quarta-feira, 31 de março de 2010

Água

Água insípida, incolor e inodora que gostoso lembrar quando estava pela primeira vez tendo contato com as ciências, nem imaginava que era a ponta de um iceberge em matéria de conhecimento, nem sabia o quanto é importante a água à vida.
Lembro das propriedades organolépticas da matéria, mas não estava atento ao substantivo matéria. Como era gostoso aprender ciências.
Saber da importância da água foi fácil quando em 1993 teve uma seca tão grande no nordeste que vi tudo tinhamos se desfazer, papai teve que vender todas as rezes, chego a me emocionar só de pensar, mal tinhamos água para as necessidades básicas.
Todo mundo se desfez dos animais que lástima e tudo isso por falta de água.
A ecologia presente na minha vida, no meu presente.

terça-feira, 30 de março de 2010

nasceu

A manhã de hoje foi tão linda,
antes do sol nascer,
o mundo já estava claro,
o céu ornado de nuvens,
as nuvens azuis, brancas, pálidas,
ah mas as nuvens do horizonte, no nascente,
estavam rubras, indicando a chegada do sol,
e quando o sol nasceu,
nasceu sorrindo,
nuvens se abrindo, para apolo passar,
o clima ameno,
o som das aves,
o cheiro do mato molhado,
as ruas vazias,
tudo passa vagarosamente,
folhas ao vento,
rubens ao tempo.

freedon

Voa ave sob o céu azul,
olha para o horizonte muito além,
não se sabe o que vem pela frente,
no amanhã, mira o sol e voa, voa,
só vai para o além,
sem laço,
sem paço,
livre.

domingo, 28 de março de 2010

Churras.

As vezes nos fins de semanas, eu e a turma da botânica nos reunimos para trocar umas idéias e comer um churrasco, numa boa, faz-se o fogo e sai a primeira rodada farta de linguiça com arroz branco e refrigerante, há também aqueles que tomam uma cerveja. E a conversa um a um vão chegando os amigos que chegam e vão tomando seus assentos e então começam os papos mais variados possíveis, como somos uma turma de estados diferentes, Minas, Rio, Ceará, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sul, São Paulo, tais como culinária, dança, política, trabalho, enfim é muito bom esses encontros pois descontraímos bastante. Passamos a respeitar mais a diversidade, trocamos conhecimentos, valorizamos o diverso.
Faz quase três anos que estou aqui em Campinas e já me sinto muito a vontade as vezes sinto saudades, mas tenho os amigos para passar nas horas ruins. Tenho uma namorada mineira muito bacana, adoro sua inteligência, organização e outras coisas mais.
Confesso que sempre me senti a vontade aqui e Campinas, ou melhor aqui em Barão Geraldo, carinhosamente chamado de lost, pois tenho tudo que preciso para viver, tem Bancos, supermercados, restaurantes e muita gente boa.
Quase não tem um campineiro em nosso grupo, a maioria veio de outras cidades, estados ou paises diferentes, da até pra aprender alguma palavra em espanhol, pois tem muitos latinos.
E o churrasco foi uma peça fundamental, ou melhor um pretexto para reunir as pessoas.
É muito gostoso encontrar os conterranos nordestinos, os cariocas porretas, os mineiros come quieto e os paulistas amigos. Bem a maior parte do tempo nos vemos na universidade, mas no churrasco é que soltamos o verbo equalizamos a cultura.
Sentirei falta dos churrascos, quando tiver que seguir viagem.
Está entre amigos é a coisa mais gratificante pode acontecer entre nós, pois esquecemos por instantes da eterna solidão que nos percegue.

sábado, 27 de março de 2010

rosa

Flor branca,
sutil voz,
cala e descansa,
recupera tua cor,
recupera da dor,
pois tudo há de passar,
logo vai está bem,
vai se recuperar,
a vida é efêmera,
mas cheia de surpresas,
cheia de barreiras, pedras,
e quanto mais vences,
mais aprende a contornar-las,
flor branca, oh Lívia,
descansa e logo se recuperará,
pois a vida não pode parar,
lobo boa estará.

