublado ou azul, contemplo. E nada de meu trabalho sai. Mal olho no relógio onze horas vamos almoçar. Comemos muito bem, conversamos bastante. Se chega alguém atrasado esperamos. Voltamos então. Começa a tarde. Escovo os dentes,
volto pra bancada. Bate um sono desgraçado, bocejo n vezes. Tamashiro reclama. João Semir passa diz alguma pilhera, rimos. Da vontade vou pagar os créditos na pós. Volto agora trabalho por uma hora já foi o dia 17:30, volto pra casa, vou andar de bike, fazer física. Volto janto. Deito na cama e leio. Findou o dia vou dormir de novo. O tempo acabou esgotou.

Divagando

Quero contigo está,
pra sua mão apertar,
quero contigo sonhar,
e quando o sol sair,
quero te ver dormir,
um sonho singelo,
suave todo belo,

Quero passar o dia inteiro junto de ti,
na cama, na cozinha, na sala,
quero descascar alho, ser o seu suchefe,
ir ao cinema, ir as americanas,
pode ser pode ver os teus esmaltes,
até o sol partir.

Quero te levar,
pelas ruas tortas da vida,
minha doce querida,
cada flor apontar,
como declamar uma poesia,
da o nome a cada flor,
decifrar cada uma através de sua cor,
decifar a beleza,
que contém a natureza.

Pegado em sua mão,
passear por campos verdinhos,
onde se perde o horizonte,
muito mais que atrás dos montes,

quero mostrar o meu mundo,
sim, além dos sonhos,
além da vida,
contigo quero sempre está,

declamar uma poesia,
e ver em ti só alegria,

sentir o sabor das cores,
degustar do cheiro,
vestir roupas de flores,
ser eterno...

A vida é muito além do real,
a vida é a possibilidade do impossível,
e nos sonhos tudo podemos,
então vamos lá linda flor,
vamos esquecer a casa por arrumar,
vamos namorar.

Porque amanhã é segunda.

Acacia

Acacia por que tantas folhas na rua,
despojou-se de todas e ficou nua,
ontem acacia, vestias a lua,
hoje, agora, essas flores são tuas,
que beleza flava.

Teus cachos dourados,
aos galhos derramados,
flores pelo chão.

Tu acacia nata te abala,
imperiosa sigana.

Encanta minha janela,
e lembra minha flor,
Ana dos lábios de labirintos.
dos dourados cachos.


"Quando a gente está triste gosta de ver o por do sol". Saint Exupery.


Acho realmente essa frase é tão natural.

Adoro ver o por do sol, acho um dos fenômenos mais lindo da natureza, simples e eterno.
As vezes fotografo o sol. O sol é um grande amigo, sempre está apto a me ouvir, posso passar horas a fio contando com sua presença, mas as nuvens que aprendi a amar, as vezes tem ciúmes do sol e oculta por vezes algumas vezes o por do sol. Tudo bem o importante é não está só.
Atualmente, ando muito vendo o por do sol.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

A chuva

Hoje a tarde o céu cerrou de nuvens escuras, quando sai para casa, começou a pingar, não deu para chegar em casa, então o céu parecia uma peneira. Choveu e ventou muito. Passei a chuva no toldo do Le chef que mulheres más viram que estava me molhando nem ofereceram abrigo. Fiquei ali sob o toldo me molhando, pois com chuva e vento não se brinca. Passei exatamente um hora com uma muchila nas costas e minha bicicleta. E aquelas senhoras nem pra perguntar se estava me molhando. Senti-me tal qual um cão. Nem um cão não se trata assim, se algum cão vinha passar a chuva em nossa área ficavamos lá compartilhando a chuva. Mas não nada, nem um copo d'agua. Quem quiser ir se deliciar no Le Chef, pois que vá eu não aquelas sovinas. Tive sorte de não ser escorraçado, mas também aquele toldo é público cobre a calçada. Fiquei ali vendo os carros passarem o pior é que bem ali tinha um maldito de um sinal onde passava ônibus lotados fim de expediente, carros muitos carros. Todos olhando o cão com medo da chuva. A chuva cessou, pus o rabo entre as pernas e fui pra casa, no final nem adiantou, corria tanta água nas ruas, que acabei molhando tudo. Foi tudo em vão. Aquela humilhação.

Anã

Estrela da manhã,
rosa vã,
alva, clara,
desabrocha na aurora,

Estrela da manhã,
ao som da acauã,
desponta no poente,

ao som do riacho,
pulsa estrela,
doce fagueira,

teu riso refletido,
no poço,

estrela da manhã,

tu nasces
a cada estação,
sempre de manhã.

Breve

A mente humana tem o brilho,
o brilho da criação,
alimenta a imaginação,
enche tua mente, poe em trilho,

embarcas nesta viagem, nessa ilusão,
embarcas nesta viagem, se enche de ação,
constrói a tua essência, não fiques na escuridão,
pensa, deleita desta dádiva, na transubstanciação,

Alimenta tua alma,
pãe teu corpo em calma,
concentre seu ser interior,
ouça o riacho que corre dentro de ti,
sinta as sinapses,
onde habita tua alma?
o que constitui a tua alma?

Quem pode perscrutar?
tua alma, tua essência,
não creias no fisicalismo,
creia no teu mundo...

Não há substância fora de ti,
tudo que vedes, é tua criação,
para! pinta o mundo.
De qualquer cor...

Sinta o mundo,
sinta a brisa,
a luz do sol,
o cheiro das rosas,
a beleza das plantas, das flores.

Sinta a vida.
Pense nela,
o que pode lembrar,
está limitada a sua existência,
mas tua imaginação!!!

Alimente-a, pois é sua salvação.

Não desdenha da vida,
projete o seu mundo,
pinte-o de azul, de verde, de rosa.
faça uma poesia da natureza.
Sorria!
Alimente sua imaginação,
o mundo é víceral,
mas sedes sublime,
tendes capacidade de ação...

Há tanta coisa bela na vida!
Descubra-a,
desvie as rochas,
faça das dificuldades,
sua garra, motivo de vitória,

a vida é tão breve,
a vida é tão leve,
efêmera tal qual a flor,

ontem já passou,
o amanhã ainda não veio,
que tens o presente...

faça desse momento,
momento de paz e amor.

domingo, 21 de novembro de 2010

Paixão

Minha janela estava aberta,
fazia muito calor,
veio um vento forte,
e trouxe uma folha,
logo passou.

Minha alma estava aberta,
sedenta de amor,
veio um vento forte,
trouxe uma paixão,
logo passou.

A folha mexeu comigo,
queria um abrigo,
a paixão mexeu comigo,
queria um abrigo,

mas ai folha,
quem te trouxe foi o vento,
que logo partiu,
que queria era seu sopro,
o sopro foi agradável,
mas tu, folha, descarto-a.

Mais ai paixão,
cativei-a, não me cativaste,
o que queria era ilusão,
só uma sedução,
que foi agradável,
mas tu, paixão, carregas outra alma,
não posso descartar,

tenho que aprender a amar,
ou tê-la como carma,
não vigiai,
porque o vento é travesso,
como a paixão, passageiro.

Pecurilaridades

Não será o passado ilusão?
Se não fossem os fatos,
de seria o passado?
Mas passado sem fatos não é ficção?
Quais os fatos que concretizam meu passado?
Não será a vida uma ficção?
As vezes acordo e confundo os sonhos com a realidade,
e a realidade distante com os sonhos.
Sinto o sabor do caju,
vejo o cajueiro carregado de maturi,
cheio de caju vermelho,
não será ilusão?
Ah, doces memórias,
quando em casa, todos reunidos,
mamãe, papai, Bergue eu e as meninas,
em volta de uma ruma de caju,
descastanhando, com uma preguiça...
vai rápido pra acabar logo,
era bom quando o povo vinha ver caju pros porcos,
assim acabava mais cedo, mais pra que?
Pra ver desenho da xuxa.
Ter um tempo antes de ir pra escola...
Que vida peculiar,
quando era pequeno achava que todo mundo fazia aquilo,
hoje vejo que é uma coisa tão peculiar,
de minha terra, de minha cidade,
acho que era endêmica,
não existe mais,
minha infância foi atemporal,
Será que foi um sonho,
ou ilusão?
foi bão...
Nem um fato concretiza aquilo,
da castanha tirava-se o dinheiro,
do azeite as roupas,
simples...
peculiar infância.
Ilusão?