flor ao vento

Flor ao vento,
balança, pra lá e pra cá,
flor ao vento sem parar,
balança pra lá e pra cá,

flor ao vento tão efêmera,
e ainda balança pra lá e pra cá,
ao sol balança a flor
ao vento.

sexta-feira, 26 de março de 2010

fase final

O sol nasceu mais uma vez.
Acordei, tomei café e fiz tudo que sempre faço pela manhã, mas quanto tempo me resta para viver?
É difícil saber, mas esse drama é iminente, mais cedo ou mais tarde perderemos nossos parente por fim nós mesmos. Quanto medo dentro de nós, quanto receio.
Ouvi hoje, aqui em Campinas, uma reportagem que tratava exatamente de altruismo para com os paciêntes em fase final. Na reportagem o repórter destacou o fato de os profissionais de saúde levam cães para passar o dia com essas pessoas. Duas pessoas falaram com suas vozes debilidatas quão agradável era aquela visita.
Então pensei todos nós um dia estaremos na mesma situação, não somos eternos, de termos pessoas em estágio final, já perdi todos avós, tios e sempre foram trajicas as partidas.
Na faze final o que podemos fazer para amenizar a dor? acredito que mesmo que soframos é importante que estejamos presentes, pois acho que mais um confortno para o doente, pois assim não vai sentir-se tão só e sua fase final mais digna.
Um dia estará nesta situação, nos dar mais medo, mas é importante parar para pensar sobre.
O dia corrteu e agora a luz se vai com a luz do sol.

quarta-feira, 24 de março de 2010

Infância florida

Quando vem as flores,
dos galhos sugem cores,
azuis, verdes, amarelas, vermelhas quantos tons,
quanto aroma,
sob a sombra úmida, o frio da manhã.
O céu azul, de sol intenso,
do nada aprecem lagartos,
cantam os pássaros,
no meio do corrego,
a baixa de arroz,
o espantalho,
água ferrugínea,
menino e a lata,
é assim
monótono o dia no mato,
anuns pretos soltam seus cantos,
e os calumbis de flores brancas,
uma a uma flores fecundas,
se enchem de futos,
as ramadas começam a aperecer,
das várias jitiranas rosas, brancas,
aos poucos o carrapichos agulhas secam,
e engancham na roupa simples, suada do agricultor,
que cuida do gado,
que cuida da roça,
que cuida dos filhos,
que cuida do sítio que cuidou de mim,
sua barba hirsuta, simbolo de moral,
no olhar me fazia temer, sem falar comprendia o que queria dizer,
as vacas de leite com barriga cheia,
os marmeleiros cheirosos, catingueiras,
as aroeias,
logo vem a roça do cajueiro,
e o sia segue limpo,
lindo,
azul,
colorido das flores,
dos sonhos.

terça-feira, 23 de março de 2010

amanhã

Algumas coisas nos aborrecem,
mas a vida é assim,
dia bom ou ruim,
os problemas não merecem

preocupação ou coisas assim,
viver cada dia afim,
tudo passa,
tudo renova,
durma e espero um dia melhor.

segunda-feira, 22 de março de 2010

dias

Há dias sem poesias,
dias que queremos esquecer,
dias que percisamos relembrar pra viver,
dias que o sol foi tão intenso que cozeu nosso raciocínio,
há dias que nós ficamos carentes, contentes, com as lembranças,
do tempo, das imagens, das amizades da vida.

Há dias que lembramos do que fomos,
o quanto nos superamos, ou o quando afundamos.

Há dias que paramos para pensar e não pensamos nada,
dias que não paramos para pensar e pensamos tudo.

dia a dia lá se vai nossa vida,
nossa alegria,
nossa poesia,
nossos amores,
e veem as dores,
e vem novos amores,

a vida sem amor
é vida de dor,
vida sem cor,
por isso a cada dia,
viva sem questionar, lamentar
o que tens são dias
a vida é uma soma de tempo
em dias,
e poesias lidas.

Conversas

A quanto tempo não revejo os amigos que deixei quando parti de minha terra nem me lembro mais, pois faz tanto tempo que pude desfrutar daquelas conversas sadias.
Sempre que podiamos nos reuniamos para conversar, na cozinha, na hora do almoço ou do jantar, na lavanderia nunca faltava alguém para conversar. Nossas conversas iam desde futebol, política, cursos e é claro de mulher, assunto corriqueiro nos corredores da moradia. O engraçado é como nos comportavamos, pois para cada pessoa abortava-se um assunto diferente, ou seja tinhamos pessoas preferidas para tratar de assuntos específicos. Muitas vezes varavamos a matrugada conversando, tomando aquele café, entre uma conversa e outra iamos matando o tempo cheio de tédio, pela distância da família, pela falta de recurso, de tempo, pois estavamos ali para estudar, aproveitar o tempo, mas claro que ninguém é de ferro para estudar o tempo todo, precisavamos viver e conversar significava está vivo. Meus queridos amigos que sempre estavam presente cotidanamente, o jornalista intelectual Silvano Araújo, o Engenheiro Chico Targino, odontologo Francisco Canindé, Historiador Demison, Geologo José Airton, Biólogo Alex Luz, Juiz Gilvanklim Marques, falecido psicologo Taniberg Albano dentre outros, é claro que não citei os amigos de quarto que eram mais amigos que amigos de conversas.
Quanto tempo não disponho de conversar com tais figura, que saudade boa, pois todos estão seguindo a vida muito bem e eu segui o meu caminho, consegui achar o caminho que me levará ao lugar almejado. Durante esse tempo de busca quantos amigos fiz,
quantos ficaram por ai, mas levo em meu coração como trofeu maior de minhas conquistas, pois acredito que a amizade é o bem maior de um homem.
Novos amigos consegui são maravilhosos, mas são outros amigos outro perfil, adoro-os, mas sinto saldades do campus, do campo, dos timbres, dos risos, da amizade acalorada aos sabor do café, das conversas da vida vivida.

Stipnoppapus rubripappus

domingo, 21 de março de 2010

odor

Minhas mãos nos domingos a noite cheiram a alho,
nossa que cheiro incomodo, pois é já que não co-
zinho tenho que cortar a cebola, o alho e as vezes
a azeitona e fica esse cheiro esquisito, por toda
a tarde e noite. É acho que vou ter que fazer coli-
nária só assim a Ana não vai poder falar que não faço
nada.
Nossa não adianta lavar não sai de jeito nenhum,
ah se algumas coisas na vida fossem como esse cheiro,
mas não são.

ultima manhã de verão em barão.

O dia de domingo,
veio mais tarde,
quando acordei, sentia uma gostosa vontade de continuar dormindo, mas
fazia sol, mas o clima estava ameno tão gostoso, que preferi acordar,
com um tom de chuva no poente.
Fui à cozinha, e deliciei-me com um doce bolo de fubá que havia comprado na noite anterior no walmart, uma delícia e ao saborear do bolo,
minha mente como uma nau a navegar,
vagava no tempo, rumo a infância, bela infância,
onde pude encontrar toda família reunida envolta da mesa, a saborear um bolo de ovo, tão jovens que eramos na velha casa nova, com o coqueiro na cozinha, terreiro cheio de galinha,
a casa humilde, mas bela, com aquelas manhãs chuvosas.
voltei e comi do bolo mais um pedaço,
voltei pra cama e fui ler um pouco.
Que manhã gostosa fim de verão.

sexta-feira, 19 de março de 2010

ontem

Vei o sol brilhando,
no fim da tarde,
um brilho frio,
um vento intenso,
balançado as copas das árvores.