Reminiscência

Engraçado, Bandeira e Saint-Exupéry falam de reminiscência aos seis anos de idade. Será coincidência? Acho tenho reminiscência com essa idade quando fui a escola pela primeira vez.
Memórias tão distantes de minha mente. No Pequeno principe Saint-Exuperi em seu primeiro capítulo fala que quando tinha seis anos lera um livro sobre uma floresta virgem, onde uma serpente devorava uma fera. Refletiu muito sobre esta imagem então fez um desenho. Lembro de na infância ter visto cobre devorando cobra. Sim certa vez e não foi única, vi uma coral engolindo uma cobra de duas cabeça, achei muito interessante era um híbrido, como a coral paralisou sua presa não sei, mas sei que ela estava quebrando as leis da física, pois uma cobra menor engolia uma maior. Lembro-me como se fosse hoje. Estava indo pra casa de Eliene, nossa vizinha, e quando passei pela faxina, sim entre minha casa e a casa de Eliene de Airton que tinha cinco filhos, dois deles com idade igual a minha, era nossa vizinha mais próxima, sua casa era quase a minha, então certa manhã pedi pra mamãe deixar eu ir pra lá, ela deixou, e fui correndo, mas quando atravessei a faxina vi ali sob a maior pilheira, aquele quimera. Gritei e todos vieram olhar. É nos éramos muito humanos, instintivos, olhamos depois os meninos mais velho mataram a coral, a fera que engolia a presa. Corais são muito perigosas, seu veneno paralisa a respiração. Por isso os meninos grandes mataram, mas sob ordem de nossos pais. Vi outra vez uma cobra preta comendo uma coral, mas não matamos, pois cobras pretas não tem veneno, o único problema é se ela achar uma ninhada de ovos ou um terreiro de pintos, ai não tem como escapar,
se comer o que nós comemos já era. Onde morava tinha muitas feras que devoravam nossas galinhas e ovos. Tinha o tejo, a cobra preta, o gavião e raposa. Tinha que pastorear, roçar em volta da casa pra poder vigiar. Bem mas voltando senhor quando criança desenhou uma cobra que tinha devorado um elefante, seu desenho mais parecia um chapéu. Perguntou então para a gente grande se fazia medo. Indagavam que um chapéu não amedrontava ninguém, então desenhou uma cobra com um elefante, mas de maneira que desse pra perceber o elegante dentro da cobra. Foi uma frustração. Disseram-lhe que não sabia desenhar, melhor estudar geografia, história, cálculo e gramática. Assim o fez. Tornou-se piloto de avião e nunca mais voltou a pintar, guardou seu desenho. Quando encontrava alguém que achava que tinha certa afinidade mostrava o desenho, se dissesse que era um chapéu, desconversava. Falava de coisas de gente grande. É difícil falar com gente grande, pois tem que está explicando tudo sempre dizia.
Bandeira fala da infância, das festas juninas...
Reminiscência...
Aquela quimera com certeza foi uma das minhas, mas não sei em que tempo ou plano.

sábado, 20 de novembro de 2010

Escuro da noite

O escuro da noite fria,
enche o vazio de meu quarto,
negra noite cela meus olhos,
minha alma se cala,
matuta, vaga.

O silêncio escuro da noite,
posso inspirá-lo e expirá-lo,
divaga minha alma nos sonhos.

No silêncio escuro da noite,
absorve as cores, oculta as formas,
Meu corpo entende a noite,
pois percebo no silêncio da noite,
que sem luz, de que vale a estética.

O silêncio escuro da noite,
desvenda o meu lado oculto,
acende como brasa o meu corpo,

Posso tocar no silêncio da noite,
posso cheirar o silêncio da noite,
me guia,
percebo as formas, as curvas, nuances.
No escuro da noite sinto as formas,
sinto os gostos, os cheiros, e sabores

Meu corpo ignora o escuro da noite,
que corpo quebra o silêncio escuro da noite,
sinto as formas, sinto o gosto, os sabores,

sinto a consistência no escuro,
A noite tem consistência de veludo.

Apague a luz, sinta o escuro invadindo sua alma.
Dois corpos, agora apague a luz,
sinta no escuro da noite o outro,

toque os cabelos, sinta as curvas,
sinta a pele, o cheiro.
Sinta o silêncio da noite,

sinta o corpo, invada o outro e sendo invadido,
doe e receba,
a luz... de que adianta a luz?

Sinta o calor das artérias pulsando,
corpos com carne latejando,
exaurindo suas forças, suando,

corpos se desejando, se consumindo,
na escuro da alcova,

o silêncio da noite vence e domina,
dois corpos se rendem,
se doam ao silêncio escuro da noite,
onde tudo é nada,
onde os instintos falam mais alto,
e a alma se cala,
e contempla a noite.
Quem sabe uma concepção!

o Flamboiã

Chamam minha atenção,
a beleza do flamboiã,
flores encarnada,
ou cremada,
que linda árvore espalmada,
quanta delicadeza,
em suas folhas,
quanta beleza,
que lindo é o flamboiã.

belas suas formas,
seus cachos,
sem aroma,
mas belos encarnado,
deixa o chão enarnado,
de pétalas,
enfeita os seios
das mulheres
suas semente,

oh flamboiã
sedes tão belo.
como o por do sol.

vai amor

E o meu amor se vai,
vai meu amor,
partes sem dor,
meu amor chega e já sai.

Ontem a noite não senti seu odor,
seu corpo macio,ou seu calor,
está ruim, sem ti mas ai,
a vida cigana com tanta cor,

esta levando de mim o sabor,
de teus beijos cai,
como cai,
o meu ser em torpor.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Companheira


O lua majestosa,
quantas histórias ocultas,
o lua gloriosa,
que cativas o amor,
o lua pomposa,
aprendi a contemplar-te,

pois lua, lua,
que ocultas na outra face escura?
amor, frio ou dor.

Lua segues sempre o teu curso,
ocultas uma face,
oculta-se quando nova,
e crescente tímida aparece,
plenilúneo clareia,

Lua, lua
que ocultas de mim,
desvenda tua persona.

Ocultas tristeza?
sedes sempre pálida e fria,
mas sempre sedutora,

que me contas o lua,
conta tuas histórias,
me faz dormir em teu colo,
porque a vida,
está me cobrando caro,

E hoje só tenho a ti,
somente a ti pra me abrir,
abrir meu coração,
falar de minha paixão,
oh lua,

tu me segues vida a fora,
a qualquer hora,
clareará o meu jazigo
e me seguirá eternamente.

Minha poesia

Como tudo na vida!

As minhas poesias, são quadros que pinto com palavras,
consumo-as quando estou fazendo,
depois guardo, ou simplesmente esqueço.
no papel ou na nuvem internet.

Poesias são horas de contemplação de mim mesmo,
do mundo, de tudo e de nada.
São uma forma de fugir da vida.
Meu refúgio, morada de minha alma,

que vive encantada,
com a beleza da vida,
com a beleza do mundo.

Pinto a beleza,
pois sei que a natureza,
é competitiva.

A vida é um mar de dor,
somos felizes por instantes,
enquanto esquecemos quem somos,
da nossa condição humano finita.

O medo é eminente,
tudo nos apavora,
a vida competitiva,
é muito agressiva,
desumaniza o ser.