quarta-feira, 17 de março de 2010

rua muda

Cruzando as ruas, desrespeitadas, calçadas cheias de cacos de vidro, coco de cachoro, paredes pichadas que tristeza de paisagem não dar nem gosto de viver, de contemplar a cidade.
Na correria muitas vezes esquecemos de ver o que acontece, na nossa rua,
pois sabemos o que acontece em Israel, ah o "Lula se recusou a visitar o túmulo do sionista", mas definitivamente não sabemos o que acontece na nossa rua, desconheço meus vizinhos, com exceção 3 vizinhos, que algumas vezes cumprimento de relance, ignoro o que acontece.
Nada de tirar uma prosa, ou conversar sobre política, nada.
Saio cedo, e tudo que filmo são instantes breves dos lugares que passo e ao acaso flagro algo acontecer, concluo apartir de minhas observações, as vezes tem tanta coisas interessante, mas não seio o que acontece na minha rua.
Os becos sem dono, muitas vezes exalam cheiro de urina, cruzamos, os becos sujos, nus, muitas vezes servem de acesso a malinagem, uma transa rápida sei lá é só um beco.
Sujaram minha parede quem foi? não sei? nem o vizinho sabe, pois nao me conhece.
As ruas não falam, apenas expressam a agressividade com que são tratadas.

verão outono.

Aurora já passou,
a relva suou,
verde e viçosa, goteja orvalhada,
ao som da passarada,
a frio da brisa matinal,
o chão ainda úmido da última chuva de verão,
sob as árvores o folharal desgastado das solas dos transeuntes,
que passam, passam, para seus trabalhos, seus estudos, passam.
O riacho desce silenciosamente, com suas águas turvas, findas do verão.

Lá se vai o verão,
lá se vem o outono,
hoje o dia foi mais ameno,
a tarde esfriou, quase nem percebi, estou tão preso ao mundo humano preciso caminhar pra perceber a natureza viva, pois me cansa a selva de pedra, as conversas egoístas.

O crepúsculo mal apareceu hoje e se apareceu nem percebi,
não olhei para o céu,
so percebi que o dia já se passou e tudo aconteceu tão rápido.

terça-feira, 16 de março de 2010

ter

Tenho pedras sobre a mesa,
tenho um horizonte branco,
tenho uma mente vazia,
tenho cada vez mais, menos magia.
a fantazia se vai com a idade.

segunda-feira, 15 de março de 2010

mirar

Mirar no horizonte e contemplar a beleza mesmo que seja uma serra, mesmo que seja o mar.
Mirar no horizonte e ficar a devagar, sobre a vida, sobre os sonhos.
Mirar para o horizonte e ir buscar, ver o que há além da serra ou além do mar.
Mirar para o horizonte e viver a vida, mesmo que sera a buscar os sonhos.
Nossa vida é uma viagem, estamos aqui só de passagem, portanto fazer o que está ao seu alcance já é o suficiente, muitas vezes é preciso paciência conseguir o que se busca.
é presciso calma e paciência pra poder chegar além da serra, além do mar.
é preciso ser grande para viver com plenitude, para realizar os teus sonhos, mas se não tendes um barco calma, contempla o horizonte.

domingo, 14 de março de 2010

flor efêmera.

Como é efêmera a beleza da flor que se reduz a uma antese, porém mesmo sendo breve a flor investe toda sua energia em beleza e odor e cumpre o seu propósito existir como flor, ser fecunda e originaro o fruto, pois por trás da flor existe uma planta que é resiliente as adversidades do ambiente. A flor é simplesmente uma estrutura que a planta confeciona para poder se eternizar, pois uma bela flor servirá para atrair polinizadores que servirão de portadores de polén até outra ou outras flores, as quais serão fecundadas e torna-se-ão frutos irão alimentar outros animais os quais servirão para dispersar as sementes.
Antes da beleza da flor é a planta que existe, após a beleza da flor, é arvore que persiste, mas a flor deixa de ser e flor e passa a ser fruto e o fruto, deixa de ser fruto e desfaz-se em semente, e a semente vai germinar e originar sua planta, distante da planta mãe, vai crescer e torna-se parte em flor.
Como é efêmera a vida, que propósito há por trás da vida?
Quando era menino acreditava na imortaldade, achava que tudo era perfeito quando fui crescendo, fui percebendo que muitas coisas que eu imaginava não eram paradigmas, fui descobrindo aos poucos como a vida é árdua que não é sempre que conseguimos o que desejamos, muitas vezes somos surpreendidos com as adversidades que a vida nos prega, passamos então a ver a vida em sua forma real. Muitas vezes pensamos em desistir, mas há algo dentro de nós que fala mais alto e nos impuciona a seguirmos em frente e a cada desilução, acreditamos mais nas amarguras da vida, passamos então a descobrir depende de nós constuirmos o mundo que imaginamos, esse mundo é possível,
ele está dentro de cada um, mas é necessário acreditar, lutar por ele e se não der certo. Valeu a intenção da semente.

sexta-feira, 12 de março de 2010

tecno.

Quando surge a noite, meu corpo cansado almeja dormir, mas a vida anda tão corrida, que não tenho tempo para descançar, janto e já estou na luta em frente ao pc, começo a trabalhar novamente.
Hoje trabalhar já não tem mais hora certa, pois com o advento da tecnologia, esquecemos de viver, visto que o nosso lazer é trabalhar, mas será culpa da tecnologia? ou seremos nós seres por demais competitivos?

Cada dia que passa a tecnologia avança mais e mais, e com esse espaço de tempo que ganhamos, só pensamos em produzir, fazer o melhor, nos tornamos mais competitivos.
Mal acordamos ligamos o rádio, onde jornalistas, soltam o verbo pois estes querem ser os melhores, para nos tornamormos mais informados, comemos mal e vamos para o trabalho, onde ligamos o computador, para ver no twitter o que está se passando no mundo, lemos as manchetes da folha, do globo, o estadão, então vamos para as revistas veja, istoé, ciência hoje, ouvimos os radios cbn, bandnews, ou seja somos bombardeados de informações, em seguida vamos trabalhar onde até o meio-dia em seguida vem o almoço, curto menos que meia hora, então vamos ver aula de inglês, e novamente ao trabalho até as 17:30, quando voltamos para casa lemos, ou vemos tv, depois mais uma vez internet... ufa que rotina.

Sentiu o drama, não sobra tempo para namorar, antigamente a vida era mais campestre,
as pessoas eram menos informadas, mas mais amigas, menos competitivas.
Pode ser que a tecnologia tenha nos tornado competitivos, mas tudo que sei é que ela nos permitiu ter mais tempo, e esse tempo nos tirou a liberdade de viver.

quinta-feira, 11 de março de 2010

trajédia

A vida não será uma trajédia?
O acaso nos tornou-se complexo.
É a luz do sol que alimenta toda a vida, desde o bactérias a baleias.
São as plantas verdadeiros laboratórios, célular solares que transformam luz em matéria orgânica.
O que seria a energia senão movimento, não seria a luz responsável por pelo movimento dos átomos e moléculas que transformam minerais e matéria orgânica?
Quem somos nós que fugimos da natureza? só porque usamos enlatados, não nos alimentamos de energia solar?
Não será a vida uma trajédia, ou melhor alguma vida tem que acabar para outra persistir.
São atos que acontecem fogem aos nossos sentidos, nossa capacidade de compreensão.
será que um dia iremos reconhecer isso ou será preciso a terra falar?
Amanhã é outro dia, posso afirmar outras coisas. podes ficar chocado ou simplismente me ignorar, mas não posso me ignorar.
A vida é uma trajédia o fim de tudo é a morte,
vou viver a vida sem pensar nessa trajédia eminente, que minha mente faz questão de esquecer,
A vida é uma trajédia, o outro pode fazer por voce algo e pode ser reciproco.

terça-feira, 9 de março de 2010

gosto

Viajo em pensamentos, através das palavras dos textos, escrito por pessoas brilhantes que conseguem se expressar pela escrita.

Adoro vijar nos livros com seus textos ornados de idéias. Faz-me muito bem, pois me dar prazer, visto que sempre aprendo algo, passo meu tempo e exercito minha mente.

segunda-feira, 8 de março de 2010

Mulheres 8 de março

Mulher, parte de mim, parte de ti,
como seria o mundo sem a mulher,
seria homosexual.
Não é bom nem imaginar,
pois tu oh mulher,
é parte da vida humana,
teu ventre, teu seio,
geraram e amamentaram a humanidade,

é em teus braços que encontramos paz,
é em teus pensamentos que encontramos o caos,

é um enigma que se alguém conseguir desvendar,
será rei vitalino,

tua sensualidade,
teus lábios, teus seios, tuas pernas,
teu conjunto,
uma conjuntura sedutora,
uma poesia,

Tu estas pacientemente dominando o mundo,

quando isso acontecer,

a mãe gaia,

serás tu mulher.