E só quando esquecemos que vivemos,
somos felizes,
quando sorrimos,
do outro, nos livramos de nosso próprio ser,

as vezes somos sádicos,
somos egoístas,
não aceitamos essa condição,
não sei se ainda bem,

mas não ponho em minhas poesias,
tais misturas, não quero uma poesia bonita,
com emoção, mesmo que seja esquisita,
mas que faça bem,
consuma minha poesia,
e sinta minha alegria,
é repleta de magia,
ou simplesmente é,
pela condição que a concebi,

muitas vezes minha concepção,
não é lá essas coisas,
mas é assim,
que vejo o mundo e a vida,

por aqui podes olhar
através de meu pensar.
depois de usar,
podes guardar ou simplesmente deletar.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Sello Suites 6

Quanta habilidade,
chega a ser mágico,
de tão belo.
Tu que tocas o violocelo,
com tamanha agilidade,
profundidade e velocidade
interpreta as notas,
faz soar uma, duas, três notas,
uma música,
fecha os olhos para ouvir,
a música que está dentro de ti,
quanta melodia,
quanta harmonia,
vai além da poesia,
me enche de alegria,
entro em extasia.
Paro ouço, mais uma vez,
outra e mais outra,
é tão bela a melodia,
que encurta o tempo,
me ludibria,
não saberia descrever o que sinto,
porque me sinto pleno
quando ouço Sello Suites de Bach.

Alma

É chegada a noite,
o cansaço vence o corpo,
e a alma cansada,
que viajar,
quer vagar,
pelos sonhos,
pelas estrelas,
nas asas de um morcego,
de uma coruja,
não importa quer do corpo
se libertar.
Alma vagabunda,
quer deixar as ideias,
como pode ser tão egoísta?
Como não tem quem juge-a,
fuja, vai noite adentro, mas não esqueça de voltar,
antes do sol raiar.

Ser

Descobri tarde que a vida é bela,
podia vivido muito intensamente,
cada instante que me foi dado,
mas buscava entender como tudo se passava,
como numa busca pelo sentido.
A vida por si tem sentido, mas era metido,
queria sempre mais,
adorava esta com minha família,
porém queria mais e mais.
Vivia aqueles instantes com muito carinho,
mais achava que estava aquém do que queria,
do que esperava,
o tempo passou e nunca encontrei o mais,
nunca estive completamente presente,
em minha vida, vivia no futuro,
mas hoje descobri algo,
descobri que era no passado que era feliz,
perdi todas expectativas do futuro e olho pro passado,
cada momento bom. Ahhh.
Mas quantos não já partiram,
pra longe, pra outra vida,
fomos cúmplices nos risos,
nos gestos no viver.
Agora descobri que na vida o que importa é o presente.
Vi muita gente dizer isso,
Li santo Agostinho, mas nada adiantou.
A vida tem seu tempo, enquanto não vivenciamos,
não experimentamos, o que sabemos.
Somos seres empíricos, não usamos muito da razão.
Aprendemos com a emoção.
Mas essa forma de apreensão nos custa muito caro.
Custa tempo e sofrimento, custa dor, solidão,
trabalho.
Não sabemos renunciar, enquanto não transformamos em razão
toda a emoção vivida.
Os caminhos da vida são muito curvos,
talvez sigamos em espiral,
talvez quem sabe sigamos a concha do tempo.
Onde partimos de um ponto e nossos
horizontes vão se ampliando.
Parece que estamos vivendo tudo novamente,
mas estamos mesmo é seguindo em espiral,
na espiral do tempo.
Tomamos consciência de nossa existência,
de pessoas como seres, de nossas obrigações e
suspiramos podia ser diferente.
Mas no momento que tomamos conhecimento das consequências de nossos atos,
no momento que projetamos nossos desejos,
a vida perdeu do doce o puro sabor,
da beleza a pureza,
da alegria a ousadia.
Descobrimos que nossa pele,
está enrugando, os cabelos falhando ou clareando,
nossos risos não são tão belos e brancos,
vemos no outro nossa imagem,
aceitamos os valores,
nos dobramos a idade, ao corpo,
nosso espírito, no entanto cada dia tem mais vigor,
compreende o amor.
É a vida passa, para todos.
Se não renovarmos nossos genes,
se não tivermos nossos filhos.
O que será de nós?
O que será de nós. Nos apegamos a objetos,
a animais.
Vamos envelhecendo por dentro,
vamos ficando mufinos e tristes até que a morte
vem como uma benção.
Certo dia em um velório, de um amigo de meu pai,
ele falou que todos partem, chega a hora que a vida perde a graça a magia.
Em uma entrevista perguntaram a Clarice Lispecto o que ela acharia de viver o ano 2000,
com sua voz bela, respondeu que não queria está presente,
já que seus amigos mais queridos não estariam presente.
A matéria se dobra, já não quer mais o espírito.
O fim de todos, aqueles que viveram todas as fazes da vida,
nasceram, cresceram, amaram, se reproduziram, envelheceram e sofreram
é a maior benção,
ganham da vida toda experiência e reflexão,
e tem na morte compaixão e respeito pelo ser.

Aurora

Aurora,

No nascente a frente de minha casa,
quantos dias não vi a ti aurora,
encarnada, embrasada,
surgias endeusada,
anunciando a chegada de apolo,
quebrava a hegemonia da noite,
despontava inebriada de sono,
mas sempre vinha,
vinha guiada pela pela dalva,
pela lua...
Tu trazias a bruma da manhã,
vinha roubar-me a cama,
despertar meus sonhos,
ao canto da passarada,
despertava, tu me acordavas,
e te contemplar era tão bom.

Mas o tempo passa,
muita coisa perde a graça,
a vida segue ao som do vento.

Na concha do tempo,
soam as doces memórias,
de perdas e vitórias,
cantadas a ti.
Aurora, não demora,
que já morro de saudades
de mirar-te, amar-te.

em teu ruivo olhar,
contemplar,
viajar eternamente,
e me deixar,
sempre a ti esperar.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Betha

Já na adolescência sonhava, acreditava em tudo, amavaa vida, minha cidade, minha casa.
Casa no campo, cheia de irmãs mais parecia um convento. Minha casa tinha alegria, mamãe com suas gargalhadas e papai com riso cínico. Aquela cidade que era tão grande, fui descobrindo seus cantos, esquinas, prédios, então fui me acostumando. Aquilo foi me incomodando, ficando pequeno pra mim. Não tinha jornal, revista a comunicação só via rádio ou televisão. Os filhos de Toinho da farmácia compravam vez por outra uma superinteressante onde encontre um endereço. Bethânia Emeric Biologia UFES contato para trocar informação e o endereço. Vi aquele endereço, aquele nome pensei vou ampliar meus horizontes. Peguei um papel uma caneta e escrevi, puz a carta no correio, pequeno. O carteiro Chiquinho de Raimundo Moura um cara sério, sisudo, fechado. Na falta de padre ele que fazia o sermão da missa. Mamãe e papai dizia que ele pregava bem. Mas não sei não mais parecia um touro enfurecido, na hora da celebração baixava a cabeça e tome falação. Falava, reclamava aquilo era que era moral, acho que ainda é assim se o padre de Dedin já não tenha ocupado o cargo, mas isso é outra história. Tempos depois recebi a primeira carta, simples mas cheia de carinho veio com uma foto três por quatro. Trocamos muitas cartas, certa vez me falou de um que gostava de répteis eu não gostava muito de répteis gostava, mas preferia os insetos com suas várias classes e várias ordens. Falei pra ela que as vezes comiamos teiu. Ela falou que era uma espécie de Ameiva ameiva, , mas acho que com a filogenia e cladístca deve ter mudado de gênero sei lá, não entendo de bicho nem inseto.
Entendo mesmo é de mato, botânica, Botané do grego pasto é isso ai ganho a vida dando nome a planta, coisa mais besta diria Zezeu que certa vez perguntou o que fazia e eu respondi que fazia biologia, não gostei do que ele falou disse que não dava dinheiro que devia ter feio farmácia, direito ou medicina. Fiquei com raiva eu e todos os biólogos do Brasil. Fiz biologia porque amo a vida amo os mistérios do deus que ele adorava. Enfim o tempo passou e como passou. Minha amiga de cartas sumiu. Passei no vestibular em biologia influência de quem? Betha. Um dia criei um email e a encontrei novamente só que pra minha tristeza ela foi estudar línguas. Foi para a Europa e voltou bancária. Hoje casou e vive com seu esposo e eu ralo pra terminar o doutorado.
A vida é assim, cada um segue seus sonhos, seus rumos, suas intuições.

Descanso

Os pingos da chuva,
esfacelaram o silêncio da noite,
gota a gota,
pingo a pingo,
molharam a rua,
as folhas das árvores.

O som orquestrando,
a noite adentro,
o sono chegando,
o corpo cedendo,
em cansaço,
um abraço,
do escuro,
enfim o descanso,
a paz da noite.

A vida anda tão atarefada.

Manha de chuva

A chuva caiu,
e logo partiu,
o silêncio ficou,
o céu abriu,
o sol brilhou,
sua luz refletiu,
nas folhas espelhadas,
de um véu de água,
aos poucos, se desfazia,
e gotas cristalinas,
que deixavam-se cair,
se desmanchar.

o lago espelhado,
refletia a beleza,
o verde da natureza,
uma gota caiu,
e o espelho,
ondulou,
silenciosa,
a manhã partiu.

O saber




Ver, crer,
pensar,
pesquisar,
Ler e reler,
analisar,
repensar,
concluir,
duvidar,
escrever
divagar,
Aprender,
apreender,
perguntar,
analisar,
divagar.
por fim,
explicar,
saciar o ser.

Ciência,
razão,
religião,

o mundo,
os pais,
os amigos,
os vizinhos,
o mundo.

o tempo,
o vento,

experiência
é a soma de tudo,
o saber é ilimidado,
mas nos deixa saciado.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Retorno

O retorno da viagem

Quando cheguei em casa,
de uma longa viagem,
ah, quanta coisa diferente,
as portas e janelas,
não eram as mesmas,
o terreiro, ainda estava varrido,
mamãe não larga a mania,
mas percebi que estava menor.

Fui chegando devagar,
olhei o quintal estava vazio,
olhei a porta estava fechada,
vi alí na área as velhas cadeiras de balanço,
onde passei tardes fagueiras a ler e cochilar,
tinha cordas novas,
mas ainda estava lá onde eu lia,

dois cães vieram me receber,
não me conheciam,
mas mesmo assim me pediam carícias,
sentiam no meu cheiro, o cheiro de meus pais.

Chequei ali,
abri o portão,
a porta estava fechada,
sentei-me na cadeira no escuro,
de certo mamãe saiu pra passear,

e fiquei ali matutando,
pelo tempo que passei,
por onde viajei,
e de volta a casa,

fiquei ali contemplando o escuro,
voltei pra casa,
quanto viajei,
e eu agora de volta.

pouco tempo depois,
meu pai apareceu na estrada,
andando apressado,
com seu andar arrastado,

dei voz de vida,
mamãe vinha atrás,
com suas pernas arqueadas,
com lenço no cabelo,
soltando um canto,
peculiar,
só a insenar,
pai chegou,
me abraçou a sorri,
depois foi mamãe,

perguntou-me sobre a viagem,
sobre o mundo,
abriu a porta,
acendeu as luzes,
esquentou minha comida,

conversamos noite a dentro,
mamãe foi dormir e ficou a reclamar,
que fossemos dormir,
mas ficamos ali,
a conversar.

Então apresentado o velho quarto,
pai foi dormir,
em pouco começou a roncar,
e fiquei ali a contemplar,
o teto que tanto me abirgou,
senti o conforto e o amor,
senti que a vida valia a pena,
senti o verdadeiro amor,
dormi plenamente naquela noite.

A volta

A volta pra casa

A volta pra casa,
que desejo maravilhoso,
o corpo fica ansioso,
palpita o estômago nervoso.

A volta pra casa,
enche de euforia,
há uma certa magia,
beira a fantasia,

A volta pra casa,
há aquela saudade,
com um que de ansiedade,
o corpo todo sorri.

A volta pra casa,
a chegada, os abraços,
os sorrisos.

De volta pra casa,
os beijos, os afagos,
a comida quentinha,
a cama macia,

de volta pra casa,
nos sentimos mais amandos,
estamos aconchegados,
e sossegados,

plenos nos sentimos.

A fome

A fome

Quando cai a última folha,
pobre sem escolha,
segue adiante,
deixa o sertão,
esquece o lampião,
e segue em busca de um trabalho,
algum quebra galho,
gente que larga a terra natal,
e segue o desconhecido.

A fome assola,
o sol tinge a pele,
a reza consola,

a sede engrandece,
os pés rachados,
dos dias ensolarados,

cansado o pai fala,
vamos adiante,
sorri para os filhos,

canta a cigarra,
na velha a marra,
farinha e rapadura,
é a vida é dura,

mais um terço rezado,
a fome aumenta,
Ai deus quanta dor.

Enfim uma casa,
enfim gente,
quando que sacia a sede,
cede uma rede,
pernoita e segue,
o destino errante,
a vida provocante,
desbrenha o destino,

e segue,
vida adentro,
viver é sofrer,
mas a esperança,
é arma,
a reza um apego
a vida.

Tarde sem chá

O dia nublado,
dia que o vento suave invade a janela,
vem bem em nossa espinha e tira um arrepio,
a tarde silêncio.
Aproveito para ouvir Shumann.
Que delícia de som,
quanta harmonia.

Lá fora as plantas parecem dormir,
nem uma folha se mexe,
grita uma ave, aculá longe,
tão longe quanto minhas idéias,
desfiam pensamentos,
viagens,
a vida ganha potência como uma semente em solo fértil,
depois de um cochilo,
a vida seque ao sabor do vento.

O cajá

Na noite escura,
as estrelas piscavam,
a bruma ia e vinha,
numa frescura,

caminhando na areia fria,
os pés tocam finos grãos,
no fim das chuvas,

o cajazeiro está que é só fruto,
os frutos maduros exalam um cheiro
ácido doce, que perfuma o corredor,

sempre seguindo,
ponho a sandália,

e sigo noite adentro,
fitando as estrelas,
os meteoritos,
papai, mamãe,
o burro, minhas irmãs
e o cachorro,
vamos para o seio
de casa,

naquela noite,
dormimos em paz.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Nascimento

Foi numa noite escura que nasci,
nasci para o mundo, chorei para a vida.
minha mãe feliz me embalou nas cantigas de ninar,
cantava, pra lá e pra cá, me fazendo nanar.

Nas noite escuras, embalado a sonhar,
acordava em choro, com medo da morte,
e dormia as carícias de mamãe,
que me enrolava e me acalmava.

Acabei por me acostumar com as noites,
frias e escuras, mamãe me ajudou.

Mas ah! parti para longe,
fiquei mais distante,
sinto saudades da voz de mamãe a ninar,

noites de trovão de relâmpagos,
me fazem lembrar,
papai a levantar pra juntar água da bica,
numa alegria,

Chuva é esperança,
noite de bonança,
do seio de minha casa,
sinto saudades,
das noites estreladas,
varando as madrugadas,
na fé do obscuro,
onde a vida quem sabe há.

mote

O que andas a fazer,
fazer por aprender?
ando a xeretar,
aqui, ali e aculá.
Aprendi a falar,
o que devia o que desvia,
da poesia, da magia,
agora uso da fantazia,
pra esquecer o medo da morte,
aos poucos tenho sorte,
não encontrar vazia,
a vida cansada se entrega a morte.

Negra noite

O céu atropurpúreo,
aos poucos desponta estrelado,
brilhos do mais diversificado,

as vias lácteas pálidas,
caminhos de leite de sonhos,
mil e uma formas,
milhares de fazes,

no céu claro do verão,
que muda a cada estação,
mitos, histórias se constroem,

entre um café, um chá um prosear,
a vida passa mateira,
ao som dos grilos da noite,
a chegada do vento de acoite,

canta o grilo,
escondido na negra noite,
nos oitões,
nos currais,
nos cafezais.

Negras forças,
tudo trás,
lembranças
de crianças,

de um tempo que não volta mais,
brilha estrela na minha mente,
embaixo dos cafezais.

Sabia sabiá!

Pobre dessa sabiá,
agora vivi cá,
ora voa pra lá,
coitada, deve esta cansada,
desde que o dia nasceu,
a pobre voa atordoada,
em busca de minhocas,
pra alimentar a filhotada,
como aguenta,
três bicos pra criar.
pobre do sabiá,
nem canta mais,
ta de pernas finas,
de tanto trabalhar,
voa pra cá e pra lá,
ah sabiá,
que o dia se vá,
e então possas descansar.