Mulher deusa da vida.

domingo, 7 de março de 2010

sexta-feira, 5 de março de 2010

Noite fria

A noite fria,
minha única companheira de cada dia,
nunca me abandona,
aconteça o que acontecer,
sempre está pronta pra me acolher,
escura, suave, me faz dormir,
me abraça, todo o tempo,

Noite fria,
traga a lua,
pra nos alimiar,
ah saudades de minha casa,
de minha infância,
da minha inocência.

quinta-feira, 4 de março de 2010

A noite fria,
minha única companheira de cada dia,
nunca me abandona,
aconteça o que acontecer,
sempre está pronta pra me acolher,
escura, suave, me faz dormir,
me abraça, todo o tempo,

Noite fria,
traga a lua,
pra nos alimiar,
ah saudades de minha casa,
de minha infância,
da minha inocência.

quarta-feira, 3 de março de 2010

menos um

O dia nasce, desponta o sol sobre Campinas, cantam as aves, transeuntes seguem para seus trabalhos e como não sou diferente, sigo para o meu a caminhar.
Vou ouvindo rádio, sozinho e ações que faço, simplismento cumprimento um senhor que espera o transporte na calçada e o dono da
banca de jornal, um careca gente boa de voz afeminada, da Gilberto Pataro.
Depois de passar da banca de jornal, posso contemplar céu, tendo como horizonte muitas árvores.
Adoro o céu e as árvores.

Dia a dia correm os meus dias, calmos e pacientes.

Corriqueiramente o sol nasce belo e igual,
mas não nasço com o sol,contrário, o sol conta meu tempo,

e vai subtraisndo os dias de minha vida.

o sol nasce, a vida passa e não percebemos,

pois hoje aqui, amanhã sei lá onde,

concluo que a vida é uma viagem,

e que estamos aqui só de passagem.

terça-feira, 2 de março de 2010

leio

Sentado, a balançar e ler, era assim que passava minhas tardes, em casa, na adolescência. Cuidadosamente lavava as mãos para não sujar os livros. Tomava água e só então começava minhas leituras. Lia tudo que pegava em mãos, desde livro de português, adorava aqueles textos com desenho, engraçado que outro dia ouvi alguém falar que a imagem disperta o cérebro, me parece que sim, física, química a história da astronimia, pena ter pouco acesso a livros. Gostava de tudo. o Primeiro livro que li foi O cortiço, de Aluizo de Azevedo. Teve um marcante de Gandhi, lindo o texto, seus ensinamentos.
Então passei a ter a convicção de que só estudando poderia alcançar algum objetivo, ser alguém, hoje tenho certeza. E então todas as tardes lia, enquanto mamãe e minhas irmãs tiravam a sesta estava em paz, pois quando acordavam e ligavam a tv pra ver novela, nossa como isso me desconcentrava o som da tv ou aquelas discursões de quem não quer fazer as lutas. E quando chegava um conhecido, abominava. rsrs, mas foi assim que passei as tardes de minha adolescência sempre cultivando o saber, e só a muito custo passei no vestibular em ciências biológicas.
Desde então, fui embora, nunca mais me balancei na minha cadeira de balanço.
Mamãe fez modificação na área.
tudo mudou por lá e por cá também.
mas deixou muito desejo de aprender, de vencer.
sirvo pra contar a história.

segunda-feira, 1 de março de 2010


Como botânico o que me preocupa no mundo? a biodiversidade?