Deus

Deus, para aqueles que creêm,
neste momento de solidão,
dai o conforto, estenda-lhes a mão,
salva aqueles que leêm,

que são cegos pela razão,
pai do infinito, tu que têm,
o espírito de tudo, sauvai aqueles que veêm,
em ti luz e salvação,

Deus como se acostumar com um não,
como viver a azedar a alma, a quem deêm,
um pedaço de pão,

falta paz no coração,
ser abandonado, sem ter alguém,
morre, escorre a vida em sua mão.

O amor

Como é fácil amar na alegria,
Como é fácil de amar na folia,
como é fácil amar a quem tudo tem,
como é fácil de chamar alguém de meu bem,
de barriga cheia, sem nenhum problema.

Mas será isso o amor?
se no momento de dor,
de dificuldade, tu queres,
algo melhor, queres ti desacomodar.

Um anel não sela o amor,
o que sela são as vitórias,
vencer a dificuldade quotidiana,

Amar é como trabalhar no mar,
em dias de bonança ou calmaria,
dias de tempestade, dias de fome,
dias que parece que vai morrer,
mas antes renasce, como o sol
nascendo na manhã,
isso sim sela o amor.

Um amor incondicional,
que dribla as dificuldades,
que margeia a dor,
e renasce como a flor,
numa planta,
que acredita que um dia fruto será,
investe, sacrifica, todas as flores,
porque acredita no amor,

ah, as dificuldades selam o amor,
quem não entende isso,
desconhece o que é o amor,

pois amor não é só bonança,
é também temperança,
esperança,

um afago ao peito.

Conheci o amor,
no olhar da mãe,
que ama incondicionalmente,
até o leito de morte,
até que o trapo humano,
desencarne,
chora na sepultura,
a dor de quem partiu,

Descobri que amar a se mesmo,
é mais importante, pois
a dor que gera o amor,
muitas vezes transforma sua vida em dor,
solidão.

Entregue-se a paixão,
e tente encontrar o amor,
mas saiba que na maioria das vezes só encontrarás dor,
a vida perderá a cor,
se não souber te amar,

Amar no conforto é muito simples,
doa-se ao amor,
é morrer,
porque quem mais ama é quem mais sofre.
quem sabe na morte,
terás o sabor,
e possas dizer que de tudo tentou,
se não deu,
talvez o amor não exista,
seja algo abstrato,

não seja um fato.
Quem sabe?

quem sabe?

quem sabe?

Viagem


Quando fechei a porta de casa,
pus a mochila nas costas,
parti para bem longe,
fui de ônibus,
sem pressa, sem medo.

Sentou-se ao meu lado,
um senhor viajante,
cansado de tanto andar,
começou a conversar,
falou sobre o mundo,
sobre objetos, desejos,
alegrias, tristezas,
falou de coisas que desconhecia,
falou em versos,
aquilo era poesia.

Seu rosto embotado do tempo,
enrugado, dentes desgastados,
falou-se de deus, do diabo.

Cantou uma música,
embalada ao vento.

Então o sol já se punha,
bem no horizonte.

Então o senhor,
pediu pra descer,
apertou-me a mão,
senti que sua mão era caleijada,
como de quem usava a enxada.

Desceu em um pequeno vilarejo,
de casas em tijolo nu,
sorriu, disse adeus.

E quando olhei pela janela,
a criançada, correndo em sua direção,
abraçando e gritando,
vovó e um pequeno deficiente, vinha se arrastando,
sorrindo intensamente,
naquele momento,
meu coração conjelou,
chorei, tomei um gole de água.

Descobri que aquele homem,
viajava, mas na imaginação,
suas histórias em nada eram falsas.

O senhor da frente,
falou da fama de seu joão,
das suas famosas histórias,
de sua criação.

Então, minha viagem seguia,
anoitecendo, escurecendo,
ganhei, a viagem na viagem.

Cheguei ao meu destino,
vivi, sonhei, brinquei,
aquela viagem,
foi maravilhosa,
cheira de prosa,
cheia de paixão,
deixei de lado a solidão,
e quando voltei pra casa,
já não era o mesmo,
tinha uma carga do tempo,
de histórias,
uma sensação de amor pleno,
quando cheguei em casa,
minha casa sorriu,
sua porta abriu,
e ah!
cá estou no seu átrio,
a habitar,
sem nada esperar,
só a digerir,
o que tanto vivi.

O que a vida me permite é viver, sonhar e viajar.

Alegria

A muito tempo não percebia um dia sereno, mais pareceu uma manhã nova em minha vida. Daquelas com sabor de embriaguez, acordei tarde. O sol quente que arde, brilha no céu. Pássaros calados, cachorros latem longe. Manhã de Natal. Bem ti vi, bem ti vi, bem ti vi... cantou o bem ti vi. três filhotes de sabiá corrichiam no ninho. Meu estômago reclama que está com fome. Abri as frestas da janela e a luz invadiu meu quarto no mesmo instante. Não Me sinto tão bem a muito tempo.

domingo, 14 de novembro de 2010

Dia em que sai de casa

Foi numa noite de luar que fui embora, era oito de agosto de 2000. Não foi o dia mais feliz da minha vida, porque deixei papai, mamãe e Roberto. Me emociono só de pensar que papai subiu na barreira e ficou chorando forte, mais parecia dor da morte. Mamãe de certo chorava. Estava muito feliz ansioso pelos estudos, triste por meus pais que ficaram sozinhos. Mas a vida anda. Peguei o grande ônibos guiado por Almeida, motorista a muitos anos da viação Oeste. Neste dia tive a felicidade de minha chefe ir à capital também. Depois de esfriado o choro, depois que saímos de Martins fui me acalmando e ficando mais ansioso por Natal, a lua clara e ansiedade não me deixaram dormir. Chegamos em Natal, chuvia bastante. Então desci no Machadão. Com um papel contendo todas as indicações de onde ia ficar. Peguei de taxi um escort, e fui certinho até a casa de minha amiga. De agora em diante seria um natalense, mas não foi fácil. Cheguei na casa chamei Josemar, finalmente conheci, sim porque Lívia minha amiga falava muito bem dele. Era um doce de pessoa. Minha vida começou lá. Por duas semanas tive que cozinhar, lavar e passar a roupa. Ir a pé pra faculdade, com medo de me perder. Mas foi uma aventura. Foi uma maravilha podia estudar até altas horas, fazer o que quisesse. Nem tudo foi doce, nem tudo foi amargo. Foi natural. Fui forte, tive sorte. Eu sobrevivi, mesmo as saudades de meus pais. Formei-me e me pergunto meu deus quando vais me dar um emprego? Quando vou poder ajudar meus pais?
Fazem 10 anos de estudos. Que batalha longa. A vida há de nos recompensar!

Viagem subjetiva

Palavras?
Como usar?
Não sei, sou quase um bicho que relincha pra se comunicar.
Minhas palavras são desarticuladas, não comunico, falo o que vem a mente. Isso muitas vezes irrita.
As vezes sou condicionado, como um cão que abana o rabo quando quer carícias ou comida.
Muitas vezes não sei me expressar. Então uso a frase do peno príncepe "A linguagem é uma fonte de mau entendidos".
Não penso decoro as palavras, as frases, as tiradas. "Nunca me viu cara de paviu sem fio" só funciona com João Semir, aprendi com ele.

Já "O sol nasceu para todos, mas a sombra é para poucos", aprendi com o Gato, sério nem sei o verdadeiro nome dele. É um cara muito inteligente, cheio das tiradas física. Dizia ele que a preocupação na cabeça de Vitoriano era do tamanho de um átomo de hidrogênio. Falava sério, nos riamos até. Largou física pra fazer enfermagem, na certa hoje ganha muito bem, mora lá em Almínio Afonso, cidadezinha do interior do RN.

Essa tirada dele é muito boa. Todo mundo ri quando a uso.

Sempre foi assim foi colando uma coisa aqui outra ali.

Minhas piadas são um fracasso, faço rir, mas por não saber contar a piada.

Minha alfabetização foi muito laboriosa, rendeu dois anos a Dona Livanir que tinha as orelhas grandes e todo os dias puxava minhas orelhas pra ver se cresciam tanto quanto as dela, ou será porque eu era danado? eis um paradoxo que não resolvi ainda. Acho que gostei pois passei dois anos com ela. E minhas notas, provam que não era lá um bom aluno. Meu amigo Aurivam aprendeu a ler primeiro que eu. Era um dos mais inteligentes, lia os maiores textos. Lembro que certa vez leu uma leitura sobre um besouro. Eu era broco. Quase não pega no tranco. Mas aprendi. Não gostava das palavras, confesso que gostava das imagens. É adorava as capas dos livros, as figuras que antecediam as leituras. Gostava de imaginar o significado das imagens a leitura do texto.
Enfim passei para a segunda série. Bem como sabia da boca do povo que Elenita Dias Lemos era um general que expulsava os alunos ruins, ah, essa não, nunca fui burro, ficava quieto. Minha orelha parou de crescer. Essa foi maravilhosa, passei dois anos com ela, mas porque ela dava aula pra segunda e terceira série.
Mamãe avisava que se fizesse danação na escola, apanhava, então me pelava de medo dos bilhetes dos professores. Dava prazer, dizer que estava de férias que tinha passado de ano.

Então a coisa mudou, deixei a minha escola, sim a Escola Isolada Serrinha do Canto e fui estudar na Estadual. Minha escola, limpa por Zinar de Antônio de Docinha, que ganhava uma merreca pra fazer a merenda e deixar limpa a sala, pela manhã, a tarde era dona Dudé. Para ir para uma escola que mais parecia um presídio, até muro com caco de vidro tinha. É a vida mudou, tinha vergonha de ir na minha monareta pra escola, o infeliz do Fabim de Dodora que é ainda meu primo pegava ela pra fica empinando. Ficava muito irado, mas tinha medo de apanhar, então deixei a guardar na casa de Seu Leopoldo. Bem minha nova professora era Dona Conceicão e nós éramos sua primeira turma. Era magra, morena clara, e tinha o cabelo curto, muito sérias. Todos os dias fazia todos nós rezar um pai nosso. Gostava, naquele tempo, não conhecia ninguém, mas não demorou muito fiz amizade com todos. A memória ainda está fresca. Gostava das aulas de dona Ceição, nesse ano fui bem em todas as provas.
A quinta série foi uma emoção, conhecia o povo da serrinha, mas agora na quinta série era coisa de gente grande. Tinham as turmas A, B e C, era novo ainda fiquei na turma A. Olha nessa turma conheci os meninos e meninas das Lages e Boa Vista. Das Lages tinha Cleilton um menino com o rosto cheio de sardas, muito bom em matemática; Edinéia a linda menina de olhos grandes, Verônica. Da Boa vista, Sileuda e Alessandra. Tinha a menina mais linda da quinta c da Boa Vista Adalziga. A Boa Vista tinha muito boa fama de mulheres bonitas. Ah esse ano foi uma desgraça,
andava com os piores alunos, fazia baderna, cheguei a ser expulso da sala. Ufa, certo dia uns moleques estava fazendo baderna com as cadeiras. Então Chaguinha que era o diretor chegou e enquadrou todo mundo, não sei como escapei daquela. Foi muita adrenalina. Fiquei de recuperação em matemática e português. Pensei dessa não passo. Mas passei. Na sexta série, a mão de deus me ajudou, ou melhor, o professor deu 10 a todo mundo numa prova de matemática então passei. Descobri a beleza da biologia no livro de ciências da sexta série, quantos animais. Esse não devolvi, fiquei pra mim. Aprendi muito com ele. Todos meus colegas perguntavam quando ia ter aula de educação sexual, não perguntava, tinha vergonha, mas vibrava quando alguém falava. Detestava as aulas de Duceu, de história e religião, ela não tinha culpa, mas que aulas chatas, escrevia e lia. Acho que não sabia sequer o que era história, mas ela precisava ganhar o pão de cada dia. Educando?
Ah na sétima foi maravilha, tive aula com Ledimar o melhor professor de matemática que já conheci. Será que ele era carismático não tenho dúvida. Na época era um dos poucos que fazia faculdade em Patu era ele, dona Maura, Eudes e dona Manuela. Conheciamos quando ele vinha desde que o timbre da moto zoava na padaria. Uma honda 88 vermelha linda. Finalmente contei meus dias de Serrinha dos Pintos queria estudar em Martins.
Em Martins tive meus melhores dias de escola. Lia todo dia o que o professor passava a noite, decorava tudo. Tirei muitos 10, vasculhava a biblioteca, que só tinha livros velhos. Vi muitas vezes dona Bebete cochilar, enquanto vasculava aqueles livros. Para gostar de ler... Ela muitas vezes me emprestava sem precisar anotar, sempre devolvia tudo.
Bastava a aula acabar pra correr pra lá.
Pra Martins tinha que ir de ônibus, depois de pau de arara. Foi muito bom esse tempo. Tinha a professora, minha mentora em Biologia. Janildes que amava de paixão, o professor de história Zé Nilson excelente. e outros mais. Eu disputava com Sandrinho as melhores notas.

Tudo era decoração, por isso demorei mais de três anos pra entrar na faculdade. Eita que cabra rude, pensava.
Não conseguia ler, eu interpretava. Por isso me tornei taxonomista de plantas, estou sempre usando a imagem pra interpretar.

Não aprendi a falar, me expressar, mergulhei na filosofia, acho que um dia sei lá.
A vida há de me recompensar.

Mel

O doce

O sabor do mel,
adoça minha alma.

Aquele doce melado,
transparente resinado,

apetece meu desejo.

Mas todo mel,
em excesso,
lambusa, abusa,
passa ter gosto de fel.

mel demais faz mal,
até mesmo as abelhas,
morrem afogadas no mel.

Mas o mel,
afrodisíaco mel,
demais enjôa.

Schubert

Gênios humanos,
Poucos homens construíram obras universais. Será? talvez, apenas esses poucos homens conseguiram cristalizar suas ideias. Quantos gênios não existiram ou existem no mundo, mas que simplesmente sua genialidade ficou adormecida. Nem sempre o mundo foi uma rede, uma nuvem, onde a qualquer momento podes ser contemplado com a sorte de ser uma estrelas. O que percebo é que a trajetória dos grandes homens envolvem muita dor, muito suor e dedicação, homens que viveram simplesmente por suas convicções. Homens que acreditaram e acreditam em si. Que construíram a própria história com punhos de aço, souberam fazer das dificuldades um motivo para seguir em frente. As dificuldades são inerentes a vida. Acredito que todo ser humano tem em si a semente do brilho, mas poucos sabem cultivá-la, às vezes o caminho das pedras não é ensinado e a dor faz recuar. Quem não recua se destaca. O brilho está dentro de cada um. Todos nós somos únicos, com formas peculiares, embora semelhantes, no entanto diferentes. Nós que nos construímos. Nem sempre o sucesso está aos nossos olhos, mas está lá. Latente desperte o melhor de ti. Uma criança nasce pura, cresce, atinge maioridade, por fim se torna um ser. Esse ser depende dela mesmo. Pense nisso!

Lixo

As ruas já não estão nuas,
vestiram-se de lixo.
o luxo é um lixo,
essa teia humana continua,

desejo de querer até bicho,
homens animais,
animais homens,
A fome consome o lixo,
o lixo do luxo,
enche o bucho,
de quem tudo quer.

Quanto vale um homem?
um monte de lixo,
não é porco mas come, do lixo,
salões de beleza,
contra a natureza,
mais vale o cão,
a um mendigo,
um drogado,
lixo humano?
As ruas estão cheias,
dinheiro nas meias,

dos homens de poder,
e os jovens na rua,
consumindo o lixo,
o lixo da droga.