Confesso que nunca tive uma opimião formada sobre biodiversidade, para mim, o que me dar mais prazer é saber o nome de uma planta. Aparece fulando no laboratório com uma planta desconhecida. Repentinamente vinha a mim, aquela curiosidade. O que será isso? Bem analiso os caracteres, folhas simples ou compostas? simples. Oposta ou alterna? alterna. corola unida ou separada? unida. ovário infero ou supero? súpero. anteras poricidas ou rimosas? rimosas. hum pode ser solanaceae ou Convolvulaceae! vamos ver mais. corola tubulosa ou rotaceae? tubulosa. Um é da família convolvulaceae. Muito bem agora vamos ver o gênero. Como é o estigma dessa danada? globoso ou bifido. globoso, pronto é uma Ipomoeae. vamos consultar a tese da Bianchini. Folhas inteiras ou bipartida? bipartida. flores rosa ou rubra? rubra. já sei tá aqui Ipomoea quamoclit L.
Identificava planta, como um farmacéutico vai a pratileira e pega um remédio e vende ao cliente, não me interessava.
Depois de identificada, dou continuação ao que estava fazendo. Isso me dar um prazer!!! quase orgástico. Não tem idéia de que constituem a curiosidade de um taxonomista.
Bem toda essa historinha é só para enteder, o meu contexto, o quanto estou despolitizado, pois pra mim só queria terminar a graduação, fazer um mestrado e um doutorado, e em seguida ser mais um professor.

Então algumas coisas me deixaram intrigado. Por que eu adorava ler livros de filosofia na graduação sempre namorei muito os clássicos.
E então no meu mestrado começei a expecular filosofia, lendo um livro aqui outro ali.
Quando percebi estava completamente apaixonado. Então parei pra pensar se o que estava fazendo na minha vida estava me fazendo feliz. A resposta é sim, mas como estaria contribuindo para o estado que banca todo meu estudo.
Muito pouco apenas muita coleta feita e uma miada publicação.
Na verdade estou percebendo quão filho da mãe estou sendo, quão egoísta.

Confesso que Como botânico o que me preocupa no mundo?
O que me preocupa um pais onde a educação tratada como descaso. Preocupa-me o que pode acontecer com nosso pais imerso em ignorância e ambição. Nossa biodiversidade está sendo trocado por pecuária, monocultura de café e cana, mata atlântica, soja e cana, cerrado. O que me preocupa é o descaso para com as lei ambiental que está na constituição e que não é comprida por falta de poder de polícia ou por cumplicidade das autoridades. Todos sabemos que 20% das propriedades devem ser preservadas, mas onde essas lei é cumprida? Tudo isso é queimado feito carvão, para fazer churrasco. alimentar a classe media, alta. Glutões filhos da puta.
Preocupa-me ver as herbáceas que não foram catalogadas, mas que foram extintas.

A biodiversidade não éproblema meu, mas sim problema nosso.


Já temos evidência que o planeta não poderá suportar tanta exploração.
Em menos de 3 meses tivemos 3 grandes catrastofes, o desmoronamento em Angra e os terremotos no Haiti e Chile.

a biodiversidade?


para o que estava acontecendo no mundo, pois tudo que sempre quis foi, fazer um mestrado, um doutorado, ter um título e ser um professor, ganhando relativamente bem sem muita preocupação com a vida.

tudo passa

Fim de tarde,
céu embrasado,
o sol está partindo,
no horizonte poente,
o sol vai indo calmamente,
saco da bolsa a câmera fotográfica,
e capturo esta imagem,
e retenho fora de minha mente,
o sol tangente,
os raios minguam entre os ramos das árvores secas.

O chão ainda morno se desfaz desse calor,
sopra o vento, e leva poeira ao ar.

As aves empuleiram,
as vacas ruminam deitadas,
já é quase noite,
sapos saem das tocas e vão em busca da luz, forragear besouros.
desponta no céu as primeiras estrelas.

Hora do ocaso,
nem é noite, nem dia,
canta avemaria, o velho motoradio,
na voz de Luiz Gonzaga.

Venha jantar...

da-se um tempinho, desligo o rádio e vou jantar.
Antes de começar a novela.

depois da janta sigo pra área,
sento na cadeira de balanço,
e fico a me balançar,
fico a matutar,

sobre o tempo,
o futuro, pois é no futuro que quero está.

Vem a minha mente,
um sonho de tudo poder consumir,
e me esqueço de consumir o que estou vivendo.

paz, família, minha vida.