Que nos restará,
além do lixo?
lixo humano,
o cérebro não é descartável,
homens não são lixo,
não se consome e descarta,

um dia iremos pagar,
por usar, da vida,
da natureza,
para o luxo,
e transformar tudo em lixo.


sábado, 13 de novembro de 2010

o melhor

Sempre achei que as melhores coisas vinham no final. Foi assim que organizei meus pensamentos, minhas coisas. Acho que me enganei. Não existem melhores coisas. Cada uma tem a sua vez, seu momento, todas são melhores a seu tempo. Por muito tempo fiz com que as coisas que faço e penso me satisfizessem no final. Deixava a melhor carne pra comer no final, melhores conversas pro final, melhores frases pro final. Achava que o sabor do livro estava em bater a capa final. Estou aprendendo a duras penas que tudo momento é especial. Já sabia disso, havia lido em Santo Agostinho, eu acreditei nos meus sentidos, me enganei. Quantas coisas poderiam ter sentidas com maior intensidade? Tudo bem não me arrependo, afinal viver é um constante aprender. Estou tentando ser diferente, mas é difícil curvar madeira velha. Estou tentando, vou consegui, sempre consigo o que quero, pelo menos nos sonhos tudo posso.
Ninguém nasce feito em nada, senão trabalhar, suar nunca vai deixar de ser um nada.

Tensão.

Quando me sinto sozinho,
e me acho no meio do caminho,
sem saber para onde ir,
penso em deus, sinto um aperto,
forte no peito,
sinto vontade de chorar,
eu sinto o silêncio frio,
da casa vazia.
Fico num descontentamento,
numa ansiedade, um desespero,
tenho vontade de desexistir.
sento e levanto,
entro na net,
não quero nada, ninguém,
sei que a vida pulsa,
em descompasso,
descontração,
nada faço,
ouço o Amadeu,
não dança minha mente,
calor, frio, fome, desejo...
sinto tudo e nada, estou confuso,
queria ouvir soar a campanhia,
o telefone tocar e nada,
fico aqui,
feito doente,
da mente,
passo o dia,
tentando driblar
a solidão,
essa é minha condição,
agora, esse agora que não,
passa, ou passa,
devagar,
como o tempo.

O gozo

Um dia Maria,
sentado no banheiro,
descobri na insistência,
o gozo, ai que gozo!!!
nem precisei pensar,
foi tão intenso,
que intenso, prazer.
Não sabia que seria,
que a partir daquele dia,
a vida deixar de ser poesia,
a partir daquele gozo,
minha vida naufragaria,
em busca do desejo perfeito,
busca de quem o conseguiria,
o primeiro gozo nunca se esquece,
porque se quer esquecer,
por ser feio, obsceno,
foi perdendo a intensidade,
foi vindo a verdade,
precisava daquele gozo,
descobri na mulher o desejo,
descobri no beijo,
uma forma de gozar,
eu queria, novamente,
e novamente, amar.
que ironia
a partir daquele dia,
descobri um novo sentido de viver,
queria mesmo era --der,
fiquei viciado.
Mas fui levado,
a viver aprisionado,
em busca do desejo,
em busca do beijo.
Não sabia a natureza,
preparava, uma maneira de me eternizar,
de jamais acabar,
a vida...
vida por que descobri o gozo,
por que descobri o gozar,
por que me faz largar,
minha infância?

Descobri no gozo a dor,
descobri no gozo a prisão,
de se dar em uma relação,
só me resta a subordinação.

Umburana

Uma semente trazida pelo vento caiu em meu jardim. Encontrou solo fértil, umido e fresco. Germinou bem ali. Não vi quando nasceu, porém aos poucos foi crescendo e aparecendo. Um dia acordei, não fui para o trabalho, não fui para o computador. Sai para contemplar a natureza, ver a natureza viçosa. E percebi que um novo ser viver bem aqui. Contemplei-a bela planta exclamei!
Ela sorriu pra mim. Voltei pra vida, liguei o computador e segui a vida. Nunca mais a vi, mesmo estando ali. Um dia então sonhei que tinha uma nova planta em meu jardim. Foi um sonho lindo, uma umburana em meu jardim! Senti que algo gostoso entrava pelas frestas de minha janela.
Abri a janela era ela desabrochando suas primeiras flores. Acordei do sono.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Taipa

Essa casa de taipa, tão bonita, tão simples.
O telhado desalinhado, velho e preto,
As paredes de barro, barrigudos, estriados,
o chão batido, aguado, varrido.

Forquilhas de madeira,
sustentam a cumieiria,
salas, quartos e cozinha,
tão modestas e pequenininha.

No pé do fogão,
dorme a galinha poedeira,
na combuca dorme o periquito e o sal.

um tripé de maniçoba,
sustenta o alguidar de leite,
na casa de taipa,
as pessoas tem ideias rústicas,
são sabias por natureza,
pois veem a beleza,
em viver, para além das paredes.

Desespero

Ultimamente tenho medo do tempo,
fico paranóico, sem pensamento.
O tempo me consome, não mata minha fome,
de existir, de exprimir.

Não ultimamente está difícil,
tenho os nervos a flor da pele,
tudo me irrita, tudo me excita,
sintomas do medo do tempo.

Acho que vou tomar algum prozac,
acho que vou ler Balzac,
não sei, o tempo está me enchendo de dúvidas.

Não posso correr, sei que vou morrer,
consumindo o tempo, como cachaça,
consumindo meu medo, entregando minha alma ao diabo.

O vazio

Vazio

Está tudo vazio,
quarto vazio,
peito vazio,
aperta a solidão.
O escuro da noite,
traz um vácuo no meu ser,
extremo vazio.
Solidão?
Medo?
Não quero ouvir uma música,
pois me sinto só,
a música me trará lembranças,
não as quero agora.
Quero sentir o ruido do vazio.
Quero falar com o vazio,
com o silêncio.
Será que quer me dizer algo, este silêncio?
Quem sabe, não senti, ainda.
Só sinto o vazio,
sinto frio,
frio da noite,
sem estrelas,
sem luz,
o vento fala algo,
mas não quero conversar.
vou tocar no vazio,
da casa,
da mente,
do coração.

Cada um.

Cada um com seu cada um.
uns gostam de amar,
outros adoram viajar,
a maioria precisa trabalhar.

Um diz que quer amar,
mas só sabe viajar,
outro diz que quer viajar,
mas só sabe amar.
Alguém tem que trabalhar.

uns discutem quem deve viajar,
quem deve amar,
a maioria é mandada para trabalhar.

Queremos ser juízes de quem deve amar, viajar e trabalhar.
Eis os formadores de opiniões,
que se fazem grandalhões,
pois só sabem discursar,
bobas tramas inventar.

O que é o amor?
O que é o conhecimento?
Todos sabem que tem que trabalhar,
alguém tem que trabalhar,
para os vigaristas viajar,

com desculpa de progresso,
do melhor bem está.

Cuidado com os formadores de opinião,
formadores de conceito,
pois arrancam-lhes os do peito,
e teu coração, com a própria mão.

Gênios

Quanto brilho emana de uma mente humana?
Einstein um dos maiores gênios humano era simples, contemplava a música, a natureza e o universo. Nasceu e cresceu como qualquer ser humano, teve dificuldades como qualquer ser humano, se preocupou com a estabilidade, quis um emprego, consegui, construir uma teoria tão importante que surpreendeu o mundo. Com sua simplicidade conseguiu ser conhecido por todo o mundo. Tocando seu violino, viajou onde jamais um ser humano conseguiu chegar, conseguiu se imortalizar, com o brilho de suas ideias. Não somos gênios como Einstein, mas como cada um que ler, que pensa, que acredita, pois somos peculiares e unicos. Quem sabe se nos desapegarmos muito dos nossos desejos, se sonhamos mais, não venhamos a brilhar, imortalizar-mos para além da sepultura, das nossas futuras gerações. Vivemos no mesmo mundo que viveram homens que conseguiram construir um mundo melhor, Sócrates, Galileu, Darwin, Bach, Machiavel, Hoobes, Ford, Nietzsche dentre outros. Sim eles viveram com todas as dificuldades de humanos o que nos separou foi apenas o tempo e o espaço, no entanto suas obras estão disponíveis para todos e quem dispor a fazer uma leitura, certamente será capaz de compreender melhor o mundo. Talvez se tivermos sede de compreender o mundo, tentar fazer algo pra torná-lo melhor, talvez assim teremos maior quantidade de gênios e quiçá um mundo melhor.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

A água

Água fonte de vida,
que lava a pele,
que alimenta a alma,
que sacia a sede do corpo.

Água que ao se condensar,
debruça-se sobre a natureza,
clareia as paisagens.

Água que segue o leito dos rios,
que desce ralo abaixo,
e leva nossas sujeiras,
mas não lava a alma.

dar vigor, ameniza o calor,
sana a dor.

Água divina fonte de vida.

Não laves tua calçada,
salve a vida,
varra seus problemas,
pois a água é rara pra ser desprezada.

feche as torneiras,
enxugue as lágrimas,
muita dor não merece saudade.

lave a pele, baba a água,
siga a vida, onde o curso der,
quem sabe um dia,
sintas falta,
da calma, da alma.


Brasas

Sob o céu embrasado,
brilha no horizonte
o sol, brilho jorra em fonte,
um brilho finado,
de despedida, atrasado.
se entrega pra noite,
e apaga o dia,
até a poesia,
se recata.

Cerrado

No céu encarnado,
o sol se põe,
no solo enrubrado,
suave poeria expõe...

ah que horizonte,
sem sequer um monte,
que ares secos,
no fim da tarde,
o sol ja não arde,
e deita o sol,
se entrega a noite,
sem vento ou açoite.
na calma do cerrado,
a natureza se encerra.

Sapo

O sapo
pula,
pula,
pára.
senta
a barriga,
cheia,
contempla,
buda,
sapo,
ruga,
cuidado,
sapo,
com o carro.
sapo, sapo.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

O café

Um cafezinho.

Nunca vai chegar numa casa no nordeste em uma casa em que o dono gentilmente não ofereça um cafezinho. Começa assim você chega, num calor dos diabos, se apresenta, e pede um copo d'água. Antes as crianças eram muito tímidas ficavam escondidas até que os pais atendiam ao visitante, aos poucos como, animais de estimação, repentinamente florava de meninos e meninas nas portas e janelas, sim porque as famílias eram enormes. Casa de chão batido, tijolo a vista, e tamburete pra sentar, água fria logo trazia a mãe, enquanto o pai alinhavava uma conversa. E sem perguntar pra visista se desejava um café o marido falava pra mulher fazer aquele café. Debaixo de tanto calor um café faz muito bem, pois a cafeína ativa os músculos. Hoje se voce chega numa casa no nordeste, com o luz para todos, não tem esse lugar que não tenha eletricidade. Quando voce chega, os meninos não se escondem mais não, são todos sabidos, são contados, no máximo três, porque criar hoje está difícil os pais pensam que os filhos tem futuro e não servem de mão de obra, pensamento, retrogrado. Os filhos já chegam falantes, pois aprendem de tudo na novela, até beijar na boca sem ter vergonha. Sim porque os meus primeiros beijos sempre eram as escondidas de minhas irmãs, mãe, pai ou família tinha vergonha, os filhos cheios de pergunta, mais parece serem reporteres, tem que se preparar senão é taxado logo de matuto. Então chama voce pra sentar, trazem água gelada, é todo mundo com o bolsa família, bolsa maternidade, ganha uns trocos e compra parcelados nas paraibanas seus eletrodomésticos. E trazem um café se tiver doce, vai de doce e o café sim aquele café. Santa Clara viu se não for essa marca, não presta, foi-se a época de café quimimo. Bem se voce não toma café oferecem um doce ou o que tiver e ai de voce não aceitar, isso é desfeita.
Mas nem sempre foi assim quando era pequeno era viciado em café com leite e o engraçado é que tomava café com leite no prato, porque o líquido esfriava rápido. Na época do Sarney que a inflação estava nas alturas, imagina que o povo vendia até galinha pra por na poupança, teve gente que achou que ia ficar rico lá em serrinha, vendeu até a última galinha, veio Collo e comeu tudo, enfim a coisa estava muito feia. Café quase ninguém podia comprar, vi várias modas, gente fazendo café de milho, até de canavalha. Era bebi lá em dona Francisca de seu Mundim café de milho. Então pra não ficar sem café papai comprava nescafé e eu gostava. Não percebia diferença. Tempos brabos. Aqueles. Mas enfim o café sempre fez parte do quotidiano nordestino. Na casa de minha tia que parecia uma creche, nunca vi tanto filho e neto, lá era pra mais de cinco pacotes por semana, os meninos eram viciados, no café, voce via os meninos bebendo café e chupando a língua pra saborear o gostinho finito do café. Quando ia lá pra tia Nina já sabia, que ia demorar, pois era dois cafés um na chegada e outro na saída. Nunca vi pessoa mais agradável até Conforça almoçava lá. Sempre o café fez e faz parte da cozinha nordestina. Não sei se é bom ou ruim, talvez não seja um café colombiano, mas cada um tem sua forma de prepará. Garanto que não é um chafé.

O café

Um cafezinho.

Nunca vai chegar numa casa no nordeste em uma casa em que o dono gentilmente não ofereça um cafezinho. Começa assim você chega, num calor dos diabos, se apresenta, e pede um copo d'água. Antes as crianças eram muito tímidas ficavam escondidas até que os pais atendiam ao visitante, aos poucos como, animais de estimação, repentinamente florava de meninos e meninas nas portas e janelas, sim porque as famílias eram enormes. Casa de chão batido, tijolo a vista, e tamburete pra sentar, água fria logo trazia a mãe, enquanto o pai alinhavava uma conversa. E sem perguntar pra visista se desejava um café o marido falava pra mulher fazer aquele café. Debaixo de tanto calor um café faz muito bem, pois a cafeína ativa os músculos. Hoje se voce chega numa casa no nordeste, com o luz para todos, não tem esse lugar que não tenha eletricidade. Quando voce chega, os meninos não se escondem mais não, são todos sabidos, são contados, no máximo três, porque criar hoje está difícil os pais pensam que os filhos tem futuro e não servem de mão de obra, pensamento, retrogrado. Os filhos já chegam falantes, pois aprendem de tudo na novela, até beijar na boca sem ter vergonha. Sim porque os meus primeiros beijos sempre eram as escondidas de minhas irmãs, mãe, pai ou família tinha vergonha, os filhos cheios de pergunta, mais parece serem reporteres, tem que se preparar senão é taxado logo de matuto. Então chama voce pra sentar, trazem água gelada, é todo mundo com o bolsa família, bolsa maternidade, ganha uns trocos e compra parcelados nas paraibanas seus eletrodomésticos. E trazem um café se tiver doce, vai de doce e o café sim aquele café. Santa Clara viu se não for essa marca, não presta, foi-se a época de café quimimo. Bem se voce não toma café oferecem um doce ou o que tiver e ai de voce não aceitar, isso é desfeita.
Mas nem sempre foi assim quando era pequeno era viciado em café com leite e o engraçado é que tomava café com leite no prato, porque o líquido esfriava rápido. Na época do Sarney que a inflação estava nas alturas, imagina que o povo vendia até galinha pra por na poupança, teve gente que achou que ia ficar rico lá em serrinha, vendeu até a última galinha, veio Collo e comeu tudo, enfim a coisa estava muito feia. Café quase ninguém podia comprar, vi várias modas, gente fazendo café de milho, até de canavalha. Era bebi lá em dona Francisca de seu Mundim café de milho. Então pra não ficar sem café papai comprava nescafé e eu gostava. Não percebia diferença. Tempos brabos. Aqueles. Mas enfim o café sempre fez parte do quotidiano nordestino. Na casa de minha tia que parecia uma creche, nunca vi tanto filho e neto, lá era pra mais de cinco pacotes por semana, os meninos eram viciados, no café, voce via os meninos bebendo café e chupando a língua pra saborear o gostinho finito do café. Quando ia lá pra tia Nina já sabia, que ia demorar, pois era dois cafés um na chegada e outro na saída. Nunca vi pessoa mais agradável até Conforça almoçava lá. Sempre o café fez e faz parte da cozinha nordestina. Não sei se é bom ou ruim, talvez não seja um café colombiano, mas cada um tem sua forma de prepará. Garanto que não é um chafé.